(pt) Catalunia, Embat: Nós quebramos o gelo com o calor da luta (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 14 de Setembro de 2021 - 09:36:21 CEST


Embat, Organização Libertária da Catalunha, 11 de setembro de 2021 ---- Quatro 
anos se passaram desde 2017 e o clima político atual é completamente diferente. O 
Governo da Generalitat baseia-se em um acordo com o Estado para garantir a 
governança na Espanha e na Catalunha em troca de uma mesa de diálogo que nunca 
foi finalizada. ---- A real-politik de ERC e JxC, ou melhor, a falta de 
compromisso com o resultado do 1-O contrasta com as aspirações populares, que 
lembram que há 52% dos eleitores catalães que apoiaram os partidos 
pró-independência no última eleição. Ou seja, que há justificativa para o 
levantamento da suspensão da proclamação da independência em 27 de outubro, mas 
que não se concretiza devido ao pacto entre o ERC e o PSOE de Pedro Sánchez.

Entendemos que o que está por trás desses atrasos nada mais é do que medo. Os 
quadros dirigentes da independência têm medo da repressão do Estado, que já vimos 
manifestar-se de várias formas (judicial, policial, institucional ou, se 
necessário, militar). Compreendemos perfeitamente que o Estado não permitirá uma 
separação para o bem e que qualquer tentativa nos fará pagar caro. É por isso que 
eles querem "expandir a base" da independência, tentando arrastar os comuns. Però 
a l'inrevés, hem vist com els Comuns / Podemos o el PSC aposten per un pacte 
d'unitat nacional espanyola totalment impermeable als cants de sirena dels 
republicans catalans.

Por outro lado, a autodeterminação e a soberania estão sendo levadas para um 
terreno estritamente formal e institucional do ponto de vista político. Quatro 
anos depois, as aspirações populares de soberania (alimentação, energia, política 
...) e de decidir tudo foram encurraladas pelo malabarismo da política 
institucional. Uma política institucional (aquela que é exercida pela Generalitat 
e pelo Parlamento) que não marca diferenças substanciais com as do Estado ou da 
UE no que se refere à capacitação dos serviços públicos, à melhoria das condições 
de vida das pessoas, à extensão dos direitos sociais e trabalhistas, etc.

Nós, da perspectiva libertária que nos move, entendemos que a única forma de 
ampliar a base é por meio do conflito . Veure un estat espanyol corrupte, 
autoritari i essencialment injust el 2017 va fer that moltíssimes persones 
d'esquerres donessin suport a l'autodeterminació catalana. O caminho do conflito 
envolve seguir em frente. E tudo deve ser organizado para se preparar para este 
conflito. Por outro lado, vemos que o Governo da Generalitat não deu nenhum passo 
nesse sentido. Pelo contrário, é apresentada como uma acusação particular contra 
milhares de ativistas pró-independência em vários processos penais. Não se 
engane, foram esses atrasos que congelaram o processo.

Tudo isso acontece com um fascismo na ofensiva, que não tem mais vergonha de se 
mostrar como é. Esta situação tem um lado positivo: as cartas estão na mesa. Além 
disso, as diversas ações de extrema-direita do ano passado suscitaram a 
indignação de parte da população, que também foi polarizada. Não basta, o 
fascismo não é derrotado nas urnas, mas na rua. O que é mais importante é 
descobrir o poder oculto de fascistas específicos em instituições estatais como o 
judiciário, a polícia ou o exército, um poder que é protegido por altos 
funcionários do PSOE. Em essência, esta situação destaca a construção da Espanha 
sob o regime de 1978 sob as diretrizes do regime de Franco.

Dito isso, estamos no início do curso político 2021-2022. A crise da COVID-19 
agravou a precariedade das condições de trabalho da população e o aumento da 
oferta de luz ou a falta de determinados recursos e insumos prenunciam um outono 
de crise social. O governo central está preparando medidas de austeridade e a 
Generalitat não tem intenção de contradizer essa linha. E todo o movimento 
habitacional e a população vulnerável temem o tsunami de despejos atrasado pela 
pandemia prevista para aquela época. Ou seja, enquanto a questão nacional 
permanece congelada, a questão social volta a um boom muito importante.

Apesar das questões políticas ou econômicas, já temos a crise climática. Neste 
mesmo verão, testemunhamos o desastre planetário que a ação humana está causando 
devido ao estilo de vida consumista e predatório de recursos. O planeta nos 
lembra que não temos mais uma vida para fazer mudanças estruturais e derrotar o 
capitalismo. As alterações devem ser imediatas, caso contrário, o dano será 
permanente.

Por fim, lembre-se daquele dia 11 de setembro, há 20 anos, com o ataque às Torres 
Gêmeas. A guerra que provocou e a ocupação do Afeganistão. Agora vimos as 
vigorosas tropas da OTAN saindo, deixando aquelas terras nas mesmas mãos de duas 
décadas atrás. Estamos passando por uma mudança de paradigma no nível geopolítico.

As organizações sociais estão preparadas para a luta. A crise é um combustível 
que gera desconforto e medo. Precisamos de um catalisador para um outono quente. 
Precisamos de uma reestruturação e rearticulação dos processos populares para 
superar o bloqueio à ruptura de partidos e instituições.

De nossa parte, aqui estamos, prontos para lutar.

https://embat.info/trenquem-el-gel-amb-lescalfor-de-la-lluita/


Mais informações acerca da lista A-infos-pt