(pt) France, Union Communiste Libertaire UCL - É a luta dos oprimidos que tornou a lei possível ! (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 20 de Janeiro de 2021 - 09:32:52 CET


O aborto foi finalmente legalizado na Argentina, após anos de lutas ferozes que 
fizeram do movimento feminista argentino um dos motores da luta contra o 
patriarcado em nível global. ---- Reproduzimos aqui o comunicado de imprensa dos 
nossos camaradas de Rosário (Federación Anarquista de Rosario - FAR), Córdoba 
(Organizacion Anarquista de Cordoba - OAC) e Tucumán (Organizacion Anarquista de 
Tucumán - OAT) que também foi publicado, entre outros, em o Anarkismo.net ---- A 
maré verde, que há anos não para de crescer na Argentina e na América Latina, 
pôde comemorar ontem a aprovação da lei sobre a interrupção voluntária da 
gravidez. Essa é uma demanda essencial para todas as mulheres e aquelas que podem 
dar à luz em nossa classe, porque são as mais pobres entre nós que abortam nas 
piores condições da clandestinidade, e assim correm riscos de graves problemas de 
saúde. , prisão e morte. Esta luta histórica deu luz verde à força das mulheres 
de baixo para cima em todo o continente para fazer avançar o direito de viver, um 
direito fundamental se houver, e não apenas o direito de sobreviver como imposto 
pelo maquinaria do capitalismo e sua voracidade destrutiva.

Na madrugada de 30 de dezembro, o Senado argentino finalmente teve que dar sua 
aprovação final à lei sobre a interrupção voluntária da gravidez após anos de 
pressão social do movimento feminista, partidos políticos, sindicatos, 
organizações. social e estudantil. Bem como pelo grupo social de mulheres e 
pessoas propensas a parir, nas manifestações de rua, nos já históricos Encontros 
Nacionais de Mulheres, rebatizados de Encontros Plurinacionais de Mulheres, 
Lésbicas, Trans, Travestis e Não Binários, como em todos locais de trabalho, 
locais de estudo, bairros, através do investimento constante no debate e na luta 
pela autonomia dos nossos corpos e pelo nosso direito de decisão.

Desde o final do XIX ° século nessa região, os nossos companheiros anarquistas 
reuniu e organizou a base da sociedade, com suas irmãs da classe trabalhadora, 
para construir uma história de resistência contra o patriarcado e do capitalismo. 
Por Virginia Bolten com La Voz de la Mujer, María Collazo, Juana Rouco Buela, 
Luisa Lallana, Julia García entre muitos outros camaradas; aos que enfrentaram 
uma repressão brutal nos anos 60 e 70: Elsa Martínez, María Esther Tello, Hilda 
Forti, Pirucha Ramos entre outros. Todas fazem parte da grande história das lutas 
feministas neste país que hoje consegue arrancar da classe política a legalização 
do aborto graças à imensa organização e mobilização que a Campanha pelo Aborto 
Legal e Seguro e gratuito, criado em 2003, incentivado.

Não há dúvida de que o governo de Alberto Fernandez, e muito do peronismo, 
buscará lucrar politicamente com esse fato, como já se pode constatar nos 
discursos que apresentam essa lei como um dom da "vontade". política "dos 
funcionários que administram o estado patriarcal. Mais cínica ainda é a tentativa 
dos progressistas de se reconciliarem constantemente com os setores mais 
reacionários, conservadores e sexistas como as igrejas católica e evangélica, por 
terem negociado um projeto que inclui uma cláusula de consciência e a tentativa 
de negociar os fundamentos para aborto legal. Embora seja uma grande alegria 
saber que o sistema de saúde agora será obrigado a considerar a decisão das 
mulheres grávidas ao interromper ou continuar uma gravidez,

Ainda há muito a ser feito para garantir que o aborto legal, seguro e gratuito 
seja realmente implementado em todas as esquinas. Resta lutar contra a cláusula 
de consciência, as armadilhas jurídicas que podem surgir e os obstáculos que 
esses setores anti-escolha reacionários vão querer colocar no lugar. E, claro, há 
um longo caminho a percorrer para acabar com todas as formas de violência patriarcal.

Portanto, entendemos esta etapa necessária como parte de um processo de luta que 
não se esgota e não se esgota no futuro próximo. Ver os resultados da nossa 
organização constante, há décadas, reafirma o caminho da ação coletiva, 
sustentada, unida e de classe. Sabemos que nada verdadeiramente transformador 
virá do Estado e de suas estruturas, mas esse avanço necessário nos permite ver a 
realização de novas demandas no horizonte.

Como anarquistas politicamente organizados, entendemos que o único caminho 
possível neste período é organizar e lutar por demandas cada vez mais importantes 
para os oprimidos até este sistema capitalista e patriarcal. pode ser alterado na 
raiz.

Assim, a legalização do aborto é uma vitória que é fruto de mobilizações 
históricas, assembleias nos bairros, professores organizados que implementam a 
educação sexual integral nas escolas, transformando as salas de aula em locais de 
aprendizagem. informação, capacitação e descoberta ; da organização sindical e 
estudantil, dos cerca de trinta Encontros que hoje são multinacionais de 
mulheres, lésbicas, trans, travestis e não binários.

É uma conquista das mulheres e das minorias de gênero das classes trabalhadoras 
graças à luta popular e ao ativismo comprometido e constante que lhes permite 
resistir aos golpes mais duros dos governos e do capital. Merecemos comemorar 
toda essa luta imensa contra ir para a clandestinidade, para nos fortalecer e nos 
consolidar para as batalhas que estão por vir. Reivindicamos este caminho de 
construção do poder do povo, com a força dos nossos antepassados e com a nossa 
história de luta. Com o poder que temos de baixo, os marginalizados, os 
explorados, os oprimidos, para construir o nosso próprio destino e acabar com a 
opressão patriarcal, colonial e capitalista. Pelo socialismo e pela liberdade.

É A LUTA DOS OPRIMIDOS QUE PERMITIU A LEI !
VAMOS CONTINUAR A ORGANIZAR-NOS NA RUA PARA O COMBATE À OPPRESSÃO PATRIARCAL E 
CAPITALISTA !
FORÇA PARA QUEM LUTA !
¡ARRIBA LAS QUE LUCHAN !

? Organización Anarquista de Córdoba
? Federación Anarquista de Rosario
? Organización Anarquista de Tucumán

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?C-est-la-lutte-des-opprimees-qui-a-permis-la-loi


Mais informações acerca da lista A-infos-pt