(pt) Canada, Collectif Emma Goldman - Festa de Halloween na UQAC: quando o debate semeia medo em Quebec (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sábado, 6 de Novembro de 2021 - 09:20:12 CET


Até a Assembleia Nacional, estamos indignados que a associação estudantil da 
UQAC, que optou por organizar a sua festa de Halloween com o tema do Dia dos 
Mortos, reconsiderou a sua decisão[1]. ---- O Dia dos Mortos ou Dia de Muertos é 
celebrado principalmente no México no início de novembro. Durante esses dias, 
comemoramos o falecido. Primeiro os angelitos (crianças falecidas), depois os 
adultos. ----  Aqui, sabemos muito pouco sobre essa tradição mexicana. Por outro 
lado, vimos belas representações de calavera , crânios de açúcar decorados 
frequentemente colocados no túmulo ou no altar dedicado a um falecido por ocasião 
do Dia dos Mortos. É verdade que parece e daria lindas decorações de Halloween 
para uma festa no Bar à Pitons. É compreensível que os organizadores da festa 
tenham pensado, a priori, que seria uma boa ideia fazer do Dia dos Mortos o tema 
da festa universitária (PU); também entendemos que alguns podem ter ficado menos 
confortáveis com essa escolha.

  Pelo que sabemos, nenhum comando armado entrou nas sedes da associação 
estudantil para obrigá-los a reverter sua decisão, ninguém foi ameaçado ou 
insultado, ao contrário do que pretendem insinuar, que buscam promover o 
escândalo. Mas a mídia não pode deixar passar uma grande história de apropriação 
cultural para irritar aqueles que acordam com pesadelos bem a tempo do Halloween.

  A verdade é muito mais lisonjeira. O MAGE-UQAC indica no seu post no Facebook 
que optou por mudar o tema da festa "na sequência de um debate realizado na 
passada quinta-feira entre as associações estudantis presentes. É uma atitude 
fundamental de um diálogo democrático saudável ser empático, sensível e aberto 
aos sentimentos, críticas e argumentos dos outros e, acima de tudo, estar pronto 
para reconsiderar posições quando necessário. Isso é o que se espera do acadêmico 
para poder debater. Obviamente, na mídia, nunca falamos sobre o conteúdo das 
discussões que levaram a associação estudantil a mudar o tema de sua festa. O que 
alguns chamaram de desconforto e como outros foram abertos o suficiente para 
concluir que era melhor reconsiderar sua decisão.

  Claro, a não história ressoa até Quebec. Paul Saint-Pierre-Plamondon e Danielle 
McCann sobem nas cortinas e mostram na mídia sua incompreensão do conceito de 
apropriação cultural. "Ter uma noite de sushi é uma apropriação cultural?"[2]". 
Não, Paul.

  O que é ainda pior é que ele e ela veem a censura e um regime de terror ao 
estilo da Gestapo, onde realmente houve diálogo e deliberação (o que normalmente 
deveria ser a base de seu trabalho). Mas o que devemos esperar de um líder 
partidário e de um ministro que trabalha em uma instituição onde reinam os 
diálogos surdos e as atitudes de recreio? Já não sabem reconhecer um exercício 
democrático quando o veem. Não há necessidade de ir muito longe para descobrir o 
que está acabando com nosso chamado estado democrático. Claro, é mais fácil 
imaginar-se sendo uma vítima pobre do que fazer perguntas a si mesmo.

  "Devemos parar de nos desculpar por tudo, o tempo todo[3]", dizia o dirigente 
do Parti Québécois enquanto os internautas cagavam nas redes sociais que "todo 
mundo vai ter que prestar atenção a tudo no fim que ninguém mais está. 'se 
atreverá a viver'. Na verdade, é muito básico prestar atenção ao que você faz ou 
diz, principalmente quando você é um político ou uma organização como a 
MAGE-UQAC. Isso não é novo e é normal ser criticado. Mais uma vez, mostre-nos os 
exércitos de wokes que espalham o terror e impedem as pessoas de viver. Talvez os 
jornalistas mexicanos possam nos explicar como é ter medo de falar abertamente. 
"O México continua sendo, ano após ano, um dos países mais perigosos e assassinos 
do mundo para a mídia"[4]. Os cartéis o ameaçam, repreender e às vezes matar a 
sangue frio aqueles que interferem demais em seus interesses. Mas é verdade que 
ser criticado e ter que justificar suas posições é brincadeira também.

  Enfim, precisamos mesmo de um tema para uma festa de Halloween? A realidade nos 
últimos meses já é bastante sombria na região de Saguenay com os assassinatos e 
shows de suicídio que se sucedem[5]. Não há necessidade de se apropriar do 
sofrimento alheio, as ruas de nossos bairros já estão transbordando dele.

Feliz Dia das Bruxas

1. ICI Saguenay-Lac-Saint-Jean, " A apropriação cultural: a reviravolta do 
MAGE-UQAC denunciada em Quebec ".

2. Ibid .

3. Ibid .

4.Reporters Sem Fronteiras, "Violência e medo no dia a dia".

5. Le Quotidien, " Um homem tenta se incendiar na rue Racine".

Le Quotidien, "Corpse in Burned Van: Investigation Continues".

ICI Saguenay-Lac-Saint-Jean, "Um homem encontrado morto no centro de Chicoutimi".

Postado 2 horas atrás por Collectif Emma Goldman

http://ucl-saguenay.blogspot.com/2021/10/fete-dhalloween-luqac-quand-le-debat.html


Mais informações acerca da lista A-infos-pt