(pt) CNT nº 426 - Encruzilhada para a felicidade Por Elena Martínez (Sierra Norte) (ca, de, en, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Segunda-Feira, 31 de Maio de 2021 - 09:29:02 CEST


Até hoje nenhuma revolução foi fundamentada e, por isso, nenhuma completou o 
triunfo. Todos os grandes movimentos foram, sem exceção, atos quase inconscientes 
da multidão, movidos por instinto ou atraídos por interessados e as vantagens 
obtidas foram realmente apenas para os dirigentes do movimento. As revoluções não 
serão mais feitas ao acaso, porque as evoluções estão se tornando mais 
conscientes e refletidas a cada dia. ---- Eliseo Reclús ---- Não sei o que me 
acontece. Enquanto anseio pelo pós-coronavírus, não consigo parar de pensar nos 
tempos passados, agarrando-me às memórias e, curiosamente, meu avô anarquista vem 
à mente o tempo todo, para quem certamente e em grande medida, sou um membro do 
CNT desde 1977.

Aragonês e ferrovia. Filiado à Confederação Nacional do Trabalho desde jovem, foi 
um idealista, um sonhador. Enquanto era chefe da estação em Alcalá de Henares, 
foi preso em maio de 1939. Eles o colocaram na prisão e o submeteram a um 
Conselho de Guerra por se recusar a descarrilar um trem de civis vindos de Madrid.

Ele me acompanhou durante minha infância. Ele me levava para a escola, para o 
parque, éramos companheiros de jogos e de vida. Nas muitas vezes que passamos 
juntos, ele me contava histórias. Histórias, disse ele, mas com o passar dos anos 
descobri que suas histórias eram experiências vividas e ideais profundos.

Tanta eloqüência e tanta paixão ele colocava nela que ela sempre o ouvia 
extasiada. Ele me ensinou que a felicidade está nas coisas simples, nos afetos e 
não nas coisas materiais.

Meu avô costumava dizer que "naqueles tempos felizes não precisávamos de nada, 
porque tínhamos de tudo" Ele sempre falou da felicidade como um sentimento 
coletivo. Como você pode ser feliz se as pessoas ao seu redor não são?

Não há dúvida de que a felicidade só pode ser alcançada quando as necessidades 
básicas como saúde, moradia, alimentação e educação são atendidas. E se me 
permitem, e como disse Lorca, acrescentaria cultura. "Dê-me um pão e um livro."

Estou totalmente convencido de que estamos em uma encruzilhada onde nossos passos 
podem mudar o curso das coisas. Se o Covid nos ensinou alguma coisa, é que a vida 
está em risco. O patriarcado, a globalização, a crise climática, a perda da 
biodiversidade, a extinção de espécies, o aprofundamento das desigualdades, tudo 
o que nos rodeia parece cada vez mais com a queda do Império Romano. Se antes do 
Covid, este sistema ultrapassado e predatório do capitalismo para as águas por 
todo o lado, depois desta pandemia, da crise que já vivemos acima, mostra que só 
uma análise sistémica pode nos indicar um caminho diferente para percorrer.

Fazer bairro e cidade a partir do local e de uma perspectiva anarco-feminista é 
essencial. Porque o essencial é o carinho, o cuidado, a vida. Produza para viver.
É claro que o crescimento não é verde, ilimitado ou eqüitativo. E também está 
claro que nenhuma forma de poder ou governo irá além dos ditames das grandes 
corporações e de um sistema baseado no dinheiro. E isso, sim, é uma fantasia. Um 
sistema construído em bilhões de euros, sem respaldo em nada. Por mais e mais 
dívidas.

Kropotkin também o disse em A conquista do pão: «O bem-estar de todos não é um 
sonho. À medida que a capacidade de produção se desenvolve, o número de 
vagabundos e intermediários aumenta a um ritmo assustador. Mas esse problema não 
pode ser resolvido por meio de legislação. Nem os governos atuais, nem os que 
vierem a surgir, seriam capazes de resolvê-lo.

Do grande ao pequeno, do global ao local, as experiências de comunidades 
horizontais, das quais temos inúmeros exemplos, seriam um espelho a olhar. A 
construção da soberania alimentar, da agroecologia, é um eixo fundamental. O 
movimento feminista é outro dos ingredientes essenciais, não só por questões de 
equidade, mas porque valoriza o cuidado, o carinho, o que é realmente importante.

Em todos os lugares há iniciativas locais, mercados de troca, bancos de tempo, 
jardins comunitários. Não há dúvida de que a produção local é mais ecológica, 
assim como o comércio local. O transporte é reduzido, oligopólios e 
intermediários são eliminados, empregos são criados e comunidades são construídas 
em nossos bairros e cidades.

Embora haja uma falsa crença de que não há alternativas de mudança para o sistema 
econômico capitalista globalizado, este não é o caso. Na CSA Vega del Jarama, nas 
nossas montanhas, e da qual participam os camaradas da CNT Sierra Norte, a 
soberania alimentar, a organização horizontal, a produção ecológica e a 
comunidade são uma realidade que dura mais de quatro anos e não dura. parar de 
crescer e se consolidar. Torremocha del Jarama, com uma população de apenas 1.000 
habitantes, hospeda este projeto, no qual 200 famílias participam desta horta 
comunitária de três hectares. Emprega três famílias e toda a comunidade se 
envolve, de forma rotativa, mimando os direitos de quem nela trabalha e 
colaborando em todas as tarefas.

Na CSA Vega del Jarama, nas nossas montanhas, e na qual participam os camaradas 
da CNT Sierra Norte, a soberania alimentar, a organização horizontal, a produção 
ecológica e a comunidade são uma realidade que dura mais de quatro anos. E não 
dura. parar de crescer e se consolidar.
Fala-se muito agora sobre a economia da felicidade. Desde 2008, o reino do Butão, 
um pequeno lugar escondido nas montanhas do Himalaia, orienta sua economia não 
pelo PIB, mas pela Felicidade Interna Bruta (FIB), que mede bem-estar 
psicológico, uso do tempo, vitalidade da comunidade, um ambiente sustentável e 
desenvolvimento socioeconômico equitativo, saúde, educação e cultura, entre 
outros. Curiosamente, sua principal atividade econômica é a agricultura.

Como disse Durruti, o caminho, esse novo mundo, está nos corações. A justiça 
social se constrói com a economia social e a evolução com a revolução, como tão 
apropriadamente escreve Eliseo Reclus. "Até hoje nenhuma revolução foi 
fundamentada, e por isso nenhuma completou o triunfo também. Todos os grandes 
movimentos foram, sem exceção, atos quase inconscientes da multidão, movidos por 
instinto ou atraídos por interessados e as vantagens obtidas foram realmente 
apenas para os dirigentes do movimento. As revoluções não serão mais feitas ao 
acaso, porque as evoluções estão se tornando mais conscientes e pensativas a cada 
dia.

Fazer bairro e cidade a partir do local e de uma perspectiva anarco-feminista é 
essencial. Porque o essencial é o carinho, o cuidado, a vida. Produza para viver, 
não para engordar o bolso daquele 1% mais rico que acumula 82% da riqueza global. 
Temos que parar nesta encruzilhada de um tempo perturbado e dirigido por 
interesses sombrios, para adicionar e adicionar e adicionar novamente. Porque 
somos muitos mais. E escolha de uma vez por todas o caminho da vida. Não é mais 
uma ilusão, é a única aventura em que nos sentimos seguros e felizes. Amanhã é 
nosso parceiro!

Elena Martínez - CNT Sierra Norte

https://sierranorte.cnt.es/encrucijada-a-la-felicidad/


Mais informações acerca da lista A-infos-pt