(pt) anarkismo.net: Fundo de recuperação em molho lombardo por Alternativa Libertaria / FdCA (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 3 de Fevereiro de 2021 - 07:45:07 CET


No final de novembro de 2020, o conselho regional da Lombardia emitiu uma 
resolução - 40/2020 - relativa à "Resolução sobre o Fundo de Recuperação: 
propostas para a definição do plano nacional de recuperação e resiliência PNRR" e 
obviamente sobre os investimentos dos devidos a região do Fundo Europeu de 
Recuperação, igual a 35 bilhões de euros. ---- No final de novembro de 2020, o 
conselho regional da Lombardia emitiu uma resolução - 40/2020 - relativa à 
"Resolução sobre o Fundo de Recuperação: propostas para a definição do plano 
nacional de recuperação e resiliência PNRR" e obviamente sobre os investimentos 
dos devidos a região do Fundo Europeu de Recuperação, igual a 35 bilhões de euros.
Percorrendo os capítulos de gastos, imediatamente chama a atenção como as 
migalhas foram reservadas para a melhoria dos cuidados de saúde, bem como para a 
melhoria do transporte público local, ou seja, os dois principais pontos críticos 
detectados durante a pandemia permanecerão com o fósforo na mão novamente. uma 
vez. Na resolução, a saúde ocupa o último lugar do documento e, por trás das 
declarações de fortalecimento de um serviço universal de saúde, falamos 
principalmente de intervenções de digitalização e de melhoramento tecnológico, 
enquanto nem sequer são mencionados os necessários reforços da medicina 
territorial, do plano. USCA para a continuidade da assistência, muito menos para 
o fortalecimento do pessoal, que especialmente no ano passado foi submetido a um 
volume de trabalho inaceitável, embora inesperado.

Rumores recentes apontam para certos investimentos pretendidos pelo ministério da 
economia e que veriam 18 bilhões de euros destinados à saúde nacional para obras 
de modernização dos serviços e construção de saúde. Obviamente, sendo a saúde uma 
prerrogativa das regiões, a referida lei regional continuaria em vigor na 
Lombardia, o que escoaria a maior parte dos investimentos para as estruturas 
privadas; enquanto estamos dispostos a apostar que não haverá obras de renovação 
e recuperação no que diz respeito ao edifício da saúde, mas sim a criação de 
novos centros hospitalares que faltariam então os princípios de médicos e 
enfermeiras, como já amplamente demonstrado pelo projecto do hospital montada por 
Fontana, Gallera e Bertolaso nos ex pavilhões da Expo.

No que diz respeito aos transportes, como sempre, privilegiam-se as grandes obras 
rodoviárias e ferroviárias, sobretudo as relativas aos troços que vão afectar os 
Jogos Olímpicos de Inverno de 2026, um verdadeiro acontecimento que já arrasta a 
paisagem serrana e que de agora em diante cinco anos, ele desviará uma grande 
quantidade de dinheiro público. Muito espaço também será dado para melhorar os 
serviços ferroviários para conectar os novos locais de gentrificação e mega 
shopping centers (leia Rho e Arese), enquanto o transporte local que movimenta a 
maioria dos alunos e passageiros permaneceu novamente com o jogo em mãos. E, no 
nível metropolitano, os recursos serão usados principalmente para a conclusão da 
linha 4 do metrô. Nada vai melhorar os veículos de superfície, nem as conexões 
inter-regionais, sempre verdadeiros vagões de gado nos horários de pico. Em vez 
dessas ações, hipotetiza-se uma nebulosa "demanda pública inteligente", cujo 
objetivo último é uma nobre gratuidade do transporte público para neutralizar as 
disparidades sociais, mas cujos meios de chegar lá não são conhecidos.

O documento tem então uma parte substancial dedicada à Economia Verde, 
pomposamente intitulada "Revolução verde e transição ecológica", dentro da qual 
fica claro que a transição ecológica é considerada quase exclusivamente do lado 
econômico e lucrativo e quase nunca do lado da proteção e salvaguarda do bem 
comum e da saúde pública. Basta dizer que o papel do gigante será desempenhado 
pela economia circular, ou seja, a vontade de encerrar virtuosamente o ciclo de 
resíduos e fertilização do solo por meio do digestado natural (resíduos da 
produção de biogás), que de fato conduzirá a uma espécie de oligopólio de grandes 
empresas que irão gerir todas as várias etapas dos ciclos de processamento, 
otimizando custos e prejudicando a já pobre biodiversidade do ecossistema Lombard.

São também muitas as contradições evidentes, como a criação de ciclovias e o 
desincentivo à circulação de veículos particulares que se chocam com o 
desbloqueio dos estaleiros previsto no plano da Lombardia de maio de 2020 e para 
o qual já passaram muitos autarcas e várias facções à região para ganhar dinheiro 
para poder consolidar e reiniciar a economia local por meio da construção (veja 
como exemplo a construção da rodovia Cremona-Mântua, que se tornará mais uma 
catedral no deserto); ou ainda, o desejo de criar verdadeiras madeiras urbanas 
quando, apenas alguns anos atrás, o Palazzo Lombardia (sede da região) foi 
construído demolindo a madeira de Gioia; ou o bosque chamado "La Goccia", no 
norte de Milão,

Também falado de uma fatia muito grande de dinheiro que será investida em 
inovação digital e, portanto, redes 5G regionais e digitalização completa da PA 
para agilizar a burocracia (esta promessa que retorna a cada eleição ou cada 
doação de dinheiro pela Europa), resta fale da escola, que também é afetada pela 
"revolução digital" e que veria avançar questões já amplamente tratadas pela 
reforma Gelmini, que é uma exigência didática em sintonia com os tempos e que vê 
disciplinas de inovação e digitalização para ocupar espaço dedicado a estudos 
mais humanísticos e formativos e à continuação da parceria entre escola e 
empresas, chegando mesmo a temer "a instalação de gabinetes de trabalho em 
complexos e distritos escolares" (ponto 1.4.2) que marcaria o fim da função 
histórica da escola como instituição capaz de formar a pessoa adulta, passando a 
ser apenas um instrumento de recrutamento de pessoal por parte das empresas, que 
poderão ter trabalhadores sem custos e substituíveis ano após ano.

Mesmo as políticas de igualdade de oportunidades são rebaixadas e reduzidas a uma 
mera questão econômica; por exemplo, a inclusão cada vez mais ampla das mulheres 
no mundo do trabalho (ou melhor, o empreendedorismo feminino) contribuiria 
significativamente para o crescimento econômico (parágrafo 1.5.1) e, além disso, 
ocultaria o mundo dos negócios de um verniz progressivo que é na verdade um folha 
de figueira cobrindo uma exploração cada vez maior da mais-valia.

Como você pode ver, a resolução está envolta em boas intenções, mas no final é um 
mero afastamento do neoliberalismo mais desenfreado e da exploração dos recursos 
humanos e ambientais. No entanto, seria mesquinho fazer tudo isso apenas para a 
Liga. Com efeito, a resolução foi aprovada com 69 votos a favor de 69 diretores 
presentes em sala de aula e é de fato o PD que ganha a vitória, primeiro por ter 
lutado pelo fundo de recuperação e depois por ter apoiado integralmente todos os 
pedidos recebidos da União Europeia em o desembolso do empréstimo maxi.

Na verdade, deve ser lembrado que por algum tempo a UE foi vista como uma força 
progressista que se opõe a vários populismos nacionalistas e às vezes até mesmo 
às grandes multinacionais americanas e asiáticas, mas ao invés disso continua 
sendo uma ferramenta extremamente funcional da burguesia para o capitalismo. Se 
às vezes pode parecer que desenvolve formas econômicas próximas ao bem-estar, na 
realidade não o faz pelos princípios da equidade e da justiça social, mas para 
tentar garantir uma política de consumo extremamente importante para o grande 
capital financeiro. Basta dizer que o fundo de recuperação se destinava a 
remediar os danos que a pandemia está a causar, mas as sugestões sobre as 
rubricas de despesas que a própria União fez dizem apenas respeito a uma 
libertação económica, sem repercussões nas questões sociais e de saúde.

Mais uma vez, portanto, o "modelo Lombard" é o espelho fiel da vontade do 
capital, facilmente exportável para qualquer outro território e sutilmente 
envolto em ecologia, mutualismo e feminismo para torná-lo mais facilmente 
defensável. Obviamente os movimentos já se expressaram e certamente não se 
deixarão enganar por essa pátina progressiva, mas sim o grande magma de pessoas 
que, longe da militância, porém, esperam um mundo com direitos iguais para todos, 
podem ser desencaminhadas por este tóxico narrativa que em última instância a 
análise não questiona as raízes das desigualdades civis e, além disso, afeta 
fortemente os direitos sociais.

Link relacionado: 
http://alternativalibertaria.fdca.it/wpAL/blog/2021/01/31/recovery-fund-in-salsa-lombarda/

https://www.anarkismo.net/article/32153


Mais informações acerca da lista A-infos-pt