(pt) France, Union Communiste Libertaire UCL AL #308 - Antipatriarcado, Gisèle Halimi (1927-2020): conquistando os direitos das mulheres (de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Segunda-Feira, 19 de Outubro de 2020 - 07:21:35 CEST


Gisèle Halimi faleceu em 28 de julho aos 93 anos. Seu nome sempre estará ligado a duas grandes lutas nas quais ela apostou sua profissão de 
advogada: a luta pelo direito ao aborto e a luta pela criminalização do estupro. ---- Em 1960, já engajada contra a arbitrariedade da 
justiça militar e colonial e a defesa de ativistas da independência argelina, Gisèle Halimi defende, em meio à guerra argelina, Djamila 
Boupacha, uma ativista da FLN estuprada e torturada na prisão por Soldados franceses. Halimi assinou o "Manifesto de 343" em 1971 , reunindo 
mulheres que declararam publicamente que haviam abortado e pediram acesso gratuito a anticoncepcionais e aborto gratuito. Ela é a única 
advogada assinando a plataforma. No mesmo ano, com Simone de Beauvoir Escolhendo a Causa da Mulher, deu início a um movimento de luta pela 
descriminalização do aborto.

Um de seus julgamentos mais divulgados, o julgamento de Bobigny em 1972, é um marco no avanço da luta pelo direito ao aborto. Ela defende 
Marie-Claire, uma garota de 17 anos que fez um aborto ilegal após estupro, em um tribunal formado inteiramente por homens. Seus galpões 
fundamento luz sobre justiça de classe que afecta sobretudo as mulheres da classe trabalhadora fundos: "E se falo hoje, senhores, só do 
aborto e da condição imposta à mulher por uma lei repressiva, uma lei de outra época, é menos porque o processo aí obriga do que porque que 
esta lei é a pedra de toque da opressão que atinge as mulheres. É sempre a mesma classe, a das mulheres pobres, econômica e socialmente 
vulneráveis, essa classe de pobres e não aparentados que é afetada."

Marie-Claire é absolvida, enquanto sua mãe e o aborteiro são condenados a sentenças simbólicas. O julgamento, bem como as numerosas 
mobilizações feministas, destacam a iniquidade e a inutilidade da proibição do aborto e levaram à sua legalização em 1975 com a Lei do Véu.

Advogado pela criminalização de estupro
Halimi também está envolvida na criminalização do estupro, em particular durante o julgamento de Aix-en-Provence em 1978, na defesa de Anne 
T tab e Aracelli Castellono, duas jovens estupradas por três homens. Seu impacto contribui para a adoção em 1980 de uma verdadeira definição 
de estupro, que passa de contravenção a crime e é punida com 15 anos de prisão criminal.

Envolveu-se na política na primeira metade da década de 1980 ao lado do PS, quando os primeiros anos da presidência de Mitterrand ainda 
podiam criar uma ilusão, para cumprir seus compromissos feministas. Não demora muito para se afastar dela percebendo que suas esperanças não 
se concretizam, recusando os compromissos e as injunções sexistas à disciplina do partido. Apesar de tudo, ela terá avançado na 
descriminalização das relações homossexuais para menores e no fim da distinção discriminatória em matéria de maioridade sexual para 
homossexuais.

No momento em que Darmanins e Dupond-Moretti acabam de ser nomeados para o governo, suas batalhas permanecem mais do que nunca para serem 
lembradas.

Lucie (UCL Amiens), Marek (UCL Bordeaux)

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Gisele-Halimi-1927-2020-a-la-conquete-du-droit-des-femmes


Mais informações acerca da lista A-infos-pt