(pt) France, Union Communiste Libertaire AL #308 - Cultura, Movimento internacional alternativo: "paraser mais aberto às várias contra-culturas" (de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 22 de Outubro de 2020 - 08:20:54 CEST


Uma rede que promove contraculturas nasceu recentemente em Paname, mas suas ramificações vão muito além. O Alternative International 
Movement (AIM) busca construir uma ponte entre as cenas musicais (punk, streetpunk, redskin, harcore) e o ativismo. Após dois anos de 
existência, a Alternative Libertaire conheceu a AIM, a oportunidade para eles apresentarem a rede para nós e fazerem um balanço do 
progresso. ---- Alternativa libertária : Olá, você pode nos dizer o que é AIM? Por que uma nova sigla? Como surgiu o encontro e a química 
entre vocês? ---- OBJETIVO: A AIM é uma rede internacional que visa a promoção da cultura underground com um eixo muito militante. Vimos 
muitos coletivos aparecerem no mundo com uma nova geração e um desejo de criar vínculos para serem cada vez mais fortes.

Para a nova sigla, atualmente, não existem mais estruturas que mesclem militância e contracultura. Quanto ao fato de não termos pegado a 
tocha de um antigo coletivo, a razão é bastante simples: esses orgas haviam se dissolvido por um tempo e queríamos, mantendo nossa 
identidade, estar mais abertos aos vários contra- culturas.

Os encontros aconteceram durante manifestações, shows e outras atividades militantes. À força de discutir entre nós, ganhou espaço a ideia 
de constituir um coletivo e, alguns anos depois, nasceu a AIM . Podemos acrescentar que os acontecimentos de 2016, o Direito do Trabalho, 
foram claramente um gatilho.

Após mais de dois anos de existência, como você avalia o AIM?

Muito positivo, muitas seções aderiram à rede e outras surgiram! Muitos shows e sistema de som'AIM apoiam tanto em squats quanto em 
universidades ocupadas, campanhas de apoio (greves, exilados, etc.). Vários coletivos também estão investidos em centros sociais, 
Besetzhaus, firmas ultra antifa, Brigadas Populares de Solidariedade etc.

Concertos e política, eles sempre funcionam juntos? Em Paris, durante anos, a CNT fez a ligação entre esses dois mundos, agora é um pouco 
menos o caso.

Sim, anda sempre de mãos dadas principalmente nos nossos movimentos, principalmente punk e skin, mas não só. Assim, a cena hardcore francesa 
passa - finalmente - a também colocar em prática suas letras com shows antifascistas ou apoio à greve. A CNT efetivamente fez esse vínculo, 
mas no final da década de 2000, houve muitos desentendimentos internos que culminaram em uma crise da qual o sindicato não se recuperou 
plenamente e teve, entre outras conseqüência uma certa ruptura entre a militância e a contra-cultura.

Isso precisava repolitizar um pouco a cena por causa da falta de ar? Foi antes uma renovação geracional ou o sintoma de um mal mais profundo?

Dans l'Hexagone, car ailleurs le constat n'est pas le même, loin s'en faut, il y a eu une rupture au tournant des années 2000. Les 
collectifs qui voyaient la scène comme une contre-culture s'arrêtaient (Rash, Scalp, etc.). Les raisons sont multiples : non-renouvellement 
générationnel, volonté pour les nouveaux et nouvelles de passer à autre chose, phénomène de mode, manque de « locomotive », etc. Il fallait, 
à notre sens, recentrer un peu sur le fait que, dans cette scène, nous ne sommes pas seulement spectateurs ou spectatrices, mais aussi 
acteurs et actrices.

E já que estamos falando de renovação geracional, 2016 foi um "toque de despertar", como dizem os anglo-saxões. Muitas crianças chegaram, 
mas não conseguiram encontrar um grupo de sua geração ou um coletivo que misturasse música e política. Havia, portanto, uma forte vontade de 
seguir nessa direção. Além disso, a idade média em nossas seções é bastante jovem, embora alguns idosos e alguns ainda existam.

Portanto, parecia-nos essencial reconectar nossa contra-cultura às várias lutas em curso (coletes amarelos, exilados, anti-representantes, 
greves). Não é a primeira vez que se criam coletivos para revitalizar a cena, e haverá outros.

No AIM existe "Alternativa". O que é cultura alternativa para você ?

Cultura alternativa significa para nós uma cultura que desenvolve suas próprias redes de comunicação, organização e informação. Uma cultura 
que se posiciona contra as recuperações burguesas das culturas populares. Uma cultura que oferece outras formas de festa além de espaços 
caros e exclusivos. Para nós, os eventos culturais não devem ser atos de consumo, mas sim eventos comuns onde cada um é ao mesmo tempo 
espectador e atriz e, através dos fundos de apoio, participa na emancipação de grupos sociais oprimidos.

Vocês são skins e punks, internacionalistas, antifascistas, mas também há um forte envolvimento anti-sexista com você. Você acha que houve 
um relaxamento nessas questões na cena punk-redskin?

Sim, um relaxamento nas questões do sexismo e até da homofobia, já vimos isso várias vezes em shows. Foi importante atuar nessa direção, o 
que já estávamos fazendo individualmente, mas agora podemos atuar coletivamente e espalhar a palavra entre nós.

Para o virilismo, ele já é fortemente administrado por outros, bem como por nós mesmos. A consciência do outro já se enraizou bastante na 
última década. Essas acusações sobre o meio ambiente são bastante infundadas nos dias de hoje e isso é bom. Pogos violentos não agradam a 
ninguém e não são mais exclusividade do movimento punk. Gostaríamos de ressaltar que se estamos na cena punk-redskin, também estamos na cena 
HXC, graffiti, estádio etc.

Quais são seus planos quando pudermos fazer shows novamente ?

Muitas coisas estão pendentes devido à situação, mas estamos mantendo-as sob controle para projetos futuros. Estamos montando várias coisas, 
as discussões estão em andamento, montando um coletivo interorgas no Paname. Também estamos tentando desenvolver redes de informação na 
internet (canal youtube, site).

E, finalmente, seus favoritos musicais pós-confinamento ?

Ordem de restrição, Torso, GLOSS, Power Street Attack, Haram, Syndrome 81, Traitre, Zone Infinie, Secteur Pavé, Fuerza Bruta, Non Servium, 
Opció K 95, Nada, Badwill, Litige, Get the Shot, Action Sedition, Jodie Faster, Tenha Heart, xBreak Outx, Omixlh, Waste, Flush, Krav Boca e 
também The Sambas e Rock'N'Bones ! Eh eh

Entrevista por David (UCL GPS)

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Alternative-International-Movement-etre-plus-ouverts-aux-diverses-contre


Mais informações acerca da lista A-infos-pt