(pt) O que está acontecendo em Cuba? Um olhar anárquico sobre os protestos de 11-J Entrevista com o companheiro Gustavo Rodríguez. By A.N.A.

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 19 de Agosto de 2021 - 09:11:54 CEST


Nos últimos dias, recebemos uma torrente de declarações geradas nos meios de 
desinformação em massa sobre os recentes protestos em Cuba. De um lado estão os 
formulados pelo oficialismo cubano e os esquerdistas do mundo em nome do 
anti-imperialismo e em defesa do que eles ainda chamam de "revolução cubana", por 
outro lado estão os meios de comunicação tradicionais de direita que acusam a 
"ditadura comunista" da falta de liberdades e direitos. ---- O Partido Comunista 
Cubano e seus acólitos internacionais apelam à solidariedade com o regime, 
argumentando que enfrentam uma nova intervenção do "imperialismo ianque" que está 
aproveitando as desastrosas condições econômicas causadas por mais de sessenta 
anos de bloqueio e a maior crise sanitária de sua história. Enquanto os 
partidários do mercado livre e as forças de direita afirmam que o que está 
acontecendo no país é o resultado de seus cidadãos estarem esmagados pela falta 
de oportunidades nos regimes socialistas.

Nestes tempos de pós-verdade, suspeitamos de todas estas posições, mas além 
disso, como anarquistas, não só suspeitamos destes canais de manipulação, mas 
também identificamos posições contrárias à nossa práxis e contrárias ao nosso 
desejo de libertação total.

Infelizmente, as informações que recebemos até agora com uma clara posição 
anarquista do território controlado pelo Estado cubano são mínimas. É por isso 
que escolhemos entrevistar uma voz anarquista com a qual nos identificamos e lhe 
pedimos para compartilhar conosco sua perspectiva sobre os fatos de sua 
experiência como exilado de origem cubana, a fim de entender melhor o que está 
acontecendo em Cuba.

Do AnarquíaInfo (AI) sempre demos espaço às reflexões de nosso companheiro 
Gustavo Rodríguez (GR), hospedando em nosso blog quase todas suas contribuições à 
tendência anarquista informal e ao desenvolvimento do anarquismo insurrecional 
contemporâneo, reafirmando o caminho negro da Anarquia e impulsionando a 
insurreição permanente através de uma conspiração internacional que concretiza a 
Internacional Negra em nossos dias.

AI: Companheiro, é um prazer para nós que você tenha concordado com esta 
conversa. Há algum tempo estávamos contemplando fazer uma entrevista com você, 
mas mais focada em questões relacionadas à perspectiva da tendência anarquista 
informal e insurrecional, e sua ênfase na "necessidade de abandonar tudo o que é 
estranho". Esta preocupação tornou-se ainda maior depois de ler sua última 
contribuição (Contra a Corrente), onde você afirma que os anarquistas "são 
realmente "sectários", "puristas", "intransigentes" e até mesmo "totalitários". 
Entretanto, com o passar do tempo, surgiram as revoltas em Cuba e isso nos fez 
reformular esta entrevista, mas deixando pendente para uma ocasião futura a 
abordagem destas questões cruciais para o desenvolvimento de um novo paradigma 
anarquista. E bem, nesta ocasião particular, gostaríamos que comentasse suas 
impressões sobre o que está acontecendo em Cuba, com a intenção de esclarecer as 
coisas e formar um critério mais de acordo com nossa práxis. Com isto em mente, 
formulamos as seguintes perguntas:

O que está acontecendo em Cuba?

GR: Companheiros, o imenso prazer é meu. Antes de mais nada, gostaria de 
agradecer - há muito tempo - por hospedar e divulgar pontualmente minhas 
contribuições em seu site. Também lhe agradeço pela oportunidade de apresentar 
minhas opiniões sobre a situação cubana; no entanto, declaro-me incompetente para 
responder à sua primeira pergunta na medida do necessário. No entanto, este apelo 
não nasce da impossibilidade de estar presente no país e/ou de não ter 
participado desta luta - há aqueles que, mesmo estando lá, foram incapazes de 
tomar o pulso do momento insurrecional que estão vivendo - mas devido à grande 
diversidade de perspectivas que estes eventos geram a partir de muitos pontos de 
vista diferentes, incluindo as diferentes lentes que, de uma forma ou de outra, 
afirmam serem libertários e do anarquismo insular.

Sem dúvida, posso dar-lhes um balanço dos acontecimentos através das reflexões 
relacionadas dos companheiros in situ e também compartilharei com vocês minha 
perspectiva a partir da minha experiência como um exílio daquele singular 
nacional-socialismo bananeiro[1]que reinou por mais de seis décadas com sangue e 
fogo na maior das Antilhas. Neste sentido, posso afirmar que em 11 de julho 
passado, houve uma explosão social sem precedentes, com presença em todas as 16 
províncias. Claro que, de acordo com a narrativa da ditadura cubana, esta 
explosão social nunca aconteceu, mas houve tentativas de "desordem pública" e 
"tumultos" instigados por "vândalos", "delinquentes" e "elementos antissociais" 
pertencentes aos "setores mais vulgares e indecentes da sociedade" e manipulados 
pela "guerra cibernética orquestrada pelo Império". Evidentemente, o que está 
acontecendo em Cuba é que uma geração profundamente rebelde que perdeu seu medo, 
apesar do controle onipresente dos mecanismos repressivos, tomou o centro das 
atenções. Além das seis décadas de epidemia autoritária, houve a pandemia de 
Covid, com seus toques de recolher noturnos e "cercos sanitários". O mito da 
Revolução (em letras maiúsculas) acabou e a gramática do "paraíso socialista" foi 
esgotada, revelando a enorme brecha de desigualdade gerada pela classe dominante 
em nome do "comunismo". Acontece que o classismo profundo e o racismo agudo das 
elites políticas veio à luz, além da retórica "igualitária" e da demagogia 
discursiva. Durante os protestos, o Estado Nacional Socialista tirou sua máscara, 
revelando sua verdadeira face - que não é nada diferente do papel repressivo do 
Estado chileno, colombiano, norte-americano ou qualquer outro, como demonstrou a 
revolta global dos últimos anos - como Ramón García Guerra[2]antecipou. Milhares 
de pessoas foram presas durante as manifestações e meio milhar continuam presas 
(algumas delas menores, como Marcos Antonio Pérez Fernández) sob acusações de 
"desprezo", "insulto ao presidente", "dano patrimonial" e "propagação do 
contágio", entre outros. Acontece que há dezenas de pessoas desaparecidas; uma 
dúzia de pessoas feridas por armas de fogo (usadas exclusivamente pelas forças 
repressivas) e uma centena de mulheres e homens selvagemente espancados por 
agentes civis e fardados. O jovem afro-cubano Diubis Laurencio Tejeda (apelido 
Piquiky Rasta) foi covardemente assassinado pelos capangas do regime. Acontece 
que, pela primeira vez, centenas de jovens dos bairros pobres e das faixas 
marginais, aqueles que colocam seus peitos na linha de frente em Oaxaca, Santiago 
do Chile ou Portland, que promovem a indisciplina subversiva e propagam o ilícito 
- vivendo a Anarquia cotidiana além dos "clássicos", da retórica discursiva e da 
verborreia politicamente correta - responderam às balas com pedras; eles 
derrubaram carros de patrulha, expropriaram supermercados e confrontaram os 
agentes de repressão mão a mão.

AI: O que provocou os protestos?

A doença e a raiva da desesperança têm sido a origem destes protestos - como no 
resto do planeta - o que destaca o absurdo da "excepcionalidade" cubana que a 
esquerda internacional (da socialdemocracia ao leninismo pós-moderno) está 
apresentando, empunhando toda a demagogia discursiva da ditadura, com sua velha 
história de excelência médica, a grandeza de seu sistema educacional e o alto 
"Índice de Desenvolvimento Humano" (IDH). Uma "excelência médica" - esqueça o 
oratório para consumo externo - que, na realidade, está longe da chicana oficial, 
com hospitais sem médicos ou leitos e centros de saúde (policlínicas) carentes de 
higiene e água corrente; sem mencionar a falta de ambulâncias (uma para cada dez 
carros-patrulha) e a constante escassez de medicamentos[3]. Isto contrasta 
fortemente com a suculenta exportação de "capital humano" através do arrendamento 
de brigadas médicas em "missões internacionais" (uma das principais fontes de 
renda da economia)[4], e com o valor em dólares do lucrativo "turismo médico" - 
segundo apenas o turismo sexual, desculpe, eu quis dizer turismo de lazer (a 
segunda maior fonte de divisas do regime) e remessas de Miami. Uma "grandeza 
educacional" que, na prática, se reflete na insuficiência de professores e na 
crescente taxa de abandono escolar dos jovens entre 15 e 16 anos de idade no 
ensino secundário. Um IDH que na prática, deixando de lado os números oficiais 
historicamente disfarçados, se traduz em um dos países da América Latina com a 
maior taxa de suicídio entre adolescentes e jovens[5]do ensino médio.

No entanto, deve-se ressaltar que o tom subjacente aos protestos não foi a 
demanda por "soluções" para a escassez de todos os tipos de medicamentos, ou as 
más condições dos hospitais, ou o aumento criminoso dos preços dos alimentos 
básicos, ou a falta de moradia e a precariedade dos edifícios (enquanto GAESA 
está construindo milhares de hotéis de luxo, marinas e campos de golfe[6]), muito 
menos a falta de professores; mas a retumbante demanda por "liberdade" e o grito 
unânime que exigia em voz alta "abaixo com a ditadura". Como comentou 
recentemente um jovem companheiro de Havana, "não pedimos soluções ao Estado 
porque sabemos que o Estado é o problema" e, acrescenta, "temos que procurar a 
solução no lixo, porque é isso que o Estado é: lixo".

AI: Quem participou dos protestos e como eles foram coordenados?

Como pude ver em vários vídeos que foram transmitidos ao vivo durante os 
protestos, e como foi confirmado pelos amigos com os quais estou em contato, a 
participação foi variada, com pessoas de todos os estratos e posições políticas 
(inclusive apolíticas), com a intervenção dos jovens se destacando de forma 
significativa. A presença dos setores mais pobres - aqueles excluídos do sistema 
- foi particularmente extensa, com a população afro-cubana se destacando de forma 
preponderante (não é por acaso que eles são a maioria no sistema penitenciário, 
ao contrário de sua reduzida representação na elite dominante).

Quanto à "coordenação" do protesto, vale a pena notar que ela estava em grande 
parte ausente. Não houve nenhuma chamada, nem nas redes sociais nem através da 
palavra de boca em boca das Cachitas e dos Cheos. Foi uma explosão espontânea. 
Tão espontânea que não só surpreendeu os diferentes grupos de oposição, mas 
também toda a rede de repressão e vigilância, apesar da espessa sopa de letras 
(MININT, PNR, CDR, FMC, UJC, FEM, FEU e um longo etc.) que compõe o sistema de 
controle; deixando as redes de informantes e o sofisticado sistema de escuta da 
ditadura em um estado muito ruim. A única coisa que ajudou a divulgar o protesto 
foi a disseminação das mobilizações em tempo real, através de plataformas 
digitais e da rede de links virtuais, o que permitiu - em questão de minutos - 
que a manifestação anti-sistêmica originada no município de San Antonio de los 
Baños (a 31 km da cidade de Havana) fosse replicada quase que simultaneamente. 
Isto fez com que o bolo vienense de várias camadas que separa, por meio de uma 
densa aglomeração de reclamações, as múltiplas camadas do bolo social cubano, até 
o último andar, onde a família real e o primeiro círculo de privilegiados, 
vacilassem. Entretanto, não se pode ignorar que o sucesso do "fator surpresa" 
residiu na confiança da oligarquia em seu sofisticado sistema de vigilância e 
repressão e, acima de tudo, na segurança oferecida por ter implantado o medo e 
inoculado a paranoia em amplos setores da sociedade. Esta vigilância excessiva 
permitiu durante anos que a oligarquia e seus acólitos (assim como uma ampla gama 
de oportunistas que desfrutam de benefícios e regalias) vivessem como verdadeiros 
"estrangeiros" em seu país, o que os impediu de sentir o cansaço acumulado e a 
fúria do desespero. Muito menos eles tiveram a capacidade de vislumbrar a próxima 
insurreição.

AI: O bloqueio dos EUA desempenhou algum papel no agravamento das causas que 
levaram a esses protestos?

Antes de responder a esta pergunta, devo enfatizar a necessidade de desmantelar 
certos maniqueísmos - completamente estranhos à prática anarquista - que 
inexplicavelmente têm um lugar em nossas tendas e, toda vez que a crítica da 
ditadura cubana, venezuelana ou nicaraguense é abordada, e eles ressurgem dos 
recessos mais profundos; como se do anarquismo houvesse algo para resgatar 
daqueles estados em particular. Estas estranhas posições libertárias sempre nos 
constrangem a tomar partido, esquecendo deliberadamente que nós anarquistas - por 
nossa própria essência - não tomamos o partido de nenhum estado (ou pelo menos, 
não deveríamos). É claro que não é a primeira vez, nem será a última, que alguns 
dos chamados "anarquistas" tomam partido nestas disputas estatais e exigem a 
cessação das sanções de um Estado contra outro. Caso contrário, exigir o 
endurecimento das sanções, embargos e bloqueios, como foi o caso daqueles que - a 
partir de posições anarquistas - apoiaram fortemente o embargo internacional à 
África do Sul, sem prestar muita atenção aos prováveis danos que a falta de 
petróleo e a consequente paralisação de sua economia causariam à população, mas 
com a justa intenção de pôr fim ao apartheid imposto pela ditadura pretoriana. 
Algo semelhante já havia acontecido após o golpe fascista do general Franco, com 
as pressões dos representantes do anarcossindicalismo espanhol exilados no México 
(alguns deles membros do chamado "governo no exílio") para que o Estado mexicano 
impedisse a admissão da Espanha na nascente ONU, já que a ditadura de Franco 
"havia sido estabelecida com a cooperação militar de Estados estrangeiros". Estas 
pressões sobre os "governos democráticos do mundo" exigiam o "isolamento da 
Espanha" (uma espécie de "bloqueio" exacerbado); uma estratégia que, no início 
dos anos 60, levou sindicalistas libertários a visitar alguns países do chamado 
"campo socialista", notadamente a ex-Jugoslávia e Cuba. Este último não só não 
rompeu as relações com o caudilho, como também as fortaleceu[7]. O idílio entre 
os dois caudilhos tornou-se tão forte que, por ordem do (agora apedrejado) 
"comandante-chefe", o estado cubano declarou luto nacional pela morte do tirano.

Tendo expressado o acima exposto, devo agora esclarecer - dando a alguns 
companheiros o benefício da dúvida - que o termo "bloqueio", no caso que nos diz 
respeito, deve ser sempre colocado na gramática da ditadura e no discurso 
panegírico de seus capangas (dentro e fora da ilha). É claro que espero que esta 
declaração não me acuse de apoiar as sanções de Washington contra o Estado cubano 
- embora deva confessar que, nesta fase da minha vida, não é um assunto que me 
mantenha acordado à noite - mas considero inaceitável continuar jogando o jogo do 
regime e não chamar as coisas pelo seu nome próprio.

Neste sentido, vale lembrar que o "bloqueio imperialista" é um fato inegável da 
história recente, que ocorreu durante 13 dias em outubro de 1962, com a chamada 
"Crise dos Mísseis", no contexto do confronto entre as duas potências imperiais 
durante a "guerra fria" (1945-1999); quando Kennedy ordenou o bloqueio (literal) 
do arquipélago cubano, criando um cerco com sua frota naval e aumentando as 
tropas e aviões no sul da Flórida e na base de Guantánamo. Após o "Pacto 
Kennedy-Khrushchev" - onde foi estabelecido o acordo para não invadir Cuba - o 
bloqueio foi encerrado e a posição inicial retornou; Ou seja, o embargo econômico 
imposto em 7 de fevereiro de 1962, que proibia a importação de "todas as 
mercadorias de origem cubana para o território norte-americano" e que reforçou o 
embargo de 19 de outubro de 1960 - implementado pelo Presidente Eisenhower após a 
nacionalização de empresas norte-americanas em Cuba por um valor de 1 bilhão de 
dólares -, que impediu as exportações norte-americanas para Cuba, "exceto para 
medicamentos e alimentos". Durante a administração de Bill Clinton, a Lei da 
Democracia Cubana de 1992 (também conhecida como Lei Toricelli)[8]e a Lei Cubana 
de Liberdade e Democracia Solidária de 1996 (Lei Helms-Burton) estenderam o 
embargo extraterritoriamente, proibindo as subsidiárias americanas em países 
terceiros de negociar com o Estado cubano, o que intensificou as hostilidades 
políticas contra a ditadura de Castro. A essas sanções, o governo de Joe Biden 
recentemente acrescentou o congelamento de contas e bens sob jurisdição dos EUA e 
a proibição de vistos para viajar aos Estados Unidos para o diretor da Polícia 
Revolucionária Nacional (PNR), Óscar Alejandro Callejas Valcarce, e Eddy Manuel 
Sierra Aria (diretor adjunto do mesmo órgão repressivo)[9], no âmbito da Lei 
Magnitsky.

Após esta longa peroração, por meio de um relato histórico, resta-me apenas 
informar àqueles companheiros que, por ignorância, repetem a propaganda do regime 
ad nauseam, que os Estados Unidos estão entre os 20 principais parceiros 
comerciais do estado cubano[10], sendo o maior fornecedor de "carne vermelha, 
perus e frangos congelados, cereais, leite em pó, alimentos perecíveis, 
herbicidas, medicamentos e suprimentos médicos para fins humanitários (incluindo 
equipamentos de ultrassom, reagentes de laboratório, cânulas, próteses, entre 
outros)[11]. Por esta razão, quando os cubanos comuns (não a oligarquia, nem os 
privilegiados do regime, nem os oportunistas que se aglomeram em diferentes 
instituições cubanas) falam de um "bloqueio", nos referimos invariavelmente 
àquele que tem sido implementado pela ditadura há mais de sessenta anos. E sim, 
este "bloqueio interno" desempenhou um papel determinante no agravamento das 
causas que provocaram estes protestos. O outro, o "bloqueio imperialista", tem 
sido o recurso por excelência do regime para tributar a precariedade dos setores 
excluídos e impor vigilância e repressão contra qualquer filho de um vizinho, 
usando o mesmo rótulo que Hitler usava para insultar os judeus ("vermes"), dentro 
do quadro do anátema interno.

Notas

[1]E deve ser notado que descrever a ditadura cubana como nacional-socialista não 
é uma tentativa de recorrer a qualquer epíteto, há muitas evidências para 
confirmar isto; é apenas que sua singularidade foi alcançada graças à 
incorporação do discurso estalinista e a conjunção de ambas as práticas fascistas.

[2]Em 2019, durante as discussões sobre o anteprojeto de Constituição, García 
Guerra apontou, com razão, que se a nova Carta Magna fosse aprovada "mais cedo do 
que tarde, veríamos a polícia de choque disparando balas de borracha, atingindo 
um povo indefeso com jatos de água e batendo-lhes com bastões".

[3]Em Cuba, o direito universal à saúde é "constitucionalmente" garantido; 
entretanto, como o prestígio de Cuba como referência internacional em saúde 
cresceu, através de suas "missões médicas", a exportação de medicamentos e 
vacinas "contra o câncer" e o "turismo médico", os serviços internos à população 
se deterioraram, com um alarmante déficit de médicos, falta de recursos materiais 
e uma brutal escassez de medicamentos; Apesar do fato de que dos 619 medicamentos 
que o Ministério da Saúde Pública (MINSAP) rotula como "básicos", 359 são 
produzidos internamente através da empresa estatal de biotecnologia BioCubaFarma; 
no entanto, há alguns anos, eles vêm priorizando a produção de medicamentos para 
exportação. Vale notar que nos últimos cinco anos, eles destinaram um orçamento 
muito maior para as forças repressivas.

[4]Cabe destacar que os médicos cubanos ganham o dobro do salário médio nacional, 
mas seus honorários variam entre US$ 40 e US$ 100 por mês (este último salário 
para especialistas em "medicina crítica" e "medicina interna"); entretanto, como 
"cooperantes voluntários" em missões internacionais, eles ganham aproximadamente 
US$ 950, enquanto o estado cubano recebe US$ 10.000 por cada um, como um 
arrendamento para o país de destino. Vale notar que em 2018, o Estado cubano 
recebeu uma receita de 6,4 bilhões de dólares (mais do que a arrecadada no setor 
turístico) para a subcontratação de "serviços de saúde profissional" através da 
exportação de "médicos internacionalistas". Como fato adicional, deve-se 
ressaltar que estes profissionais, uma vez no país de destino, são despojados de 
seus passaportes pelas autoridades diplomáticas cubanas e submetidos a pesada 
vigilância para evitar que desertem, o que constitui prova de uma espécie de 
escravidão moderna ou de trabalho forçado com o consentimento do país contratante.

[5]Segundo a 48ª edição do Anuário Estatístico de 2019 do Ministério da Saúde 
Pública (Minsap) de Cuba, naquele ano 13 pessoas por 100.000 habitantes tiraram 
suas vidas (dando um total de 1462); menos de um ponto a menos do que o 
registrado em 2018, onde 13,3 pessoas por 100.000 habitantes foram contadas 
(1.501); Entretanto, de acordo com relatórios da Organização Pan-Americana da 
Saúde (OPAS) e do Escritório Regional da Organização Mundial da Saúde (OMS), Cuba 
já era o país das Américas com a maior taxa de suicídio em 2014, ocupando a nona 
causa de morte em relação à mortalidade geral e o terceiro lugar na faixa etária 
de 10-19 anos (Anuário Estatístico Minsap, 2014). Vale ressaltar que, desde 1969, 
o suicídio está entre as dez principais causas de morte no país. Nos anos 80 e 
90, a taxa de mortes por causas auto-infligidas superou os registros anteriores 
de 20 casos por 100.000 habitantes. Em 1982, a taxa mais alta (23,2) foi 
alcançada, e durante o chamado Período Especial em 1993, 2374 pessoas cometeram 
suicídio, atingindo o ponto mais alto dos últimos sessenta anos. Vale ressaltar 
que em 1986, o Minsap criou o "Programa Nacional de Prevenção de Comportamentos 
Suicidas", com o objetivo de reduzir a mortalidade por esta causa, sem conseguir 
reduzi-la.

[6]O Grupo de Administração de Empresas das Forças Armadas (GAESA), sob a 
"presidência executiva" do General Luis Alberto Rodríguez López-Calleja (ex genro 
de Raúl Castro), planeja terminar 7.500 quartos de luxo na cidade de Havana até 
2025. De acordo com informações publicadas durante o período 2018-2019 na mídia 
oficial, conforme registrado nos relatórios do Ministério do Turismo (MINTUR) 
apresentados à Assembleia Nacional do Poder Popular - durante esse mesmo período 
de tempo, o Grupo de Turismo Gaviota (de propriedade do exército, sob a 
"presidência executiva" do Major General Luis Pérez Róspide) e a empresa 
imobiliária Almest S.A. (também presidida pelo General Rodríguez López-Calleja), 
estão construindo 120 projetos turísticos no país, com 92.000 quartos "cinco 
estrelas", a um custo total de 13 bilhões de dólares, o que representa 70% dos 
investimentos projetados na ilha até 2030. A GAESA também controla as empresas 
Tecnotex e Tecnoimport (dedicada à importação e exportação); a única cadeia de 
supermercados em moeda estrangeira; a empresa responsável pela Zona de 
Desenvolvimento Integral de Mariel (Zdimsa); a União das Construções Militares; e 
a empresa portuária, aduaneira, de transporte e de serviços atacadistas 
(Almacenes Universales).

[7]O Estado cubano tem mantido relações diplomáticas e comerciais ininterruptas 
com o Estado espanhol desde 1902. Atualmente, 300 multinacionais espanholas têm 
interesses em Cuba, incluindo as empresas hoteleiras Meliá, Iberostar, Be Live de 
Globalia e Barceló; a empresa de tabaco Altadis; os bancos BBVA e Banco Sabadell; 
as empresas de promoção de viagens Amadeus e Viajes El Corte Inglés; e mais de 40 
empresas com investimentos na Zona Especial de Desenvolvimento de Mariel (ZEDM).

[8]Apesar da intensificação das sanções políticas contra a ditadura, a Lei 
Torricelli (nome do deputado Robert G. Torricelli, que a patrocinou) autorizou a 
exportação de alimentos, medicamentos e suprimentos médicos para Cuba para fins 
humanitários; sem estipular a necessidade de pagamento antecipado, mas com 
verificação do uso final.

[9]Na mesma "lista negra" estão o Ministro do Interior (MININT), General Lázaro 
Alberto Álvarez Casas; o Ministro das Forças Armadas (FAR), General Álvaro López 
Miera; e os altos e médios comandantes da Brigada Especial da MININT (os temidos 
"boinas negras").

[10]Venezuela, China, Espanha, Canadá, México, Brasil, Rússia, Itália, Alemanha, 
França, Vietnã, Argélia, Argentina, Holanda, Estados Unidos, Bélgica, Coréia do 
Sul, Portugal, Índia e Colômbia estão entre os principais parceiros comerciais do 
Estado cubano, de uma lista de 70 países com os quais a ditadura tem o maior 
comércio de bens e serviços. De acordo com os últimos números publicados (não 
atualizados) pelo Escritório Nacional Oficial de Estatística e Informação (ONEI), 
somente em 2018, a China teve um intercâmbio comercial de 2 bilhões 990 mil; 
enquanto que com a Espanha o montante alcançou 1,39 bilhões 260 mil pesos. No 
mesmo ano, Cuba exportou mercadorias por 2.372 milhões 779 mil pesos e importou 
um total de 11.483 milhões 653 mil pesos; resultando em um déficit comercial de 
9.110 milhões 874 mil pesos, que foi compensado pela atividade turística e pela 
exportação de serviços no setor de saúde. (informações disponíveis no Anuário 
Estatístico de Cuba 2018 /Edição 2019).

[11]Entre 2001 e 2020, o valor total das exportações dos EUA para Cuba em 
produtos agrícolas, alimentos, medicamentos e suprimentos médicos foi de US$ 6 
308 778 608, de acordo com dados do Observatório de Complexidade Econômica. Em 
2018, os Estados Unidos estavam em oitavo lugar em origens de importação com um 
total de 4,04 %; enquanto Cuba estava em 60º lugar (de 226) dos mercados de 
exportação de alimentos e agricultura dos EUA, diz um relatório publicado pelo 
Conselho Econômico e Comercial EUA-Cuba.

Fonte: 
https://anarquia.info/que-pasa-en-cuba-una-mirada-anarquica-de-las-protestas-del-11-j/

Tradução > Liberto

agência de notícias anarquistas-ana


Mais informações acerca da lista A-infos-pt