(pt) Greece, APO, Land & Freedom - Apelo ao apoio à mobilização dos profissionais de saúde Qui. 13/1, Ministério da Saúde (ca, de, en, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 19 de Janeiro de 2022 - 08:03:43 CET


Contra a gestão assassina da pandemia pelo Estado e pelos patrões ---- 
FORTALECIMENTO IMEDIATO DO SISTEMA PÚBLICO DE SAÚDE TUDO PARA TODOS! ALIMENTAÇÃO, 
SAÚDE, EDUCAÇÃO, HABITAÇÃO ---- Estamos em um período de crise sistêmica total 
com a agenda anti-insurgência e anti-social dos governantes se desdobrando com 
intensidade crescente enquanto a pandemia atua como um catalisador para o ataque 
generalizado do Estado e dos patrões contra a grande maioria da sociedade e em 
todas as frentes. Nesta realidade sufocante, a eclosão da pandemia com as dezenas 
de mortos todos os dias, que ultrapassaram os 20.000 no total, nada mais é do que 
o resultado da gestão estatal criminosa, da completa indiferença e da 
desvalorização absoluta da própria vida. Ao mesmo tempo que milhares de pessoas 
adoecem e já perderam a vida em consequência do abandono metódico e do 
enxugamento do sistema público de saúde (com falta de pessoal, materiais e 
hospitais) - a gestão política de extrema-direita acelera os processos de 
reestruturação anti-social e a ruptura da base social, privando-os dos bens 
sociais necessários, levando cada vez mais setores da sociedade a uma maior 
exploração e opressão. Assim, hoje, quando se espera mais pressão sobre os 
hospitais públicos devido à mutação Omicron, em vez de melhorar o NSS, os gastos 
do governo com a saúde são reduzidos em 800 milhões de euros - de acordo com o 
orçamento votado há poucos dias para 2022 - em vez de guarnecer o MMM, onde os 
passageiros lotam diariamente para ir ao trabalho e para reforçar os meios de 
proteção aos funcionários, rotas e equipamentos são cortados, em vez de lotar 
escolas e construir infraestrutura, Para garantir as condições básicas para os 
milhares de alunos, professores e departamentos, os departamentos são fundidos e 
o recrutamento de pessoal é reduzido. Ao mesmo tempo, os chefes políticos e 
financeiros continuam a apoiar a polícia com novos equipamentos e recrutas de 
todos os tipos de policiais, o exército com novos programas de armamento e os 
porta-vozes da mídia do governo com subsídios.

Um ataque frontal dos patrões políticos e econômicos, que se manifesta em termos 
ainda mais duros, contra a base social, os pobres, os intocáveis, os que lutam. 
Desde a escalada do terrorismo patronal e da agressão estatal, que levou à 
contínua matança de trabalhadores explorados, ao confinamento de milhares de 
refugiados e migrantes nos modernos campos de concentração de Dachau e aos 
milhares de assassinatos em terra e água em toda a terra e água Europa, balas, 
torturas e espancamentos de assassinos uniformizados da democracia em delegacias, 
divisões, manifestações, greves e bairros.

De nossa parte, como anarquistas, percebemos que nenhum sistema de exploração e 
opressão vai se importar com nossa saúde e sobrevivência, exceto na medida em que 
formos úteis para sua reprodução. Unimos nossas vozes aos profissionais de saúde 
que reivindicam fortalecer a saúde pública nos hospitais públicos já saturados e 
deficientes, contra as leis anti-sociais que promovem privatizações, fusões e 
fechamento de estruturas e hospitais públicos de saúde. Estamos solidários com 
todos aqueles que enfrentam o regime de exclusão (refugiados, imigrantes, presos) 
e todos aqueles que lutam nas ruas, bairros, áreas de exploração, escolas e 
faculdades contra a imposição do Estado e da barbárie capitalista. Contra o 
Estado e o sistema capitalista que nada mais tem a oferecer do que pobreza, 
miséria e morte para aguçar a resistência social e de classe para derrubar o 
mundo falido do poder. Diante do derrotismo, da frustração, da repressão estatal 
e do terrorismo, tomemos vidas em nossas próprias mãos, organizemos e 
fortaleçamos coletivamente e de baixo para cima a luta pela Revolução Social. 
Nós, então, os oprimidos e oprimidos deste mundo não vamos barganhar pela nossa 
morte, vamos lutar pela vida e pela dignidade! repressão estatal e terrorismo, 
tirar vidas em nossas próprias mãos, organizar e fortalecer coletivamente e de 
baixo para cima a luta pela Revolução Social. Nós, então, os oprimidos e 
oprimidos deste mundo não vamos barganhar pela nossa morte, vamos lutar pela vida 
e pela dignidade! repressão estatal e terrorismo, tirar vidas em nossas próprias 
mãos, organizar e fortalecer coletivamente e de baixo para cima a luta pela 
Revolução Social. Nós, então, os oprimidos e oprimidos deste mundo não vamos 
barganhar pela nossa morte, vamos lutar pela vida e pela dignidade!

SOLIDARIEDADE NA LUTA DA SAÚDE CONTRA OS PLANOS ESTADUAIS DE DISSOLUÇÃO DA SAÚDE 
PÚBLICA

ORGANIZAÇÃO E LUTA PELA REVOLUÇÃO SOCIAL POR UMA SOCIEDADE DE IGUALDADE, 
SOLIDARIEDADE, LIBERDADE

Apoiamos a mobilização dos profissionais de saúde na quinta-feira 13/1 às 17h no 
Ministério da Saúde

Assembleia de Anarquistas pela Emancipação Social e de Classes

https://landandfreedom.gr/el/agones/654-saktx-kalesma-stiriksis-tis-kinitopoiisis-ton-ygeionomikon-pem-13-1-yp-ygeias


Mais informações acerca da lista A-infos-pt