(pt) France, UCL AL #316 - Ecologia, Contra-cultura: por uma nova revolução agrária (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sexta-Feira, 11 de Junho de 2021 - 07:15:00 CEST


O número, o lugar e a imagem dos camponeses mudaram significativamente no século 
passado, especialmente nos países ricos, onde a modernização mudou as práticas 
agrícolas. Este texto retorna a essa história e ao papel que os camponeses 
poderiam assumir hoje na defesa de um projeto de sociedade livre do capitalismo e 
da tecnocracia. ---- A história nos mostra que certas profissões estão condenadas 
a desaparecer porque se tornam obsoletas ou são substituídas por invenções 
modernas. Muitas vezes, essas mudanças estão ligadas a uma certa expectativa no 
imaginário coletivo das classes dominantes. A história humana está 
intrinsecamente ligada à agricultura há 10.000 anos. Foi nos primeiros centros 
agrícolas (China, Mesopotâmia, América Central, etc.) que os humanos se 
estabeleceram e começaram a cultivar grãos, em vez de caça. Portanto, é 
impensável fazer uma análise da sociedade moderna sem olhar para o lugar dos 
camponeses.

O campesinato vítima da modernização
Na época romana, o camponês era visto como o cidadão "perfeito"[1]. Ele era um 
indivíduo fisicamente robusto, com um caráter honesto e que estava acima das 
tentações luxuosas da vida. Ele encarnou a imagem que as classes dominantes 
queriam se apropriar, ou seja, alguém austero, beligerante quando necessário, 
capaz de se privar dos confortos da vida. Esse conceito de camponês-soldado era 
uma ferramenta política enraizada no presente, mas cujo objetivo final era 
determinar o futuro (se Roma queria conquistar o Mare Nostrum com suas legiões 
amanhã, eram necessários camponeses fortes hoje).

Essa visão glorificada também é encontrada nos discursos de países emergentes, 
ansiosos por construir uma identidade única. Thomas Jefferson era um agrário, com 
uma visão do mundo rural romântica, mas que também fazia um discurso glorificando 
os camponeses como seres fiéis à sua pátria graças ao seu apego físico à terra.

Mas com a modernização, a imagem dos camponeses no imaginário dos decisores 
políticos deixa de ser romântica. O campesinato é visto antes como um vestígio do 
passado que deve ser integrado ao projeto da nova sociedade. Na Europa, há um 
duplo processo no XX º século: a União Soviética começou uma política de 
coletivização em massa com base na idéia de que "a proletarização dos 
camponeses", com a industrialização da agricultura é inevitável para dar espaço 
para o socialismo, enquanto no Oeste Na Europa, o modelo da agricultura familiar 
está gradualmente dando lugar a uma "assimilação da terra ao capital", ou seja, 
ao modelo de agricultor-empresário que conhecemos hoje.

Na Europa Ocidental, o modelo de agricultura familiar está gradativamente dando 
lugar a uma "assimilação da terra ao capital", ou seja, ao modelo de 
agricultor-empresário que conhecemos hoje.
Em ambos os casos, a tecnologia teve um papel preponderante, e esse 
desaparecimento gradual da população camponesa foi visto como um efeito 
inexorável do desenvolvimento e da modernização da nação.

Este foi um dos efeitos perversos da modernização de que foram vítimas os 
camponeses. Hoje as técnicas modernas utilizadas não apenas questionam suas 
práticas que agridem o meio ambiente; mas alguns chegam a dizer que o futuro da 
humanidade não terá camponeses graças ao progresso técnico como a carne 
sintética. E esse culto ao progresso tecnológico representa um perigo. Na 
verdade, os camponeses estão lutando para encontrar seu lugar em uma sociedade 
moderna que se libertou dos limites da natureza.

Quando um presidente consegue dizer com desprezo que defende "uma sociedade 
ecológica, mas não Amish" (que é uma sociedade agrária, aliás), e que Bill Gates, 
um dos homens mais ricos do mundo, não apenas defende alta agricultura 
tecnológica e hipercapitalista, mas também o maior dono de terras agrícolas do 
país, é óbvio que a agricultura está na mira de uma classe política que, em 
termos de políticas ecológicas, é decididamente conhecedora da tecnologia.

Lutas camponesas, ponta de lança da ecologia
A agricultura deve, para sobreviver, se tornar a ponta de lança de uma nova 
ecologia. É fundamental, se queremos que os camponeses modernos consigam 
preservar o seu lugar na sociedade, compreender que o seu futuro depende 
necessariamente desta relação com a tecnologia, que é ao mesmo tempo a maldição e 
a bênção do mundo.

Certamente, tornou possível produzir mais, mas quando atinge um determinado 
limiar, e a serviço do capital, a tecnologia causa destruição ecológica e perda 
de autonomia. Mas dizer que a agricultura deve viver sem tecnologia também é um 
disparate. O início de uma solução potencial é a agricultura se reinserir no 
tecido rural e local, reapropriando-se e adaptando sua tecnologia para servir à 
comunidade.

Arar um pedaço de terra para produzir vegetais para uma cantina popular, ou 
plantar sebes para produzir lenha e manejá-la coletivamente com a comunidade são 
maneiras de os camponeses finalmente deixarem de ser vítimas da visão de uma 
minoria política e, pelo contrário, criar um contrapoder que geraria uma 
sociedade emancipada da "escravidão assalariada", a verdadeira causa da 
destruição ambiental hoje.

Para isso, os camponeses devem se posicionar como "o camponês-soldado" que luta 
não contra Cartago, mas contra o capitalismo burocrático e o ecocídio.

Niels (UCL Montreuil)

Validar

[1] S. Baker, Roma Antiga: A ascensão e queda de um império , 2007, BBC Books

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Contre-culture-pour-une-nouvelle-revolution-agraire


Mais informações acerca da lista A-infos-pt