(pt) France, UCL AL #312 - Arquivo especial Paris 1871, Para o anarquista Jean Grave, "A Comuna legislou, mas agiu pouco" (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sexta-Feira, 12 de Março de 2021 - 08:33:33 CET


O que penso da organização parlamentar, financeira, militar e administrativa do 
Município pode resumir-se em poucas palavras. Foi muito parlamentar, financeiro, 
militar, administrativo e não revolucionário o suficiente. Para começar, quando, 
todos os dias, os batalhões dos federados se reuniam em seus pontos de encontro, 
aguardando ordens de marcha sobre Versalhes, o comitê central[...]só pensava em 
organizar as eleições[...]. A Comuna eleita se encarregou de fazer leis, 
decretos, que, na maior parte, ficaram por cumprir, porque aqueles a quem visavam 
viram que a Comuna legislava muito, mas agia pouco. ---- Revolucionários ! ... 
Ainda assim, acreditavam que eram, mas em palavras e desfile, apenas[...]. 
Faltavam dinheiro, enquanto centenas de milhões dormiam no Banco, e teria sido 
suficiente para eles lançar contra ele dois ou três batalhões de Guardas 
Nacionais[...].

Jean Grave (1854-1939) foi um dos militantes mais proeminentes do anarquismo 
francês entre 1880 e 1914. Muito jovem para desempenhar um papel em 1870-1871, 
por outro lado frequentava os ex-comunardos que haviam se tornado anarquistas na 
França. , como Louis Pindy ou Élisée Reclus. Os julgamentos finais que ele se 
permite neste texto publicado por {La Revue blanche} em março de 1897 podem, 
portanto, ser considerados representativos da opinião que o movimento anarquista 
tinha da Comuna um quarto de século depois: um fracasso certamente heróico, mas 
acima de tudo um fracasso, do qual o movimento revolucionário deveria tirar lições.
Eles votaram a favor da lei dos reféns e nunca ousaram executá-la, enquanto 
Versalhes continuava massacrando os federados que caíram em suas mãos. Não estou 
dizendo que ela deveria ter atirado nos poucos policiais ou padres obscuros que 
tinha nas mãos. Versalhes se importava muito pouco com isso[...]; mas tinha o 
cadastro, a hipoteca, os cartórios, tudo o que regulamenta a propriedade burguesa 
; se, em vez de ameaçar, a Comuna tivesse queimado toda a papelada e confiscado o 
Banco, o mesmo burguês que insultou os presos federados teria forçado Thiers a 
vir e se desculpar com eles.

Isso porque, em uma revolução, a legalidade não é apenas uma brincadeira, mas um 
estorvo[...]. Não são discursos, papéis ou leis que são necessários em tempos 
revolucionários, mas ações. Em vez de votar pela queda dos patrões em fuga, era 
necessário colocar imediatamente suas oficinas nas mãos dos trabalhadores que as 
teriam feito marchar. E assim em tudo: em vez de uma lei, de um decreto, que 
ficou na letra morta: um fato ![...]

Queriam fazer o papel de soldado, desfilar, com uniformes de oficiais jacobinos, 
como se os revolucionários fossem travar uma guerra disciplinada.[...]Não, mesmo 
encurralados em Paris, ainda queriam praticar a estratégia: ergueram enormes 
barricadas que, apontadas para um determinado ponto, eram viradas pelo 
inimigo.[...]Era[ainda]tão fácil ameiar as casas, fazer de cada uma delas uma 
fortaleza[...]. Propriedade respeitada pelo Município ! Versalhes, seu defensor 
menos escrupuloso, não hesitou em abrir casas quando foi necessário virar uma 
barricada.

Agora, deve ser dito, os homens da Comuna não são responsáveis pelo que não foi 
feito. Eles eram de seu tempo, e em seu tempo, se houvesse um vago senso de 
socialismo, líderes, como soldados, ninguém tinha idéias claras, então era fatal 
que todos se debatessem na incerteza.

Triunfante, a Comuna teria se tornado um governo como todos os outros ; seria 
necessária uma nova revolução para colocá-lo no chão. Derrotado, sintetizou todas 
as aspirações proletárias e deu impulso ao movimento de idéias de que hoje somos 
todos produto.

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Pour-l-anarchiste-Jean-Grave-La-Commune-legiferait-mais-agissait-peu


Mais informações acerca da lista A-infos-pt