(pt) anarres info: 8 DE DEZEMBRO DE 2021. UM DIA DE FESTA E LUTA | Em formação

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 16 de Dezembro de 2021 - 08:54:49 CET


No dia 8 de dezembro deste ano, a neve estava caindo forte, mas não parou um 
movimento que consegue ranger os dentes e durar décadas. Muitos de nós na 
procissão, depois de atravessarmos o centro da vila, rumamos para a guarnição 
Borgone, que o alcaide quer destruir, construindo uma estrada inútil com o 
dinheiro das indemnizações recebidas pela Tav. ---- A guarnição Borgone nasceu na 
primavera de 2005. Todos nos lembramos daquele dia, porque foi a primeira prova 
de um movimento que ainda não tinha consciência da sua força, da sua capacidade 
de passar da denúncia à ação direta.
Eles tiveram que fazer um levantamento preliminar da obra, mas apesar do 
deslocamento massivo de forças, naquela área encontraram muitas pessoas, a 
maioria delas habitantes do país, que permaneceram guarnições ininterruptas por 
dias e noites. A polícia nunca voltou, mas a guarnição continua lá para 
testemunhar, com as suas quatro paredes de madeira, uma luta popular que 
conseguiu envolver países inteiros, indo muito além das melhores expectativas.
A procissão então passou do centro de San Didero e terminou na guarnição de 
Baraccone.
Aqui tudo começou com bolas de Natal e festões nas cercas, e então continuou com 
garras e cordas para puxar metros e metros de arame farpado, enquanto bolas de 
neve congeladas voavam por cima da cerca. Um verdadeiro cerco ao canteiro de 
obras / forte militarizado de San Didero.
A polícia disparou canhões de água contra grupos do No Tav, que de todos os 
lados, protegidos por barreiras de plástico instáveis, avançavam em ondas quase 
contínuas.
Começou então a habitual barragem de gás lacrimogéneo, também disparado na praça, 
onde se distribuía vinho quente e castanhas torradas. Muitos gases lacrimogêneos 
foram devolvidos ao remetente, outros se afogaram na neve. Um 8 de dezembro de 
festa e luta.

Na memória das pessoas que lutam contra o Tav, dezembro de 2005 é um marco. Entre 
novembro e dezembro ocorreu uma epopéia de luta que atingiu o coração de muitos. 
Um movimento popular decidiu resistir à imposição violenta de uma obra inútil e 
devastadora e, apesar de ter quase todos contra, conseguiu sitiar as tropas de 
ocupação, construindo a República Livre de Venaus. Após o despejo violento, o 
movimento assumiu um claro caráter insurrecional por alguns dias: todo o Val Susa 
se barricou contra o invasor. O dia 8 de dezembro foi um feriado. A manifestação, 
após uma breve escaramuça no cruzamento onde a polícia esperava os manifestantes, 
transformou-se numa marcha que, depois de subir a montanha, desceu em direção à 
zona ocupada enquanto a neve caia ligeiramente. Os caminhos em declive estavam 
encharcados de gelo e lama, mas ninguém parou. As redes caíram e as tropas foram 
convocadas.
Em 2011 - após o período rigoroso de inverno das sondas - eles voltaram, muito 
mais agressivos do que em 2005.
O estado não pode se dar ao luxo de perder duas vezes no mesmo local.
O aparato repressivo feito de gás, cercas de cerveja, cassetetes e tortura se 
desdobrou com toda sua força. O judiciário entrou em campo com a perna esticada. 
São inúmeros os julgamentos e condenações envolvendo milhares de ativistas do No 
Tav. O
governo e o judiciário não lidaram com a resistência do No Tav.

Este ano, após a evacuação da guarnição da garagem de San Didero, montaram um 
gigantesco aparato policial, para transformar a área em um forte militarizado, 
cercado por arame farpado e iluminado por faróis gigantescos. Lá dentro, como em 
Chiomonte, soldados, carabinieri, polícia.
Várias aldeias do vale foram declaradas áreas de interesse estratégico, zonas 
vermelhas, onde o prefeito tem o direito de proibir a passagem à vontade.

Mas não é só uma questão de trens. Na fronteira, aberta para quem tem dinheiro, 
mas fechada para quem viaja, há quem luta contra as linhas do mapa que os homens 
armados transformam em barreiras difíceis de transpor. Alguém morreu na neve, 
outro foi deportado, mas as coisas teriam sido piores se não fosse por alguém que 
atrapalhou.
Pessoas como Emilio, que agora está trancado em uma prisão a centenas de 
quilômetros de seu vale, mas que muitos trouxeram consigo em sua marcha sob a neve.

O que aconteceu naquele outono de 2005 em Val Susa foi a força vital para os 
movimentos espalhados por toda a península.
O cancelamento de um projeto que já havia entrado na fase executiva mostrou que 
vencer é possível, que o que aconteceu naquele canto da montanha pode se repetir 
em qualquer lugar.
Não somente. A poderosa onda de solidariedade que varreu o No Tavs surgiu da 
indignação. Uma indignação profunda, que atravessou a península e passou os 
Alpes, porque muitos pensaram que a medida estava cheia, que o que se passava no 
Val Susa dizia respeito a todos.
Hoje vivemos tempos difíceis, muito difíceis. Tempos marcados pela violência do 
Estado contra os movimentos de luta, os migrantes e os pobres.

Muitas vezes, a grande fábula da democracia derreteu como neve ao sol. Cada vez 
que a liberdade, a solidariedade, a igualdade são compreendidas e praticadas em 
sua alteridade constitutiva e radical com uma ordem social baseada na dominação, 
na desigualdade, na exploração, na mais feroz competição, a democracia mostra sua 
verdadeira face.
A verdadeira democracia admite a dissidência, desde que seja uma opinião 
ineficaz, um mero exercício de eloqüência, um simples jogo de palavras. Se a 
dissidência se torna ativa, se a ação direta é tomada, se corre o risco de 
explodir as regras de um jogo feroz, a democracia torna-se um discurso de poder 
que nega legitimidade a todas as outras palavras. A cada pedido, você quebra o atual.

O movimento No Tav, nas barricadas e nos caminhos da luta, tem lutado e lutado na 
consciência de que nossas vidas e nossa liberdade contam mais do que os lucros de 
quem enriquece, explorando, devastando e saqueando um planeta inteiro. O 
movimento No Tav nos mandantes e nas repúblicas livres colocou a solidariedade, o 
cuidado mútuo, a consciência de que um outro mundo começa a crescer dia a dia 
entre aqueles que optam por atrapalhar, não desviar o olhar, de quem sabe chegar. 
indignado e agir.

Depois de mais uma ilusão eleitoral, os No Tav têm consciência de que o jogo, 
hoje como em 2005, está de volta às mãos de um movimento popular que nunca desistiu.
É importante que a memória não vacile: os No Tav têm apoiado e apoiado a prática 
da ação direta contra o canteiro de obras e as empresas colaboracionistas, os 
blocos rodoviários e ferroviários, a greve geral, as grandes marchas e sabotagens.
Parar o Tav, forçar o governo a retomar uma decisão nunca compartilhada pela 
população local é a razão de ser do movimento No Tav. O
dia 8 de dezembro de 2005 foi o culminar da revolta contra o TAV. Mas, mesmo 
então, havia muito mais em jogo: a liberdade e a dignidade daqueles que não 
podiam tolerar a imposição pela força de uma escolha não compartilhada.
Ninguém planejou, mas aconteceu. Fomos os primeiros a ficar maravilhados. As 
barricadas, os troncos no meio da estrada, os bloqueios de estradas foram a 
resposta à ocupação militar.
O vale tornou-se ingovernável.
O Vale deve voltar a ser ingovernável.

Longos anos de ação direta, confronto horizontal, construção de caminhos 
compartilhados de tomada de decisão têm sido um campo de treinamento 
extraordinário para a liberdade. Todos nós carregamos Venaus e Madalena em nossos 
corações, na memória viva de nosso movimento. Liberte Rebubbliche, verdadeiras 
comunas libertárias, onde a hierarquia foi quebrada, trazendo à vida um outro tempo.
O futuro não está delegado: hoje como então só a ação direta, sem retrocesso, 
pode criar as condições para mais uma vez deter a corrida louca de quem coloca o 
lucro antes da vida e da liberdade de todos.

Federação Anarquista de Torino

https://www.anarresinfo.org/8-dicembre-2021-un-giorno-di-festa-e-di-lotta/


Mais informações acerca da lista A-infos-pt