(pt) France, UCL AL #317 - Palestina: uma revolta que muda o jogo (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sábado, 10 de Julho de 2021 - 08:57:15 CEST


As hostilidades militares não devem obscurecer a importância do levante popular, 
incluindo os palestinos de nacionalidade israelense, que desafiam o apartheid e o 
domínio colonial. ---- É fundamental compreender que o projeto sionista e depois 
a criação do Estado de Israel fazem parte de uma lógica essencialmente colonial, 
e imperialista no que diz respeito aos países que o apoiam por motivos de 
interesses políticos diversos. A tática israelense de reunir o Ocidente e a 
opinião pública para sua política mortal sob o pretexto da luta contra o 
terrorismo não deve nos enganar. Este não é um conflito religioso, não é sobre a 
luta contra o terrorismo.

O atual levante palestino começou em Jerusalém algumas semanas atrás, com a 
decisão israelense de despejar famílias palestinas de suas casas no bairro 
palestino de Sheikh Jarrah, sob ocupação israelense desde 1967, como ponto de 
partida. Não são novas, pois, desde sua criação, o Estado israelense sempre 
perseguiu uma política de "transferência" dos palestinos para fora de suas casas 
e terras, a fim de instalar colonos e promover a homogeneização do território.

A instalação massiva de colonos no território palestino também visa impor a 
fragmentação da Palestina e, assim, demonstrar, por esse fato consumado, que não 
é possível definir fronteiras para um hipotético Estado palestino. Famílias 
palestinas em Jerusalém que vivem sob ocupação foram despejadas por décadas.

A mobilização palestina nas últimas semanas em defesa dessas famílias foi seguida 
de ataques muito violentos por grupos israelenses de extrema direita, sob o olhar 
cúmplice da polícia. A proibição de se reunir em partes da cidade aumentou a ira 
dos palestinos, que sofreram ataques da polícia na praça das mesquitas que então 
saquearam o interior da mesquita de Al Aqsa, causando mais de 200 feridos e 
extensos danos.

A revolta cresceu em Jerusalém, mas tem raízes profundas em meio século de 
opressão. Uma fonte de esperança é que os palestinos de 48 anos (aqueles que 
permaneceram no território que se tornou israelense e chamados de "árabes 
israelenses" para eufemizar sua identidade), os palestinos sob ocupação na 
Cisjordânia, os palestinos vivendo a céu aberto -a prisão de Ar que é Gaza, e os 
palestinos no exílio, especialmente no Líbano e na Jordânia, se levantaram em 
solidariedade com os de Jerusalém.

Palestinos confiam em si mesmos e em si mesmos
Pela primeira vez em décadas, os palestinos no exílio cruzaram as fronteiras 
israelenses por alguns momentos para retornar a suas terras natais. Diferentes 
facções em guerra, incluindo o Hamas, retaliaram alvejando Tel Aviv e outros 
territórios.

Palestinos em cidades ditas "mistas", ou seja, onde ainda vivem palestinos com 
cidadania israelense (como Lod, por exemplo), tomaram as ruas apesar da forte 
repressão. Palestinos no interior convocaram esmagadoramente uma greve geral na 
terça-feira, 18 de maio, que foi seguida por todos os trabalhadores.

Enquanto os governos dos países árabes estão engajados em processos de 
normalização com Israel, os palestinos agora sabem que sua libertação virá apenas 
deles próprios e que não devem depender de nenhum Estado, seja árabe ou 
muçulmano. A greve geral demonstra uma vontade política de se engajar na luta 
como trabalhadores e não por motivos religiosos.

Os palestinos também prestam muita atenção aos sinais de solidariedade de outros 
países, protestos, a divulgação de informações nas redes sociais e na mídia, 
qualquer sinal ou ação de apoio e, mais ainda, a ampliação de suas próprias 
reivindicações: aplicação do direito de retorno para todos os refugiados, fim do 
sistema de apartheid em Israel, desmantelamento do muro de separação e fim da 
colonização.

Isso é tudo o que os palestinos nos pedem hoje, em sinal de solidariedade, para 
que correspondamos às suas demandas e mostremos nosso compromisso nas ruas e em 
todos os lugares.

Hélène (UCL Grand Paris Sud)

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Palestine-un-soulevement-qui-change-la-donne


Mais informações acerca da lista A-infos-pt