(pt) Argentina, federacion anarquista de rosario: ANÁLISE DA SITUAÇÃO - APROVADO III CONGRESSO DA FEDERAÇÃO ANARQUISTA DE ROSÁRIO (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sexta-Feira, 28 de Janeiro de 2022 - 09:28:11 CET


INTRODUÇÃO ---- Esta análise da situação internacional, regional e local foi 
aprovada no III Congresso da Federação Anarquista de Rosário - Nora Giavedoni-, 
realizado em setembro de 2021. O objetivo deste documento é atualizar a 
caracterização coletiva de diferentes aspectos do social, contexto político, 
econômico e ideológico-cultural levando em conta as mudanças ocorridas nos 
últimos anos. Si bien creemos que los rasgos centrales del período histórico 
(caracterizado por el capitalismo neoliberal) se mantienen, vemos que en los 
últimos años han tenido lugar transformaciones que dan pie para pensar en un 
cambio de etapa, al menos en lo respectivo a algunos aspectos de a realidade. Sem 
ir tão longe, a emergência da pandemia
nível global marcou um antes e um depois; e seu impacto ainda hoje é difícil de 
medir. No entanto, podemos adiantar algumas considerações gerais sobre as 
mudanças (e continuidades) mais importantes. O interesse da organização em 
estudar a situação baseia-se na necessidade constante da leitura mais acurada 
possível das diferentes expressões da realidade, a fim de atuar como militantes 
da maneira mais acurada, de acordo com nossos objetivos revolucionários. Buscamos 
especialmente neste Congresso uma forma de análise que desafie e seja desafiada 
pela prática cotidiana da militância, tanto social quanto política.
A seguir, apontaremos de forma sintética os diferentes tópicos e problemas que 
são abordados sucessivamente na análise, apontando também a forma como ela está 
organizada.
A primeira parte do texto visa equilibrar o impacto da pandemia em todo o mundo, 
calculando o efeito e identificando uma resposta desigual de acordo com a 
situação anterior de cada país e região. Além disso, analisa como os diferentes 
projetos imperialistas se aproveitaram da covid 19 para poderem reforçar sua 
interferência nas diferentes regiões e tentar se estabelecer como potência 
dominante em um mundo claramente multipolar. Aponta-se que o próprio sistema de 
dominação - com sua divisão internacional do trabalho e da produção, bem como as 
desigualdades existentes e o imperialismo implantado há séculos - vem canalizando 
a pandemia para que a normalidade capitalista seja retomada o mais rápido 
possível, gerando que os mais afetados a longo prazo serão os setores populares 
dos países mais pobres. R) Sim, Nesta mesma seção do texto, procura-se explicitar 
como, no plano econômico-financeiro, o impacto foi diferente para países e 
regiões pobres do que para países ricos. A seguir, uma análise das grandes 
mobilizações de protesto em vários países da América Latina e do mundo durante os 
últimos anos nos permite apreciar sua particularidade e, principalmente, focar em 
compreender seu desenvolvimento para medir sua importância no marco da construção 
de um projeto de socialismo e liberdade. Por fim, ajustando nosso olhar à cidade 
de Rosário, exploramos como os interesses do imperialismo impactam no nível 
local, entendendo que a cidade se configura como uma área de certa importância no 
âmbito regional e nacional quando se trata, em por um lado, medir o impacto da 
pandemia e as decisões dos projetos imperialistas,
A seção seguinte do texto está orientada a estudar o contexto econômico, político 
e social da Argentina. A partir de um balanço das políticas promovidas pelo 
governo macrista, analisa-se então a atuação do governo da Frente de Todos que 
tomou posse no final de 2019 (Gestão que foi rapidamente atravessada pelo 
contexto da pandemia). Aborda como o governo de Alberto Fernández e Cristina 
Kirchner buscou articular-se com diferentes setores políticos, econômicos e 
sociais em busca da governança, sem em nenhum momento almejar romper com as 
relações estruturais impostas pelo sistema capitalista. Difícil de construir 
alianças, suas políticas pouco contrastavam com as do governo cessante. Nesse 
sentido, aprofunda-se a política assumida sobre a dívida ilegítima com o Fundo 
Monetário Internacional em um contexto de extrema crise social. Por outro lado, 
são indicadas as diferentes ações de luta promovidas no país: luta por moradia 
digna, mobilizações contra o fracking e poluição das águas, organização e ações 
de luta de diferentes setores de trabalhadores que lutam por um salário digno, a 
defesa de empregos e melhores condições, entre outros. Posteriormente, visa 
aprofundar as características que o extrativismo assume em nosso país, 
vislumbrando que nos últimos anos não houve transformação do modelo produtivo de 
destruição da natureza, saques, poluição, exploração, destruição da flora e 
fauna, etc. Por fim, procura-se fazer uma caracterização da esquerda nesse 
contexto, onde grandes setores, embora tenham tido presença em diferentes 
expressões da luta popular, têm direcionado a maior parte de suas energias na 
disputa eleitoral e na construção de políticas partidárias e pessoais. 
referências, com tudo o que isso implica.
A penúltima seção da análise concentra-se no ideológico-cultural. Partindo da 
noção de que há uma continuidade com algumas das características que apontamos em 
análises anteriores em torno do impacto ideológico-cultural do sistema 
capitalista nesta fase neoliberal. Essas características são potencializadas no 
contexto atual marcado pela precariedade e fragmentação que dificulta a 
capacidade subjetiva de definir uma identidade de classe. Isso acarreta grandes 
dificuldades em estabelecer vínculos e relações de classe estáveis que permitam a 
articulação de um programa político transformador de longo prazo. Sinal disso 
também é que os antigos eixos organizadores de nossas sociedades como emprego, 
educação e acesso à saúde não são apenas postos em xeque pelo neoliberalismo, mas 
também pela pandemia. Menciona-se também o impacto da pandemia no controle 
social, aumentando a disciplina e a repressão no quadro da sociedade de controle 
contemporânea. Da mesma forma, a seção trata do crescimento da direita que se 
mostra assumindo um lugar de rebelião contra o sistema e jogando a cartada 
radical enquanto grandes setores da esquerda se institucionalizam cada vez mais, 
caindo no derrotismo e na possibilidade.
Por fim, uma menção especial é feita a diversas lutas e demandas transversais que 
em nosso país, e na região, vêm apresentando significativo dinamismo na 
articulação de discursos e práticas antagônicas ao sistema de dominação, que não 
só conseguem instalar e conquistam conquistas, mas também atingiram importantes 
graus de massividade e que vão na contramão dos processos de dominação. Nesta 
seção, será realizada uma caracterização da luta feminista, da luta pela defesa 
do meio ambiente e da autodeterminação dos povos e da luta pela defesa dos 
direitos humanos de ontem e de hoje. SITUAÇÃO INTERNACIONAL

O choque da pandemia e seus efeitos ainda são difíceis de mensurar, tanto em 
termos de impacto econômico, social e político nestes quase dois anos, quanto na 
marca que deixará a longo prazo no que poderíamos chamar de estrutura do sistema 
social.
Em nosso país, a pandemia está exacerbando as desigualdades sociais e econômicas 
existentes, e podemos ver que o mesmo está acontecendo internacionalmente. Embora 
pelos fluxos da globalização, a covid-19 tenha chegado a todos os cantos do 
planeta, a resposta dada por cada país tem sido muito diferente. Podemos ver 
isso, por exemplo, no registro sobre o desenvolvimento do vírus, nas medidas de 
prevenção, atenção e assistência socioeconômica em cada país. No entanto, há 
pontos em comum quanto à necessidade de adequar os sistemas de saúde à nova 
situação, as medidas de controle social aumentaram e os sistemas econômicos de 
cada lugar sofreram.
Agora, esse impacto diferenciado de acordo com as capacidades e condições de cada 
país não tem sido algo neutro ou baseado em uma estrutura estática. As forças 
políticas sempre passaram a se posicionar a favor de seus interesses.
No nível internacional vemos ações em diferentes níveis. Por um lado, os 
diferentes projetos imperialistas aproveitaram a pandemia para reforçar sua 
interferência nas diferentes regiões e tentar se estabelecer como potência 
dominante. Em nossa análise da etapa de 2015, propusemos um cenário de 
multipolaridade, sem uma hegemonia fixa de nenhum projeto imperialista, mas com a 
emergência de diferentes polos como China, EUA, União Europeia e Rússia, e isso 
ficou evidente durante a meses que estamos na pandemia. Paralelamente, há também 
o claro avanço do imperialismo em escala regional como o de Israel e o 
ressurgimento da Turquia em seus projetos expansionistas sobre povos como o 
palestino e o curdo, respectivamente.
Nesse quadro, vê-se claramente a competição para alcançar a liderança mundial. 
Por exemplo, inicialmente, a concorrência no gestão da pandemia e desenvolvimento 
tecnológico específico, envio de materiais (testes, máscaras, etc.) ou dinheiro, 
entre outras formas. Recentemente, o Congresso norte-americano, por iniciativa de 
Biden, aprovou o Entitled American Rescue Plan, pacote que equivale a 
aproximadamente metade do orçamento federal por um ano, e que busca, a partir do 
estímulo ao consumo interno, favorecer a produção , por exemplo, em nossa região 
de acordos comerciais e maior extrativismo (como pode ser visto pelo aumento do 
preço das commodities). De referir ainda a crescente ingerência da China na 
região e a sua forte aposta nos acordos com o nosso país em matéria de 
megamineração, energia (eletricidade e gasodutos) e construção de duas centrais 
nucleares.
Por outro lado, essa interferência tem se refletido na corrida em relação ao 
desenvolvimento de uma vacina, bem como sua distribuição e acesso. Aqui a 
diferença tem sido abismal entre países pobres e ricos (países ricos têm em média 
5 vacinas por habitante, enquanto os pobres têm em média 1 vacina por 10 
habitantes). Nesse ponto, podemos diferenciar os países pela capacidade de: a) 
desenvolver sua própria vacina, b) produzir as já existentes ec) fazer lobby e 
dinheiro para a aquisição de vacinas já fabricadas.
Os grandes vencedores também aparecem aqui neste contexto, que são as empresas 
farmacêuticas, monstros econômicos que ditaram o ritmo das vacinas em muitos 
casos, até mesmo colocando em xeque - através do atraso na entrega de vacinas - 
países desenvolvidos como foi para os caso da Espanha, Itália e Alemanha, entre 
outros que estão em litígio com as referidas empresas.
Obviamente, as vacinas desenvolvidas por empresas privadas (os ianques ou os 
ingleses) devem ser diferenciadas daquelas realizadas por estados como Rússia, 
China ou Cuba. Nesse sentido, as negociações têm sido diferentes, no segundo caso 
foi usado diretamente como ferramenta para estabelecer ou reforçar laços de 
dependência. No primeiro caso, esse uso tem sido mais indireto, estabelecendo 
mecanismos de doação por aqueles adquiridos pelo Estado ou com cotas de 
exportação, etc. Parece que agora que há abundância de vacinas nos EUA - em parte 
pela desconfiança da população em se inocular - o governo levanta a necessidade 
de liberar suas patentes; uma posição que vários países europeus e as Nações 
Unidas apoiariam. Esta questão não pode ser considerada fora da mudança de 
governo naquele país, e será abordada posteriormente.
Nesse sentido, a ideologia política dos diferentes governos influenciou o modo 
como a pandemia foi enfrentada, além de suas capacidades ou influências, assim 
vimos, por exemplo, um negacionismo pró-mercado nos EUA, Brasil, México e 
inicialmente na Inglaterra . Aconteceu também em países como Suécia, Finlândia, 
Austrália, Nova Zelândia, entre outros; onde, discursivamente, se destaca a 
defesa do estilo de vida e a responsabilidade individual de uma "cidadania" 
aparentemente evoluída em relação ao resto do mundo.
No entanto, não podemos deixar de destacar que em todos os países tem havido 
medidas de controle por parte do Estado que tem enfrentado reações na rua de 
diversos grupos influenciados pelo referido liberalismo, bem como uma 
heterogeneidade de antivacinas, neofacistas, negacionistas setores e até mesmo 
teóricos da conspiração. Em outro extremo, temos países como Coreia do Sul ou 
China, cujas medidas de controle populacional têm sido intensas, mas também para 
proteger todo o sistema produtivo.
Aqui emergem mais aspectos ideológico-culturais que se manifestaram ao longo 
desta pandemia. A falta de solidariedade, empatia, senso de comunidade em muitos 
casos latente nas sociedades devido à permeabilidade da ideologia neoliberal e, 
em outros, deliberadamente promovido pelos mecanismos de dominação do Estado. La 
delegación hacia la responsabilidad individual -no colectiva- respecto del 
aumento de casos y muertos por parte de la clase política que han sido los reales 
responsables de tener sistemas de salud abandonados, privatizados o en el menor 
de los males ineficientes, está a la orden do dia.
Em resumo, podemos dizer que o Covid-19 é um fenômeno de saúde surpreendente, mas 
esperado, devido às condições de superpopulação, depredação do meio ambiente e 
precárias condições de vida. Esse fator de choque fez com que, no mundo 
globalizado, tenha inicialmente impactado os maiores centros de comercialização e 
fluxo de pessoas. No entanto, as próprias estruturas do sistema de dominação - 
divisão internacional do trabalho e da produção, desigualdades existentes e 
imperialismo implantado há séculos - vêm canalizando a pandemia para que a 
normalidade capitalista seja retomada. Em outras palavras, aqueles que serão mais 
afetados no longo prazo serão os países mais pobres.
Quanto ao impacto econômico, a priori alguns efeitos da pandemia podem ser 
vistos. Em geral, podemos dizer que quase todos os países entraram em recessão 
durante 2020, com exceção da China e da Coreia do Sul, que conseguiram superar o 
problema da covid-19 mais cedo. É de se esperar que nos países do chamado 
primeiro mundo a recessão seja conjuntural e a recuperação seja iminente (isso já 
acontece, por exemplo, nos EUA e parte da Europa). Algo muito diferente é 
estimado para as regiões mais pobres.
Da mesma forma, a maioria dos governos aumentou seus gastos públicos por ter 
saído para resgatar a classe empresarial, por um lado, e tentando conter o 
conflito social causado pelo desemprego (que também cresceu em quase todo o 
planeta), por o outro. Na América Latina, a "ajuda" governamental foi 
interrompida ou reduzida até agora em 2021, se levarmos em conta também que 
partimos de contextos de grande pobreza e desigualdade, o cenário se torna mais 
do que preocupante.
De outra perspectiva podemos analisar quem tem sido as empresas mais favorecidas 
e os setores econômicos mais afetados no médio e longo prazo. Nesse sentido, no 
primeiro grupo temos as empresas farmacêuticas, as grandes corporações de 
tecnologia (Zoom, Amazon, Netflix) e as ligadas ao comércio eletrônico, além das 
indústrias química e de produtos de higiene e limpeza. Entre as áreas mais 
afetadas temos a hotelaria, transporte aéreo e turismo em geral e gastronomia.
Os setores produtivos e, em geral, as economias latino-americanas que dependem 
mais da produção de matérias-primas do que manufaturadas sujeitas ao preço das 
commodities (já que são a entrada de dólares), que embora estejam em alta devido 
à dano que vai deixando o covid em todo o mundo, sua sustentabilidade é bastante 
incerta. Em economias como a Argentina, com alto nível de inflação e 
endividamento, é muito difícil antecipar um cenário possível. Alguns prevêem uma 
recuperação na construção e na produção de automóveis, mas não muito mais. No 
país, o modelo econômico produtivo extrativista e agroexportador não só continua 
se fortalecendo, como também se aprofunda em meio a um contexto de crise social, 
econômica e sanitária,
Em nível financeiro, será cada vez mais difícil para os países pobres acessar o 
crédito e pagar aqueles que já estão endividados. Mais a nível estrutural, entre 
consultores e grandes organizações económicas fala-se de um processo de regresso 
à regionalização das cadeias de abastecimento. Isso porque a vulnerabilidade do 
mecanismo global da cadeia de valor tornou-se evidente, principalmente devido à 
covid-19, mas também devido à crise climática, medidas econômicas como o Brexit e 
as disputas entre as duas maiores potências comerciais, os Estados Unidos. Unidos 
e China.
Antes, as cadeias eram otimizadas para entregar rapidamente e com os menores 
custos possíveis, embora isso não se adaptasse rapidamente às altas mudanças na 
demanda. Essa pouca flexibilidade das cadeias em nível global as obrigava a 
migrar pouco a pouco de um modelo globalizado para um regionalizado. Espera-se, 
então, que os centros logísticos ressurjam em nível regional, as empresas 
buscarão buscar, montar e entregar dentro do mesmo mercado para eliminar a 
dependência de um único fornecedor e ter uma cadeia de suprimentos mais flexível 
e capaz de se adaptar às mudanças. exigem. Isso pode envolver o fechamento de 
milhares de empregos de um lado e a abertura em outras regiões.
Refira-se que enquanto as fronteiras estavam fechadas e a circulação restringida, 
dada a dependência destes centros globais de abastecimento, abriu-se o trânsito 
para dois bens essenciais: produtos de saúde e alimentação. O que, dada a 
urgência, e o espectro de desabastecimento, foi feito sem estabelecer protocolos 
sérios, expondo os trabalhadores desses setores à doença.
Outra consequência de tipo estrutural, e que se relaciona com processos 
anteriores, é uma maior modalidade de tecnificação, digitalização e teletrabalho; 
que, como já sabemos, anda a par do aumento do desemprego, da flexibilidade, da 
precariedade do emprego e do ataque à segurança social. Por trás disso, um dos 
principais objetivos dos setores dominantes é acabar com a sindicalização e os 
Acordos Coletivos de Trabalho nos países que ainda os possuem. É aqui, onde a 
pandemia desempenhou um papel acelerador no processo de flexibilização 
trabalhista que vinha se instalando há alguns anos, assim as diferentes 
experiências na região em termos de reforma trabalhista ou "modificações" 
trabalhistas buscam desvincular as responsabilidades patronais em relação aos 
direitos . adquirido até agora pela luta dos trabalhadores.
De esta forma se fue instalando la figura del emprendedurismo, el monotributismo 
y la tercerización del empleo, buscando no solo la eliminación de los Convenios 
Colectivos de trabajo sino además establecer una división entre los trabajadores 
a modo de borrar todo intento de organización en pos de mejorescondiciones de 
trabalho. Dessa forma, além de instalar uma imagem negativa dos sindicatos, a 
realidade das necessidades dos trabalhadores que são registrados como 
"privilegiados" por reterem maiores direitos e seguridade social que os demais.

Para além da pandemia Anteriormente e paralelamente à pandemia, surgiram dois 
fenómenos relevantes que devemos incluir na análise. A primeira está relacionada 
à grande capacidade de resposta popular por meio da ação direta refletida em 
grandes mobilizações de repúdio ao aumento da miséria, do custo de vida, do 
desemprego, das políticas extrativistas e do aumento da repressão. Isso tem 
acontecido nos últimos anos na América Latina (Colômbia, Chile, Peru, Bolívia, 
Guatemala, Paraguai, Equador, Porto Rico, Haiti, entre outros) e em outras partes 
do mundo como o Sudeste Asiático (Indonésia, Mianmar).

Em relação ao que está acontecendo na América Latina, podemos dizer de maneira 
geral que há um esgotamento dos setores populares com as classes políticas - cuja 
função autoproclamada está voltada para a resolução de problemas sociais - como 
resultado da má gestão social e sanitária durante a pandemia, bem como problemas 
persistentes anteriores.
Cabe destacar especialmente as puebladas no Chile e na Colômbia, como resultado 
de uma reação ao processo sistemático de acumulação de políticas de ajuste e 
repressão; que estourou na situação nacional em uma explosão. É preciso 
considerar o papel fundamental das organizações sociais que, em cenários de 
aparente espontaneidade, dão continuidade às lutas ao longo do tempo. No entanto, 
resta saber quanto disso será canalizado pelas instituições e quanto gerará maior 
organização e força a partir de baixo. Por exemplo, no caso do Chile, podemos ver 
que foi um processo que surgiu de uma aparente espontaneidade, como uma explosão 
de descontentamento pelas condições de vida dos setores populares, conseguindo 
manter a mobilização de rua por meses, mas encontrando um canal institucional com 
a Constituinte, e sendo interrompido pela chegada do coronavírus (embora em algum 
grau as manifestações tenham continuado paralelamente ao avanço da pandemia neste 
país). Mas a partir de agora você pode visualizar o limite real que esses eventos 
colocam no avanço daqueles de cima.
Diferente, embora importante, foi o que aconteceu na Bolívia após o golpe 
cívico-policial, que levou ao exílio de Evo Morales em 2019. A tomada das ruas 
dos setores populares teve mais a ver com a rejeição dos golpistas do que com a 
classe política em geral; embora nos últimos anos venha perdendo apoio 
principalmente devido ao avanço das políticas extrativistas e ao desgaste da 
permanência no poder.
O segundo fenômeno tem a ver com mobilizações populares em grandes potências como 
as que ocorreram contra o racismo nos EUA e contra o sistema político no caso da 
Rússia. Quanto ao primeiro, desde a Guerra do Vietnã, esse tipo de mobilização 
não ocorreu, gerando instabilidade política e social no país modelo de 
"democracia" mundial. O "blacklivesmatter" obrigou a relegar parte da agenda 
internacional -como o intervencionismo na Venezuela- para resolver seus próprios 
problemas. Essas grandes manifestações que fizeram Trump tremer (com o exército 
nas ruas e milhares de prisões), foram seguidas por algo impensável, como a 
tentativa de golpe de setores reacionários a favor do presidente no quadro de uma 
acusação de fraude eleitoral contra Biden .
No caso da Rússia, nos últimos meses também ocorreram ações de protesto contra as 
políticas autoritárias de Putin, em um contexto de centenas de presos políticos, 
a maioria militantes populares. Outro exemplo claro de resistência popular é o de 
Mianmar, onde as pessoas saíram para se manifestar contra o golpe por semanas a fio.
Essas manifestações, embora díspares, expressam a situação de opressão ao 
interior das grandes potências (no caso da Rússia e dos EUA) que geralmente vemos 
operando em outros países. E, além disso, fica exposta a pouca margem de ação dos 
setores populares que devem enfrentar a repressão e o encarceramento imediatos.
Poderíamos inferir no caso dos EUA que uma mudança de poder em direção ao Partido 
Democrata, a partir da assunção de Biden - mesmo mostrando-se vitorioso diante da 
tentativa de golpe -, busca mostrar uma face amigável e fortalecida do país 
diante O resto do mundo. Como dissemos acima, as ações em torno do coronavírus 
também caminham nessa direção, assim como o retorno da agenda ambiental.
Ainda está em suspenso qual será sua política externa em termos de 
intervencionismo, que em princípio é vista como diferente da de Trump. leste Este 
último foi menos diplomático, sua principal ferramenta política foi o Twitter e 
liderou grandes políticas protecionistas. Assim, geralmente temos a seu crédito 
uma retirada em termos de interferência em diferentes partes do mundo (incluindo 
a América Latina com exceção da Venezuela, Cuba e Nicarágua), um maior confronto 
com a China -mesmo com desdobramentos militares- e assassinatos de líderes no 
Oriente Médio (sem um contexto que lhes dê coerência dentro dos parâmetros 
norte-americanos). Poderíamos dizer que sua preocupação se concentrou mais em 
"defender" seu eleitorado por meio de dois eixos fundamentais: o protecionismo 
econômico e o combate à imigração (lembre-se dos bilhões de dólares destinados à 
construção do muro na fronteira com o México e aos campos de detenção para 
imigrantes ilegais).
Em contrapartida, Biden articulou um discurso mais progressista em relação aos 
imigrantes, prometendo até a concessão de cidadania a centenas de migrantes que 
vivem nos Estados Unidos e a suspensão de acordos de cooperação em asilo. Ele 
também voltou à retórica - ainda que vaga - ligada à liderança norte-americana, 
ao apoio a aliados e às críticas aos "abusos dos direitos humanos" no exterior. 
Muitos de seus assessores de campanha nesta questão são conhecidos por suas 
posições intervencionistas (ainda mais ligadas a Bill Clinton do que a Obama); 
então tudo sugere que estamos retornando à típica política pré-trunfo dos EUA, 
embora com alguns ajustes. Por um lado, o presidente anunciou sua participação na 
próxima reunião da OTAN a ser realizada em junho, onde "reafirmará o compromisso 
dos Estados Unidos com a OTAN, a segurança transatlântica e a defesa coletiva"; 
ao mesmo tempo que anunciava a retirada do Afeganistão após duas décadas de ocupação.
Para a América Latina vemos que as questões políticas sobre Colômbia, Honduras, 
Guatemala, El Salvador e uma revisão das sanções contra a Venezuela foram 
incorporadas à sua agenda com o objetivo de enfrentar uma nova estratégia com 
aquele país (supostamente em busca de uma "solução negociado"). Outro ponto a ser 
lembrado é que o que acontece nos EUA em termos de resistência popular, como foi 
o caso da luta contra o racismo, gera um impacto favorável em outras partes do 
planeta. A ressonância dessa luta na Europa, assim como na América Latina, 
especialmente no Brasil, tem sido notória.

Rosário e seu papel no esquema imperialista
Os interesses do imperialismo continuam a se refletir em nível local no controle 
de uma produção eficiente de matérias-primas (extraídas em diferentes áreas do 
país como minerais e cereais) através do porto de Rosário e a hidrovia do Paraná. 
É um ponto da engrenagem que foi acionada no início do século 21 no âmbito do 
plano IIRSA, que envolveu obras que devastaram áreas protegidas e comunidades em 
toda a América do Sul.
Nossa cidade é também um polo comercial da região dos Pampas, produtor de 
alimentos por excelência em nosso país e epicentro do modelo de produção da 
Argentina designado como um dos "celeiros do mundo" para os interesses 
norte-americanos, chineses e da União Européia.
Assim, várias piscinas de plantio, empresas petrolíferas e empresas de tecnologia 
agrícola como Bioceres, Monsanto e a antiga Nidera têm escritórios; a primeira 
delas destacou-se este ano por estar cotada na bolsa norte-americana com o apoio 
do governo através do Conicet (órgão que tem mantido a sua política de apoio a 
este sector de investigação independentemente dos sinais dos diferentes governos).
Outro aspecto fundamental é que é uma das cidades mais importantes dentro do 
reservatório de água doce e pulmão da região, que é representado pelos pantanais 
das ilhas que se estendem do nordeste do país até a Capital Federal.
A cadeia produtiva da região de Gran Rosario está construída nestes três eixos, 
sendo sua principal indústria de transformação a alimentícia, seguida pela 
indústria automotiva e química. No entanto, é muito inferior ao que é produzido a 
nível industrial na AMBA ou na Grande Córdoba. Tudo isso configura uma área de 
certa importância no quadro regional e nacional quando se trata, por um lado, de 
medir o impacto da pandemia e das decisões de projetos imperialistas, e, por 
outro, pensar em setores estratégicos de sindical, luta ambiental e política.

SITUAÇÃO POLÍTICA E ECONÔMICA: DEPENDÊNCIA E CONTINUIDADE DO MODELO NEOLIBERAL

O contexto de turbulência econômica e política, e os altos níveis de desigualdade 
em todo o mundo, agravados ainda mais pela pandemia e as possibilidades de 
resposta de cada Estado, dependendo da posição que ocupam nas relações de 
dominação capitalista, têm sua correlação direta na atual situação econômica, 
política e social da Argentina. Após quatro anos do governo Cambiemos, enquadrado 
em um período neoliberal, com nuances entre o liberalismo político, o discurso 
assistencialista de centro-direita e um forte aparato repressivo que buscava 
manter a "ordem social", o papel do Estado desde 2020 se centralizou na bem-estar 
político e focados que buscavam apaziguar a agitação social devido aos altíssimos 
níveis de desigualdade, o desfinanciamento de setores essenciais como ciência, 
saúde, tecnologia, educação; priorizando a especulação financeira e o 
empoderamento dos setores empresariais, com respostas repressivas para impor 
políticas de fome, ajuste,
endividamento e criminalização do protesto.
As expectativas e esperanças de parte importante dos setores populares que 
apoiavam eleitoralmente uma estrutura política muito heterogênea, uma retórica 
discursiva em favor da distribuição da riqueza e do empoderamento popular, e 
considerando a desigualdade social como único modelo antagônico e as políticas de 
a fome e o endividamento que significava Macrismo, acabaram por levar ao poder a 
Frente de Todos.
A resistência, luta e organização contra as políticas de ajuste que se refletiram 
em diversas greves, mobilizações, apreensões universitárias e medidas 
contundentes entre setores estudantis, sindicatos, professores, movimentos 
sociais, organizações de direitos humanos, etc. durante o ano eleitoral e a 
expectativa de muitos espaços se aprofundou no primeiro ano do novo governo.
Os discursos da governabilidade, da democracia institucional e do fantasma 
instalado ao longo do arco oficial do "retorno do Macrismo" no A campanha 
"Reconstrução Argentina", somada à chegada de uma situação excepcional e à 
posterior crise sanitária que a pandemia de Covid-19 trouxe consigo, deu ao 
governo de Alberto Fernández, que buscava a conciliação, um tempo de trégua nas 
esferas política e social. com os diferentes atores políticos, econômicos e 
sociais para alcançar a governabilidade esperada, sem romper com as relações 
estruturais impostas pelo sistema capitalista.
Rapidamente foi possível identificar alianças e esforços de conciliação com os 
setores financeiro e empresarial, o apoio incondicional e cumplicidade de 
inúmeros burocratas sindicais, a aproximação com os grandes produtores agrícolas 
e latifundiários da mesa de ligação, uma corrente de opinião favorável na mídia 
hegemônica forças e a constituição da coalizão governante a partir de somatórios 
e alianças
-em muitos casos voláteis- com personagens inapresentáveis da história recente, 
como Eduardo Duhalde, Felipe Solá, os saudosos Carlos Menem e Omar Perotti ou 
Gildo Insfrán e os recém-incorporados ao governo Anibal Fernández e o católico 
ultramontano Juan Manzur, entre outros.
Pode-se dizer que desde o primeiro ano de governo de Alberto e Cristina talvez 
haja um sentimento de falta de planejamento baseado naquelas alianças políticas 
fracas, ao contrário dos governos peronistas anteriores. Isso foi prontamente 
evidenciado pelo rompimento público - novela envolvida - entre Cristina e Alberto 
após o PASO 2021, onde após a retumbante derrota eleitoral, diferentes atores da 
PJ e do Kirchnerismo se posicionaram criticamente ou como apoio à figura de 
Albert. Por um lado, aqueles espaços políticos da antiga Unidade Cidadã, 
alinhados publicamente por trás de La Cámpora e uma "abordagem crítica" às 
medidas econômicas do governo, a mesma que Cristina delineou e que foi aplaudida 
como uma jogada magistral pela militância. das forças tradicionais. Por outro 
lado, Ao lado de Alberto, permaneceram vários governadores, lideranças da CGT e 
organizações sociais aliadas ao Movimento Evita. Embora não se possa falar de uma 
ruptura total da coalizão governamental, começam a surgir nuances na forma de 
relacionamento e nos planos de pagamento da dívida ao FMI, bem como os possíveis 
projetos de "renovação" para 2023, cujos expoentes são figuras como Massa, Máximo 
ou Kicillof, entre outras.
Por fim, fica evidente como a oposição reacionária liderada por Larreta - não sem 
insiders dentro e fora da coalizão Cambiemos - já mostra as garras de um projeto 
que pretende governar novamente em 2023 com as mesmas receitas de sempre.
No plano econômico, como havíamos indicado em maio de 2019 na posição situacional 
"Fernández x2", era mais do que claro que o governo nacional não vinha modificar 
a matriz produtiva do país. No máximo, e após o sucateamento macrista, 
esperava-se o retorno a uma reativação econômica a partir de um estímulo ao 
consumo interno com emissão monetária. Mas os planos acordados com o FMI e o 
cumprimento das exigências não estavam em discussão. O principal gesto político 
que o Governo quis dar foi o início de uma relação negocial aparentemente 
"tensa", que mais tarde cedeu e deu lugar à rendição e sustentação do modelo com 
a expectativa irreal de cumprimento de prazos, para finalmente dar lugar ao 
pagamento de juros de uma dívida completamente ilegítima,
Mas um dos pontos mais graves da questão tem a ver, não só com a ausência geral 
de medidas para rejeitar parte importante das organizações populares e sindicais, 
mas, pior ainda, com o consentimento da direção da CGT -após uma reunião que 
tiveram com os enviados do FMI - argumentando que na realidade "o Fundo vem para 
ajudar a Argentina".
Até à data, todas as promessas de campanha caíram em saco roto, com uma dívida 
nacional que já ultrapassa os 46 mil milhões, mais de 3,8 postos de trabalho 
perdidos e uma perda salarial de pelo menos 40%. e do governo, ao priorizar a 
economia ou a saúde respectivamente, em um contexto de crise social e sanitária, 
que atinge os setores populares e as classes abastadas em magnitudes 
completamente diferentes, foi rapidamente descartado pela realidade social em que 
vivemos os de baixo todo esse tempo.
Contrariamente ao seu discurso protecionista, distributivo e reconstrutor do 
aparelho produtivo, o governo nacional interveio com as políticas assistenciais, 
dando continuidade ao mesmo modelo de "ajuda social" das últimas décadas. O gasto 
público concentra-se na prestação de uma ajuda mínima e mal distribuída a alguns 
setores castigados pela fome e pelo desemprego, e que não transformam nenhuma 
realidade econômica e social. Que é marcado pela dramática perda de empregos, uma 
taxa de inflação de mais de 50% ano-a-ano -o que impossibilita a garantia de 
alimentos para uma família dia após dia-, uma crise habitacional -em um contexto 
em que a única possibilidade de acesso a uma habitação é através do aluguel e que 
está se tornando cada vez mais difícil sustentar- e níveis de pobreza, indigência 
e desemprego estrutural que crescem cada vez mais,
A discussão economia-saúde também é tratada com um cinismo muito descarado, 
sabendo do desfinanciamento sistemático do sistema público de saúde nos últimos 
anos, decidiu-se priorizar os interesses dos setores empresariais e do capital 
privado. Os fundamentos de um modelo de produção sustentado pelo extrativismo, 
megamineração e retenções nas agroexportações, com "distribuição de riqueza" 
entre os anteriores, não foram questionados ou modificados estruturalmente. Para 
a classe política como um todo, é prioritário sustentar os lucros dos mais ricos, 
"dos que investem", do empresariado, com a esperança de que em algum momento 
chegue aos de baixo. Enquanto os que estão no topo buscam reduzir os gastos dos 
empregadores, cortar cada vez mais direitos trabalhistas,
O positivo é que os atores políticos institucionais não são os únicos que assumem 
um papel significativo na situação atual. Mesmo em um contexto de desmotivação e 
derrotismo, pôde-se perceber a resistência organizada do setor sindical da saúde 
pública em responder à pandemia, em nítido contraste com o setor sindical 
privado, que se destacava pela ausência. Apesar das tentativas de alguns setores 
que buscam manter a fragmentação e individualização da sociedade para garantir as 
relações neoliberais, foram muitos os gestos de solidariedade, organização e luta 
de baixo para cima, que buscaram questionar as diferentes formas de opressão e 
reivindicar a dignidade do povo setores.

Ação direta popular neste momento
Da organização e luta de centenas de famílias sem-teto que enfrentaram a 
repressão do Estado, em defesa do direito à moradia em Guernica, La Matanza e 
outras partes do país, onde a figura desastrosa do repressor Sergio Berni e a 
vontade política do Estado para defender a propriedade privada das classes 
abastadas e manter um modelo de repressão e "mão de ferro" contra os setores 
populares. Em Catamarca, Mendoza e Chubut, houve grandes mobilizações contra o 
fracking e a contaminação da água, em Chubut sofreram um forte confronto com a 
quadrilha do sindicato dos petroleiros de Ávila com o apoio do governo da Frente 
Renovadora liderada por Arcioni. A organização e as ações de luta de diferentes 
setores de trabalhadores que lutam por um salário digno,
Além disso, no campo da resistência e organização popular que questiona os 
discursos institucionais reformistas e as relações de dominação e opressão 
capitalistas, um repúdio e ação direta contra a destruição e saque de bens 
comuns, a megamineração, o extrativismo, o fracking e o uso de agroquímicos. 
Também foi possível sentir um total repúdio às medidas do governo que iam contra 
os bolsos dos monotributistas, o que os obrigou a reverter esses ajustes. 
Extrativismo uma constante intrínseca ao capitalismo

O governo da Frente de Todos tomou posse em 2019 com um discurso de defesa da 
soberania e de um projeto ambiental, com um ministério que se autodenominou 
"verde". Apesar disso, rapidamente se revelaram diferentes gestos políticos que 
não vislumbravam uma transformação do modelo produtivo e econômico nacional 
baseado no extrativismo e na exportação agrícola, mas muito pelo contrário. A 
verdade é que seria uma surpresa vislumbrar um modelo de Estado capitalista com 
uma perspectiva disruptiva com a exploração natural, pois em si mesmo, o modelo 
capitalista se sustenta e se reproduz com a exploração e saque dos bens comuns, 
poluição das águas, apropriação da terra e exploração dos corpos e sua força de 
trabalho. Nenhum tipo de democracia capitalista, ao longo da história argentina, 
Não podia e não demonstrava interesse em romper com as relações de dependência 
imperialista, que simplesmente se alternavam na hegemonia dominante entre um 
Estado e outro, desde o imperialismo ianque, até o atual fortalecimento das 
"relações bilaterais" com a China e a Rússia. A Frente de Todos não é exceção, 
apesar de suas tentativas de camuflagem discursiva.
Essa arte de fingir também foi vista quando foi debatida a sanção do ineficiente 
e invisível "imposto extraordinário sobre grandes fortunas", que parecia ser um 
exemplo de redistribuição e empoderamento aos setores populares contra o acúmulo 
obsceno de riquezas de minorias. , e isso significava simplesmente um tímido 
pedido de contribuição mínima, pela única vez. Os rendimentos foram utilizados 
para pagar os juros da dívida com o FMI e o financiamento da exploração de 
hidrocarbonetos através da YPF, numa histórica disputa de interesses económicos 
em Vaca Muerta entre grupos concentrados e o Estado. Fica claro que a prioridade 
é sustentar o modelo econômico em detrimento do cuidado com o meio ambiente e a 
saúde das pessoas.
Em 1996, pelas mãos do então Ministro da Agricultura Felipe Solá, a Argentina 
autorizou o uso de transgênicos e agrotóxicos no campo, apostando em um modelo de 
produção de alimentos cancerígenos e fumigação com agroquímicos, contaminando e 
expondo a saúde de milhares de famílias rurais. Atualmente, apesar de centenas de 
relatórios internacionais que demonstram as consequências do modelo de produção 
de ponta da Monsanto, o governo nacional continua apostando no fortalecimento e 
benefício econômico dos consórcios de plantio e do setor empresarial privado que 
negocia com a disseminação do câncer. a Terra. Em 2020, Felipe Solá, após apenas 
meio ano de gestão e em plena quarentena, autorizou a importação de 32 milhões de 
litros/quilo de insumos para a produção de agroquímicos imunossupressores, com o 
único objetivo de beneficiar as empresas do agronegócio e garantir-lhes a venda 
de formulações comerciais para continuar durante o isolamento social obrigatório 
durante as fumigações, que, por sua vez, foram declaradas atividade essencial.
A destruição da flora e da fauna na região do delta do Paraná, como resultado dos 
grandes incêndios na área de Islas em Rosário, Entre Ríos, e que se repetiu na 
maioria das províncias argentinas, teve consequências devastadoras em nível 
nacional. para o nosso país, com mais de 300.000 hectares destruídos pelo fogo e 
certamente pela ganância do empresariado latifundiário e do negócio imobiliário. 
Para os especialistas ainda é difícil calcular o enorme dano ambiental e suas 
consequências como resultado da destruição da flora e da fauna das zonas úmidas. 
Os danos à biodiversidade, com centenas de espécies animais à beira da extinção e 
a flora transformada em um deserto carbonizado, representam o quão nocivo, 
destrutivo e inconsciente é o modelo capitalista, que continua com ganância,
A organização popular e a solidariedade vieram imediatamente; Foi a luta dos 
grupos de vizinhos, vizinhos, organizações e bombeiros voluntários, que 
combateram o incêndio e repudiaram a cumplicidade e a falta de ação do Estado, 
que não disponibilizou orçamento, sem procurar os responsáveis materialmente. 
dando rédea solta aos negócios para continuar com a devastação ambiental. 
Assembleias, bloqueios de estradas, fechamento da ponte Rosario-Victoria, 
festivais, arrecadação de fundos, muitas expressões de organização, como 
Sindicatos pelo Meio Ambiente em 2020, foram concebidos em defesa do cuidado das 
zonas úmidas e da terra e em repúdio aos enormes danos gerados pelo real negócios 
imobiliários e o modelo agroexportador.

A hidrovia e o imperialismo E o que nosso anarquismo diz sobre isso?
Outra das disputas de grande relevância para o futuro do modelo produtivo 
argentino e em particular para nossa província é o fim da concessão e a proposta 
de nacionalização da Hidrovía SA. Em 30 de abril de 2021, foi concedida a 
concessão dos serviços de dragagem e sinalização da chamada Hidrovia 
Paraná-Paraguai, que congrega os rios Paraguai, Paraná e Rio da Prata, e onde 
está centralizado o maior fluxo de comércio agroexportador , expirado. Pela 
hidrovia navegam o maior número de barcos e navios que transportam a exportação 
do país e do Paraguai, Brasil, Uruguai e Bolívia (4.500 navios por ano). É um 
meio de circulação e transporte de mercadorias e comércio nacional de vital 
importância na economia argentina, onde se transporta desde produtos e 
matérias-primas do campo, até gás natural,
A manutenção, dragagem e sinalização da hidrovia tornou-se privada em 1995, 
durante o governo Menem, ficando até este ano nas mãos da Hidrovía SA, tendo o 
poder de cobrar um pedágio por tonelada circulada e gerando um lucro de 300 
milhões de dólares por ano. ano para o capital privado, sustentando o controle 
privado dos portos e o controle do comércio exterior do país. Es decir, que a 
pesar de un modelo económico basado en la producción y exportación de productos 
de la agroindustria, toda la circulación y el comercio están regulados por 
empresas privadas que acumulan riquezas por millones de dólares mensuales, 
mientras familias no tienen garantizada la comida de todos os dias. E devido à 
falta de regulamentação e controle por parte do Estado, grande parte da produção 
que é exportada,
Outra das consequências da hidrovia é o seu impacto social e ambiental, devido à 
adaptação dos rios, a constante dragagem para permitir a circulação de navios e 
embarcações cada vez maiores e com maior número de toneladas de produtos para 
exportação, cujas consequências derivam A partir das constantes inundações das 
cidades portuárias, afetando diretamente o equilíbrio dinâmico das zonas úmidas 
que regulam os picos de cheias e secas dos rios, onde as descidas dos rios são 
muito acentuadas, as zonas úmidas mantêm o equilíbrio dos ecossistemas.
Em outras palavras, a exploração constante da hidrovia Paraná-Paraguai para o 
negócio de exportação beneficiou apenas algumas empresas privadas, como Cargill, 
Benneton, Vicentin, etc., e só deixa um impacto irreparável e destruição 
ambiental em nosso país e crescimento desigualdade social e econômica. A 
interferência de capitais estrangeiros que continuam com a acumulação de riqueza 
através do saque de recursos e matérias-primas e dependência econômica.
O discurso oficial e progressista faz uso dessas questões para denunciar a 
acumulação e o saque de recursos do capital privado, apelando para uma retórica 
de soberania nacional, intervencionismo e fortalecimento do Estado, mas nunca 
questionando o modelo de produção, extrativismo e desigualdade, nem questionando 
o impacto ambiental e as alternativas aos enormes danos gerados pelo atual modelo 
de produção. Nós nos perguntamos quão significativa seria a mudança na 
regulamentação estadual. De nossa parte, a partir do anarquismo organizado 
propomos uma alternativa a partir de baixo: uma gestão pública (não Estado) com 
participação direta de organizações populares (ambientalistas, sindicatos, 
bairros) que decidam não só a questão econômica, mas também com vistas ao social. 
de Meio Ambiente.

A esquerda neste contexto
O partido de esquerda da oposição, enquadrado nas diferentes vertentes do 
trotskismo, baseia a sua militância numa atitude constantemente denunciadora e 
sempre atrás da agenda do partido governista kirchnerista. Enquanto os espaços 
das novas expressões de direita, muito mais reacionárias e desastrosas, vêm 
ocupando as ruas com marchas, cooptando muitos espaços sociais com discursos 
pró-patrão e em defesa da "liberdade", que mistura liberalismo com nacionalismo e 
questões de conspiração, a maioria dos partidos de esquerda joga seu próprio jogo 
na disputa eleitoral, tentando agregar uma imagem positiva por meio de suas 
constantes denúncias e críticas ao partido no poder, mas não acumulando ou 
apostando na organização coletiva horizontal, sem muita incidência ou 
participação em instâncias de base, nas fábricas ou nos bairros, mas indo atrás 
dos diferentes conflitos que estão ocorrendo no momento, buscando hegemonizar e 
acumular sua militância, até que o conflito se esgote.
Embora seja verdade que não podemos negar a participação das diferentes facções 
do trotskismo nas lutas, como o PTS, o PO, etc., em diferentes mobilizações em 
nível nacional contra o gatilho fácil, pelo desaparecimento de Facundo Castro, na 
multissetorial para os pantanais, nas remoções em Guernica, contra a 
megamineração em Chubut, etc., parece que todas as suas participações são uma 
busca de acumulação político-partidária, canalizando os conflitos para o 
personalismo e uma disputa direta com o kirchnerismo e não com uma perspectiva de 
empoderamento popular, de acompanhamento dos processos de luta e organização.
Estamos em um momento de grande passividade e inatividade dos espaços combativos, 
muito se promove o sujeito autoconvocado ou cidadão com projeção política 
superficial ou nula. Nesse sentido, vemos com alarme a perda de interesse que em 
muitas ocasiões a esquerda trotskista demonstrou em fortalecer os sindicatos. 
Como já apontamos, o foco de suas atenções se voltou para a estratégia eleitoral, 
e em termos de mobilizações e organizações, isso leva a um compromisso de 
construção de espaços autoconvocados, especialmente no caso dos precários 
(professores substitutos, empreiteiros, etc.) fazendo uma manobra perigosa com o 
único propósito de fortalecer as referências partidárias, mas semear a 
desorganização e contribuir para discursos antissindicais. Nesse sentido, para 
importantes setores da esquerda, hoje parece que todas as disputas de poder 
acontecem a partir de espaços institucionais e eleitorais, deixando a ação direta 
e as ruas em segundo plano. Embora o contexto da pandemia não ajude, são muitos 
os motivos para continuar apostando na militância de base, na organização 
horizontal, na empoderamento popular e ação direta, fora das lógicas partidárias 
e eleitorais. SITUAÇÃO IDEOLÓGICA/CULTURAL: UMA PANDEMIA ADEQUADA AO NEOLIBERALISMO

Para a análise da situação atravessada pela pandemia no que diz respeito a essa 
esfera, nosso esforço se concentra em revisar o contexto em que esse fenômeno 
aparece e estabelecer possíveis tendências ou orientações em que seus efeitos 
possam ocorrer em termos culturais/ideológicos.
Uma primeira hipótese, partilhada a nível geral pela sociedade, é que a covid-19 
reforçou ainda mais as desigualdades. No entanto, temos que nos concentrar em 
poder entender como esse processo ocorre para adequar nossa prática política a 
partir dele.

Mais fragmentação e precariedade
Em nosso primeiro congresso caracterizamos essa fase do sistema capitalista como 
neoliberal. Essa etapa configurou novos modos de vida marcados pela precariedade 
como norma que rege e molda a vida das pessoas. A precariedade não se limita a 
uma parcela da população, mas é uma característica geral do neoliberalismo e 
implica uma forma de governo da população, rege-se pela incerteza e sua 
consequente insegurança.
No entanto, a precariedade não é a mesma para todos, mas há uma distribuição da 
insegurança de acordo com as relações de desigualdade, ou seja, é uma questão de 
classe. O sistema de dominação garante a proteção de apenas alguns contra a 
precária condição existencial. Em outras palavras, há uma distribuição 
diferenciada da precariedade por meio de diferentes mecanismos (políticas 
governamentais direcionadas, flexibilidade trabalhista, sistemas jurídicos e de 
segurança discriminatórios etc.). Dessa forma, o processo de normalização da 
precariedade não significa igualdade na insegurança, muito pelo contrário, as 
desigualdades são reforçadas.
Note-se que, enquanto a segurança diante dessa precariedade geral ou existencial 
andava de mãos dadas com as relações sociais, comunitárias e familiares, hoje 
caminha-se para a ideia de que cada um deve autogerir sua própria segurança.
As diferentes formas de precarização - não apenas a que advém da flexibilização 
do trabalho - estão surtindo efeitos diferenciados em diferentes segmentos da 
população e ensejam "a emergência de uma estrutura de classes fragmentária".
Assim, precariedade e fragmentação se combinam subjetivamente, dificultando a 
capacidade de definir uma identidade - embora sempre entendida como contingente - 
tanto no nível individual quanto no coletivo, ou seja, de classe. Isso acarreta 
grandes dificuldades em estabelecer vínculos e relações de classe estáveis que 
permitam a articulação de um programa político transformador de longo prazo.
A pandemia opera em ambos os sentidos. Assim, a precariedade escala para outro 
patamar, a morte se aproxima e o sistema de saúde é visto como incapaz. Os meios 
de subsistência também estão em perigo: a falta de emprego, a impossibilidade de 
sair para fazer biscates, a flexibilização trabalhista acelerou sem a necessidade 
de governos e empresários recorrerem a grandes reformas que tramitam no Congresso 
e que devem enfrentar resistências as ruas. Os níveis de evasão escolar também 
são um indicador do risco de distorção das instituições que ainda se mantinham 
como espaços firmes, e que diante do acesso desigual a recursos materiais, 
educação tecnológica e condições de trabalho extremamente precárias dos 
professores, levaram à expulsão de milhares de jovens e crianças do mesmo.
A fragmentação também foi reforçada pelos discursos do governo, pois no auge do 
contágio o encontro se apresenta como um perigo, a circulação foi restringida, 
contribuindo ainda mais para a segregação territorial. O limite colocado ao 
desenvolvimento da vida orgânica das organizações sociais, as restrições à sua 
mobilização estão minando e desmantelando as defesas coletivas contra essas 
formas de controle social. Promovendo indiretamente o surgimento de protestos 
mais ou menos espontâneos, que se articulam com base na "identidade cidadã" ou na 
"indignação", mas pouco deixam no capital organizacional, contribuindo inclusive 
mais para setores reacionários do que para interesses populares.
Da mesma forma, o impacto diferenciado que a covid 19 pode ter de acordo com a 
idade ampliou o fosso entre gerações, o que tende a condenar a juventude como 
irresponsavelmente perigosa e sem rumo, mesmo quando isso é muito mais complexo e 
não realmente verificável em termos de fontes de contágio. Isso contribui para a 
incapacidade de imaginar um futuro melhor, que será abordado a seguir.

Disciplinar e reprimir
Foucault realizou estudos sobre doenças e epidemias para o desenvolvimento de 
parte de sua teoria, especialmente no que diz respeito à chamada biopolítica. 
Nesse sentido, as doenças têm oportunizado a "criação" e implementação de 
mecanismos de administração e dominação populacional em larga escala.
Seus estudos sobre hanseníase, peste negra e varíola dão conta de dispositivos 
que podemos ver hoje no quadro da gestão da covid. Assim vemos que certos 
mecanismos como quarentena, repressão, isolamento forçado de pacientes, medição e 
contagem estatística centralizada, típicos das sociedades ditas disciplinares e 
repressivas, são "retornados", mas que nesta fase estão ligados à dispositivos 
mais sofisticados da sociedade de controle contemporânea.
R. Farrán, D. Singer e S. Vignale afirmam que "produzir e gerir a saúde da 
população pode, como qualquer política, articular-se das mais variadas formas. Em 
alguns casos, pode levar ao genocídio; em outros, pode se tornar uma rede de 
atenção à saúde pública e socioambiental que aprofunda a equidade em toda a 
população". É difícil acreditar que neste sistema de dominação um fenômeno como o 
covid leve a situações de maior igualdade, em todo caso será a resistência das 
organizações populares que poderá frear a orientação de seus efeitos.
O governo da Frente de Todos tem hesitado em sua política de saúde (especialmente 
se movermos província por província), sem No entanto, podemos afirmar que seu 
principal objetivo tem sido preservar um pouco da institucionalidade diante de 
uma crise como a atual. Essa indefinição persistente e mais suscetível à pressão 
dos negócios e das próximas eleições fez com que sua política de saúde fosse um 
fracasso retumbante.
A fragmentação de que falamos acima é tamanha que não houve uma resposta 
unificada das organizações populares em relação às medidas adotadas pelo governo. 
O uso do famoso crack partidário para justificar posições foi rearmado em torno 
de dicotomias como restrições x liberdade, saúde x economia (de quem?), face a 
face x virtualidade, sputnik x astrazeneca/pfizer etc.
Ressalta-se que o discurso da liberdade tornou-se extremamente ambivalente nesse 
contexto, onde as restrições à circulação são necessárias. Os autores citados 
acima colocam o desafio de "como abordar nossas liberdades, não mais com o 
espartilho legal e formal das liberdades individuais, mas no exercício efetivo de 
práticas de liberdade, que intervêm em processos de dessubjetivação das 
determinações da história da experiência do qual fazemos parte, e constituimos 
novas tramas e processos de subjetivação"; ou seja, deslocando o conceito de 
liberdade que o neoliberalismo promoveu com sucesso para uma liberdade coletiva, 
responsável e solidária, típica de nossa corrente política.

Direita, esquerda e futuro
Para abordar esta questão seria interessante retomar algumas reflexões de Pablo 
Stefanoni em seu livro "La rebeldía virou à direita?", sobre a esquerda e o 
surgimento de novos grupos de direita. que "nas últimas décadas, na medida em que 
se tornou defensiva e entrincheirada na normatividade do politicamente correto, a 
esquerda, especialmente em sua versão "progressista", se deslocou em grande 
medida da imagem histórica de rebelião, a desobediência e a transgressão que ela 
expressou. Parte do terreno perdido em sua capacidade de capitalizar a indignação 
social foi conquistada pela direita, o que se mostra cada vez mais eficaz em 
desafiar o "sistema" (além, como veremos, o que isso significa). Em outras 
palavras, estamos lidando com partidos de direita que competem com a esquerda 
pela capacidade de se indignar com a realidade e propor formas de transformá-la."
Nesse sentido, sustenta que "as esquerdas "antissistêmicas" abraçaram a 
democracia representativa e o Estado de bem-estar ou se transformaram em pequenos 
grupos e sem influência efetiva; enquanto isso, é a chamada "direita alternativa" 
que vem jogando a cartada radical e propondo "chutar o tabuleiro" com discursos 
contra as elites, o establishment político e o sistema", valendo-se de um 
discurso que remete diretamente a aquela usada pelo velho e conhecido fascismo.
Poderíamos dizer então que a maioria das forças políticas organizadas se 
institucionalizou em torno de certas premissas capitalistas neoliberais que 
compõem o campo político que costuma ter acesso a cargos de governo, pelo menos 
em nosso país. Nesse sentido, há mais pontos em comum entre a Frente de Todos e 
Juntos pela Mudança do que as diferenças. De qualquer forma, é característico de 
governos como a Frente de Todos (assim como os governos do Socialismo do século 
XXI ou Podemos na Espanha) que tenham discursos e gestos mais progressistas, mas 
que, apelando para uma correlação de forças desfavorável , sempre acabam 
favorecendo os setores dominantes.
Desta forma, a centro-esquerda e a esquerda institucionalizada se encarregam de 
se apresentar como incapazes de gerar transformações, e remetem à política do 
possível, havendo, assim, uma clara erosão do outrora campeão "progressismo". 
Esse desgaste é evidente em um crescente derrotismo e inclinação para satisfazer 
potenciais eleitores com medidas que o aproximem cada vez mais dos setores de 
direita. É assim que estamos longe de discursos que propõem transformações ou 
rupturas do capitalismo, com atenção absoluta ao jogo eleitoral.

Labirinto ou beco sem saída
Nas margens resta aquela esquerda sem muita influência real -ou pelo menos não 
maciça- e uma direita (não necessariamente nova) que emerge como indicado acima 
(cujos personagens nacionais são constituídos por Milei, Laje, entre outros) O 
coronavírus ajudou a fortalecer este último, expresso, por exemplo, nas marchas 
contra o confinamento e as medidas de isolamento social e até contra as vacinas; 
alimentado por vários tipos de teorias da conspiração em todo o mundo.
Nesse quadro, e somando-se ao que discutimos sobre fragmentação e precariedade, 
Stefanoni indaga sobre a ausência de propostas de futuro pela esquerda. Nesse 
sentido, ele sustenta que "ficou sem imagens do futuro para oferecer, em parte 
porque o próprio futuro está em crise, exceto quando pensado como distopia".
Assim, essa pesquisadora retoma a "filósofa espanhola Marina Garcés que fala de 
uma ‘paralisia da imaginação' que faz com que ‘todo presente seja vivenciado como 
uma ordem precária e toda ideia de futuro seja conjugada no passado'. Ele 
sustenta que hoje se impõem 'retrotopias, por um lado, e catastrofismo, por 
outro'. Por esta razão, o presente tornou-se "uma tábua de salvação, disponível 
para cada vez menos pessoas" e o futuro é percebido cada vez mais "como uma 
ameaça". "A capacidade 'científica' de imaginar o fim do mundo excede em muito a 
capacidade 'política' de imaginar um sistema alternativo." Garcés diz: "nosso 
tempo é o tempo de tudo se esgotar. Vimos o fim da modernidade, da história, das 
ideologias e das revoluções".
Em correlação com isso, grandes setores da esquerda defendem um capitalismo mais 
amigável e uma transformação do capitalismo, deixando completamente de lado uma 
perspectiva orientada para a ruptura revolucionária, entendendo-a como algo 
impossível e inimaginável. Essa orientação, que romantiza o sistema, não deixa 
espaço para a construção de qualquer alternativa ao capitalismo.
O autor também fala do outro lado desse pessimismo político: "observamos um amplo 
debate sobre a "morte da democracia" e sobre o fato de que são justamente os 
partidos populistas de direita que muitas vezes atraem abstencionistas em 
contextos de forte declínio do eleitorado. participação, especialmente em países 
onde o voto não é obrigatório. Muitas vezes o centro-esquerda e o centro-direita 
acabavam construir um consenso que abafe um verdadeiro debate sobre as 
alternativas em jogo", como acontece com o Kirchnerismo e Juntos pela Mudança, 
que produz uma tendência ao bipartidarismo.
Nesse contexto em que o futuro aparece como uma ameaça, o mais seguro e sensato 
parece ser defender o que existe, mas nessa linha de pensamento o risco de cair 
no conservadorismo e desistir de disputar o sentido do mundo está muito próximo. 
vem. Assim, "o realismo político e a necessidade de resistência foram 
encurralando a esquerda e os movimentos populares em formas de mobilização e 
organização essencialmente defensivas, locais e incapazes de ir além da mera 
reprodução das já precárias condições de vida dos grupos mobilizados. ".
Portanto, devemos repensar o papel de nossa proposta política no quadro desses 
problemas ideológicos/culturais. Como podemos:
- não ficar presos na mera defesa de velhas conquistas populares, mas avançar na 
articulação da luta cotidiana contra as diferentes expressões do sistema de 
dominação com a projeção e construção de uma nova organização da sociedade como 
alternativa de longo prazo na busca de uma futura ruptura revolucionária.
- que nossa proposta ganhe influência e que não fique à margem da política. Não 
só da crítica ao sistema, mas também em torno desses valores antagônicos ao 
neoliberalismo.
- combater o contexto atual marcado pela fragmentação e precariedade. 
Identificando como caminho mais promissor o apoio de organizações estáveis ao 
longo do tempo, com programas de longo prazo e leituras consistentes da realidade.
Nesse sentido, torna-se urgente fazer propostas programáticas avançadas e 
projeção acima da mera denúncia. Como apontamos ao longo do texto, o capitalismo 
gerou o empobrecimento da grande maioria da população mundial, a classe política 
se mostra ineficaz e incapaz de resolver os problemas estruturais e sem nenhum 
interesse em saídas para fora do capitalismo, deixando claro que são os setores 
populares que têm que liderar uma alternativa de baixo e coletiva à crise. 
Entendendo assim que é preciso trabalhar na perspectiva da construção de uma 
frente de classes oprimidas, que incorpore por classe pertencentes a um conjunto 
complexo e amplo de setores, que se encontram no campo das relações sociais 
oprimidas e exploradas. A Frente das Classes Oprimidas marca um caminho de maior 
articulação das lutas e de uma crescente incidência e possibilidade de agência 
das classes oprimidas organizadas em diferentes contextos. LUTAS DE HOJE

Apesar do estado da situação descrito acima, não apenas os setores sindical, de 
bairro e estudantil conseguiram articular algumas iniciativas de resistência 
contra o contexto do neoliberalismo avançado. Além disso, outras lutas e demandas 
transversais em nosso país vêm mostrando que é possível articular discursos e 
práticas antagônicas ao sistema de dominação, que não apenas conseguem instalar e 
conquistar conquistas, mas também alcançaram graus significativos de massividade 
e que vão na contramão dos processos de dominação mencionados acima.
É o caso do feminismo, da luta pelos direitos humanos e de algumas lutas 
ambientais e dos povos indígenas. No primeiro caso, já desenvolvemos bastante 
esse tema (inclusive abordando criticamente a institucionalização de uma parte 
importante do movimento), mas vale destacar aqui alguns aspectos em torno da 
questão da noção de futuro, sua natureza transgressora e sua natureza massiva.

A luta feminista, germe da rebelião
O feminismo conseguiu acumular décadas (ou séculos) de luta ideológica contra o 
sistema de dominação em seu caráter patriarcal. Sempre esteve atrelada a 
expressões de rebeldia, seja a partir da irrupção de mulheres na cena pública e 
política, bem como de táticas acusadas de desobediência ao mandato social 
vigente, apontando sistematicamente onde é difícil reconhecer a dominação. Mesmo 
sendo massivo e com raízes, o feminismo ainda tem aquele signo rebelde que faz 
com que muitas mulheres que concordam com suas premissas não se reconheçam como 
feministas por ser símbolo de "extremismo" ou "radicalidade". Além disso, sempre 
foi um movimento pensativo e amplo que soube abrigar e promover setores como o 
lgbtqia+, ampliando suas próprias fronteiras críticas.
Também é importante observar que, além de ganhar reivindicações como o aborto 
legal em meio a uma pandemia, marca um horizonte de mudanças positivas e 
possíveis. Há muitas pessoas que acreditam que as próximas gerações serão 
educadas em um quadro de maior igualdade de gênero, isso não é menor em termos de 
imaginário social.
Nesse sentido, setores do feminismo foram além, estabelecendo propostas de formas 
organizacionais mais democráticas e responsáveis. Assim, proponho em torno da 
sustentabilidade da vida, que abrange não apenas questões produtivas e 
reprodutivas no sentido clássico, mas também em relação ao ambientalismo de forma 
radical (e em conexão com os povos nativos). Embora existam aspectos que não 
levam em conta a questão da classe e do Estado como mecanismos de dominação, 
também é verdade que estão em tensão dentro do movimento e que nem tudo se diz em 
termos de disputa.

Autodeterminação dos povos e defesa do meio ambiente.
Outro exemplo claro de lutas e eixos vingativos que articulam discursos e 
práticas que questionam o sistema de dominação capitalista e suas formas de 
relações produtivas e sociais que vêm crescendo exponencialmente nos últimos 
tempos é o das lutas ambientais. Enormes mobilizações no âmbito nacional, 
regional e até em diferentes partes do mundo vêm colocando em pauta a discussão e 
o questionamento da nocividade do modelo de produção capitalista e a necessidade 
de repensar o impacto de nossas ações no mundo em que vivemos . Da contaminação 
do recurso mais importante, e ultimamente cada vez mais escasso, como a água; 
movimentos contra megamineração, fracking e extração de hidrocarbonetos; rejeição 
do uso de agrotóxicos e pesticidas, pesca indiscriminada, desmatamento e venda de 
terras pelas mãos de empresários privados. As queimadas e a destruição das áreas 
úmidas do Delta do Paraná e seus impactos diretos na harmonia dos ecossistemas e 
sua flora e fauna. Uma enorme lista de eixos de protesto e lutas que vêm se 
formando nos últimos tempos, mas com uma longa história de repúdio às diferentes 
formas de exploração do sistema de dominação.
A luta e os discursos do fenômeno ambiental podem gerar nos povos uma identidade 
e um sentimento de pertencimento coletivo, de consciência coletiva que busca 
questionar as atuais relações produtivas. Apesar da tentativa de camuflagem 
retórica e propagandística por parte de setores de direita e do próprio Estado, a 
realidade revela as constantes falhas e o pouco interesse dos setores de poder em 
priorizar o cuidado com o meio ambiente em detrimento do lucro privado.
Embora entendamos que o movimento ambientalista é multiclasse, que não pode ser 
enquadrado em um determinado setor social, pois é um movimento muito heterogêneo, 
sua principal característica é ser um fenômeno de massa, de mobilização de amplos 
setores sociais, que Até agora, tem tido resultados mistos, em alguns casos 
conseguindo frear empreendimentos extrativistas específicos e em outros, ganhando 
legislações protecionistas e processos mais institucionalizados que, em alguns 
casos, acabam se extinguindo ao longo do tempo, como a lei de zonas úmidas .que 
continua encaixotado e burocratizado pelo Estado.
Em Catamarca, Mendoza, Chubut, La Rioja, entre outros pontos importantes, as 
mobilizações deixaram um precedente muito difícil de ignorar. Embora sejam lutas 
articuladas em torno de projetos específicos de exploração ou privatização de 
territórios, têm sido capazes de organizar povos inteiros e se opor a grandes 
monstros transnacionais por meio da ação direta. Aqui deve-se notar que eles 
escaparam da lógica paralisante do centralismo e souberam sustentar suas demandas 
a longo prazo com base no apoio mútuo. Assim, pode-se apontar que a resistência 
ambientalista na Argentina vem enfrentando diretamente a matriz 
econômico-produtiva do país, como o capital extrativista.
No caso de Rosário, a situação merece reflexão especial. A mobilização para a 
defesa das zonas úmidas do delta do Paraná ganhou força durante 2020, conseguindo 
realizar importantes medidas de ação direta, como cortes na ponte 
Rosario-Victoria e acampamentos na Praça 25 de Mayo. No entanto, não conseguiu 
construir uma âncora multissetorial para sustentar essa luta, não conseguindo se 
articular com setores combativos locais, além das manifestações de solidariedade 
de alguns sindicatos específicos. Outra limitação se refletiu no comprometimento 
de diversos setores com as opiniões das instituições estatais (como o Conselho e 
o Ministério do Meio Ambiente) que vêm marcando o ritmo das mobilizações.
A luta pela autodeterminação, o respeito cultural, o reconhecimento da 
identidade, a luta pelo território e contra o racismo dos povos originários 
também desempenha um papel importante dentro dessas lutas articuladoras, pois em 
grande medida questiona o modo de vida dos povos originários. Capitalismo 
ocidental, reivindicando outras formas de organização social. Aqui o aspecto 
transgressor reside fundamentalmente no questionamento do Estado como autoridade 
governamental legítima, um Estado que se estruturou sobre o genocídio desses 
povos, com base em um modelo estrutural eurocêntrico e agroexportador, e que o 
desnuda como mecanismo de opressão, subordinando a luta pela questão indígena a 
uma dupla opressão, a de ser oprimido pela classe social e por pertencer a um 
setor invisível por séculos,
As táticas de ação direta e confronto com as forças de segurança públicas ou 
privadas variam de acordo com a historicidade de cada cidade e as colocam como 
frentes de resistência, tanto urbanas quanto rurais. No entanto, um setor das 
organizações indígenas elegeu a institucionalização como forma de visibilidade, o 
que deixa a resistência de lado, caindo na lógica assistencial do Estado, que 
expõe os enormes problemas estruturais, habitacionais e de perseguição, que não 
podem ser resolvidos com programas de assistência económica mínima e 
deslocalização geográfica, recorrendo à superlotação. É claro que somente através 
da organização e luta coletiva é o caminho para alcançar as conquistas, contra a 
ganância e negação do estado capitalista.

Direitos humanos e pandemia, a mesma resposta repressiva às reivindicações dos de 
baixo A luta pelos direitos humanos na Argentina é um capítulo essencial de nossa 
história recente. Desde a última ditadura militar surgiram diversas organizações 
para denunciar e combater o terrorismo de Estado e os crimes cometidos nesse 
período. Nestas quatro décadas, muito foi feito em termos de sentenciamento e 
julgamento de genocidas e cúmplices do terrorismo de Estado. Tudo tem sido graças 
à luta na rua e à resposta constante às tentativas de impunidade, como foi o caso 
recente de 2x1 pelos genocídios detidos, ou os pedidos precipitados de prisão 
domiciliar no contexto da pandemia.

Mas os julgamentos dos crimes da ditadura não esgotam a agenda da luta pelos 
direitos humanos. Hoje há uma clara continuidade da doutrina do "punho de ferro", 
violência e repressão que não mudou, apesar de 40 anos da volta da democracia. 
Além do repúdio e mobilização social dos setores populares, que sofrem violência 
e perseguição policial a cada dia, os discursos do governo nacional se alinham 
com os da direita de oposição, onde "segurança" se confunde com repressão e 
militarização de bairros, e não não respondem às enormes desigualdades 
econômicas, estruturais e sociais, não é por acaso que os presídios estão todos 
cheios de pobres, enquanto aqueles que roubam, evadem, exploram e saqueiam de 
seus lugares de privilégio gozam da proteção do Estado.
De acordo com um relatório do Correpi de agosto de 2020, desde o momento em que o 
DNU de isolamento preventivo obrigatório começou em todo o território argentino, 
ocorreram 92 assassinatos nas mãos das forças repressivas. Entre eles encontramos 
casos emblemáticos que causaram repúdio e mobilizações populares em nível 
nacional, como o desaparecimento forçado de Facundo Castro Astudillo e a clara 
cumplicidade das polícias de Kicillof e Berni. Os despejos violentos em Guernica, 
La Matanza e outras partes do país. O desaparecimento forçado de Luis Espinoza em 
Tucumán. A continuidade de um modelo de criminalização e repressão contra 
protestos e mobilizações populares. E os inúmeros casos de acionamento fácil que 
vêm de mãos dadas com um arcabouço político-judicial que garante a impunidade dos 
forças repressivas do Estado, como nos casos emblemáticos de Santiago Maldonado, 
Pichon Escobar, Franco Casco, Luciano Arruga ou mais próximos de Carlos Bocacha 
Orellano, Franco Cardozo, entre muitos outros.
Assim, a perseguição à organização social e o protesto continuam a ser uma 
questão importante a considerar. Para citar apenas um exemplo, podemos citar a 
criminalização dos 27 estudantes da Universidade de Córdoba que estão sendo 
julgados. Em medida totalmente desproporcional após a apreensão da faculdade, no 
âmbito das mobilizações em defesa da Universidade Pública. Buscando, assim, dar o 
exemplo que dissuade futuros conflitos que enfrentem a agenda de ajustes e cortes 
na educação.
A situação no resto das Américas é mais complexa em termos de direitos humanos, 
porque as particularidades políticas, sociais e econômicas de cada país levaram a 
diferentes mobilizações e protestos populares de massa que levaram a respostas 
repressivas e terrorismo de Estado, tanto no Chile, como na Colômbia e no 
Equador. Imagens de repressão direta e uso de forças militares para deter 
ilegalmente, reprimir e até matar manifestantes percorreram o mundo e geraram 
repúdio; a força da organização popular conseguiu reverter algumas medidas 
econômicas e políticas. Deixando um balanço arrepiante de assassinados, mutilados 
e presos (no Chile hoje ainda existem milhares de presos políticos pelos protestos).
Outra análise merece as situações em Cuba, Bolívia e Venezuela, onde as disputas 
políticas e a ingerência e intervencionismo do imperialismo norte-americano 
deixam o povo no meio, denunciando e repudiando de um lado ou de outro, violações 
de direitos humanos, detenções ilegais, repressão , etc
A verdade é que, apesar dos discursos progressistas liberais, a doutrina da 
repressão continua sendo o principal mecanismo de controle social nas democracias 
capitalistas, onde a prioridade do gasto público se situa no orçamento para 
tecnificação, militarização e salários para repressão. Onde os principais slogans 
de campanha em ano eleitoral se concentram no pedido de forças federais e no lema 
bolsonarista de "paz e ordem". Onde os líderes políticos de desaparecimentos 
forçados e assassinatos de militantes, trabalhadores, estudantes, ocupam cargos 
políticos e os genocidas e repressores gozam de prisão domiciliar e penas reduzidas.
Diante disso, é nossa responsabilidade manter viva a memória de cada camarada, 
manter vivo o espírito de rebelião e organização popular, manter a luta pela 
dignidade e liberdade dos que estão abaixo, enfrentar todas as tentativas de 
avanços repressivos e reacionários , com organização popular, tendo em mente que 
não vamos erradicar os problemas causados pelo capitalismo com a polícia, mas sim 
através da construção de outra sociedade.

https://federacionanarquistaderosario.blogspot.com/2022/01/analisis-de-coyuntura-aprobado-iii.html


Mais informações acerca da lista A-infos-pt