(pt) France, UCL AL #312- Ecologia, Poitou: A guerra das bacias está sendo travada (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sexta-Feira, 29 de Janeiro de 2021 - 07:24:52 CET


Com o aquecimento global e o esgotamento da terra, a água está se tornando um 
recurso estratégico cada vez mais cobiçado. Em torno do pântano Poitevin, uma 
batalha opõe há vários anos um coletivo de cidadãos a atores da agricultura 
produtivista em torno de um projeto de armazenamento de água de superfície. ---- 
As reservas de substituição, mais conhecidas como "bacias", são grandes bacias 
artificiais que se abastecem com o bombeamento de água subterrânea no inverno com 
o objetivo de a utilizar no verão, quando falta água, para a irrigação das 
culturas. . Os primeiros foram construídos em Charente-Maritime e Vendée no final 
dos anos 2000, a título experimental. Após resultados considerados conclusivos 
pelos próprios promotores, um novo projeto de 19 bacias foi iniciado no 
departamento de Deux-Sèvres em 2017. Cerca de quarenta também devem ver a luz do 
dia em Vienne em 2022. Mas essas bacias representam muitos problemas.

Os beneficiários das bacias são atores da agroindústria que praticam a 
monocultura do milho, cereal que exige muita água, mas cujas taxas de retorno e 
lucro são muito elevadas. O milho é então exportado para o exterior para 
alimentar animais de criação industrial. Não se trata, portanto, de salvar a 
agricultura camponesa que alimenta as populações locais.

Essa agricultura produtivista é prejudicial ao meio ambiente porque o bombeamento 
maciço de água no inverno enfraquece os lençóis freáticos e, em última análise, 
contribui para o ressecamento de solos, rios e pântanos, colocando em risco 
muitos ecossistemas. É um círculo vicioso que deve ser superado questionando todo 
o modelo agrícola.

Além disso, estas bacias beneficiam de um financiamento público significativo 
(cerca de 70%), tendo como objetivo garantir os lucros de um punhado de grandes 
agricultores. Os pequenos produtores que privilegiam culturas adaptadas às 
regiões e uma agricultura que respeita o meio ambiente só podem sonhar com esse 
apoio financeiro ...

A resistência está se organizando
Diante dessa grilagem e desses projetos ecologicamente corretos, nasceu em 2017 
um movimento de resistência com a criação do coletivo cidadão "Bassines Non 
Merci". Apoiado por várias associações, sindicatos e organizações políticas, este 
coletivo está liderando a batalha na frente jurídica e da mídia. No dia 11 de 
outubro, mais de 2.500 pessoas se manifestaram em Épannes em oposição às bacias.

A mobilização parece estar dando frutos já que o conselho regional de Nova 
Aquitânia, inicialmente favorável às bacias, votou no dia 4 de dezembro contra o 
financiamento das bacias. No entanto, não devemos clamar vitória porque o Estado, 
infalível aliado dos capitalistas, parece já assumir o comando para garantir o 
financiamento deste projeto massivamente contestado pela população e pelos 
eleitos locais. Continua, portanto, a luta por outro modelo de agricultura e 
gestão coletiva da água, luta crucial para o nosso futuro.

Benjamin (UCL Poitiers)

https://unioncommunistelibertaire.org/?Poitou-La-guerre-des-bassines-fait-rage


Mais informações acerca da lista A-infos-pt