(pt) France, UCL AL #318 - Sudhir Hazareesingh (historiador): "A abolição de 1793 foi imposta pelos revolucionários negros" (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sábado, 11 de Setembro de 2021 - 07:56:38 CEST


Mauriciano, anglófono e francófono, Sudhir Hazareesingh é pesquisador da 
Universidade de Oxford. Um especialista em Revolução Francesa e o Primeiro 
Império, ele publicou recentemente Toussaint Louverture (Flammarion, 2020), uma 
biografia monumental usando fontes não publicadas. Ele respondeu a algumas 
perguntas do Alternative Libertaire. ---- Durante a insurreição de Domingo de 
1791, vimos emergir vários líderes - Halaou, Makaya, Hyacinthe, Jean-François, 
Biassou, Lamour Dérance ... Em que se destacou Toussaint Louverture? ---- Sudhir 
Hazareesingh: Toussaint se destacou por seu carisma (seus apoiadores o 
veneravam), seu notável talento para a organização civil e militar (ele foi um 
verdadeiro líder), suas qualidades morais e intelectuais (ele foi igualmente 
nutrido pela cultura do Iluminismo do político e espiritual tradições da África e 
das Índias Ocidentais), a abrangência e fluidez de suas redes (ele tinha contatos 
em diferentes círculos, mesmo entre seus adversários), seu ecumenismo (ele podia 
se dirigir tanto a escravos rebeldes do que a brancos e negros), seu desejo 
transcender as clivagens étnicas e geográficas que separavam seus 500.000 irmãos 
e irmãs negros (a maioria deles nascidos na África) e, finalmente e sobretudo por 
sua visão estratégica para a regeneração de Santo Domingo,fundada nos grandes 
princípios republicanos de igualdade e fraternidade.

Os comissários civis Polverel e Sonthonax se resignaram a abolir a escravidão em 
agosto-setembro de 1793. No entanto, Toussaint esperou até maio de 1794 para 
ingressar na república. Por que essa demora?

Sudhir Hazareesingh:Toussaint com razão desconfiava dos comissários, porque 
quando desembarcaram em Santo Domingo se recusaram a reconhecer a legitimidade da 
insurreição de 1791, contra a qual desejavam combater. Eles declararam que não 
queriam abolir a escravidão, chegando mesmo a traduzir o Código Negro para o 
Kreyòl. A abolição de 1793 foi imposta aos comissários pelos revolucionários 
negros. Os espanhóis, por sua vez, inicialmente trataram Toussaint e seus homens 
com muito mais dignidade e respeito. Louverture finalmente viu o general Étienne 
Laveaux como um interlocutor em que realmente confiar, e foi então que ele se 
sentiu suficientemente seguro para mudar de lado. Mas eu diria que não foi ele 
quem procurou os franceses: foram eles que apoiaram as ideias dos insurgentes de 
Santo Domingo.

Por que Toussaint não tentou exportar a revolução antiescravista, especialmente 
para a Jamaica?

Sudhir Hazareesingh: Por cinco motivos. Primeiro, ele sempre agia com cautela e 
só se comprometia quando pensava que poderia ter sucesso. Em segundo lugar, ele 
via o expansionismo do Directory[1]como uma estratégia metropolitana inadequada 
para as realidades das Índias Ocidentais, onde a dominação naval dos britânicos 
era inevitável. Terceiro, ele sabia que o Diretório queria enfraquecer seu poder 
enviando-o para a guerra externa. Quarto, ele não queria dar aos imperialistas 
ingleses ou espanhóis um pretexto para atacar Santo Domingo. Quinto, ele 
acreditava que as insurgências só poderiam ter sucesso se estivessem ancoradas 
nas mentalidades e práticas das sociedades locais. Robespierre disse que ninguém 
gostou do "missionários armados"; Não sei se Toussaint conhecia essa frase, mas 
ele compartilhava totalmente desse sentimento.

"Foram os franceses que apoiaram as idéias dos insurgentes em Santo Domingo"
Costuma-se dizer que Toussaint Louverture foi um excelente senhor da guerra, mas 
que, quando a paz foi estabelecida, ele desapontou muito o campesinato. Você 
compartilha dessa opinião?

Sudhir Hazareesingh: Não contesto que os últimos anos do regime de Louvertur 
tenham decepcionado o campesinato. Mas temos que colocar as coisas em contexto e 
olhar para a situação de um ponto de vista objetivamente revolucionário. Em 1795, 
após quatro anos de revolta nas plantações, a produção agrícola entrou em colapso 
total na colônia. Sem ela, Toussaint sabia que Saint-Domingue e sua revolução 
pereceriam: bons princípios não bastam por si só. A única maneira de reiniciar 
rapidamente a economia agrícola era reiniciar as plantações, e Toussaint aplicou 
essa política com método e rigor.

Os sucessos econômicos, indiscutíveis, permitiram a Santo Domingo reviver 
plenamente de 1799-1800, em particular exportando seus produtos para a França e 
os Estados Unidos. Foi graças a esse renascimento econômico que Toussaint 
conseguiu reunir os colonos brancos, evitar o isolamento diplomático da revolução 
e obter o apoio político e militar dos Estados Unidos do presidente John Adams.

Certamente houve um preço político a pagar: Toussaint impôs um regime de trabalho 
árduo, com uma disciplina quase militar que obrigava os trabalhadores agrícolas a 
permanecer nas plantações - sendo pagos, é claro. Mas não havia alternativa 
viável no curto prazo: se Toussaint tivesse confiscado e redistribuído as terras 
aos camponeses, não haveria recuperação econômica após 1795, os colonos teriam 
partido (levando consigo o know-how necessário para a produção agrícola ), e a 
revolução teria sido destruída.

É difícil entender por que e como o habilidoso Toussaint se permitiu ser parado 
pelos franceses em 1802, em vez de ir para o maquis enquanto esperava que a 
estação das chuvas recuperasse a vantagem. Qual é a sua hipótese?

Sudhir Hazareesingh: Admito que ainda não entendo muito bem como ele foi pego. 
Talvez ele pensasse que havia feito o suficiente militarmente para impor uma 
trégua duradoura, que acabaria trabalhando a seu favor com o início das chuvas. 
Ele também havia, sem dúvida, subestimado a traição dos soldados franceses - 
Toussaint concebeu "a honra Como a mais nobre das virtudes - mas também os 
compromissos de seus próprios subordinados, em particular Dessalines, que 
claramente fez um pacto com os franceses para satisfazer suas próprias ambições. 
Tenho amigos haitianos que pensam que Toussaint se deixou levar, após ter 
conduzido sua própria revolução até o fim, para preparar o caminho para a 
insurreição geral. É uma visão um pouco romântica e fatalista, mas talvez haja 
alguma verdade nisso.

Vamos fazer alguma história de ficção. Na sua opinião, o que poderia ter 
acontecido com o resto da revolução se Toussaint Louverture não tivesse sido 
capturado? Se foi ele, e não Dessalines, quem levou o Haiti à independência?

Sudhir Hazareesingh: Essa é uma ótima pergunta. Observo, em primeiro lugar, que a 
estratégia que levou Santo Domingo à independência é a que o próprio Toussaint 
desenvolveu nos primeiros meses de 1802: o recuo para o interior, a política da 
terra arrasada, a unificação política dos vários componentes da resistência, em 
particular o aliança entre negros e pessoas de cor. É essa política que 
Dessalines vai colocar em prática. Mas este último era muito mais sectário do que 
Toussaint: eliminou aqueles de seu próprio campo que podiam ofendê-lo (como 
Sans-Souci) e, após a vitória final, a população branca foi condenada à morte.

Toussaint Louverture, por sua vez, teria procurado continuar sua política de 
cooperação "nacional" entre brancos, negros e negros e, portanto, construir uma 
república multirracial onde o poder seria dividido entre uma elite política negra 
e uma economia branca elite (muito parecida com a África do Sul pós-apartheid). 
Teria sido necessário chegar a um acordo com os proprietários brancos e, sem 
dúvida, teria sido difícil e doloroso. Mas Toussaint teria tentado essa 
experiência e talvez pudesse levá-la até o fim, como Nelson Mandela.

Sudhir Hazareesingh, Toussaint Louverture, Flammarion, 2020, 576 páginas, 29 euros.
Deve-se lembrar também que a solução adotada por Jean-Jacques Dessalines acabará 
por levar a um confronto com a França, que exigirá e obterá, em 1825, o pagamento 
de pesada indenização do Haiti (150 milhões de francos ouro) como compensação aos 
colonos franceses para a perda de seus escravos - um diktat vergonhoso que irá 
assolar completamente a economia da república negra até o final do XIX eséculo e 
além.

Podemos, portanto, imaginar outro caminho, louverturienne, em direção à 
independência haitiana, mais consensual e potencialmente mais rico em 
possibilidades. O próprio Napoleão, exilado em Santa Helena, admite que errou ao 
enviar a expedição militar de 1802 e que deveria ter confiado em Toussaint. Uma 
carta nesse sentido, chamando-o de "capitão-geral" da colônia, estava pronta 
(encontrei-a nos arquivos); nunca foi enviado.

Se Bonaparte tivesse dado ouvidos a sua razão em vez de seu racismo e os gritos 
do lobby colonial, e tivesse forjado uma aliança duradoura com Toussaint, que 
perspectiva interessante teria se aberto em 1800: pode-se imaginar um regime 
louverturiano onde a coexistência de diferentes grupos étnicos teriam ocorrido, 
impostos, e a colônia teria lenta mas seguramente se emancipado da metrópole, 
levando à independência de fato, se não na realidade (um dos provérbios Kreyòls 
favoritos de Toussaint "lentamente foi longe" ).

E o mais atraente nesse cenário: nenhum restabelecimento da escravidão nas 
colônias francesas, porque Toussaint Louverture, aliado dos franceses, não o 
teria permitido. A contradição entre a Revolução Francesa e a escravidão teria, 
portanto, sido superada de forma mais criativa, dando um impulso ainda mais 
sólido ao abolicionismo em todo o mundo atlântico, notadamente nos Estados Unidos 
e na Grã-Bretanha. E, em vez de se basear no poder branco e na hierarquia racial, 
o colonialismo francês poderia ter mudado.

Entrevista com Irène (UCL Haute-Savoie), Benjamin (UCL Marseille) e Guillaume 
(UCL Montreuil)

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Sudhir-Hazareesingh-historien-L-abolition-de-1793-a-ete-imposee-par-les


Mais informações acerca da lista A-infos-pt