(pt) France, UCL AL #318 - Cultura, Hervé Kempf: "É vital sair do capitalismo e passar para outra fase da história" (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sábado, 7 de Agosto de 2021 - 08:23:00 CEST


Depois de relatar o último ensaio de Hervé Kempf, Que crève le capitalisme. Será 
ele ou nós ! Queríamos estender esta reflexão e sua recepção com uma entrevista 
na qual o autor especifica seu ponto de vista sobre várias questões. ---- Ele 
confirma nossos pontos de acordo sobre a necessidade de uma ruptura com o 
capitalismo e a centralidade cada vez mais forte da ecologia, mas também nossas 
diferenças sobre a natureza do Estado, a transformação social por meio de canais 
institucionais e, mais, em grande parte, a relação com o poder.
Ele questiona as estratégias libertárias e revolucionárias sobre sua capacidade 
de construir a maioria das ideias em um contexto marcado pela ascensão de um 
capitalismo cada vez mais autoritário. Ao mesmo tempo, não deixa de nos 
questionar sobre o espaço político de um reformismo radical cujas recentes 
decepções são numerosas (Syriza na Grécia, Podemos na Espanha, Partido dos 
Trabalhadores do Brasil) e desilusões com graves consequências.

Mais do que um convite para congelar os debates tomando nota das únicas 
diferenças, vemos isso como um incentivo para criar dinâmicas sobre os pontos de 
concordância e espaços que permitam debater e agir sem sectarismo, mas também 
para fortalecer as lutas. Sociais e portadores ecológicos de transformação social 
que muito mais do que a via eleitoral ajudam a movimentar as linhas políticas.

Libertaire Alternativa : Por que você acha que é a ecologia se tornou horizonte 
político do XXI th século ?

Hervé Kempf: Estamos agora em uma situação de desastre ecológico. As 
consequências que isto começa a ter e terá cada vez mais nas condições de 
existência são tais que a ecologia se tornou a questão política prioritária, para 
a qual todas as outras - distribuição da riqueza, migração, relação com a ciência 
e a sociedade. Técnica. .. - relacionar-se daqui em diante.

E por que a ruptura com o capitalismo é uma questão estratégica central ?

O capitalismo é o sistema econômico em grande parte dominante no início dos anos 
vinte e th século e sua busca insaciável de lucro, estimular a exploração 
ilimitada de recursos da biosfera, é a causa raiz de um desastre ecológico. 
Portanto, é vital sair dela e passar para outra fase da história.

Seu livro oferece um lugar importante para lutas e movimentos que contribuem para 
a transformação social. No entanto, o sindicalismo combativo encarnado pelos 
Solidaires, pela CGT, pela CNT ou mesmo pela FSU e entre os camponeses a 
Confederação Camponesa está quase ausente de seus comentários. No entanto, mesmo 
enfraquecida sua capacidade de mobilização continua a ser o mais importante. Além 
disso, muitos de seus militantes estão envolvidos em lutas ecológicas e este 
componente é um elemento essencial da luta anti-capitalista. Por que não levar 
isso mais em consideração em seu pensamento ?

Nos últimos vinte anos, as lutas ecológicas, mas também as lutas feministas 
contra a violência policial, têm sido as mais dinâmicas, as mais capazes de gerar 
energia coletiva positiva. Como a questão da ecologia é estrategicamente central, 
as outras lutas tendem a ser redefinidas em torno dessa questão.

As vitórias ambientais - e há uma série delas - são frequentemente o resultado de 
alianças originais e carregam uma visão de mundo alternativa, como o caso 
emblemático de Notre-Dame-des-Landes mostrou.

Leia também o artigo sobre o livro Que crève le capitalisme
Por outro lado, as lutas sindicais permanecem essencialmente defensivas contra o 
rolo compressor do neocapitalismo, sem conseguir definir uma alternativa. O que 
resta do movimento sindical e, mais amplamente, do movimento trabalhista está 
enfraquecido e ainda luta para romper com o esquema produtivista. O sindicalismo 
deve operar sua transformação antiprodutivista, imaginar um futuro diferente da 
volta do keynesianismo de 1945 a 1975. É preciso pensar no fim do crescimento e 
no que será uma sociedade ecológica. Deste ponto de vista, as alianças com o 
movimento ambientalista que estão surgindo com a iniciativa Never Again são muito 
promissoras, assim como as lutas comuns na Capela Darblay ou na refinaria Grand 
Puits.

Como você vê a ruptura com o capitalismo levanta questões. Assim, você não 
questiona o estado que está intimamente ligado ao capital. Você parece estar nos 
dizendo que é possível transformar o estado e, assim, domesticar o capital.

Da mesma forma, e isso é consistente com um apego ao Estado como instrumento de 
organização da sociedade, você parece favorecer mais uma correção das 
desigualdades através da tributação do que uma apropriação dos meios de produção 
por aqueles que produzem. Na verdade, a ruptura que você defende visa mais ao 
neoliberalismo do que ao capitalismo.

Para mim, não há diferença entre neoliberalismo e capitalismo. O capitalismo é um 
fenômeno histórico e o neoliberalismo é apenas uma fase dessa história. A crise 
econômica de 2008-2009 marcou uma evolução do capitalismo com uma expansão do 
neoliberalismo no que pode ser chamado de tecnocapitalismo que é a forma atual de 
capitalismo. Coloca o desenvolvimento tecnológico como um valor fundamental, 
assumindo o desastre ecológico e o apartheid climático que ele implica, e 
abandona o ideal universalista que surgiu do Iluminismo e foi levado, entre 
outros, pelo liberalismo político. Essa evolução do capitalismo e o novo papel 
que o estado está assumindo é o argumento central do livro.

Diante da questão da urgência do desastre ecológico, uma resposta pragmática é 
necessária em termos de poder. O desaparecimento do estado em poucas décadas não 
me parece possível. A supressão do estado é, em minha opinião, uma estratégia 
perdedora. O estado precedeu o capitalismo e um estado não capitalista é 
possível, porque o estado tem uma natureza ambígua e pode aceitar formas 
econômicas não capitalistas. O ideal certamente seria que não houvesse estado. 
Mas o problema crucial é saber o que fazer nos próximos vinte anos para mudar o 
curso atual.

É preciso desenvolver formas não capitalistas de empresas oriundas da economia 
social e solidária, cooperativas - que constituem a fórmula-padrão em que o 
instrumento produtivo é apropriado. A nacionalização também continua relevante ou 
mesmo essencial em setores como energia e transporte. Além disso, a tributação 
continua a ser, a curto prazo, o instrumento mais eficaz para realizar a 
redistribuição essencial da riqueza e também para reorientar a economia através 
da tributação ecológica. E a tributação é consubstancial ao estado. Por último, 
continua a ser essencial restabelecer o pedido de rendimentos máximos admissíveis.

Você parece seduzido pela capacidade de auto-organização dos movimentos sociais e 
em particular dos ZADs, mas dá a impressão de não acreditar nisso em escalas mais 
globais. A questão da democracia coletiva e da democracia direta e 
autogestionária é, no entanto, cada vez mais levantada pelos movimentos dos 
últimos anos (noites em pé, coletes amarelos, movimento climático ...) não é 
assim tão contraditória com uma solução que colocaria uma esquerda ecológica 
institucional no horizonte insuperável da democracia representativa ?

A auto-organização é possível em escalas maiores, como mostrado na Rojava dos 
curdos (na Síria) e no Chiapas dos zapatistas (no México), duas regiões tão 
grandes quanto a Bélgica. Acreditamos nessas experiências democráticas e 
autogestionárias e elas ecoam no Reporterre. Não creio que isso seja 
contraditório com a luta política através do canal representativo na França, nem, 
além disso, com o desenvolvimento de formas de auto-organização em escalas como a 
de Zad ou de coletivos menores. A estratégia anticapitalista deve ser pragmática 
e não endurecer opondo-se a eleições e lutas no terreno. Estamos de facto perante 
um adversário determinado, que escolhe o caminho do autoritarismo ou mesmo da 
fascização,

É certo que o percurso eleitoral é decepcionante e sempre traz consigo o risco de 
recriar mecanismos de poder e relações de dominação. Mas deve ser considerado na 
situação atual como uma ferramenta, entre outras, que permite ao menos limitar os 
danos aos sistemas de solidariedade coletiva como a seguridade social, 
seguro-desemprego, etc. Mas, em qualquer caso, não devemos abandonar as lutas no 
terreno e o desenvolvimento de alternativas ecológicas e não hierárquicas.

A questão das alianças sociais e políticas que você está abordando é inevitável. 
Mas onde você coloca a dinâmica principalmente, em uma construção eleitoral ou de 
contra-poderes, porque este é claramente negligenciado pelos partidos de esquerda 
que preferem a via institucional ?

Se não podemos ter gente suficiente para estar no terreno e nas eleições, é um 
problema real, que é o sinal da fraqueza dos movimentos políticos. Porque é 
preciso atuar nas duas alavancas. Estamos em julho de 2021, a um ano de uma 
eleição presidencial em um sistema maluco, pois dá poder desproporcional a uma 
única pessoa. Isso também é o que torna as alianças difíceis.

No Reporterre , acreditamos que não devemos abandonar as lutas no terreno, as 
lutas ambientais e sociais e pressionar por uma aliança entre a França rebelde, a 
ecologia da Europa, os verdes e os grupos periféricos.

Como está a Reporterre agora e quais são seus planos e ambições ?

A vida diária da ecologia está indo bem. Suas contas são superavitárias e, graças 
a uma gestão rigorosa, não temos preocupações econômicas e podemos continuar a 
nos desenvolver para melhor informar e atingir um público mais amplo. Somos um 
caso excepcional na imprensa francesa: com acesso gratuito, sem acionistas e sem 
publicidade, Reporterre é 97% financiado por doações de leitores (osoutros 3 % 
vêm da venda de artigos e livros publicados na Seuil no acervo da Reporterre) O 
site emprega quinze pessoas, com contrato permanente, e é visitado por 1,3 milhão 
de leitores por mês. Então a imprensa independente, sem capital e apoiada por 
quem a lê, dá certo. Continuaremos ampliando o quadro editorial, fortalecendo a 
informática e a comunicação, avançando no vídeo. Queremos acompanhar mais as 
lutas, contar a ecologia e as alternativas porque senão a situação seria muito 
triste.

Entrevista por Laurent Esquerre

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Herve-Kempf-Il-est-vital-de-sortir-du-capitalisme-et-de-passer-a-une-autre


Mais informações acerca da lista A-infos-pt