(pt) cab anarquista - Ingovernáveis: Uma entrevista com Lorenzo Kom'boa Ervin

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 29 de Setembro de 2020 - 08:07:46 CEST


Originalmente publicado em Black Rose Anarchist Federation / Federación Anarquista Rosa Negra. Tradução de Aya C. Ororo, para o site El 
Coyote. ---- O autor e escritor independente William C. Anderson entrevista o organizador veterano, antigo Pantera Negra e prisioneiro 
político Lorenzo Kom'boa Ervin sobre a atual crise política, o fascismo e a crescente relevância do anarquismo negro. Nós também convidamos 
você a contribuir generosamente para uma campanha de levantamento de fundos organizada por William para apoiar Lorenzo e a sua parceira 
JoNina Ervin. Ambos são anciãos do movimento que inspiraram gerações de rebeldes e precisam de apoio com as suas despesas médicas e de vida. 
---- O novo coronavírus, também conhecido como COVID-19, realçou os desastres diários do capitalismo. A falta de cuidados de saúde, um 
ambiente seguro, habitação e alimentação são uma questão cotidiana para um segmento crescente de pessoas vulneráveis. Isto tem provocado um 
interesse notório no anarquismo para muitos. As falhas do Estado foram tornadas evidentes por soluções ineficazes, negligência deliberada, e 
total desrespeito pela vida humana. Expôs questões mais profundas (para alguns) sobre a plausibilidade de soluções estatais. Concomitante a 
tudo isto, as autoridades começaram a tomar consciência, evidenciada pelos seus crescentes ataques e bodes expiatórios de anarquistas. O 
Presidente Trump e muitos outros aparentemente identificaram um conjunto de políticas que consideravam ameaçadoras e dignas de culpa. Isto 
não é uma coincidência e segue um padrão histórico.

Como de costume, o anarquismo foi ignorado pela sua complexidade através de leituras erradas, superficiais e voluntaristas. A complexidade 
de vários conjuntos de políticas, princípios e abordagens anarquistas foram reduzidos a metáfora dos terroristas lança-bombas. Mesmo 
enquanto anarquistas organizam e participam de projetos de apoio mútuo em todo o país durante esta pandemia, não é isto que o anarquismo 
representa para muitas pessoas. No meio de uma pandemia global, a eficácia deste tipo de projetos aliados a outros programas de 
sobrevivência tornou-se especialmente relevante. Embora, para os opositores, o mesmo tenha acontecido com a necessidade de atacar estas 
políticas de todos os lados. Ainda assim, o interesse crescente pelo anarquismo negro tem permanecido inabalável.

O anarquismo negro há muito é sustentado pelas obras de pensadores e revolucionários freqüentemente esquecidos. Entre eles está Lorenzo 
Kom'boa Ervin. Conheci Lorenzo em 2012 em um workshop de organização que ajudei a liderar ao lado de diferentes organizadores em todo o sul. 
Minha amiga (que teve a ideia) convidou Lorenzo para falar com base na recomendação de alguém que ela conhecia. Não demorou muito para 
Lorenzo e sua parceira JoNina Ervin deixarem as verdades do anarquismo escancaradas para mim. Isso começou minha jornada para abraçar 
totalmente o anarquismo negro.

Lorenzo viveu uma vida revolucionária para dizer o mínimo. Depois de ser apresentado ao anarquismo por Martin Sostre, um advogado 
penitenciário que foi um dos arquitetos do movimento pelos direitos dos prisioneiros como conhecemos hoje, ele teve que lutar e fugir das 
autoridades dos EUA mais de uma vez. Ele viveu em todo o mundo enquanto ensinava e organizava. Esses são apenas alguns dos motivos pelos 
quais é importante ouvir seus insights sobre a situação atual que estamos enfrentando.

Falei com Lorenzo sobre a autonomia negra, o fascismo e o que é necessário para enfrentarmos a crise.

William C. Anderson (WCA): O que pensa sobre as atuais revoltas que ocorrem em todo o país em resposta à violência policial?

Lorenzo Kom'boa Ervin (LKE): Penso que as revoltas são boas, mas estamos vendo que têm limitações como revolta revolucionária. Estas 
limitações permitem ao Estado subverter a natureza das revoltas, bem como as questões como meras reformas. O Estado e os políticos liberais 
e outros são capazes de utilizar isso contra o movimento. Este tipo de cooptação tem vindo a acontecer há algum tempo. Observei 60 anos de 
protestos e os chamados "tumultos" e rebeliões e revoltas em grandes cidades e pequenas cidades como Ferguson, Missouri. Assisti a 60 anos 
deles, desde 1964, com a rebelião no Harlem, Nova Iorque. Foi sempre algo a ver com a polícia. De uma forma ou de outra, matam alguém, batem 
em alguém, ou simplesmente entram na comunidade e fazem algum tipo de atrocidade. E o povo respondeu com uma luta de volta. O que tem sido 
permitido neste caso é que as pessoas se rebelem, as pessoas contra ataquem, e as pessoas fizeram protestos em massa. Depois os políticos e 
os outros afirmam estar com suas demandas ou o seu impulso para, em seguida, darem a volta e proporem algumas reformas liberais, que não são 
nada liberais, na verdade.

O que vemos é que cada vez que o terror policial ou o racismo se agrava ou apenas se prolonga. Portanto, temos de nos perguntar: "Muito bem, 
estamos tendo protestos. Estamos indo contra o homem. Mas será que também não estamos a compreender que o papel aqui agora é transformar a 
sociedade como um todo"? Não estamos tentando obter apenas algum "desfinanciar a polícia" ou o que quer que seja. O governo não está a dar 
nada, e mesmo com os protestos a pressioná-los, eles ainda não apresentaram nada em termos de qualquer tipo de programa para evitar mais 
atrocidades contra os negros. Nos Estados Unidos, milhares de pessoas foram mortas pela polícia e o governo tem dado impunidade aos polícias 
assassinos.

Esta é uma forma, na minha estimativa, de guerra de classes ou policiamento fascista, e precisamos compreender isso. Estão a utilizar os 
agentes estatais mais violentos, especialmente na comunidade negra e nas comunidades pobres. Estão também a usá-los para derrotar qualquer 
oposição política de base. Estão os usando para criar um novo tipo de sistema criminoso onde estão acusando sumariamente as pessoas e 
colocando-as na prisão por longos períodos de tempo com sentenças draconianas. E isto tem vindo a acontecer já há bastante tempo. Portanto, 
as rebeliões são ótimas. São maravilhosas, é ótimo ver as pessoas de pé. A única coisa é que, conhecem o meu ponto de vista como um velho 
militante de longa duração e tudo, tento olhar para a verdadeira essência de uma luta, e não apenas para o fato dela estar acontecendo. A 
orientação da luta de hoje é muito semelhante à que vi nas fases finais do movimento dos direitos civis. Vê-se que ganham as reformas, mas 
não transformam o sistema em si. Essa é a diferença entre revolucionários e reformistas, queremos esmagar completamente o Estado.

WCA: Que tipo de conselho teria então para os jovens radicais que querem transformar esta sociedade? Que conselhos tem para aqueles que são 
politizados e procuram alguma orientação sobre como fazer as coisas que acha que precisam de ser feitas?

LKE: Nós, como militantes, como organizadores, temos de nos tornar a nós próprios e às nossas comunidades ingovernáveis. Eu sei que já 
ouviram esse termo antes. Isso significa o que diz. Temos de o fazer de modo a criarmos um novo tipo de sistema político próprio, seja ele 
de duplo poder ou de democracia revolucionária direta, seja como for que lhe queiramos chamar neste período. Temos de criar esse tipo de 
movimento, um movimento anti-fascista em massa, por um lado. E, por outro lado, precisamos ter a capacidade à escala de massas para 
construir uma tendência de sobrevivência econômica de massas baseada na comunidade, baseada em cooperativas no gueto para alojar os pobres, 
reconstruir as cidades, e cuidar das necessidades materiais dos pobres. Precisamos ser capazes de construir isso. Não me oponho a alguns 
destes grupos que estão a surgir, porque embora não sejam radicais agora, potencialmente poderiam transformar-se noutra coisa. Mas o que 
precisa acontecer é que precisamos chegar às massas de pobres urbanos com estes programas. Não estamos lutando apenas para ter um culto ou 
um grupo, ou alguns líderes. Estamos lutando para colocar o poder nas mãos do povo, numa nova sociedade. Presumivelmente, os revolucionários 
sabem algumas coisas em algumas áreas de organização que as pessoas não sabem. Portanto, precisamos treiná-los, precisamos equipá-los para 
serem independentes desta estrutura política. Também penso que o Partido Pantera Negra estava certo, precisamos ter programas de 
sobrevivência e precisamos ir além do que eles tinham. Deveríamos estar tentando construir a economia de sobrevivência neste período, neste 
momento.

Devemos partir deste período em que existem algumas pessoas que compreendem ou praticam o apoio mútuo, mas as massas não compreendem. 
Portanto, precisamos ir além de "apenas ajudar", para trabalhar em prol de uma espécie de economia diferente, uma economia de sobrevivência 
a caminho de um comunismo anarquista pleno. Talvez seja esse o nome que conhecemos, como anarquistas, mas em algumas partes do mundo, 
chamam-lhe uma "economia solidária" para os ajudar a sobreviver ao capitalismo. Seja qual for o seu nome, precisamos ter isso para não 
estarmos totalmente dependentes do Estado capitalista. Não pretendo saber tudo, mas sei algumas coisas e sei uma coisa que não vai funcionar 
- é quando se permite que os mesmos polícias corruptos e racistas afirmem que estão reformados agora ou ter os mesmos políticos que afirmam 
"Bem, este não é o mesmo sistema, nunca encontramos uma forma de desfinanciar a polícia, mas estamos a reorganizá-la, por isso seja 
paciente!" George Jackson, um prisioneiro radical na Califórnia e membro do Partido Pantera Negra nos anos 60, ele próprio, disse que tais 
reformas policiais ou prisionais não são mais do que a continuação da ascensão do fascismo. Elas ajudam o fascismo a tornar-se aceitável 
para o povo.

Há anos que lidamos com isso porque se vê como a polícia tem utilizado diferentes tipos de guerra psicológica e pseudo campanhas como a 
"Weed and Seed", ou o policiamento comunitário ao longo dos anos. Essas coisas foram concebidas para colocar a polícia no poder sobre a 
comunidade. Eram medidas intencionais de perfil racial e de controle, e precisamos de compreender o que tem acontecido até este momento. 
Essa coisa com o Trump é apenas o culminar ou a fase final da sua construção do fascismo. Eles construíram um sistema prisional que é o 
maior do mundo. Eles construíram-no há anos atrás. Começaram a usar o policiamento paramilitar há anos atrás, especialmente na comunidade 
negra. Todas estas coisas que vemos, estas formas do que constituiria um estado fascista noutro país, eles não têm de o construir. Eles já 
têm segmentos dele construídos na América.

É preciso fazer a si próprio algumas perguntas críticas como, por exemplo, como é que isto pode acontecer numa altura em que se tem todos 
estes chamados anti-racistas, anti-fascistas no nome. Mas eles nem sequer fazem nada para lidar com este tipo de luta fascista contra si 
mesmo. Eles vão e vão para a rua e lutam contra algum nazi bêbado, algum tipo de campanha organizadora de baixo nível. Precisamos de mais do 
que isso neste período, que agora vem especialmente à tona. Precisamos da capacidade de ter uma base de massas, não apenas jovens mas 
comunidades, um amplo segmento do povo. Precisamos dessa base de massas acrescentada a um novo tipo de política onde as pessoas estão a ser 
colocadas no controle, em vez dos políticos ou pregadores ou de quem quer que tenha escolhido todas estas pessoas. Diga aos jovens para 
construírem movimentos a partir das bases. Construir movimentos de resistência e construir um movimento suficientemente grande que não possa 
ser controlado pelo Estado para que, como disse antes, seja ingovernável. E ingovernável significa uma série de coisas para as pessoas do 
movimento neste momento: significa o tipo de táticas em que se envolve na rua, significa como a comunidade está organizada, que não têm de 
depender destes políticos, significa um boicote em massa às empresas capitalistas, uma nova economia de transição, e muitas outras coisas 
como parte de uma resistência.

Uma coisa que estaria mais ansioso para dizer às pessoas é que não podemos nos organizar da forma como nos organizamos nos anos 60, não 
podemos organizar da forma como nos organizamos mesmo há 30 anos atrás, há 20 anos atrás. Temos que criar um novo terreno político e ter uma 
nova teoria política e novas táticas políticas. Estas não vêm de uma só pessoa ou grupo, têm de ser decididas pelo próprio povo.

WCA: Pode falar um pouco sobre porque começou a Autonomia Negra, o que é isso?

LKE: Autonomia Negra foi algo que comecei a tentar lidar com o fato de que dentro do movimento anarquista, havia muito poucas pessoas 
negras. A Autonomia Negra foi concebida também para ser um grupo de pressão contra o racismo institucionalizado no seio do movimento 
anarquista. Na altura, os anarquistas brancos nos EUA não estavam realmente relacionando a sua direção política com a comunidade negra ou 
interessados em organizadores negros. Na verdade, não era realmente um verdadeiro movimento anti-racista naquele período. E acabei por 
chegar à fase em que disse que o que teremos de fazer é criar uma tendência negra no seio do movimento anarquista que seja suficientemente 
forte para se manter por si só. E isso pode desafiar a natureza fixa branca do movimento anarquista. Essa foi a mesma razão pela qual 
comecei a escrever Anarquismo e a Revolução Negra, que foi um livro que levantou as contradições em torno da raça e do colonialismo e da 
opressão, e apelou aos Anarquistas para que elevassem a sua consciência. Nunca tinham encarado isto antes como um problema ou questão; nunca 
tinham pensado em Africanos ou Negros na América, a menos que estivessem meramente a tentando recrutar Negros para as suas tendências, mas 
mesmo isso não estava acontecendo quando cheguei no início da década de 1970. Eu fui o único Anarquista Negro nos EUA e mesmo noutras partes 
do mundo durante anos, na verdade décadas.

Nos Estados Unidos, o trabalho e as condições de vida do povo negro sempre foram diferentes da população branca, voltando à escravatura. 
Algo que o próprio Marx disse ser o "pedestal" para a criação do capitalismo nos EUA foi a escravização negra. Tentei que os anarquistas 
compreendessem e pensassem mais criticamente sobre o assunto, mas eles iriam ficar muito zangados e defensivos comigo por dizer. Assim, 
criamos a nossa própria construção ideológica e organização que não era perfeita e que foi criada sob algumas probabilidades realmente 
difíceis, mas nós a criamos. Foi perante o medo, a culpa e a hostilidade dos anarquistas brancos. Eles não deram qualquer apoio real à 
Autonomia Negra, começaram a chamar-nos "nacionalistas estreitos" e isto e aquilo.

Criamos o que foi essencialmente um primeiro coletivo em Atlanta. Sabe, eu e acho que havia outros sete organizadores comunitários e sete ou 
oito estudantes do Clark College e da Morehouse University. Eles passaram a fazer parte desse mesmo coletivo naquela época. Eventualmente o 
grupo construiu uma federação nacional de dez cidades e um grupo em Londres.

Estávamos fazendo discussões políticas, etc., em Atlanta, sobre a direção que deveríamos tomar. Então, os da rua disseram: "Bem, olha, temos 
que estar organizando a comunidade negra contra as condições que estão acontecendo conosco". E começamos a nos organizar em torno do 
assassinato pela polícia de Atlanta de um irmão chamado Jerry Jones em 1995, e também começamos a nos organizar em torno da tentativa do 
governo da cidade de tirar o sistema de transporte das pessoas pobres e trabalhadoras dentro da cidade e entregá-lo às pessoas nos 
subúrbios. Você sabe que eles iriam aumentar tanto a tarifa do trânsito que as pessoas que viviam na cidade não poderiam pagar por ele. 
Assim, iniciamos o Movimento de Sobrevivência dos Pobres, um grupo que tínhamos iniciado. E daí surgiu o Sindicato dos Passageiros de 
Transporte de Atlanta. Lutamos contra as autoridades que dirigiam o sistema de transporte e começamos a levantar contradições em torno de 
raça, classe e pobreza que existiam há anos pelas autoridades da cidade. Essa foi uma campanha bem sucedida. Fomos capazes de derrotar as 
autoridades de trânsito durante anos contra a implementação do aumento tarifário. Fizemos com que os ricos, o governo da cidade e as 
corporações o subscrevessem, em vez de pessoas pobres ou trabalhadores que não tinham outras opções de transporte.

A própria Autonomia Negra era uma organização anarquista, mas também entendia que sua política se baseava na realidade da opressão dos 
negros nos Estados Unidos e no mundo. Nós nos organizamos em torno das coisas que ainda vemos acontecendo hoje: prisão em massa de negros e 
tiroteios assassinatos pela polícia ou vigilantes fascistas. Temos feito organizações em várias cidades na década de 1990 e até mesmo na 
década de 2000. A manifestação anti-klan de 2013 em Memphis, Tennessee, foi a maior manifestação anti-fascista daquele ano, com 1.500 a 
2.000 pessoas. Há anos também tínhamos organizado várias cidades contra o terrorismo policial.

Assim, a Autonomia Negra também começou a se organizar e tentar criar uma estrutura política de duplo poder tentando criar ideias que possam 
atingir os jovens e tentando combater as prisões como uma entidade. Não apenas combatendo os juízes e todo esse lixo, mas realmente lidando 
com as prisões sendo usadas como ferramenta de opressão de negros e pobres. E, infelizmente, não fomos capazes de reunir forças suficientes 
ao nosso redor sobre essa questão para construir um movimento de base ampla contra o encarceramento em massa. Tentamos fazer com que grupos 
como a Cruz Negra Anarquista nos ajudassem, mas falhamos quando eles se uniram à esquerda autoritária.

WCA: Por que o senhor acha que a administração atual está mirando os anarquistas e os antifas (Anti-Fascistas)?

LKE: Trump precisa de um bode expiatório para uma coisa. Os Antifa estão dispostos a combater esses fascistas nas ruas e já o fazem há algum 
tempo. Então Trump é capaz de utilizar essa "violência" para justificar suas políticas, e ele se tornará mais repressivo com o passar do 
tempo. Eu realmente acho que ele quer processá-los no tribunal federal por "traição". Eles querem projetar o Antifa como "inimigos do 
Estado". Acho que ele já teria usado o DOJ e sua polícia federal para tentar esmagá-los, se não fosse pelo fato de que ele teve que se 
candidatar a um cargo e não teve uma mão totalmente livre. E também acho que ele acredita, e até certo ponto pode ser verdade, que muitas 
das coisas que estão acontecendo na rua são de anarquistas que parecem ter apoio em massa.

A questão é que, por quase 100 anos, o governo sempre viu os anarquistas como uma séria ameaça de ruptura. Em anos passados, sempre houve 
ondas de repressão contra os anarquistas. Mas, nos últimos anos, os anarquistas não têm feito exatamente muito que justifique este tipo de 
repressão. Estou surpreso que isso venha agora, mas não estou surpreso em um sentido, porque somos um bode expiatório conveniente como a 
tendência mais perigosa da esquerda. Os comunistas? Oh, os comunistas estão todos esgotados! (risos) Todos eles se esgotaram e estão 
concorrendo aos cargos ou o que quer que seja. E até certo ponto (risos) isso é verdade para ser bem honesto. Não estou dizendo em todos os 
casos, mas você tem muitos elementos comunistas que estão na cama com o Estado e na cama com os capitalistas neste momento.

O Departamento de Justiça e o FBI querem fazer de bode expiatório o movimento de protesto dos negros. Eles ainda não conseguiram fazê-lo com 
o movimento negro, embora, sabe, eles tenham criado este programa chamado de segurança do estado há algum tempo atrás, onde eles iriam atrás 
dos miltiantes negros, sabe, "extremistas".

WCA: "Negros Identitários extremistas".

LKE: É exatamente como eles chamavam, e eles tentaram usá-la para intimidação, mas por alguma razão não conseguiram obter o apoio do público 
nessa medida. Ele quer fazer isso com Black Lives Matter. Mas acho que muitas pessoas estão convencidas agora de que a Black Lives Matter 
está apenas usando táticas não violentas. Portanto, o povo americano não é tão a favor da idéia de que o Estado ou o governo venha atrás 
deles dessa maneira. Isso ainda pode acontecer antes ou depois de ele deixar o cargo, se a tendência negra de protesto se tornar mais 
radical ou mudar de tática.

WCA: Gostaria de lhe perguntar sobre a crescente popularidade do anarquismo negro. Há muitos negros que estão se interessando cada vez mais 
pelo anarquismo. Muitos desses negros estão se interessando pelo seu trabalho. Você pode falar sobre isso e por que você acha que está 
acontecendo? E você também pode falar com o que você espera que eles peguem de seu trabalho e do anarquismo negro?

LKE: Primeiro, foi uma surpresa para mim até mesmo descobrir que havia novas tendências anarquistas, tendências anarquistas negras, em cena. 
E eu só descobri isso no último ano, este ano na verdade. Mas, por um lado, o que fala do trabalho que fizemos com a Autonomia Negra. Sejam 
quais forem os erros que cometemos e nosso fracasso em construir uma tendência de massa anos atrás, ele fala a esse trabalho. Acho que se eu 
não tivesse escrito o Anarquismo e a Revolução Negra e feito outras coisas que fiz com os camaradas com quem trabalhei, as pessoas nem 
saberiam das idéias do Anarquismo Negro.

A outra coisa é, eu defendo um tipo de anarquismo que é um anarquismo de luta de classes. Minha perspectiva e minha compreensão, lendo anos 
atrás, é que o anarquismo vem do movimento socialista. De fato, é um socialismo autogovernado ou socialismo libertário. As idéias do 
socialismo de autogoverno e tudo isso veio de Bakunin, e o movimento anarquista fez parte do primeiro movimento comunista internacional. 
Portanto, se as pessoas vão querer ter uma perspectiva anarquista ou uma política anarquista negra, elas têm que entender que temos que 
construir um movimento que se trata de lutar pelo poder para o povo. Isso não é apenas um termo de arte, mas estamos lutando para não ter 
apenas um partido ou culto ou alguma liderança. Estamos lutando para que as pessoas no chão, no fundo, possam começar a construir uma nova 
vida para si mesmas e uma nova sociedade. Há todos os tipos de debates sobre como essa sociedade poderia ser ou quais fases transitórias de 
luta e construção de uma nova sociedade que temos que passar.

Acredito que teremos que passar por uma fase de transição. Mas neste ponto, neste momento, trata-se de uma organização comunitária 
revolucionária, não apenas de "protestos pacíficos" para apelar para o governo. Devemos adotar um novo pensamento sobre resistência e 
reconstrução de comunidades para que possamos ser ingovernáveis pelo Estado. Temos que pensar nas pessoas construindo comunidades 
revolucionárias e construindo outras formas de entidades políticas independentes. Neste momento temos que pensar sobre a vinda de milhões de 
desabrigados e falar sobre como dar-lhes algum lugar para viver. Como lidamos com o governo para forçá-los a fornecer esses recursos e, como 
lutamos contra o governo para assumir inteiramente a moradia? Vamos ter que fazer uma luta generalizada na forma de agachamento ou 
simplesmente entrar fisicamente em prédios. Com o tipo de guerra de classes que existe nos Estados Unidos, você terá que pegar a arma se 
quiser mudar a sociedade. Não estou dizendo usar a luta armada como uma tática única, mas a guerra civil revolucionária está chegando 
inevitavelmente. O governo fará guerra contra você, quer você esteja pronto para a guerra ou não.

Reconheço uma tendência de massa que usa a não-violência em uma certa fase histórica pode empurrar o governo de volta, e é isso que está 
acontecendo neste momento. Sim, o movimento de protesto está empurrando o governo de volta, empurrando-o contra a parede, mas não está 
sufocando a vida para fora dele. O que precisamos é do tipo de movimento revolucionário que pode sufocar a vida para fora dele e criar uma 
nova sociedade todos juntos. Estas organizações de que estamos falando, são sufocadas pela consciência pequeno-burguesa, a organização 
pequeno-burguesa, a liderança pequeno-burguesa e assim por diante cria um certo tipo de movimento. Um certo tipo de movimento que não vai ao 
ponto de "ir para tudo", como costumavam dizer na época. Eu realmente acho que eles construíram limitações em sua capacidade ou sua vontade 
de derrubar o Estado ou mesmo falar sobre isso. O engraçado é que temos que continuar a pensar em coisas assim, derrubando o Estado, não 
conseguindo algumas reformas. Não vou lhe dizer que nunca se deve conseguir reformas se for possível no sentido imediato. Mas, nesta fase, 
já fomos longe demais para nos contentarmos com este reformismo uma e outra vez, especialmente neste momento. Este momento é um momento 
revolucionário e outras coisas aconteceram para torná-lo assim, não apenas os protestos.

O sistema em si está cambaleando por causa do vírus COVID e de tudo o que está acontecendo com Wall Street. Todas essas coisas estão 
acontecendo e isso coloca o Estado no ponto mais fraco que já foi. Mesmo Trump ou quem quer que tome o Estado e tente criar um Estado 
fascista não o está fazendo a partir de uma posição de força. Eles não estão tentando impor a ditadura a partir de uma posição de força, 
eles estão tentando impor a partir de uma posição de fraqueza, e medo. É por isso que eu disse que temos que construir uma força 
alternativa, radical, para que ela possa então funcionar de uma maneira que nunca antes conseguiu derrubar o sistema inteiro. Não apenas os 
democratas ou os republicanos - você sabe que os governantes querem esse tipo de besteira. Eles a querem, porque é trivial. Não significa 
nada. Em última análise, Trump pode querer uma ditadura pessoal. Mas o outro cara[Biden], ele é um agente do Estado e é um opressor por 
direito próprio. Ele ajudou a levar o sistema prisional ao ponto em que ele está. Sua companheira de governo, Kamala Harris,-ambos ela é tão 
democrata quanto ele. Ela é tão a favor do uso da polícia e do governo contra os pobres quanto ele. Precisamos ser capazes de educar as 
massas de pessoas sobre estas coisas enquanto estamos criando uma alternativa, para que elas não sejam enganadas. Precisamos de uma nova 
sociedade e de um novo mundo, não de mais capitalismo.

William C Anderson é um escritor independente de Birmingham, Alabama e co-autor de As Black as Resistance (AK Press, 2018).

http://cabanarquista.org/2020/09/24/ingovernaveis-uma-entrevista-com-lorenzo-komboa-ervin/


Mais informações acerca da lista A-infos-pt