(pt) Union Communiste Libertaire 49: Manifestações pelas liberdades e contra as ideias de extrema direita, sábado, 12 de junho (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sábado, 12 de Junho de 2021 - 09:44:01 CEST


Sábado, 12 de junho, vamos participar do dia de mobilização nacional e unitária 
pelas liberdades e contra a extrema direita. Em Maine-et-Loire, encontre em 
Angers às 14h30, na Place du Ralliement, ou em Cholet, às 15h, na Place Travot. 
---- ______________ ---- CHAMADA DE UNIDADE PARA RAIVAS: ---- Há vários meses, 
todos observamos que o clima político e social na França, como em toda a Europa e 
no mundo, está cada vez mais permeado pela extrema direita e seus ideais. ---- 
Diante desse clima de ódio, racismo e agressividade às liberdades individuais e 
coletivas, apelamos a uma reação forte, solidária e unificadora, para reafirmar 
nossa luta comum contra a extrema direita, seus ideais e todos aqueles que 
participam de sua difusão.

De Bolsonaro a Trump via Orban e Salvini, estamos testemunhando uma ofensiva 
racista e reacionária que é particularmente preocupante para o futuro do planeta. 
Na França, esta ofensiva racista tem como corolário a proliferação de políticas 
de segurança, liberticidas e anti-sociais.

Este clima não deve nada ao acaso. O governo e seus quatro olheiros Darmanin, 
Vidal, Blanquer e Schiappa estão encarregados de fornecê-lo há meses. Da lei de 
segurança global à lei do separatismo, incluindo a caça ao islã-esquerdismo e a 
abolição do Observatório do secularismo, este mandato de cinco anos acumula 
promessas para a extrema direita, assumindo sua linguagem de elementos, mas 
também alguns de seus propostas.

Quando você assopra brasas e gasta seu tempo incitando o ódio, isso tem 
consequências concretas. Pode até levar ao pior, como vimos recentemente com o 
ataque à mesquita de Bayonne.

Após a invasão do Conselho Regional de Occitanie pela Action Française, o saque 
de uma livraria e o ataque à marcha lésbica em Lyon por parte de identitários, as 
polêmicas sobre o alegado islamismo-esquerdismo e o pretexto de grupos de 
palavras entre pessoas discriminadas a ataque UNEF ou para atacar Audrey Pulvar, 
um marco adicional acaba de ser ultrapassado.

Em menos de 72 horas, um neonazista que queria realizar um ataque contra a 
mesquita de Le Mans foi preso, a mesquita de Nantes foi incendiada e o centro 
cultural islâmico de Rennes foi coberto com etiquetas islamofóbicas.

Em Angers, há vários anos, grupos de ultradireita se organizam, atacando símbolos 
de liberdade, atacando concidadãos, por motivos racistas e homofóbicos. Exigimos 
uma ação forte e clara por parte do poder público (prefeito e prefeito) para pôr 
fim a esses atos.

Um apelo de soldados facciosos, baseado na caça às bruxas lançada por membros do 
governo, é transmitido pelo semanário de extrema direita Valeurs Actuelles e é 
apoiado por Marine Le Pen sem qualquer reação de Emmanuel Macron ou do governo. 
com justiça.

Não podemos aceitar que quem sofre ódio, discriminação e injustiça seja hoje 
acusado de racismo e lançado ao passado pela extrema direita.

Já não aceitamos que a luta contra os atos terroristas, que condenamos 
veementemente, seja acompanhada de vergonhosos amálgamas

Não podemos aceitar que nós, ativistas políticos, sindicatos, associações, 
sejamos destacados enquanto a cada dia este governo estende um tapete vermelho à 
extrema direita com suas leis reacionárias e liberticidas.

Não podemos mais aceitar as ameaças diretas que agora estão sendo feitas a nós.

Nós, ativistas políticos, associações, sindicalistas e personalidades da 
sociedade civil, convocamos uma grande manifestação para 12 de junho de 2021 às 
14h30 na Place du Ralliement, para dizer não à extrema direita, às suas ideias 
que se propagam ao governo. e defender nossas liberdades individuais e coletivas. 
Dirigimo-nos a associações, sindicatos, coletivos, partidos que compartilham as 
bases desta convocação para que se unam para construir as condições.

Organizações signatárias:
Sindicatos: CGT, FSU, SOLIDAIRES, UNEF e UNL.
Organizações políticas: LFI, NPA, UCL, PCF 49, EELV, Génération.s 49
Associações: LDH, AFPS
__________________________________

EXPRESSÃO UCL: LUTAS SOCIAIS CONTRA O EXTREMO DIREITO E SUAS IDEIAS

As ideias racistas, nacionalistas e reacionárias da extrema direita estão se 
espalhando e se tornando comuns. Os soldados exibem na imprensa suas tentações 
golpistas, a polícia se manifesta para reprimir impunemente com o apoio de quase 
toda a classe política. Para sermos eficazes, devemos organizar a resposta no 
campo social.

Cheira a rançoso

O Rally Nacional avança na cabeça das pessoas a ponto de estar às portas do poder 
em várias regiões e a vitória de Marine Le Pen em 2022 é uma hipótese que se 
tornou séria. Diariamente, Macron e seu governo aumentam as declarações e medidas 
autoritárias, racistas e liberticidas: proibições de manifestações, leis de 
segurança, criminalização de migrantes, islamofobia, negrofobia, anti-semitismo, 
rromofobia, etc.

O verniz democrático está desaparecendo cada vez mais. O governo e sua política 
anti-social oferecem uma avenida para as forças fascistas. Logicamente, vemos uma 
multiplicação de ataques a comícios e ativistas do movimento social por bandidos 
de extrema direita. O ataque à livraria La Plume Noire da UCL Lyon é um dos 
tristes e numerosos exemplos.

Vamos construir unidade no campo social

Seduzidas pelo falso discurso anti-sistema, mais e mais pessoas são tentadas a 
recorrer ao voto fascista, porque estão cansadas das traições e fracassos do 
passado. Mas, durante a luta contra a reforma previdenciária, o RN esteve ausente 
como em todas as lutas pelos direitos sociais.

Com o período eleitoral, os partidos estão jogando a segurança e as licitações 
autoritárias. Os diques da frente republicana contra o fascismo não se sustentam 
mais. Embora seja importante a união, o antifascismo moral no campo dos valores, 
ou quando apenas serve a interesses eleitorais, mostrou seus limites. A única 
vitória contra o fascismo será no campo social, porque é quando os empregados, os 
precários, as vítimas do racismo, as mulheres e as pessoas LGBTI, etc. lute e 
vença enquanto a solidariedade de classe avança, as idéias reacionárias regredem.

Com ações

Para isso, apelamos ao fortalecimento das associações, coletivos e sindicatos do 
movimento social: vamos construir a nossa resposta antifascista desde a base, 
sindical, radical, na rua, nos nossos locais de trabalho, vida e estudo para que 
esta a luta pode ter lugar, continua e intensifica-se depois de terminados os 
prazos eleitorais.

Dos planos de demissão à expulsão de pessoas sem documentos, passando pelas lutas 
contra as leis de segurança e atos de violência racista e de gênero, vamos 
construir respostas concretas em unidade onde a solidariedade entre os oprimidos 
não deixa marcas no terreno. Espaço para discurso de ódio e divisão. Devemos 
também nos organizar para a autodefesa popular contra a agressão fascista.

Esses são marcos essenciais para recuperar a confiança no coletivo. A partir 
desses contra-poderes, vamos popularizar um projeto de sociedade como alternativa 
ao capitalismo, um projeto libertário, unido e igualitário. Um projeto comunista 
libertário.

União Comunista Libertária, 4 de junho de 2021
_______________________________________

LEIA TAMBÉM OS ÚLTIMOS COMUNICADOS À IMPRENSA DA UCL SOBRE AS NOTÍCIAS ANTIFASCISTAS:

  Julgamento dos assassinos de Clément, a extrema direita é um veneno mortal: 
https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Proces-des-assassins-de-Clement-l-extreme-droite-est-un-poison-mortel

  Rally Nacional, a verdade por trás da "demonização": 
https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Rassemblement-National-la-verite-derriere-la-dediabolisation

  Assassinato de Clément Méric, a questão política do julgamento de apelação: 
https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Meurtre-de-Clement-Meric-l-enjeu-politique-du-proces-en-appel

http://ucl49.fermeasites.net/spip.php?article112


Mais informações acerca da lista A-infos-pt