(pt) sicilia libertaria: Grande, grande e criminoso - G20. Dividido por tudo, exceto lucros (ca, de, en, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 16 de Junho de 2021 - 08:30:29 CEST


Eles geram 80% do PIB e 75% do comércio global, têm o aparato de guerra mais 
destrutivo do planeta, mas optam por ser complacentes e / ou subordinados ao 
capital financeiro transnacional e seus planos de controle para a economia 
mundial. São os países que se reúnem periodicamente no fórum internacional do G20 
(Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, China, Coreia do Sul, 
França, Alemanha, Japão, Índia, Indonésia, Itália, México, Reino Unido, Rússia, 
Estados Unidos, África do Sul, Turquia, União Europeia) e cujos governos 
pretendem dialogar, mas, em vez disso, estão em uma competição militar aberta 
pelo armazenamento de recursos naturais,
A prova do fracasso total do "diálogo" entre os líderes dos 20 países mais 
industrializados e mais ricos é a Cúpula Global da Saúde realizada em Roma no dia 
21 de maio passado. O que seria a vitrine mundial do "novo" supergoverno de Mario 
Draghi e de todo o sistema italianoterminou com o desastre completo do primeiro 
anfitrião. Aos "colegas" do G20, Draghi propôs votar a "suspensão temporária" de 
patentes de vacinas anti-Covid, um dos maiores negócios da história da indústria 
farmacêutica mundial (a propriedade privada absoluta das transnacionais foi 
garantida por 20 anos). Uma proposta a anos-luz da abolição total solicitada por 
ONGs, movimentos e até mesmo algumas organizações governamentais, mas que foi 
rejeitada pela Cúpula Global da Saúde que decidiu confiar ao Conselho Geral da 
Organização Mundial do Comércio (OMC) previsto para os próximos 7 -9 de junho.
"Hipocrisia, cinismoe a indecência caracterizou a cúpula do G20 em Roma sobre 
saúde ", escrevem o economista Riccardo Petrella e Roberto Morea e Roberto 
Musacchio, da Trasform! Itália. "Em primeiro lugar, nem uma única vez a 
Declaração Final se refere ao direito universal à saúde, mas fala, ao invés, mais 
de vinte vezes, emacesso justo e preço acessível as ferramentas para combater a 
pandemia Covid-19 (vacinas, tratamentos médicos, diagnósticos e ferramentas de 
proteção individual). Ou seja, um princípio e objetivo tipicamente mercantil, de 
troca monetizada (compra e venda), segundo regras de mercado que nada têm a ver 
com o direito à saúde em igualdade e justiça ". A mesma decisão de transferir 
para a OMC (órgão totalmente independente da ONU), a discussão sobre as medidas 
necessárias para facilitar o acesso de todos às vacinas - acrescentam Petrella, 
Morea e Musacchio - "assume como postulado básico a manutenção das desigualdades 
e da lacuna entre os países ricos e desenvolvidos do Norte, especialmente do 
Ocidente, e países pobres, subdesenvolvidos ou subdesenvolvidos ". Assim, os 
primeiros podem manter sua supremacia nos campos financeiro, tecnocientífico, 
produtivo e comercial, enquanto os grandes holdings privados "permanecem os donos 
absolutos do conhecimento sobre a vida e as patentes, os mestres produtores de 
vacinas, os governantes do comércio internacional, os provedores de os serviços 
médico-sanitários, os controladores dos mercados de saúde, os mestres da 
digitalização dos sistemas de saúde ". Para estes últimos, ou seja, os países do 
Sul do mundo, resta apenas a possibilidade de esperar receber em esmola vacinas e 
outros instrumentos médico-sanitários em excesso nos países ricos.
Também no contexto da edição G20 2021, nos dias 22 e 23 de junho, a cidade de 
Catânia acolhe o encontro interministerial "Trabalho e Educação", um dos eventos 
mais queridos de Draghi & soci pela relevância estratégica dos temas da agenda e 
da "socialização" mediática do estratégias de privatização / corporatização do 
setor educação em curso. "Nosso país, nas últimas décadas, ao invés de investir 
tem cortado, tornando a escola cada vez mais exclusiva", denunciam os ativistas 
da Coordenação Siciliana NoG20. "Em linha com o que está acontecendo agora 
globalmente, os sistemas de ensino e as universidades têm sido submetidos às 
necessidades e interesses das empresas e das classes dominantes, impondo falsas 
revoluções(ver digitalização ou economia verde) que aumentam os lucros desta e, 
ao mesmo tempo, as desigualdades sociais, a precariedade, o autoritarismo e os 
dispositivos de controle, a exploração e a flexibilidade no mundo dos 
trabalhadores ".
Como aponta o NoG20, a cúpula acontecerá em um clima socioeconômico dramático 
(dezenas de milhares de mortes devido à pandemia, o colapso do PIB e dos 
indicadores de emprego, etc.), e imediatamente após a aprovação unânime do Fundo 
de Recuperação "O que penaliza fortemente o Sul, acentuando sua dependência 
econômica e produtiva, optando por privilegiar as rodovias digitais, a telefonia 
celular, a cibersegurança e o complexo militar-industrial, enquanto, por outro 
lado, condiciona e subordina os direitos do trabalho e da educação ao negócio da 
digitalização , em linha com o que já foi fortemente imposto durante esta 
emergência (crescimento dos ritmos e jornada de trabalho e isolamento de 
trabalhadores com trabalho inteligente, desescolarização generalizada e 
desestabilização da rede pública de ensino com o chamado ensino a distância) ".
O governo Draghie as classes dominantes locais certamente farão de tudo para 
esconder como e em que medida as escolhas tolas em tempos de pandemia afetaram o 
Sul e em particular a Sicília. Por outro lado, é mais do que provável que o G20 
de Catânia tenha como objetivo reproduzir a falsa narrativa da Sicília como uma 
ponte de paz, quando, pelo contrário, há mais de 40 anos, a ilha se transformou 
em plataforma para as operações militares dos Estados Unidos, Itália, UE, OTAN e 
parceiros não OTAN e a fronteira extrema da guerra à migração. "Catânia é a 
cidade onde estão localizados os escritórios para o Mediterrâneo da Frontex, a 
notória agência de controle de fronteiras da UE que condena milhares de migrantes 
que fogem de crimes ambientais, fome e guerras produzidos pelo modelo neoliberal 
dominante à morte no mar", escrevem os promotores de o evento NoG20 agendado para 
terça-feira, 22 de junho. "Em vez disso, queremos dar voz a quem não tem direito 
de representação nos fóruns mundiais e continuar a acreditar que outro mundo é 
possível, defendendo os territórios de saques e expropriações. Por isso, 
convidamos todas as realidades que nos últimos anos lutaram contra os processos 
de privatização do sistema de saúde, escolas e conhecimento a protestarem 
connosco; trabalhadores de saúde; alunos, funcionários da escola e pais para um 
conhecimento crítico e uma escola inclusiva; contra os constantes atentados ao 
mundo do trabalho, os MUOS e as grandes obras da ilha (a Ponte do Estreito, 
etc.), os crimes socioambientais que atingem os territórios (mega-lixões, 
lixo-para- usinas de energia, pólos químicos e óleo poluente, depósitos de 
resíduos nucleares, perfuração terrestre e offshore), políticas econômicas 
neoliberais e seus efeitos em termos de perda de direitos e precariedade; todos e 
todos aqueles que se manifestaram contra o racismo em defesa dos direitos dos 
migrantes ".

É inútil esconder que são muitas as dificuldades para que em Catânia possamos ir 
ao encontro de todos e de todos contra o G20, de forma inclusiva e no pleno 
respeito pelas identidades e diferenças. A crise pandémica acentuou os ciúmes 
recíprocos, as divisões, a autorreferencialidade e os excessos de protagonismo e, 
infelizmente, já existem algumas deserções no caminho comum face à nomeação de 22 
de junho. Mas além da relevância do fórum internacional e dos temas que serão 
debatidos, é preciso voltar às ruas com seus corpos e rostos após o longo e 
exaustivo bloqueio para reconquistar espaços de usabilidade e contaminação mútua. 
Depois de Catânia, pode ser feito novamente em Gênova em julho para comemorar os 
trágicos acontecimentos do G7 há vinte anos e mais uma vez em Niscemi com o 
acampamento No MUOS em agosto. Vamos tentar.

Antonio Mazzeo

http://www.sicilialibertaria.it/2021/06/10/grandi-grossi-e-criminali/


Mais informações acerca da lista A-infos-pt