(pt) [Espanha] Cnt nº 425 - Aplausos para o acordo europeu que silencia suas consequências - Dossiê Nova Normalidade? Ação Sindical! By A.N.A.

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Domingo, 14 de Fevereiro de 2021 - 07:15:19 CET


Aplausos para os que chegam a Moncloa, com um acordo "histórico". Bilhões de 
euros que estimularão a economia espanhola, que está sendo afetada. A mídia 
econômica especializada fala de um "plano de salvação para a Espanha". Será 
assim? ---- O impacto gerado pelo Covid-19 tem sido brutal em nível econômico: 
quedas sem precedentes no Produto Interno Bruto no Reino da Espanha, mas este 
impacto também foi sentido em outras economias européias. De acordo com o INE, o 
PIB da Espanha caiu 18,5% no segundo trimestre devido à pandemia do coronavírus. 
Este número só foi excedido pelo Reino Unido, com uma queda de 20,4%; a Zona Euro 
caiu 12,1% e a da União Européia como um todo, 11,7%. Não há necessidade de 
entrar em estatísticas para estar ciente do impacto imediato que isto teve sobre 
a economia.

Deve-se notar que a configuração do tecido produtivo não está ajudando muito. A 
especialização da economia do Reino em serviços de baixo valor agregado (turismo 
e hotelaria, entre outros), os setores mais atingidos pela crise, está piorando 
ainda mais a situação econômica. Na verdade, eles estão entre os setores em que a 
possibilidade de teletrabalho é menor, uma das saídas que tem sido incentivada 
durante o Estado de Alarme. Se nos concentrarmos na indústria, agora que se 
propõe "reindustrializar o país", o peso industrial no Valor Agregado Bruto 
diminuiu consideravelmente nos últimos anos, de quase 15% em 2006 para 12,4% em 
2018. Deve-se notar que grande parte do setor industrial do território é auxiliar 
da indústria automotiva, cuja sede está localizada fora do país; um setor no qual 
os efeitos da mudança do modelo energético da indústria automotiva que está 
ocorrendo no mundo inteiro já estão se tornando cada vez mais evidentes.

Também não devemos esquecer que, se no nível macroeconômico a chamada "crise" 
estava sendo superada, muitos economistas apontavam que as classes populares não 
haviam superado a Grande Recessão e que estávamos à beira de uma nova crise, 
ainda mais difícil se possível.

Este é o contexto em que nos encontramos quando o acordo de julho de 2020 foi 
assinado.

Os números do acordo

O mais comum é que, quando falamos de grandes quantias de dinheiro, perdemos a 
referência de não poder compará-las com os custos de nossa economia habitual. 
Qual é a diferença entre 60 ou 100 milhões de euros? 60 milhões é o custo de um 
hospital e 18 milhões é o custo de seus equipamentos; com este exemplo podemos 
ter uma idéia do que significa esta quantia específica, referindo-nos a algo com 
o qual compará-la. Um detalhe que poucos meios de comunicação fizeram.

O acordo, no que diz respeito aos números, tem várias partes. Por um lado, existe 
o Quadro Financeiro Plurianual (QFP) de 1.074,3 bilhões de euros, que é o 
orçamento para a UE entre 2021 e 2027. O do período anterior (2014-2020) foi de 
1.087.197 milhões de euros, portanto, diminuiu ligeiramente. A seção na qual o 
governo espanhol e a mídia colocaram o foco, foi a seção EU Next Generation, na 
qual foi acordado um montante de 750.000 milhões de euros, dos quais 390.000 
milhões serão transferências diretas e 360.000 milhões, empréstimos. Além disso, 
há outros 540 bilhões de euros acordados para outras questões. Para se ter uma 
idéia da magnitude dos números, 500.000 milhões de euros são os gastos públicos 
totais de todas as administrações do Reino da Espanha em um ano (central, 
autônoma e municipal). Ou seja, o MFP para toda a União Européia entre 2021 e 
2027 seria dois anos de gastos públicos consolidados do Reino.

No caso do Next Generation da UE, o principal elemento diferencial em relação ao 
orçamento do período anterior (2014-2020) e que, além disso, tem sido a disputa 
entre os governos da UE, predefine a que ajuda direta e empréstimos devem ser 
direcionados. Ou seja, não são fundos que são concedidos a cada estado sem mais 
delongas, mas que têm que seguir linhas prefixadas pela UE. A disputa surgiu 
sobre a proporção que virá de subsídios diretos (que não serão reembolsados) e a 
parte que virá de empréstimos (pelos quais os juros serão pagos, é claro). A 
participação total negociada que corresponderá ao Reino da Espanha é de 140.000 
milhões de euros, distribuídos em 72.700 milhões de euros na forma de ajuda 
direta e 67.300 milhões de euros em empréstimos. Isto é muito, ou não é 
suficiente? Para nos dar uma idéia, o que recebe em ajuda direta ao Reino é um 
montante semelhante ao resgate bancário (que, aliás, nunca será reembolsado); ou 
o PIB perdido entre janeiro e junho de 2020; ou 20% de todo o dinheiro que foi 
injetado nos bancos desde 2008; também representa um montante semelhante aos 
cortes da Administração Central entre 2009 e 2014. Talvez desta forma possamos 
ter uma idéia mais precisa do que significa para o Reino da Espanha a ajuda 
direta (que não é dívida) do Next Generation  UE.

Entretanto, um elemento que curiosamente passou despercebido foi o ponto do 
acordo detalhando que os Estados membros elaborarão planos nacionais de 
recuperação e resiliência, estabelecendo o programa de reformas e investimentos, 
ou seja, a condicionalidade da elaboração (e implementação) de reformas. Isso não 
é bom para a classe trabalhadora.

Um maná caído de Bruxelas... ou não.

Para continuar contextualizando, vamos voltar no tempo. Em outubro de 2008, em um 
momento em que se falava de capitalismo refundador, foi acordado um Plano de 
Recuperação Econômica Européia. A participação do Reino foi de 90 bilhões, 8,1% 
do PIB. No caso do acordo de julho de 2020, o montante recebido entre a ajuda 
direta e os empréstimos será mais ou menos 11%, um pouco mais elevado. Mas 
deve-se notar que o golpe agora sofrido pela economia é proporcionalmente muito 
maior.

Há também a sensação de que, da UE, apenas o dinheiro flui para a Espanha; no 
entanto, isso não é verdade. Se analisarmos o equilíbrio financeiro entre o 
Estado e a UE entre 2007 e 2019, verificamos que foram recebidos 6.675 milhões de 
euros em termos líquidos. O que isso significa? Que durante todo este período, a 
União Européia contribuiu um pouco mais do que o que o Estado remeteu para ela. 
Entretanto, deve-se observar que durante este período de Grande Recessão, 146.684 
milhões de euros deixaram o Reino para Bruxelas.

Isto fornece um contexto melhor para o que a ajuda foi e o que realmente foi.

No período de 2021-2027, a ajuda européia chegará, mas o dinheiro também será 
enviado de Madri para Bruxelas. Como a Stuart Media da Rede MMT calculou, neste 
período, 52,126 milhões de euros serão enviados para Bruxelas. Então, o que 
restará desses tão célebres milhões de euros? Bem, cerca de 20.500 milhões de 
euros, 4,1% das despesas de todas as administrações em um ano do Reino, já que os 
outros 67.300 milhões serão devolvidos com juros.

Ninguém dá nada de graça, muito menos a UE

O mais óbvio será que, em troca da ajuda, as reformas terão que ser 
implementadas. A questão é que, até que sejam negociadas, não se sabe quais 
reformas serão implementadas. Entretanto, uma breve revisão histórica nos lembra 
que as principais condicionalidades têm sido o reequilíbrio do déficit público 
para 3%, que a dívida pública deve ser de 60% em relação ao PIB, e as 
"recomendações" para tentar alcançar esses números têm sido reformas que muitas 
vezes têm sido cortes. O cumprimento do Pacto de Estabilidade e Crescimento para 
os Estados politicamente menos fortes é uma obrigação, e não parece que será 
questionado. Por estas razões, se analisarmos os gastos totais consolidados de 
todas as administrações do Reino, estamos agora praticamente nos mesmos níveis de 
2008 (após uma década em que diminuiu), enquanto as necessidades sociais vêm 
aumentando: os efeitos orçamentários da Grande Recessão não foram recuperados. 
Além disso, o artigo 135 da Constituição tem sido uma verdadeira camisa de força 
para as administrações públicas.

Neste contexto, será possível revogar a reforma trabalhista, como proposto pelos 
partidos no governo? Eles já se atrasaram no tempo, mas, com este acordo, 
Bruxelas provavelmente limitará a reforma trabalhista a algo homeopático. O que 
vai acontecer com o sistema de pensões? Bem, neste contexto, as pressões para 
tornar o sistema "sustentável" serão ainda maiores: aprofundar os sistemas 
privados, dificultando o acesso a uma pensão decente e dificultando a 
aposentadoria antes do limite legal de idade.

Uma das propostas que tem sido ouvida pelos membros do executivo central tem sido 
a necessidade de mudança no modelo de produção, uma necessidade que tem estado em 
absoluta evidência após o retrocesso que a economia está sofrendo. A necessidade 
de reindustrializar o país tem sido enfatizada. Isto é algo viável?

O papel da economia espanhola em relação à economia européia é de subsidiariedade 
e especialização em serviços de baixo valor agregado: a entrada na CEE em 1986 
reforçou esta tendência, desmantelando parte da indústria ao cair de 24,4% do PIB 
no ano de entrada para 12,4% em 2018. Que razões podem ser dadas para que os 
países membros permitam incentivar a indústria em um país que, provavelmente, 
poderá ser sua concorrência futura? Os países membros da UE são os que analisarão 
as propostas e, como é óbvio, eles as analisarão ponto por ponto, levando em 
conta como elas afetam seus interesses econômicos. Portanto, este modelo de 
mudança produtiva, sob as regras atuais, é visto como algo realmente difícil.

A classe trabalhadora, o que esperar

As chaves do acordo europeu em julho devem levar em conta que ainda há muitos 
detalhes a serem fechados. Entretanto, é claro que o valor a ser recebido, 
levando em conta o que está sendo pago, não é muito para se entusiasmar, embora 
seja mais do que nada.

É provável que a portagem que teremos que pagar seja cara (que estranho, por 
sinal). A recusa em revogar a Reforma Trabalhista, ou seu atraso, pode ter sido 
um sinal para a UE de não aumentar os nervos antes da assinatura do acordo. No 
momento, não há sinais de uma melhoria substancial na legislação trabalhista em 
favor da parte mais fraco, os trabalhadores.

Os gastos públicos, especialmente os relacionados com a implementação dos 
direitos sociais e de bem-estar, não devem aumentar na proporção necessária; 
sempre teremos os limites estabelecidos pelo Pacto de Estabilidade (que ninguém 
fala em eliminar) e a prioridade do pagamento da dívida, antes de dedicar esses 
recursos aos cidadãos. O que teremos é um aumento do endividamento (e seu 
pagamento, e o pagamento de juros) que limitará ainda mais a capacidade das 
administrações.

Isto é até onde vai a política parlamentar e o jogo dentro das margens da União 
Européia, não há mais espaço de manobra. Somente organização, mobilização, 
pressão e ação direta serão capazes de reverter esta situação que está vindo 
sobre nós.

Fonte: 
https://www.cnt.es/noticias/aplausos-para-el-acuerdo-europeo-que-silencian-sus-consecuencias/

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana


Mais informações acerca da lista A-infos-pt