(pt) France, UCL #313 - Antipatriarcado, 51. Curdistão: o drama das mulheres na África ocupada (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sexta-Feira, 19 de Fevereiro de 2021 - 08:44:21 CET


A comunidade curda protestou em janeiro em homenagem a Sakîne Cansiz, Fidan Dogan 
e Leyla Saylemez, três ativistas curdos mortos em Paris em 9 de janeiro de 2013 e 
cujo assassinato ficou impune. Uma retrospectiva de um movimento de emancipação 
no Curdistão. ---- Janeiro de 2021 foi um mês muito importante para o movimento 
das mulheres curdas. Em 6 de janeiro, um relatório do HDP revelou que muitas 
mulheres desaparecidas na região de Afrîn durante a ofensiva estatal turca em 
2018 foram enviadas à Líbia para servir como escravas sexuais de lutadores 
profissionais. -Turks[1]. ---- O dia 9 de janeiro marcou a comemoração do triplo 
assassinato controlado remotamente pelo MIT, o serviço secreto turco, de três 
ativistas curdos em Paris em 2013. Muitas ações reivindicadas pelo movimento de 
jovens mulheres curdas, Jinen Tirejen Roje, realizado em seis cidades da Turquia 
atacou fábricas e marcas pertencentes ao AKP, o partido de Erdogan e o partido 
MHP de extrema direita turca.

Na vanguarda da revolução
Por trás das imagens estereotipadas de jovens combatentes em armas veiculadas 
pela mídia ocidental, há décadas de uma política emancipatória e de luta pela 
igualdade de gênero na região. Tudo começou com a criação do PKK, o Partido dos 
Trabalhadores do Curdistão, nomeadamente com Abdullah Öcalan (preso desde 1999 na 
ilha-prisão de Imrali) e Sakîne Cansiz (assassinado em Paris em 2013). Já nos 
anos 1980, ambos teorizaram e colocaram em prática uma política segundo a qual 
não poderia haver sociedade livre sem a liberdade das mulheres.

Marcha no campo Berxwedan para protestar contra a ocupação turca de Afrin
cc kurdistan-au-feminin
Em uma sociedade patriarcal onde as mulheres são mantidas na ignorância doméstica 
e vítimas de violência, o engajamento na luta armada também se torna um meio de 
emancipação, educação e organização coletiva. Num contexto marcado pela Primavera 
Árabe, o surgimento do Estado Islâmico e o genocídio dos Yazidis em Sinjar em 
2014, as lutas pela autodefesa dos povos destacaram o papel central das mulheres. 
No nordeste da Síria, está surgindo um verdadeiro laboratório político onde se 
desenvolve a incrível participação das mulheres, em todas as frentes, militar e 
civil, organizada de forma democrática e autônoma.

Em 2018, o estado turco colonizou Afrîn: as mulheres agora enfrentam violência de 
grupos jihadistas diretamente filiados ao exército turco de Erdogan, que pretende 
seguir sua estratégia de substituição demográfica em todas as regiões ao longo da 
fronteira turco-síria. Apesar da batalha diária contra o fascismo estatal turco, 
muitas iniciativas para o empoderamento das mulheres estão surgindo e continuando 
a se desenvolver em Rojava.

A Jinwar Women's Village[2], as cooperativas agrícolas e têxteis autônomas 
femininas, bem como o novo centro de saúde natural da mulher - Sifa Jin - são 
exemplos. Em toda parte grupos de mulheres estão se formando para tornar a luta 
visível e viva[3].

Em outros lugares, a diáspora continua a lutar e retransmitir vitórias no campo, 
ao trabalho para a convergência com as mulheres em todo o mundo porque, como eles 
dizem isso, o XXI th século deve ser a libertação das mulheres.

N. e D. (simpatizantes da UCL Marseille)

Validar

[1]"Turquia acusada de enviar 'escravas sexuais' curdas para combatentes na 
Líbia", RFI , 9 de janeiro de 2021.

[2]"Rojava: AL faz uma doação para a aldeia das mulheres" , Alternative 
libertaire , junho de 2019.

[3]"Os sucessos do movimento das mulheres curdas" , Alternative libertaire , 
março de 2015.

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?51-Kurdistan-le-drame-des-femmes-dans-Afrin-occupee


Mais informações acerca da lista A-infos-pt