(pt) cnt-sindikatua: A ESCURA PANDÊMICA DO CONFINAMENTO pela prima de Emma (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Segunda-Feira, 6 de Dezembro de 2021 - 08:24:57 CET


Há poucos dias foi celebrado o dia contra a violência de gênero e curiosamente 
nesse mesmo dia li uma notícia em que queriam despejar uma mulher que mora com 
sua filha deficiente e suas duas netas. Essa casa seria para o ex-marido 
condenado por violência de gênero, vá que a vida seja igual ou pior. Não vou 
escrever sobre esse assunto, mas tem muito a ver com isso. Então aqui vou eu. 
---- À sombra desta pandemia, surgiram outros problemas muito graves, como a 
violência contra as mulheres. Não se fala nas redes, ou na mídia ou em qualquer 
outro lugar que não infecções, vacinas e cobiça e o caso de ataques a mulheres e 
meninas são uma séria "violação dos direitos humanos". Infelizmente, uma em cada 
três mulheres sofre violência física ou sexual e a maioria vem de seus parceiros 
e por causa do confinamento. Existem relatos e dados nos quais se apresenta a 
intensificação de todos os tipos de violência contra mulheres e meninas e 
principalmente no domicílio.

Com a sobrecarga dos serviços de saúde, essenciais como abrigos e locais de 
atendimento a mulheres que sofrem violência, deixaram de atender a esse grupo 
para apenas cederem à cobiça e, portanto, ficaram sem alma, sem dobrar seus 
esforços para continuar a prover. este serviço essencial. À sombra do COVID, 
mulheres e meninas ficaram mais isoladas das pessoas e dos recursos que podem 
ajudá-las. Os sobreviventes não têm informações e não sabem os meios aos quais 
poderiam recorrer para obter apoio. E isso continua a crescer, o assédio e outras 
formas de violência, nas redes, espaços públicos, na rua, nas casas e ainda todos 
os recursos e esforços que foram usados para responder a este gravíssimo problema 
foram destinados a minorar os efeitos cobiçosos .

Como li recentemente "a violência contra as mulheres é um problema de saúde 
global de proporções epidêmicas" apenas levada no contexto dos relacionamentos, a 
cada ano, cerca de 770 milhões de mulheres são atacadas por seus parceiros e 
ex-parceiros no mundo e curiosamente isso não suscita uma reação proporcional ao 
problema que apresenta.

Quando se fala em pandemia ou epidemia, a combinação de sua magnitude no tempo de 
evolução em um determinado contexto geográfico e a violência de gênero é 
considerada um problema histórico e comportamental em todo o contexto geográfico 
e nunca foi dada a importância de isto.

Essa violência resulta em lesões físicas e mentais, até mesmo a morte. Por 
exemplo, o controle e a submissão das mulheres às imposições de seu agressor dos 
elementos estruturais da sociedade e da cultura, portanto, são contínuos no 
tempo. Também o isolamento, dentro desse controle, o agressor isola a mulher de 
seu socorro externo e, assim, obtém impunidade na violência que exerce e, por 
consequência, em muitos casos são invisíveis e um percentual muito baixo é 
relatado. Na verdade, um estudo diz isso; o número de ligações para o 016 cresceu 
e diminuição das reclamações.

Essa violência tem um impacto gravíssimo nas mulheres e meninas que dela sofrem, 
como suicídio, morte por homicídio, contusões, traumas, feridas, queimaduras, 
perda do desejo sexual, doenças sexualmente transmissíveis, infecções urinárias, 
gravidez indesejada, depressão, baixa autoestima, distúrbios do sono, ideias 
suicidas, abuso de álcool, drogas, drogas psicotrópicas, eu poderia continuar 
assim, mas precisaria de mil artigos para me referir às repercussões dessa 
pandemia terrível que não é falada, nem escrita, nem alguém parece não querer 
saber de nada.

Como sabemos, o objetivo principal da violência de gênero é o controle da mulher, 
algo que o agressor, graças ao confinamento, vê como limitante a saída da mulher 
de casa e a crença de que são visíveis as possibilidades para ela reconstruir sua 
vida. Muito limitado pelas circunstâncias sociais e econômicas derivadas da outra 
pandemia.

Tornamo-nos cúmplices de tudo isso, mantendo o silêncio e, assim, reforçando os 
estereótipos em relação às mulheres. Essa violência tornou-se normalizada e, 
conseqüentemente, tornou-se invisível. Os agressores e as agressões não são 
percebidos como tais por serem normalizados e algo "não" fora do comum.

Ninguém deve sofrer essa violência, nenhum governo deve ignorá-la, a sociedade 
deve tirar nossas máscaras. Acho que é uma luta que as pessoas existem e o tempo 
passa e passa e continua a acontecer enquanto a sociedade olha para o outro lado, 
enquanto os governos promulgam leis de merda que ajudam pouco ou nada. Esta 
pandemia / bloqueio prendeu muitas mulheres e meninas e libertou seus agressores. 
Vamos fazer alguma coisa e pronto!

http://www.cnt-sindikatua.org/es/noticias/la-oscura-pandemia-del-confinamiento


Mais informações acerca da lista A-infos-pt