(pt) Itália, Collettivo Anarco-femminista Torino - está em Piazza Carlo Alberto. (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Segunda-Feira, 15 de Março de 2021 - 07:53:39 CET


Domingo, 7 de março. A Piazza Carlo Alberto era atravessada por dezenas de corpos 
livres, inconformes e autodeterminados, que decoravam postes cinza e monumentos 
militaristas de mau gosto com faixas, pôsteres, bandeiras e um toque de 
fabulosidade esquisita. A praça logo foi enriquecida com inúmeras intervenções 
sobre o trabalho feminilizado e explorado, identidades rígidas e papéis de gênero 
impostos, a jaula da família, a violência patriarcal e a narração tóxica de 
jornais, o ataque à liberdade de aborto, etc. sem esquecer as ações 
performáticas, gadgets e materiais informativos beneficiam despesas legais para 
as acompanhantes da magni * buceta ocupada * atingida * pela repressão, e dos 
maravilhosos enquadramentos musicais anarco-feministas de Malormone Crew, que 
animou ainda mais a manifestação anti-sexista nos portões do dia da greve 
transfeminista de 8 de março agora nos blocos de partida. Boa luta a todos!
"Querida, mimosas e bons sentimentos?
Livre e rebelde!
Já se passou um ano desde que nossas vidas se tornaram mais precárias e menos 
livres com a disseminação de um novo vírus mortal e a forma como o governo lidou 
com a pandemia.
Pobreza, violência, aborto, gaiolas familiares são os elos de uma corrente que 
marca a vida das mulheres. Esta corrente tornou-se cada vez mais robusta e 
rigorosa. A pandemia colocou o turbo em processos já em curso há algum tempo, mas 
que, ao nível da narração pública, permanecem submersos, incompreendidos, 
ofuscados porque a sua emergência na dimensão política seria muito perturbadora 
para os equilíbrios instáveis que marcam o tempo suspenso que estamos experimentando.
O ataque ao aborto não é apenas uma das infinitas falhas para ajudar aqueles que 
sofrem de patologias graves e que sofreram bloqueios e interrupções na prevenção 
e no tratamento. O ataque ao aborto se materializa no agravamento da dificuldade 
de realização do IVG, devido a objetores e regulamentações que, como no Piemonte, 
limitam o acesso ao aborto farmacológico e exigem a presença de organizações 
clerical-fascistas de direita em hospitais e clínicas . Na região de Marche, um 
governo explicitamente fascista proibiu a pílula do dia seguinte.
A jaula familiar é o terreno onde a ordem patriarcal pode ser refundada, rompida 
pelos caminhos da liberdade das mulheres. Rotas que, em todos os cantos do 
planeta, desencadearam uma guerra sem barreiras. Uma guerra que se expressa tanto 
nas leis quanto na crescente violência misógina que permeia as sociedades.
A casa como local de eleição para a "luta contra o vírus" tornou-se o detonador 
de mais uma onda de violência e de feminicídios. Femicídios cuja matriz política 
quase nunca é reconhecida, porque se reduzem ao privado, ao êxtase, à loucura, ao 
excesso de "amor". Esse disfarce narrativo alimenta a violência, pois fornece um 
álibi para massacres e assassinos, que matam mulheres livres, como um alerta a todos.
Os fechamentos intermitentes e as restrições impostas por decretos do governo 
contra a Covid trouxeram muitas mulheres para casa. Se você faz um trabalho mais 
barato, talvez em tempo parcial, torna-se "natural" ficar em casa para cuidar de 
crianças ou idosos doentes. A precariedade do trabalho feminino, os salários mais 
baixos, tornam o salário das mulheres menos importante que o dos homens e as 
empurram de volta para a gaiola da família, uma gaiola cada vez mais próxima. As 
políticas familistas que marcaram a atuação dos governos nos últimos anos, 
aliadas à maior precariedade da condição de trabalho feminina, abriram um abismo 
que está engolfando a liberdade de muitas mulheres.
Os números do desemprego feminino são impressionantes: em dezembro, 99,9% dos 
novos desempregados * eram mulheres.
Padres e fascistas chafurdam neste atoleiro, que abre novos abismos nos espaços 
de autonomia das mulheres. A direita racista e misógina gostaria que fossem éguas 
dos filhos da pátria, em contraposição à presença de meninos e meninas aqui 
nascidos de pais imigrantes, sob a bandeira da união de sangue e terra, que é o 
fundamento de toda identidade excludente, apóiam o capitalismo e a divisão de 
classes, mas gostariam que fossem mitigados por um estado ético forte, firmemente 
fundado na família, na nação, na religião. Deus, país, família, um axioma que não 
atrapalha os negócios, mas coloca o mundo em ordem.
Essa fórmula funciona bem em um modelo polemológico, onde a guerra é um horizonte 
perene. O inimigo é o estrangeiro, o estrangeiro, o imigrante, mas acima de tudo 
aquele que foge à norma, à lei do pai, à hierarquia entre os sexos.
A mulher é o inimigo interno, sua escravidão é essencial para a reafirmação da 
família, núcleo político e ético do patriarcado em nossas latitudes.
Identidades errantes, fluidas, em trânsito, que excedem a rigidez dos gêneros, 
quebram o binário e dissolvem a hierarquia entre os sexos. A emergência na cena 
pública de corpos constitutivamente fora do palco, fora do espaço do 
representável e do representado, abrindo um espaço de experimentação na luta, 
quebra a ordem do pai. A intersecção com a multiplicidade de exclusões e 
excluídos é subversiva em relação ao mundo em que somos obrigados a viver.
A aposta da greve feminista transnacional de 8 de março representa uma 
oportunidade importante para fechar as contas com um misturador venenoso de mel, 
mimosas e bons sentimentos e construir um momento de luta ampla, interseccional, 
anticapitalista e libertária. No entanto, não pode ser um acontecimento que se 
reproduz ano após ano, mas sim o gatilho de um conflito generalizado e 
quotidiano, para erradicar as raízes simbólicas e materiais do patriarcado. "

https://www.facebook.com/Wild.C.A.T.anarcofem/posts/2839466316296676


Mais informações acerca da lista A-infos-pt