(pt) Serviços especiais da Ucrânia ajudam o regime de Lukashenko a reprimir anarquistas na Bielorrússia By A.N.A. (ca, de, en, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 4 de Agosto de 2021 - 09:16:03 CEST


Os Serviços Especiais da Ucrânia e o Ministério de Assuntos Internos do país 
responderam ao pedido dos oficiais de segurança da Bielorrússia enviado pela 
Interpol e estão tentando deportar dois anarquistas bielorrussos: Alexei Bolenkov 
(conhecido como Max Belorus) e Artur Kondratovich. ---- Alexei Bolenkov veio à 
Ucrânia em 2013 para participar dos protestos de Euromaidan. Temendo a 
perseguição, resolveu ficar no país. Artur Kondratovich foi um participante ativo 
nas ações contra o Decreto n°3 (também conhecido como decreto "contra parasitas 
sociais", que introduziu um imposto sobre pessoas sem um trabalho de tempo 
integral) na Bielorrússia em 2017. Devido à repressão, se mudou para a Ucrânia. 
Em 2020, durante a nova onda de protestos no país seguido das eleições, Bolenkov 
e Kondratovich participaram de inúmeras ações em solidariedade e assistência a 
refugiados políticos recém-chegados.

O Estado bielorrusso tentou extraditar Kondratovich da Ucrânia em 2019 mandando o 
pedido ao Interpol. Subsequentemente, o anarquista foi preso na capital da 
Ucrânia, Kiev, e lá passou cinco meses em detenção antes da suspensão do pedido 
em decorrência de seu processo em andamento para o exílio político. No entanto, 
durante seu aprisionamento, o passaporte de Artur Kondratovich desapareceu.

Uma nova fase da acusação começou em Abril de 2021, quando a polícia surgiu com 
mandatos de busca e apreensão para Kondratovich e Bolenkov, sob o pretexto de 
investigar casos criminais supostamente ligados a ataques de grupos anarquistas a 
instituições estatais.

Imediatamente após a busca, os oficiais de SBU (Serviços Especiais da Ucrânia) 
entraram no apartamento de Bolenkov, se recusaram a mostrar suas identidades e 
tentaram levá-lo à fronteira mais próxima, que é justamente a fronteira com a 
Bielorrússia. Se a operação tivesse obtido sucesso, Bolenkov teria sofrido a 
ameaça de encarceramento imediato em seu país de origem, onde ele poderia 
enfrentar o mesmo destino de outro anarquista, Nikolai Dedok, que foi torturado 
pela polícia bielorrussa. Uma ação de solidariedade organizada improvisadamente 
por amigos e advogados conseguiu impedir sua deportação.

De acordo com a SBU, Bolenkov seria uma ameaça à segurança nacional da Ucrânia e 
deveria ser forçado a sair do país em até 24h. Os advogados decidiram apelar a 
essa decisão, mas o juiz concordou com a narrativa do Serviço Especial. Na 
opinião dele, a segurança nacional do país estava ameaçada pelas visões 
anarquistas de Bolenkov; especialmente sua participação na ação contra a polícia, 
a organização de ações em solidariedade com o povo bielorrusso, e a distribuição 
de literatura anarquista. Para apoiar suas alegações, o SBU se utilizou de 
publicações de extrema direita e informações das forças de segurança bielorrussas 
que indicavam Bolenkov como suspeito em um processo criminal na Bielorrússia.

Além disso, em tentativa de incriminá-lo, oficiais de segurança também invadiram 
a casa de um jovem casal, Sergei e Ira Ruban. Os Ruban eram amigos próximos e 
camaradas de luta dos dois perseguidos políticos. Membros do Departamento de 
Segurança Interna do SBU conduziram a busca sem mandato e apreenderam celulares, 
laptops, tablets e pen drives. Após a invasão, ambos foram convocados para 
interrogatórios, quando foram questionados sobre suas conexões com Bolenkov. 
Depois, o investigador ainda os convocou para "conversas informais". 
Imediatamente após os interrogatórios o casal foi chamado para questionamento 
acerca do incêndio culposo de carros da polícia em 27 de Julho de 2020, como 
testemunhas.

Agora Bolenkov interpôs um apelo, mas os advogados temem a perda do caso e a 
efetuação do processo de deportação por falta de atenção do público. Artur 
Kondratovich está também sob ameaça - pode ser a ele negado o exílio político sob 
pressão do SBU.

De 9 a 18 de Julho, anarquistas ucranianos organizaram uma campanha de 
solidariedade para Alexey, Artur, Iran e Sergey. Para mais informações e 
atualizações, siga:

* ABC Ukraine Facebook: facebook.com/blackcrossukraine

* ABC Ukraine Telegramchannel: t.me/abcukraine

* ABC Ukraine Instagram: instagram.com/abc_ukraine/

Fonte: 
https://freedomnews.org.uk/2021/07/12/ukrainian-special-services-assist-lukashenkas-regime-to-repress-belarusian-anarchists/

Tradução > mari

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/07/23/bielorrussia-antifascista-detido-e-condenado-a-servir-18-meses-de-trabalho-forcado-por-uma-performance-de-rua/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/07/15/atualizacao-da-situacao-das-repressoes-na-bielorrussia-em-junho-de-2021/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/02/03/bielorrussia-ativistas-do-food-not-bombs-recebem-sentencas-de-prisao-por-doar-alimentos/

agência de notícias anarquistas-ana

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2021/07/27/servicos-especiais-da-ucrania-ajudam-o-regime-de-lukashenko-a-reprimir-anarquistas-na-bielorrussia/


Mais informações acerca da lista A-infos-pt