(pt) France, UCL AL #317 - Tribuna militar, Golpe de Com 'e Golpe de Estado (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 24 de Junho de 2021 - 08:25:37 CEST


A "tribuna dos generais" publicada em 21 de abril em Current values despertou 
tanto indignação e preocupação ante uma possível onda fascista quanto indiferença 
ao que só poderia ser expressão de um quartel isolado de generais em retirada. No 
entanto, as estatísticas eleitorais militares confirmam essas tendências 
regressivas. Diante disso, um apelo ao silêncio pode não ser a melhor estratégia. 
---- O atual exército francês foi construído sobre colonialismo, imperialismo, 
anti-sindicalismo, nacionalismo, machismo, racismo ... Também sabemos o papel 
desempenhado pelo exército em muitos regimes ditatoriais. Sessenta anos depois do 
que foi chamado de "golpe dos generais" durante a Guerra da Argélia, outros 
oficiais de alto escalão fizeram um apelo à derrubada do poder. Precedido por um 
texto semelhante de Philippe de Villiers, seguido por outro fórum militar anônimo 
na semana seguinte, a abordagem faz parte de uma estratégia política. Ele repousa 
sobre um solo preparado há muito tempo; um estudo da Fundação Jean Jaurès sobre o 
voto militar mostra bem [1]Diante desta situação, "as forças da esquerda"estão 
satisfeitas com os apelos à censura. Defender o princípio do "big mudo" é a forma 
mais eficaz de conduzir a luta política necessária?

Um quartel de generais ?
Para estudar o voto dos militares, o estudo se concentrou na votação em muitos 
municípios onde estão localizados os locais militares e, mais particularmente, 
nas seções eleitorais próximas a residências ou quartéis. Não repetimos aqui 
todos os números e casos estudados, mas citaremos alguns significativos.

Quanto ao Exército, nas cidades de Mourmelon-le-Grand e Mourmelon-le-Petit (501 ° 
regimento de tanques), enquanto RN votação no departamento totalizaram 30,2% do 
voto RN saltou para 44,9% e 41.30 ou + 14.70 pontos e 11,11 pontos. Em 
Mailly-le-Camp, município de quartel, o diferencial chegou a 17 pontos. Em 
Suippes (40 thregimento de artilharia) o diferencial em relação à média 
departamental é de + 15,30 pontos. O estudo indica que a votação do RN (ou FN) 
experimentou um forte aumento entre a eleição presidencial de 2012 e as eleições 
europeias de 2014 e aumentou nas eleições regionais de dezembro de 2015. Os altos 
níveis de votação alcançados no RN são, portanto, produto da radicalização Nos 
últimos anos. Os votos em municípios de pequena população com bases aéreas também 
foram analisados.

Assim, a contagem dos votos na comuna de Ventiseri, na Alta-Córsega, (base aérea 
n ° 126, 950 pessoal) indica que nos últimos europeus, a lista RN atingiu 43,6% 
dos votos enquanto na Alta-Córsega o RN recebe em média 26,5% dos votos. A nota 
leva-nos então ao Loiret, na localidade de Bricy, que alberga a base aérea nº 12. 
Bardella obtém 38,1% dos votos dos europeus contra uma média departamental de 
25,3%. Enquanto os "franceses no exterior" votam 6,40% no RN, em Djibouti, que 
possui muitas bases militares, sua pontuação salta para 27,2%.

Em relação à Marinha, na cidade de Lanvéoc (Finistère) e sua base aérea naval, Le 
Pen obteve 35,6% no segundo turno das eleições presidenciais de 2017, contra uma 
média departamental de 22,7%. Em Hyères, na assembleia de voto onde se encontra o 
quartel da gendarmaria, a diferença na votação a favor de Le Pen em relação à 
média da própria cidade é de + 20,3 pontos. Em Toulouse, + 17,40 pontos, em 
Maisons-Alfort, + 10,8 pontos, um total de 14 cidades são assim citadas com 
números igualmente eloqüentes.

Quanto aos Guardas Republicanos, o diagnóstico é semelhante: "Assim, o cargo n ° 
46, onde votam os Guardas Republicanos e suas famílias do regimento aquartelado 
do quartel Kellermann é aquele em que, na eleição presidencial de 2012, Marine Le 
Pen obteve sua pontuação .a maior de toda a capital (18,3%)". Em Nanterre, no 
cargo n ° 14 que fica próximo ao quartel da Guarda Republicana, Le Pen obteve 
37,5% dos votos em 2012, ou 26,8 pontos acima de sua pontuação na própria cidade.

Obviamente, a votação do RN é maior no quartel. A ausência de todos os direitos 
democráticos de expressão e associação, incluindo os direitos sindicais, favorece 
as tendências mais regressivas. A falta de atenção à situação do pessoal das 
Forças Armadas, em particular dos contratados e subordinados, por parte do 
movimento sindical, reforça o isolamento social e político dessas populações e, 
na maioria das vezes, joga-as nos braços dos mais vulneráveis. facções, 
reacionários ou, em qualquer caso, não permite a expressão das correntes 
democráticas que poderiam existir dentro deles.

Eles falam, nós lutamos contra eles
Os velhos ganaches cravejados de estrelas, autores da coluna publicada em Current 
values - semanário que publicara na semana anterior "O apelo à insurreição" de 
Philippe de Villiers - são esses mesmos oficiais que, durante os anos de 1974 a 
1981 , lutaram impiedosamente pelos direitos democráticos de expressão e 
associação com as forças armadas.

Esses mesmos oficiais que embelezaram por muitos meses centenas de soldados, 
convocados do contingente e engajados, que reivindicam seus direitos de cidadãos 
e trabalhadores fardados. Esses mesmos oficiais que reprimiram o que então 
chamaram de "inimigo interno" ou "anti-França"[2].

Hoje, sua plataforma é um apelo à limpeza étnica do país e à consolidação da 
ordem social com recurso ao exército. Seria um erro contentar-se em opor-lhes a 
obrigação de reserva que amordaça os cidadãos fardados. Aventurar-se neste campo 
seria fortalecer e legitimar o excepcional regime antidemocrático que abafa a voz 
e a consciência dos militares. Eles agora estão sujeitos à lei do silêncio; para 
combater as facções e os aprendizes golpistas, é necessário permitir a livre 
expressão das correntes democráticas dentro do exército. As questões militares e 
o funcionamento do exército constituem um jogo político e social por direito 
próprio, é politicamente que devemos combater estes protestos autoritários e não 
apelar para medidas disciplinares.

  Patrick Le Tréhondat, Patrick Silberstein, Christian Mahieux

Patrick Le Tréhondat é um ex-contramestre da reserva, ex-membro da Informação 
para os Direitos do Soldado (IDS), do comitê de soldados Tonnerre de Brest e do 
escritório da Conferência Européia de Organizações Convocadas (Ecco).
Patrick Silberstein é capitão da reserva, ex-membro do IDS, do comitê de soldados 
da Train Enforcement School e do escritório da Ecco.
Christian Mahieux é um ex-opositor rebelde, ex-membro dos Comitês para a Luta de 
Objetores de Consciência (Clo) e do movimento de objeção coletiva OP20.

Validar

[1] "Por quem nosso quartel votou", em Jean-jaures.org. O estudo é baseado em 
"votação". Portanto, não leva em conta os não votos, não analisa outros fatores 
igualmente convincentes em relação ao desenvolvimento da extrema direita. Mas é 
uma "fotografia "iluminadora.

[2] Neste período, ler-se-á com proveito Théo Roumier, "Contestador no exército", 
Os Utopiques nº 5 e Christian Mahieux, "Contestador o exército", Os Utopiques nº 
6, disponíveis em Lesutopiques.org.

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Coup-de-com-et-coup-d-etat


Mais informações acerca da lista A-infos-pt