(pt) France, AL #312 - Digital, Entrevista: Stéphane Ortega (Equilíbrio de poder) "Limitando nossa dependência" (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Domingo, 31 de Janeiro de 2021 - 07:01:29 CET


Para entender melhor a relação entre o Facebook e mídias independentes como a 
Relations de force, entrevistamos Stéphane Ortega, da redação no final de 
novembro. ---- Libertaire alternativo : Por que é essencial para você estar no 
Facebook ? ---- Stéphane Ortega: O Facebook moldou os usos da população, 
principalmente em termos de "consumo " alguma informação. Ele se tornou 
indispensável. Para eles, como para os meios de comunicação que querem ser lidos. 
Para apoiar uma mídia como a nossa, ou seja, independente, de acesso aberto e que 
busca remunerar seus jornalistas por meio de doações, é fundamental formar uma 
grande audiência. No entanto, devemos buscar esse leitor onde as pessoas se 
acostumaram a encontrar informações. Caso contrário, equivale a condenar-se a 
ficar confinado a um nicho marginal, constituído por pequenas redes que nos 
conhecem de antemão. E finalmente desaparecer rapidamente, porque não podemos 
viver do nosso trabalho. Além disso, hoje, ter impacto ao divulgar uma 
determinada informação sem se beneficiar de uma possível viralidade nas redes 
sociais está se revelando quase uma missão impossível.

Qual foi o impacto de sua proibição ?

Stéphane Ortega: Imediato. Entre 15 de outubro e 3 de novembro, o período de 
proibição para Relações de Poder no Facebook, o tráfego do site caiu pela metade. 
Nenhum de nossos artigos alcançou 1000 leitores nesse período, exceto aquele que 
explica o risco de morte a médio prazo de nossa mídia. Mas mesmo aquele não 
obteve o eco que deveria.

Que lições você tira desse episódio ?

Stéphane Ortega: Vamos iniciar uma reflexão para tentar limitar nossa dependência 
do Facebook. Claro, haveria a possibilidade de investir em redes gratuitas ou 
estimular regularmente nossos leitores a divulgar nossos artigos por outros 
meios. Por e-mail ou mensagens de texto, por exemplo. E provavelmente iremos. No 
entanto, não temos ilusões: não é apenas o equilíbrio de poder que mudará a forma 
como as pessoas "consomem" informações. E ainda teremos que alcançar as pessoas 
onde elas estão. Principalmente aqueles que ainda não nos conhecem.

Entrevista com Léo (UCL Lyon)

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Entretien-Stephane-Ortega-Rapports-de-force-Limiter-notre-dependance


Mais informações acerca da lista A-infos-pt