(pt) luta fob: MS | Campanha de arrecadação em defesa do povo Guarani e Kaiowá, da autonomia alimentar e da recuperação de sementes crioulas (en)

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 20 de Maio de 2021 - 09:12:30 CEST


14 de Junho: TERRA E LIBERDADE! Em memória dos que se foram, pela saúde e 
autonomia dos que ficaram ---- No dia 14 de junho de 2016 ocorreu o Massacre de 
Caarapó, quando Clodiodi de Souza - agente de saúde Guarani e Kaiowá de 26 anos - 
foi assassinado brutalmente por latifundiários e ruralistas após a retomada de 
Toro Paso, que faz parte da Terra Indígena Dourados Amambaipegua I. Na ocasião, 
mais de 10 pessoas ficaram feridas, incluindo uma criança de 12 anos de idade. 
Antes do ataque, os fazendeiros se esconderam na COAMO e organizaram a ação 
armada via whatsapp, com envolvimento de policiais e seguranças privados. 
Atualmente, apenas o pai de Clodiodi se encontra preso, acusado de crimes que não 
cometeu e condenado a 18 anos de cárcere, apesar de ser idoso e portador de 
doenças crônicas e degenerativas. Os 5 fazendeiros responsáveis pela articulação 
do massacre seguem livres. Ainda, em 2020, Jesus de Souza - irmão de Clodiodi - 
morreu de Covid-19, como resultado de uma saúde agravada pela bala que até então 
carregava alojada em seu abdômen, disparada pelos mesmos assassinos de seu irmão.

O dia 14 de junho também é um dia de resistência coletiva, pela qual Leonardo foi 
criminalizado. É um dia de resistência pois foi quando coletivamente os Guarani e 
Kaiowá da Tey'i Kue e de outras retomadas da região enfrentaram o covarde ataque 
dos fazendeiros e avançaram para mais 4 retomadas de seus tekoha, como se referem 
ao território ancestral. A Campanha "TERRA E LIBERDADE" se soma aos 4 anos 
consecutivos de eventos de memória e luta realizados em Kunumi Poty Verá em 
homenagem a Clodiodi e em defesa do tekoha. Ao longo de 2020, desde o início da 
pandemia, a FOB realizou campanhas de arrecadação por meio da campanha "Só o povo 
salva o povo!", resultando em ampla distribuição de sementes e produção de 
alimentos para comunidade

Hoje, com o avanço do agronegócio encastelado no Estado brasileiro e nas 
instituições indigenistas - a exemplo de uma FUNAI e SESAI militarizadas por 
coronéis e delegados bolsonaristas/ruralistas -, o governo Bolsonaro pressiona 
para liberar o agronegócio em terras indígenas, principalmente por meio da 
monocultura de soja e outros grãos, assim como pecuária, mineração e até mesmo 
turismo e extração de petróleo por meio do PL 191/20. Este cenário afeta 
diretamente diferentes povos indígenas ao redor do país, e agrava a conjuntura 
catastrófica gerado pela combinação da pandemia, da fome, da falta de água, da 
precarização da saúde indígena e do incremento da violência e repressão promovida 
pelo agro em terras Guarani e Kaiowá, assediadas continuamente por fazendeiros 
que promovem arrendamentos e torturas, a exemplo do recente ataque armado contra 
3 moradores de Guaiviry, onde Nísio Gomes foi desaparecido e assassinado em 2011.

Frente a isso, nossa campanha busca fortalecer as redes de solidariedade do povo 
Guarani e Kaiowá, com especial ênfase nas trocas de sementes crioulas e alimentos 
produzidos na Terra Indígena Dourados Amambaipegua I, com enfoque nas retomadas 
da região de Caarapó. Todo o dinheiro arrecadado pela campanha será reveritdo 
para aquisição de sementes crioulas de diferentes lugares e aldeias do Brasil, 
que serão distribuídas para bancos de sementes na Tey'i Kue com fomento de 
guardiões de sementes em cada área retomada. O milho branco - avati moroti - é 
nosso principal enfoque, sustentáculo da roça Guarani e Kaiowá usado no ritual de 
batismo do milho branco, o Jerosy Puku, que há mais de 40 anos não ocorre na 
Tey'i Kue. Buscaremos criar condições efetivas para que ele volte a se realizar, 
fortalecendo a vida espiritual e material do povo, demonstrando que é possível 
produzir alternativas ao arrendamento e, principalmente, alternativas ao 
capitalismo na busca pelo Teko Porã.

Para colaborar, deposite qualquer quantia na seguinte conta:

Dados bancários:

Razão social: Instituto para o desenvolvimento da arte e da cultura

CNPJ 07.382.034/0001-37

Banco do Brasil - 001

Agência 0391-3

Conta corrente 119416-x

Número IBAN: BR3900000000003910001194160C1

CÓDIGO SWFIT: BRASBRRJCTA

Enviar comprovante para o e-mail: araguyje  protonmail.com

- ITENS A SEREM ARRECADADOS:

* Sementes crioulas e de adubação verde (custo do frete)

* Ferramentas de trabalho para roça

* Materiais de biossegurança para as comunidades

* Cestas básicas

* Gasolina para o transporte dos materiais

Todo o uso do dinheiro será justificado através de publicação a ser realizada no 
site da FOB - após a conclusão da Campanha no dia 30 de junho de 2021, quando 
publicaremos fotos e comprovantes bancários.

TERRA E LIBERDADE!

CLODIODI VIVE, LEONARDO LIVRE!

ABAIXO A PL 191/20!

EXPULSAR E BARRAR A ENTRADA DO AGRONEGÓCIO EM TERRAS INDÍGENAS COM LUTA E 
RESISTÊNCIA!

AVANÇAR AS RETOMADAS, DESTRUIR O LATIFÚNDIO!

https://lutafob.org/8946/


Mais informações acerca da lista A-infos-pt