(pt) France, UCL AL #313 - ecologia,81. Agricultura urbana: da "jardinagem de guerrilha" às start-ups capitalistas (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 3 de Março de 2021 - 08:29:52 CET


Por trás dos desafios declarados, como a autossuficiência alimentar e a 
revegetação das metrópoles, a agricultura urbana institucional está no centro de 
uma luta política pelo controle e exploração de novos espaços urbanos. Entre as 
hortas compartilhadas autogerenciadas de baixa tecnologia e as novas start-ups de 
alta tecnologia que estão privatizando telhados e estacionamentos, não são apenas 
dois modos de produção, mas duas visões de sociedade que se chocam. ---- Em 
Paris, desde 2016, a prefeitura apoia o desenvolvimento da agricultura urbana por 
meio de uma política de revegetação da cidade: os "parisienses". Todos os 
proprietários são chamados a oferecer terrenos (telhados, estacionamentos, 
fachadas) que servirão de meio para as competições nas quais associações, 
paisagistas e start-ups participam na esperança de desenvolver seu próprio 
projeto de agricultura urbana. Anne Hidalgo encontrou assim uma maneira de manter 
a baixo custo sua promessa de revegetar 100 hectares de Paris e dedicar um terço 
deles à produção agrícola.

Mas, ao contrário do que sugerem alguns discursos, cultivar a cidade não é 
novidade. No XIX th século muitos jardineiros terras cultivadas dentro dos muros 
de Paris e os subúrbios, até 1958 [1]. A mecanização, então, favoreceu as grandes 
superfícies na monocultura em comparação com as pequenas policulturas mais 
adaptadas nas cidades.

Um truque sob o pretexto de participação
Este desaparecimento da agricultura urbana de subsistência reforçou o significado 
político do ato de cultivar na cidade. Em 1973, Liz Christie lançou um movimento 
em Nova York para reivindicar coletivamente um terreno baldio: a jardinagem de 
guerrilha. Ao lançar bombas de sementes e criar hortas autogestionadas, os 
ativistas denunciam o modelo capitalista de planejamento urbano, especulação e 
artificialização dos solos. Ao direito de propriedade, opõem-se ao direito de uso 
da terra ocupada para reivindicar de facto a partilha da terra, a produção de 
alimentos saudáveis e mais baratos, a salvaguarda e a transmissão das sementes e 
do saber camponês.

Quarenta anos depois, vários municípios franceses estão empenhados em desenvolver 
uma nova agricultura urbana, acompanhada de uma campanha mediática e de uma (re) 
profissionalização da atividade. Os temas expostos em seus discursos desviam 
demandas ativistas: autossuficiência alimentar, proteção da biodiversidade, 
relocalização da economia agrícola, religação com a natureza na cidade ...

A economista e socióloga Silvia Pérez-Vitoria, especialista em movimentos 
camponeses alternativos, explica essa nova mania pela precariedade da população 
dos países ocidentais desde a crise financeira de 2008 e pelo envolvimento das 
classes médias cada vez mais preocupadas com as questões de saúde e ecológicas 
relacionadas à sua dieta [2]. Uma consciência que representa antes de tudo uma 
oportunidade política e um novo mercado aos olhos de políticos, engenheiros e 
planejadores.

Para a prefeitura os interesses são múltiplos. A política parisiense permite-lhe 
seduzir o eleitorado convocando a imagem de uma Paris vegetal e nutritiva; mas 
também para mostrar uma pata verde às instituições europeias que requerem uma 
certa percentagem de revegetação. Uma revegetação colocada sob a responsabilidade 
de seus parceiros imobiliários privados e cuja manutenção depende dos 
responsáveis pelo projeto.

A forma de concurso, escolhida pela Câmara Municipal, permite também despolitizar 
a prática da agricultura urbana e neutralizar as contestações: é aberta a todos ! 
Mas, sob o pretexto da igualdade de oportunidades, apenas os projetos mais 
lucrativos e cujos promotores têm um mínimo de capital são bem-sucedidos, sem 
outra grade de seleção que a adaptação ao modelo urbano atual e ao sistema 
capitalista que o produziu. a retórica vazia não nos surpreende.

Mas o que se deve verificar é que sob o pretexto de uma política ecológica e 
social, a Câmara Municipal incentiva a exploração dos raros espaços urbanos ainda 
não influenciados pelo mercado. Enquanto os projetos associativos mantêm a cidade 
a um custo menor, deixando as questões de interesse geral nas mãos de voluntários 
(combate às enchentes, proteção da biodiversidade), as start-ups de agricultura 
urbana privatizam a exploração de novos espaços urbanos.

Nos estacionamentos públicos de habitação, os novos "empregos verdes" consistem 
no cultivo de frutas e vegetais em ambiente controlado, que serão vendidos a 10 
euros o quilo. Uma gentrificação verde reforçada por certos discursos 
paternalistas que veem a agricultura urbana como um meio de educar os moradores 
das cidades, conscientizando-os do valor do trabalho agrícola periurbano, com a 
ideia de, em última instância, aumentar sua disposição para pagar por alimentos 
locais e orgânicos produtos. Resumindo: culpa individual e impotência política.

Nossos bens comuns privatizados
Por fim, a vontade política que sustenta a ideia de que é possível graças a uma 
produção intensiva de superfície atender às nossas necessidades alimentares nas 
áreas urbanas, é também justificar a extensão ilimitada das áreas urbanas e a 
artificialização do solo. Por que se preocupar se os estacionamentos podem ser 
cultivados e os terraços podem reter a água da chuva e acolher a biodiversidade ? 
Se a França é o país europeu que mais consome solos agrícolas, Sylvia 
Pérez-Vitoria avisa e defende que só a agricultura camponesa alimentará a 
humanidade: a agricultura urbana continua a ser um complemento que pode ser 
benéfico se levar à "recomposição conjunta cidade-campo relacionamento".

Em qualquer caso, é vital para os libertários denunciar as falsas promessas que 
levam a um mundo urbano infinitamente expansível, lutar contra a privatização das 
cidades e o estabelecimento de um sistema alimentar de duas velocidades - 
orgânico e local para alguns., Cancerígeno e poluente para outros.

Mélissa (UCL Orléans)

Validar

[1] "Agricultura urbana. Função alimentar, social, ecológica ... O que esperamos 
da agricultura urbana? », Antoine Lagneau, Fundação para Ecologia Política , 
outubro de 2016.

[2] "Agricultura urbana, alternativa agrícola ou alternativa urbana? », Sylvia 
Pérez-Vitoria, Revue d'ethnoécologie , agosto de 2015.

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?81-Agriculture-urbaine-de-la-guerilla-gardening-aux-start-up-capitalistes


Mais informações acerca da lista A-infos-pt