(pt) France, UCL AL #323 - Antipatriarcado, Lavagem feminista: como é bom ser explorado por uma mulher (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Segunda-Feira, 24 de Janeiro de 2022 - 08:30:42 CET


Uma lei que visa "acelerar a igualdade económica e profissional" entre mulheres e 
homens foi adoptada pela Assembleia Nacional a 13 de Dezembro. Levada pela 
direita, corre o risco de dissolver o patriarcado! Ela se propõe a estabelecer 
cotas para mulheres entre os líderes empresariais ... ---- Uma lei aprovada pela 
Assembleia em 13 de dezembro prevê a facilitação do acesso de mulheres a cargos 
de chefia nas empresas. O financiamento genuíno de organizações de base que lutam 
contra a violência contra as mulheres deve ter parecido muito ambicioso. Apoiar 
professores na criação de conteúdos que permitissem que meninas e meninos 
crescessem longe dos estereótipos de gênero era, sem dúvida, irreal. Permitir que 
as mulheres façam um aborto se e quando quiserem, gratuitamente e perto de casa, 
certamente não foi considerado verdadeiro. Garantir às mulheres migrantes, que 
tantas vezes experimentaram o horror das estradas do exílio, uma recepção segura 
e serena na França? Mas você não pensa nisso!

Não, a atual emergência para as mulheres, a medida que não tínhamos pensado para 
finalmente alcançar a igualdade, é que elas podem dirigir negócios. E não é de se 
estranhar uma proposta da direita, que acaba de eleger Valérie Pécresse como 
candidata presidencial. Sim, você sabe, o mesmo Pécresse que desfilou com o Manif 
pour tous. Que progressismo.

Chega de piadas. Essa igualdade é a das mulheres burguesas. Esse pó nos olhos é 
igual ao da meritocracia. Dizer que as mulheres podem se tornar líderes 
empresariais é esconder o fato de que as empresas são locais de exploração 
capitalista. Quebrando a sua espinha por um salário mínimo? Sim, mas o patrão é 
mulher! E o acionista majoritário também!

O álibi do feminismo
O interesse das mulheres trabalhadoras não reside nessas medidas ridículas. 
Recebem menos do que os homens, que são discriminados na contratação e sofrem 
muita violência no trabalho. Muitos trabalhadores sabem disso e, nos últimos 
meses, tem havido cada vez mais greves de mulheres nos setores de assistência, 
hotelaria e limpeza. E não esqueçamos que, para que algumas mulheres possam 
"dedicar a sua vida ao trabalho", outras devem conservar os filhos e limpar as 
suas casas: geralmente mulheres imigrantes e mal remuneradas. Onde está a 
igualdade? Quando algumas servem de álibi para o feminismo de uma empresa, as 
outras se dedicam, como sempre, a um trabalho carinhoso, difícil e mal remunerado.

O que vai permitir que alianças entre mulheres ganhem novas lutas são, antes de 
mais nada, perspectivas ambiciosas: o direito de escolher se e quando querem um 
filho, o direito ao respeito absoluto por seu corpo. Mas é também e acima de tudo 
colocar-se sempre ao lado dos explorados. Então, vamos apoiar as greves femininas!

Adèle (UCL Pantin)

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Feminist-washing-qu-il-est-bon-d-etre-exploite-e-par-une-femme


Mais informações acerca da lista A-infos-pt