(pt) France, UCL AL #315 = Orientação comunista libertária, A rebelião zapatista, histórica e atual (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 19 de Maio de 2021 - 07:34:24 CEST


Por mais de 25 anos, o movimento neozapatista no sul do México luta contra o 
neoliberalismo e pela humanidade. Ele fez isso pelas armas. Acima de tudo, com 
uma estratégia de "poder dual" contornando o Estado nos territórios libertados, 
construindo uma sociedade alternativa. Os comunistas libertários reafirmam seu 
apoio a este contra-modelo, que clama por apoio internacional. ---- O levante 
zapatista de 1º dejaneiro de 1994 destacou as questões sociais e as políticas 
relacionadas aos povos indígenas do México, como em qualquer outro lugar. Uso da 
terra, representação política, perda de culturas, discriminação racial, esses 
temas ganharam destaque no México e internacionalmente, e o levante provocou ou 
reforçou muitos outros movimentos indígenas. Também gerou uma onda de 
solidariedade internacional.

As relações desenvolvidas com a sociedade civil mexicana e internacional, bem 
como a intensa preparação política dos zapatistas durante os dez anos anteriores 
ao levante, resultaram em um movimento com forte capacidade organizacional, amplo 
apoio popular e um discurso inspirador para muitas lutas. O discurso feminista, 
anticapitalista, as práticas horizontais e as demandas por autonomia têm 
participado, entre outras coisas, da popularização desse movimento nos círculos 
libertários ao redor do mundo.

construir uma contra-sociedade
A partir do final dos combates em 1994, o EZLN forjou vínculos com a sociedade 
civil mexicana e movimentos antiglobalização por meio de marchas de Chiapas à 
Cidade do México, ou encontros internacionais em seu território. Ao mesmo tempo, 
os zapatistas organizaram sua autonomia nos "territórios recuperados" durante a 
insurreição. Após dois anos de intenso trabalho com mexicana e sociedade civil 
internacional (em torno da 6 ª Declaração da Selva Lacandona) em 2006-2007, e 
eles estão concentrados · eles estão prestes a desenvolver suas capacidades 
produtivas, política, social.

Ativistas zapatistas de Chiapas, em solidariedade aos levantes populares em 
Oaxaca e San Salvador Atenco, em 2006.
CC JIZ AGIRRE
O "poder" do Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN) foi transferido 
para as autoridades civis, as juntas de buen gobierno, e vários projetos de 
educação, saúde, agricultura e comunicação foram implementados ou reforçados. As 
condições de vida das comunidades zapatistas melhoraram, apesar da constante 
repressão ao movimento por parte dos governos local e federal. A mídia e muitos 
movimentos políticos hostis aos zapatistas aproveitaram esse momento de reduzida 
visibilidade para declarar o desaparecimento do movimento. Mas novas fases de 
mobilização, desde dezembro de 2012, provaram que eles estavam errados.

Em 21 de dezembro de 2012, cerca de 40.000 bases de apoyo (bases de apoio) 
zapatistas marcharam silenciosamente nas cinco cidades que o EZLN havia tomado à 
força em 1 ° dejaneiro de 1994. O comunicado de imprensa divulgado naquele dia 
dizia apenas "Você ouviu ? É o som do seu mundo desmoronando. É o nosso que 
ressurge. O dia em que havia dia, era noite. E será a noite o dia será o dia."

voltar para a cena política
O EZLN começou a divulgar comunicados de imprensa a um ritmo constante, 
explicando o relativo silêncio dos anos anteriores e o desejo de retomar o 
trabalho de comunicação nacional e internacional, a nomeação de um novo 
subcomandante e a entrada numa nova fase.: "A hora do sim". Ou seja, uma fase de 
construção ativa de outra sociedade e não mais de simples oposição ou resistência 
à sociedade existente. O momento de entrada nesta nova fase de mobilização 
responde a um contexto particular. Por um lado, a violência se espalhou.

O México se tornou nestes anos um dos países mais violentos do mundo, com a 
eclosão da "guerra ao narcotráfico" sob o mandato do presidente Calderón 
(2006-2012) do Partido da Ação Nacional (PAN, conservador católico de direita) e 
a presidência do Partido Revolucionário Institucional (PRI, liberal nacionalista).

Esta guerra deixou mais de 100.000 mortos, muitos deles "danos colaterais". Essa 
violência se soma à corrupção e ao autoritarismo da classe política mexicana, 
destruindo ainda mais o tecido social do país e mascarando a repressão 
(assassinatos, desaparecimentos, prisões) de que sofrem os movimentos sociais e 
indígenas.

Finalmente, as classes dominantes norte-americanas atualizaram sua agenda 
neoliberal: integração comercial em benefício das multinacionais, extração 
selvagem de recursos naturais, saqueio de recursos biológicos, privatizações 
(educação, energia, etc.) com desastrosas consequências socioeconômicas para a 
maioria das pessoas. a população e, em particular, para os povos indígenas 
despojados de seus territórios e culturas.

Em 2017, o EZLN propôs ao Conselho Nacional do Índio a apresentação de uma 
candidatura indígena independente para as eleições presidenciais. Se esta 
proposta permitiu uma forte mobilização das comunidades indígenas e o apoio dos 
zapatistas, o sistema eleitoral mexicano impediu o sucesso desta candidatura.

Colonização por megaprojetos
A eleição em 2018 do candidato da "esquerda" Andrés Manuel Lopez Obrador não 
melhorou a situação das comunidades indígenas, muito pelo contrário. Os ataques 
de grupos paramilitares, que as autoridades governamentais disfarçam de 
confrontos intracomunitários, foram retomados. E megaprojetos como o "trem maia" 
ameaçam a própria existência de comunidades indígenas sob o pretexto de 
desenvolvimento local.

A política de colonização por meio de infraestrutura avança em Chiapas. 
Megaprojetos elétricos, por exemplo, estão sendo desenvolvidos com multinacionais 
ocidentais, o que pode ser um convite para atuar, na Europa, contra essas 
multinacionais, em solidariedade aos zapatistas. Diante dessas ameaças, os 
zapatistas responderam reorganizando seus territórios, aumentando o número de 
caracoles (agrupamentos regionais de comunidades), melhorando seu funcionamento 
nos setores de saúde e educação.

Desde outubro de 2020, o EZLN publica uma série de comunicados com a proposta: 
atender movimentos sociais de todo o mundo para ouvir, trocar, dialogar, comparar 
as lutas travadas nos cinco continentes. Esta proposta foi adotada por muitas 
organizações em todo o mundo e começará a zapatista na Europa entre julho e 
outubro de 2021. A UCL está empenhada em apoiar a delegação zapatista na França, 
co-assinando o comunicado de 1 ° dejaneiro de 2021.

Suporte UCL
A experiência dos zapatistas, seu poder de mobilização nacional e internacional e 
seu desejo reafirmado de trabalhar com outros movimentos - a esquerda curda em 
Rojava, entre outros - os tornam hoje atores e atrizes essenciais na dinâmica 
revolucionária internacional.

Por isso, é essencial desenvolver relações entre a UCL e o movimento zapatista, 
de acordo com nosso desejo de desenvolver contatos e iniciativas em nível 
internacional.

Os ativistas da UCL estão, ou se tornaram, engajados nessa solidariedade, por 
meio de sindicatos ou grupos de apoio. Mas a UCL como tal deve apoiar o zapatismo 
como um movimento revolucionário de resistência à opressão e construção de outra 
sociedade. Ela vai

co-organizando atividades de solidariedade;
retransmitindo sua luta;
colocando seu movimento em perspectiva em relação a outras experiências de 
autogestão e outros projetos sociais, como o projeto comunista libertário.
conectando-se e coordenando-se com grupos ou organizações que têm uma atividade 
de longa data no apoio à luta zapatista.

ORIENTAÇÃO FEDERAL
Um processo de síntese Durante seu congresso de unificação em junho de 2019, o 
Libertaire Alternativo e a Coordenação de grupos anarquistas decidiram não fazer 
uma varredura em suas orientações e desenvolvimentos anteriores, mas 
sintetizá-los e atualizá-los gradualmente. Este texto foi adotado na coordenação 
federal da UCL de 13 a 14 de fevereiro de 2021.

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Orientation-communiste-libertaire-la-rebellion-zapatiste-historique-et-actuelle


Mais informações acerca da lista A-infos-pt