(pt) Grã-Bretanha, Grupo Anarquista Comunista [ACG]: UM ANO NA BELARUS por Danny La Rouge (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sábado, 28 de Agosto de 2021 - 08:54:02 CEST


Enquanto os trabalhadores bielorrussos continuam a luta contra o neoliberalismo 
em circunstâncias cada vez mais repressivas, devemos nos lembrar dos presos 
políticos. ---- Já se passou um ano desde que a Bielorrússia viu uma onda de 
protestos e greves resultantes da corrupta "reeleição" de Aleksandr Lukashenko, 
cujo regime neoliberal está no poder há 27 anos. Dezenas de milhares protestaram 
em oposição ao estado e sua conduta na "eleição", e a resposta do estado foi 
rápida e brutal: 7.000 prisões com muitos casos de espancamento e tortura. Três 
mortes resultaram da violência policial. Uma rebocadora chamada Julia lembra como 
presenciar a batida da polícia em um colega de trabalho nos dias após a eleição a 
politizou: "Depois de testemunhar a violência, entendi que nada seria mais 
igual". Em poucos dias, ela foi eleita presidente de seu comitê de greve.

Esta onda de greve em apoio aos protestos, que viu os comitês de greve fazerem 
preparativos para uma greve geral, atraiu uma resposta igualmente assustadora do 
estado, com a prisão de mais de 35.000 pessoas no ano passado. Sindicalistas, 
jornalistas, advogados de direitos humanos e ativistas foram vítimas dessa 
repressão em massa. Entre essas vítimas estavam muitos anarquistas, alguns dos 
quais ainda estão presos (veja o link abaixo).

Durante este período, o regime introduziu novas leis agressivas que atacam a 
liberdade de associação, liberdade de imprensa e especialmente o direito de 
greve. Embora os sindicatos vinculados à Federação de Sindicatos da Bielo-Rússia 
(FTUB) tenham perdido cerca de 20 por cento de seus membros no outono de 2020, 
com muitos trabalhadores mudando para sindicatos independentes, a 
condicionalidade em torno do direito à greve e as consequências pessoais da 
convocação pois, organizar ou participar de um está tornando extremamente difícil 
atacar com eficácia. "Legalmente existe o direito à greve, mas na realidade não é 
viável", disse Maxim Pazniakou, presidente do Sindicato Independente da 
Bielorrússia (BITU).

Embora os protestos e greves que resultaram na oposição às eleições de agosto de 
2020 tenham sido o pretexto imediato para este último surto de repressão estatal, 
está inteiramente de acordo com o longo histórico do regime de Lukashenko de 
martelar os trabalhadores com leis trabalhistas neoliberais destinadas a aumentar 
a precariedade e render organização do local de trabalho impotente. A 
Bielo-Rússia há muito tem um dos códigos trabalhistas mais opressivos da Europa e 
está piorando.

O ACG estende sua solidariedade aos trabalhadores organizados independentemente 
da Bielo-Rússia em sua luta contínua contra esta repressão neoliberal e, à luz de 
uma Semana Internacional de Solidariedade com os Prisioneiros Anarquistas (23-30 
de agosto de 2021), deseja em particular destacar o situação de anarquistas 
presos, espancados e encarcerados em celas de prisão na Bielo-Rússia como 
resultado de seu envolvimento na luta. Detalhes de muitas pessoas podem ser 
encontrados aqui: abc-belarus.org/?cat=3

Mais detalhes sobre a situação na Bielo-Rússia, especialmente o código de 
trabalho draconiano e a precariedade resultante e as condições de trabalho cada 
vez mais exploradoras podem ser encontrados aqui: 
www.equaltimes.org/one-year-after-the-protests#.YR97ZY5Kg2w

https://www.anarchistcommunism.org/2021/08/22/one-year-on-in-belarus/


Mais informações acerca da lista A-infos-pt