(pt) cub italy: 10 DE DEZEMBRO: ATAQUE DA ESCOLA NACIONAL

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 15 de Dezembro de 2021 - 09:21:42 CET


Manifestações em Turim, Roma, Nápoles e Catânia, durante as quais os 
trabalhadores do sector escolar reafirmarão as razões de uma verdadeira 
centralidade da escola para a nossa sociedade e darão voz às suas reivindicações 
contratuais, à necessidade de derrotar o trabalho precário e à crítica da gestão 
da segurança da pandemia ---- Cub Sur e os Cobas convocam uma greve e saem às 
ruas em um momento de grave crise para o país, tendo notado que, após décadas de 
cortes em escolas públicas e dois cortes emergenciais, o executivo Draghi também 
continua a atacar a lei aos trabalhadores da educação e da escola.
"Apesar da enorme disponibilidade de fundos europeus, as escolhas econômicas do 
governo atestam sua persistente disposição de financiar a educação pública abaixo 
da média da OCDE (-24 bilhões):

As propostas salariais para a renovação do contrato, que expirou em 2018 e com 
salários substancialmente parados em 2008, são ridículas e ofensivas 
principalmente quando comparadas à média europeia, para completar o quadro a 
precariedade generalizada , 15% do total. Ainda nada foi feito para a redução 
estrutural do número de alunos por turma , nem existe um plano adequado para a 
reabilitação e regularização dos edifícios escolares , nem para a segurança , com 
circulares contraditórias sobre contágio e quarentenas ".

"Para piorar, o projeto de lei sobre a autonomia regional diferenciada que 
quebraria o sistema nacional de educação e que agora está anexo à lei 
orçamentária. Neste contexto, o Governo tenta mascarar as suas deficiências 
derrubando medidas contraditórias e absurdas sobre os professores e a ATA: por um 
lado, afrouxa as medidas anticovidais nas escolas, por outro impõe a vacinação 
obrigatória (com 95% de vacinados) violando assim a lei do trabalho e da renda ".

Nossos pedidos:

Renovação imediata do Acordo Coletivo Nacional de Trabalho, ajustando os 
vencimentos dos professores e ATAs à média europeia com aumentos significativos 
iguais para todos, sem qualquer diferenciação com base no "mérito" presumido ou 
na "dedicação ao trabalho";
Centralidade da escola no PNRR, através de um plano extraordinário de construção 
escolar e segurança;
Ajuste permanente à média da OCDE de financiamento para educação;
Redução estrutural do número de alunos por turma (máximo 20; 15 na presença de 
alunos com deficiência);
Alocação permanente de cada cargo disponível no quadro de pessoal, abolindo a 
distinção entre o quadro efetivo e o quadro jurídico;
Plano extraordinário de recrutamento, a começar pelos "trabalhadores 
temporários", com base num percurso baseado na qualificação (docentes 3 anos 
letivos, ATA 2 anos);
Superação das distorções introduzidas, para os aspirantes a suplentes, confiando 
os procedimentos de compilação das classificações e recrutamento a algoritmos 
aproximados e ineficientes;
Confirmação e estabilização do corpo docente da Covid e ATA;
Realização de uma verdadeira igualdade de direitos e salários nas várias ordens e 
níveis de ensino e entre pessoal precário e não precário, com a introdução do 
Papel Único;
Revogação das restrições plurianuais à mobilidade para professores 
recém-contratados ou transferidos;
Treinamento e atualização durante o horário de atendimento;
Promover a vacinação voluntária, abolir a vacinação obrigatória e respectivas 
sanções nas escolas, garantir tampões gratuitos para o acesso aos locais de trabalho;
Proteção à saúde de trabalhadores e estudantes, medidas mais eficazes de 
contenção de infecções por meio de: unidades de saúde permanentes nas escolas, 
adoção de medidas de proteção individual válidas e distanciamento, saneamento e 
ventilação forçada dos ambientes;
NÃO à autonomia diferenciada e a qualquer forma de regionalização das escolas e 
serviços públicos; SIM à igualdade de direitos e serviços em todo o território 
nacional;
NÃO ao monopólio sindical das organizações concertadas, por uma verdadeira 
democracia sindical que devolva aos trabalhadores o direito de decidir sobre os 
contratos, a representação, o direito à greve.

https://www.cub.it/index.php/193-notizie/14845-10-dicembre-sciopero-nazionale-della-scuola


Mais informações acerca da lista A-infos-pt