(pt) federazione anarchica FAI [Italy]: Apelo aos sindicatos de base que promovem a greve de 11 de outubro (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Segunda-Feira, 13 de Setembro de 2021 - 07:36:52 CEST


A greve geral convocada pelo sindicalismo popular para o próximo dia 11 de 
outubro representa uma importante nomeação da oposição de classe às políticas 
governamentais, bem como um momento unitário do sindicalismo popular, um 
prenúncio de perspectivas interessantes. ---- Muitos e muitos de nós estaremos 
engajados nos próximos dias no local de trabalho, nas organizações sindicais de 
referência e nas áreas de luta em que atuamos na preparação da greve de 11 de 
outubro. ---- A Federação Anarquista Italiana ativou uma campanha antimilitarista 
pela retirada imediata das missões militares no exterior, para impedir o aumento 
dos gastos militares, para converter a produção de guerra, uma campanha para a 
qual convida todas as realidades políticas, sindicais e de movimento que 
compartilham esses objetivos.
Esperamos que o dia de luta de 11 de outubro também seja caracterizado por uma 
perspectiva antimilitarista.
A militarização dos territórios e das relações sociais em nosso país e a política 
imperialista e belicista externa são características fundamentais da ação do 
governo Draghi, no contexto do ataque mais geral às condições de vida dos 
trabalhadores, desempregados, precários; uma acção fortemente apoiada pela União 
Europeia.

Os gastos militares em 2021, em plena pandemia, aumentaram 8,1% face ao ano 
anterior, num total de quase 25 mil milhões de euros, dos quais 1.254,6 se 
destinam a financiar missões militares no estrangeiro, novamente aprovado pelo 
Parlamento no final de julho. Nem é preciso dizer que a alocação para as missões 
inclui apenas a parte de logística, enquanto os armamentos, salários e subsídios 
para missões estão incluídos em outros itens de despesas.
O estado italiano está engajado em 40 missões, das quais 18 na África. O 
contingente de guerra no Afeganistão foi retirado neste verão: o custo total 
desta intervenção de quase 20 anos foi de 8,7 bilhões de euros.
As operações militares no exterior são flanqueadas por 6 missões policiais fora 
das fronteiras italianas, incluindo a de assistência à notória guarda costeira da 
Líbia.
Os objetivos dessas missões são: assegurar o abastecimento de matérias-primas, 
garantindo a extração e passagem de recursos estratégicos; controlar áreas-chave 
de movimentos migratórios; para anunciar veículos militares italianos e materiais 
para os governos dos países onde estão envolvidos.
As tropas de ocupação da Líbia, assim como os navios de guerra do Golfo da Guiné, 
defendem os sítios mineiros e as infra-estruturas da ENI: os documentos oficiais 
esclarecem-no de forma totalmente explícita, sem qualquer referência a um 
"humanitário" ou "detective". Os movimentos que lutam contra a exploração 
ambiental, o colonialismo, o empobrecimento das populações e a gestão militar dos 
fluxos migratórios o denunciaram em diversas ocasiões.
O epílogo de vinte anos de ocupação do Afeganistão pela OTAN mostra como a 
liberdade e o bem-estar das mulheres e dos homens afegãos é apenas uma desculpa 
para justificar uma guerra feroz, que terminou com a derrota da "coligação de 
vontades".

O aumento dos gastos militares, dadas as restrições orçamentárias, determina um 
novo corte nos recursos para saúde, educação e assistência. Os serviços 
essenciais foram severamente reduzidos durante anos, os quais, apesar da 
emergência da Covid, foram ainda mais desgastados. O poder de compra de salários 
e pensões tem diminuído devido à necessidade de fazer face às despesas de saúde, 
educação e transportes, cujos custos reais, mesmo após processos progressivos de 
privatização, têm aumentado constantemente, agravando as condições de vida dos 
desempregados e dos desempregados e daqueles que trabalham em condições de 
crescente precariedade e chantagem.

A oposição à guerra, à produção e ao tráfico de armas, aos gastos militares se 
cruzou com as lutas de importantes setores do movimento dos trabalhadores e da 
sociedade, basta pensar nas greves e bloqueios dos portos contra o tráfico de 
armas, o movimento No MUOS na Sicília, os repetidos protestos contra o Encontro 
Aeroespacial e de Defesa em Torino.

É importante construir a greve de 11 de outubro a partir dos elementos mais 
cruciais das diversas disputas setoriais e políticas de governo, mas acreditamos 
que o recrutamento dentro da plataforma das áreas de luta que veem os movimentos 
como protagonistas pode aumentar a adesão de mais ampla setores em um evento 
importante como a greve geral.

Pedimos, portanto, aos sindicatos que promovem a greve geral de 11 de outubro que 
incluam na plataforma uma referência clara contra a política belicista do 
governo: travar o aumento dos gastos militares, pela retirada imediata das 
missões militares no exterior, pela reconversão da guerra Produção.

Convidamos todos os interessados a participarem da assembleia antimilitarista que 
se realizará em Milão no sábado, 9 de outubro:
encontro das 10h00 às 19h00 no laboratório Kasciavit na via San Faustino 64

https://federazioneanarchica.org/ enforcement archive_2021 / 20210714antimil.html

Federação Anarquista Italiana
(Grupo de Trabalho Antimilitarista e Comissão de Correspondência)

Para contatos:
antimilitarista  federazioneanarchica.org

https://federazioneanarchica.org/archivio/archivio_2021/20210905antimil-cdc.html


Mais informações acerca da lista A-infos-pt