(pt) cnt nº 426 - [Espanha] Muito livres Por Carlos Taibo By A.N.A. (ca, de, en, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 5 de Agosto de 2021 - 09:10:42 CEST


A consciência dos problemas das mulheres não foi particularmente sólida no 
anarquismo do XIX. Ainda que Bakunin e Kropotkin tenham escrito a respeito textos 
iluminadores, o certo é que a irrupção de um tipo de feminismo libertário correu 
a cargo das próprias mulheres, sem que nenhuma destas se enquadrasse, no entanto, 
aos preceitos anarquistas, configurados exclusivamente por varões que eram, 
também claramente ocidentais. Enquanto isso se impuseram geralmente ideias que, 
como a que sugeria que a revolução social resolveria de uma canetada os problemas 
das mulheres, não pareciam singularmente lúcidas. ---- "Nos bastidores o que se 
percebe é a intuição, clara, de que quando uma feminista pega as coisas pela raiz 
o mais simples é que se situe, espontânea e afortunadamente, em posições 
libertárias."

Nesse magma, cheio de contrastes, se delineou em 1936, na Espanha, um movimento 
chamado Mujeres Libres. Se a iniciativa surgiu, claro, para fazer frente à 
condição aberrantemente patriarcal da sociedade espanhola do momento, em uma de 
suas dimensões principais obedeceu também ao propósito de dar réplica à presença, 
infelizmente consistente, de condutas machistas no próprio mundo libertário. E ao 
delinear, paralelamente, organizações especificamente femininas.

O ascendente de Mujeres Libres foi muito poderoso na determinação do que hoje se 
entende por anarcofeminismo. Creio que este último é, das correntes do pensamento 
libertário, a que experimentou um maior crescimento e, acaso, a que suscita maior 
atenção. Ainda que seus fundamentos sigam sendo em essência os mesmos que os de 
1936, a eles se agrega agora a necessidade de contestar muitos dos tópicos e 
concessões que acompanham o feminismo de Estado. Essa contestação sublinha a 
dimensão de classe que deve acompanhar o questionamento da sociedade patriarcal, 
ao mesmo tempo em que recorda que o grosso do feminismo realmente existente 
parece empenhado em integrar as mulheres plenamente, e em fictícia igualdade, no 
mundo, hierarquizado e explorador, perfilado pelos homens.

"O anarcofeminismo é, das correntes do pensamento libertário, a que experimentou 
um maior crescimento e, acaso, a que suscita maior atenção."

Para que nada falte, na trama do anarcofeminismo se manifesta uma aguda 
consciência no que faz ao que ocorre com as mulheres nos países do Sul. A duras 
penas pode ser casualidade que as iniciativas que tomaram corpo em Chiapas e em 
Rojava tenham colocado em primeiro plano a condição e a emancipação daquelas. Nos 
bastidores o que se percebe é a intuição, clara, de que quando uma feminista pega 
as coisas pela raiz o mais simples é que se situe, espontânea e afortunadamente, 
em posições libertárias.

Fonte: https://www.cnt.es/noticias/muy-libres/

Tradução > Sol de Abril

agência de notícias anarquistas-ana

https://www.cnt.es/noticias/muy-libres/


Mais informações acerca da lista A-infos-pt