(pt) France, UCL AL #314 - Estratégia: descompartimentar sindicatos, unir coletivos de trabalho (ca, de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sexta-Feira, 16 de Abril de 2021 - 07:54:09 CEST


Aumentar a força de trabalho sindicalizada, unir colaboradores isolados, 
aproximar divisões categóricas (estatutos, acordos coletivos, subcontratados, 
etc.), é possível! Este é um dos desafios de um "sindicalismo de filial" bem 
calibrado. Alguns exemplos convincentes. ---- O "sindicalismo de ramo" é a 
coordenação da ação sindical ao nível de todo um setor profissional. Além das 
diferentes empresas, dos diferentes ofícios, dos diferentes status, todos os 
trabalhadores deste setor devem ter demandas comuns, de forma a não competir 
entre si. É elementar, e é por isso que os sindicatos formaram suas primeiras 
federações por ramo industrial - Livros, Construção, Ferrovia, Metalurgia, etc. - 
cento e quarenta anos atrás.

Do ponto de vista sindicalista revolucionário, a organização em nível de ramo 
também serve a um projeto político: o da reorganização pós-capitalista da 
economia. A autogestão e o planejamento democrático serão implementados pelas 
federações industriais das quais as federações sindicais são hoje o prenúncio.

No entanto, em nossa opinião, dois equívocos sobre o sindicalismo de filial 
precisam ser corrigidos. O primeiro é que ele é jogado apenas em nível nacional, 
que é "o trabalho da federação", embora possa ser trazido à vida com proveito em 
nível local; a segunda é que é uma fórmula absoluta, que deve suplantar qualquer 
outro perímetro organizacional (por profissão, por empresa, por local, etc.). A 
experiência mostra que nada deve ser proibido e leve em consideração a realidade 
vivida pelos colaboradores (veja box).

A demarcação das federações sindicais de acordo com os ramos às vezes é 
questionável! Tomemos o exemplo de uma atividade em expansão: a logística, com 
seus centros de preparação e triagem de pacotes. Alguns (Amazon, Alibaba ou La 
Poste) dependem do acordo coletivo para atividades postais, e os sindicatos CGT 
são, portanto, filiados à federação postal. Mas os da Mondial Relay e da Geodis 
estão sob o acordo coletivo de transporte e, portanto, são filiados à federação 
CGT des Transports! No entanto, seria benéfico se eles se encontrassem na mesma 
estrutura, a fim de esperar atuar em conjunto.

Dividindo a divisão de empregadores
O mesmo problema afeta o setor ferroviário, onde várias convenções coletivas se 
justapõem. Desde o seu nascimento em 1996, a federação SUD-Rail respondeu a esta 
fragmentação optando por organizar todos os trabalhadores da sucursal, 
independentemente do seu estatuto (ferroviário ou não) ou da sua empresa (SNCF, 
quaisquer empresas concorrentes). E subcontratantes).

Porém, sabemos que o primeiro reflexo de um sindicalista é cuidar do que está 
acontecendo em seu departamento. Para fazer o sindicalismo de ramo, é necessário 
organizar reuniões que reúnam sindicalistas de todos os serviços e de todas as 
empresas do ramo, para tratar dos problemas de cada um e identificar uma direção 
comum, para evitar o dumping social. Pode parecer complexo, mas a SUD-Rail 
consegue, com encontros nacionais dedicados a cada profissão: limpeza de trens, 
controle de bordo, pessoal da estação, etc.

No setor de energia, o sindicato CGT da Enedis optou por criar seções sindicais 
entre subcontratadas. Em vez de termos um sindicato CGT por empresa, passamos a 
ter apenas um, o que unifica a comunidade laboral, desmembrando a divisão 
patronal. E isso legitima a exigência de reintegração dos funcionários das 
subcontratadas na empresa histórica. É a mesma lógica que a CGT-HPE (Hotéis 
Prestígio e Econômico) implementa: ao invés de ter um sindicato por hotel, e um 
sindicato por subcontratada, temos um único sindicato que luta por todos os 
funcionários das empresas hoteleiras.

Esses exemplos são encorajadores, mas em muitos outros casos as estruturas 
existentes, por razões burocráticas - posições permanentes estão em jogo - 
evoluem apenas com muita cautela. Qual a melhor delimitação dos campos da 
sindicalização? A partir de cima, divisões entre empresas e acordos coletivos, 
nas mãos dos empregadores? Ou melhor, de baixo, dos locais de trabalho e das 
comunidades, sob o controle dos sindicalistas? Adaptar o sindicalismo às 
necessidades significa realmente enfrentar os desertos sindicais.

Uma pergunta local primeiro
Esta questão não interessa apenas às federações ou sindicatos em nível nacional. 
Ativistas locais podem agüentar. É o caso da Épinal onde, com o consentimento do 
sindicato local, o sindicato CGT de uma grande empresa metalúrgica Trane, agora 
se sindicaliza além de suas paredes: não apenas os funcionários das empresas 
terceirizadas, mas também aqueles que trabalham em pequenas caixas metalúrgicas 
locais . E funciona! Nas reuniões, não falamos apenas sobre a Trane, mas também 
sobre os problemas encontrados em outros lugares. E nos aconselhamos e ajudamos 
uns aos outros. Os sindicalistas até então isolados agora atuam em seus próprios 
locais de trabalho, contribuindo assim para a luta por um melhor acordo coletivo.

Voltando à logística, pode surgir a questão de um sindicato único para as 
diferentes empresas presentes na mesma área de negócios. Isso é chamado de 
sindicato de sites. Isso poderia então ser anexado a várias federações, 
dependendo de acordos coletivos. Em qualquer caso, teríamos unificado o coletivo 
de sindicalistas. Essa é a prioridade.

Sindicato, filial, empresa, site ...
Reunir funcionários para se defender às vezes levanta questões complexas. Qual o 
melhor perímetro para formar o sindicato?

com base na profissão: por exemplo, um sindicato que agrupa parturientes e 
parturientes da mesma localidade, independentemente de seus chefes (Deliveroo, 
Uber Eats, etc.). Pratique para agrupar trabalhadores com forte afinidade com 
base em uma experiência comum.
com base na empresa: aqui, o sindicato agrupa todos os funcionários de uma mesma 
empresa, quaisquer que sejam os seus cargos (entregador, caminhoneiro, 
secretário, logístico, etc.). Prático em empresas com grande número de 
funcionários, menos em unidades pequenas.
com base no mesmo local: ali, o sindicato agrupa todos os funcionários de um 
local de atividades (por exemplo, um shopping, um aeroporto, uma estação de trem, 
etc.), quaisquer que sejam suas profissões ou empresas. Conveniente para agrupar 
funcionários de pequenas e grandes empresas.
na base da sucursal: o sindicato agrupa então, na mesma localidade, todos os 
trabalhadores pertencentes ao mesmo sector de actividade, por exemplo, 
metalurgia, qualquer que seja a sua profissão e qualquer que seja o seu negócio. 
Conveniente para agrupar funcionários de pequenas e grandes empresas.

Roger e Simon (UCL Rennes), Michel (UCL Vosges)

logotipo: Rini Templeton

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Strategie-decloisonner-les-syndicats-unir-les-collectifs-de-travail


Mais informações acerca da lista A-infos-pt