(pt) France, UCL AL #320 - Internacional, Entrevista com feministas afegãs da RAWA: "A ocupação não causou nada além de destruição e caos" (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 24 de Novembro de 2021 - 10:32:47 CET


A Associação Revolucionária de Mulheres no Afeganistão (RAWA) é uma organização 
fundada em Cabul em 1977, que luta pela justiça social, pelos direitos das 
mulheres e contra o imperialismo. Ela participou da resistência contra a invasão 
soviética de 1979 enquanto se opunha aos fundamentalistas islâmicos, depois lutou 
contra o regime talibã e a ocupação americana desde 2001. Um funcionário desta 
organização fornece uma atualização sobre a situação após a retirada dos Estados 
Unidos e a tomada de poder pelo Talibã. ---- Sonali Kolhatkar: Durante anos, a 
RAWA denunciou a ocupação americana e, agora que acabou, o Talibã está de volta. 
O presidente Biden poderia ter feito isso para que o Taleban não tomasse o país 
de volta tão rapidamente ?

RAWA:Nos últimos vinte anos, uma de nossas reivindicações foi o fim da ocupação 
da OTAN e dos Estados Unidos. Ainda mais, que eles levem seus fundamentalistas 
islâmicos e tecnocratas com eles e deixem nosso povo decidir seu próprio destino. 
Esta ocupação não causou nada além de derramamento de sangue, destruição e caos. 
Eles tornaram nosso país um espaço mais corrupto, inseguro, mafioso e perigoso, 
especialmente para as mulheres. Desde o início, poderíamos prever esse fim. Desde 
os primeiros dias da ocupação americana do Afeganistão, a RAWA declarou em 11 de 
outubro de 2001: "A situação dos ataques dos Estados Unidos e o aumento do número 
de vítimas civis inocentes não só fornecem uma desculpa para o Taleban, mas 
também farão com que forças fundamentalistas cheguem ao poder na região e, na 
verdade, no mundo."

O principal motivo da nossa recusa a esta ocupação foi o apoio ao terrorismo sob 
a bonita bandeira da "guerra ao terror". Desde os primeiros dias, quando os 
assassinos e saqueadores da Aliança do Norte voltaram ao poder em 2002, e até a 
última das chamadas negociações de Doha para libertar 5.000 terroristas das 
prisões até 2020/2021, era óbvio que mesmo a retirada não iria seja um final feliz.

A situação prova que nenhuma das teorias preconizadas, a invasão ou a ingerência, 
poderia ser concretizada em condições que garantissem a segurança. Todas as 
potências imperialistas que participaram da ocupação, de acordo com os seus 
próprios interesses estratégicos, políticos e financeiros, procuraram ocultar as 
suas próprias motivações e agendas, através das suas mentiras e do seu poder 
mediático.

É uma piada dizer que valores como "direitos das mulheres", "democracia", 
"construção da nação" etc. estavam entre os objetivos dos Estados Unidos e da 
OTAN no Afeganistão! Os Estados Unidos estavam no Afeganistão para mergulhar a 
região na insegurança e no terror, para cercar potências rivais da China e da 
Rússia e para minar suas economias por meio de guerras territoriais. Mas é claro 
que o governo dos Estados Unidos não queria uma saída tão desastrosa e 
embaraçosa, deixando para trás tal inquietação que teve que enviar novas tropas 
em 48 horas para controlar o aeroporto e evacuar seus diplomatas e equipe.

Manifestação de mulheres da RAWA em Cabul, 4 de setembro de 2021, para protestar 
contra o Talibã.
Acreditamos que os Estados Unidos deixaram o Afeganistão assim para não se ver 
derrotado por suas próprias criaturas, o Talibã. Existem duas razões importantes 
para isso. O principal motivo é a complexidade da crise interna americana. Os 
sinais do declínio do sistema americano surgiram na fraqueza da resposta à 
pandemia Covid-19, no ataque ao Capitólio e nos grandes protestos dos últimos 
anos.[...]A segunda razão é que a guerra afegã foi uma guerra particularmente 
cara, chegando aos bilhões, financiada inteiramente por impostos. Isso criou uma 
lacuna econômica tão grande que eles tiveram que retirá-la. Sua estratégia de 
guerra prova que seu objetivo nunca foi tornar o Afeganistão mais seguro.[...]

O Taleban afirma que respeitará os direitos das mulheres, desde que respeite as 
leis islâmicas. A mídia ocidental acredita que eles mudaram. Você acredita nisso?

A grande mídia está adicionando sal às feridas de nosso povo devastado ; eles 
deveriam ter vergonha de si mesmos, considerando como atenuaram a brutalidade do 
Talibã. O porta-voz do Taleban disse que não houve mudança em sua ideologia entre 
1996 e hoje. E o que dizem sobre os direitos das mulheres usa as mesmas frases 
que usaram durante seu último reinado sombrio: "estabeleça a sharia" .

Nos últimos dias, o Taleban declarou anistia em todo o Afeganistão e seu slogan é 
"oque a alegria da anistia pode trazer, a vingança não" .[...]

Achamos que suas declarações poderiam ser encenadas para ganhar tempo até que 
possam se organizar. As coisas andaram rápido e estão tentando montar uma 
estrutura de governo, montar um ministério de Propagação da Virtude e Prevenção 
do Vício, responsável por controlar os pequenos detalhes do dia a dia das 
pessoas, como o comprimento da barba. , o código de vestimenta e a necessidade de 
um Mahram (companheiro, único pai, irmão ou marido) para a mulher.[...]

O Taleban gostaria que o Ocidente os reconhecesse e os levasse a sério, e todas 
essas declarações ajudam a pintar uma imagem caiada e em seus 
interesses.[...]Essas pretensões nunca mudarão sua verdadeira natureza, sempre 
serão fundamentalistas islâmicos: misóginos, desumanos, bárbaros, reacionários, 
antidemocráticos e antiprogressistas. Resumindo, a mentalidade do Taleban não 
mudou e nunca mudará !

Por que o Exército Nacional Afegão e o governo apoiado pelos Estados Unidos 
entraram em colapso tão rapidamente ?

Tudo foi feito de acordo com uma negociação de cessão do Afeganistão ao Talibã. 
As negociações entre o governo dos Estados Unidos, o Paquistão e outras forças 
influentes resultaram na criação de um governo predominantemente composto pelo 
Taleban. Os soldados não estavam dispostos a arriscar suas vidas por uma guerra 
na qual sabiam que não haveria benefício para o povo afegão, já que no final foi 
acordado, a portas fechadas, levar o Taleban ao poder.[...]

A maioria dos afegãos entende bem que a guerra em curso no Afeganistão não é a 
guerra dos afegãos, nem no interesse do país, mas sim um assunto de potências 
estrangeiras em seus próprios interesses estratégicos, sendo os afegãos apenas os 
consumíveis dessa guerra. A maioria dos jovens ingressou nas Forças Armadas por 
causa da pobreza e do desemprego e, portanto, não tem determinação ou motivação 
para lutar.

É importante observar que os Estados Unidos e o Ocidente tentaram por vinte anos 
fazer do Afeganistão uma nação de consumidores e, assim, desaceleraram o 
crescimento da indústria. Essa situação criou uma onda de pobreza e desemprego, 
abrindo caminho para o recrutamento de um governo fantoche, o Talibã e o 
desenvolvimento da produção de ópio. As forças afegãs não foram derrotadas em uma 
semana por fraqueza, mas receberam ordens do palácio presidencial para não 
retaliarem contra o Taleban e se renderem. A maioria das províncias foi 
conquistada pacificamente pelo Taleban.[...]

As forças armadas foram corruptas a um nível sem precedentes. A maioria dos 
generais (muitos sendo ex-senhores da guerra brutais da Aliança do Norte) em 
Cabul arrecadou milhões de dólares, chegando a usar comida e salários para 
soldados que lutam nas linhas de frente.[...]Sempre que o exército era sitiado e 
desafiado pelo Talibã, os pedidos de ajuda eram ignorados por Cabul. Em muitos 
casos, dezenas de soldados foram massacrados pelo Taleban, abandonados, sem 
munição ou comida por semanas.[...]

Qual é a melhor maneira para os americanos ajudarem a RAWA, o povo afegão e as 
mulheres afegãs hoje ?

Sentimo-nos muito afortunados e felizes por ter o povo americano amante da 
liberdade conosco por todos esses anos. Precisamos que os americanos levantem 
suas vozes e protestem contra as políticas de guerra de seu governo e apoiem o 
fortalecimento da luta do povo no Afeganistão contra esses bárbaros.[...]

Vimos que opressão, tirania ou violência, nada pode impedir a resistência. As 
mulheres não ficarão mais acorrentadas! Na manhã seguinte à entrada do Taleban na 
capital, um grupo de nossas corajosas e jovens mulheres pintou as paredes de 
Cabul com o slogan:"Abaixo o Talibã!"Nossas mulheres agora têm consciência 
política e não querem viver sob uma burca, algo que ainda eram facilmente há 
vinte anos.[...]

Agora nosso medo é que o mundo se esqueça do Afeganistão e das mulheres afegãs 
sob as leis sangrentas do Taleban da década de 1990.[...]Vamos levantar nossas 
vozes mais alto e continuar nossa resistência e nossa luta pela democracia 
secular e pelos direitos humanos.

Entrevista por Sonali Kolhatkar em 20 de agosto de 2021

Sonali Kolhatkar é jornalista e porta-voz da Afghan Women's Mission (AWM), uma 
ONG americana que ajuda mulheres afegãs. Entrevista traduzida para o francês pela 
Rede Sindical Internacional pela Solidariedade e Lutas, publicada na íntegra no 
site Laboursolidarity.org.

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Entretien-avec-les-feministes-afghanes-de-RAWA-L-occupation-n-a-cause-que


Mais informações acerca da lista A-infos-pt