(pt) France, UCL AL #318 - Revolução Haitiana (1791-1804): Aqui reside a escravidão (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 13 de Julho de 2021 - 09:26:49 CEST


Um arquivo coordenado por Cuervo (UCL Marseille), Irène Lestang (Haute-Savoie) e 
Guillaume Davranche (UCL Montreuil) ---- O que fazer quando você derruba o poder 
político, mas herda um modelo econômico que odeia? O que fazer com os 
imperialismos vizinhos, que procuram instrumentalizar você, mas que você também 
pode instrumentalizar? O que fazer para construir a autonomia produtiva do país, 
respeitando a profunda aspiração dos trabalhadores de gozar da liberdade que 
conquistaram na dura luta? Como inventar uma sociedade multirracial depois dos 
crimes da escravidão e da guerra colonial? ---- Todas essas questões candentes 
foram feitas aos revolucionários antiescravistas de Santo Domingo, que fundaram o 
Haiti em 1804.

Em agosto de 1791, os escravos rebeldes incendiaram as plantações onde haviam 
vivido o inferno. E os insurgentes compreenderam rapidamente o benefício que 
poderiam derivar das rivalidades interimperialistas. Toussaint Louverture lutou 
sob a bandeira espanhola, depois francesa, e chegou a um entendimento com a 
Inglaterra e depois com os Estados Unidos, adaptando suas alianças ao seu próprio 
objetivo: impor a "liberdade geral".

Em 1793, acuadas, as autoridades francesas aboliram a escravidão e o chicote, e 
organizaram a transição para o trabalho assalariado. Mas mesmo pagos, os 
lavradores emancipados rejeitavam o trabalho coletivo e disciplinado próprio das 
plantações, aspirando à vida independente que até então lhes era negada: um 
terreno fértil, uma casa individual, uma família reunida. Responder a essa 
aspiração envolveu dividir as grandes propriedades e redistribuir a terra em 
pequenos lotes familiares. Romper com a agricultura de exportação - açúcar, café, 
algodão e índigo - que fez a riqueza de Santo Domingo. Mas como, então, financiar 
a revolução, comprar o armamento para defendê-la, construir as infra-estruturas 
necessárias à autonomia do país?

Os líderes revolucionários escolheram relançar a produção militarizando-a: "a 
segurança da liberdade exige isso", paradoxalmente proclamado um dos regulamentos 
culturais de Toussaint Louverture. Sua popularidade foi severamente afetada e, 
diante de uma burguesia agora multicolorida, a revolta camponesa rugiu. No pior 
momento, quando uma expedição militar francesa estava navegando em direção à ilha.

Essas questões fascinantes são exploradas nesta edição especial da Alternative 
Libertaire, que pretendia ir além das lendas de ouro e da homenagem a grandes 
personagens, para compreender as origens populares dessa revolução que marcou o 
início do fim do sistema escravista no Ocidente hemisfério.

Agradecimentos a Mathieu Colloghan pelo retrato original de Toussaint Louverture 
na capa.
EM SUMA
Editorial: Aqui está a escravidão.
1791-1792: A quebra de correntes, fogo na planície
Uma sociedade estruturada pela "barreira da cor"
Santo Domingo, a colônia mais lucrativa do mundo
1792-1793: Alie-se aos imperialistas para derrotá-los
Pan-africanismo, nascido da Revolução Haitiana
Em Paris, os parlamentares correm atrás dos eventos
1793-1796: A ascensão irresistível de Toussaint Louverture
Sanite, Marie-Jeanne, Solidão: Três heroínas da emancipação nas Antilhas
Um retrato intelectual do "Spartacus negro"
1796-1801: O legado amaldiçoado das grandes plantações
A perspectiva de Aimé Césaire sobre o "caporalismo agrário"
A Constituição Louverturiana de 1801, revolucionária e conservadora
1802-1803: Os caminhos tortuosos da guerra de independência
Guadalupe: apesar da resistência, Bonaparte restabelece a escravidão
Sudhir Hazareesingh (historiador): "A abolição de 1793 foi imposta pelos 
revolucionários negros"
Américas: as repercussões políticas da revolução haitiana
Epílogo 1804-1825: Confrontado com o imperialismo, desafiar ou reconciliar?
O escândalo da "dívida de independência"

Santo Domingo em 1789 (clique para ampliar)
Baseado no mapa de Jacques Bellin (1764).

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Revolution-haitienne-1791-1804-Ci-git-l-esclavagisme


Mais informações acerca da lista A-infos-pt