(pt) [Espanha] A greve da Educação em Huesca By A.N.A.

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 1 de Outubro de 2020 - 12:05:36 CEST


Manifesto lido esta manhã (18/09) no comício convocado por nosso sindicato, CGT. ---- O ano letivo acaba de começar e ainda assim já temos 
provas suficientes para qualificar a situação como alarmante. Desde o início da pandemia, o sindicato CGT, como segundo sindicato de 
representação de professores, vem denunciando (também nos tribunais) uma política errática, levada a cabo de qualquer maneira, que nunca 
levou em conta os diferentes agentes da comunidade educativa, principalmente as próprias escolas, que viram a organização da resposta a esta 
pandemia cair sobre seus ombros, um momento histórico sem precedentes recentes.
Era hora de fazer o resto, que o Governo de Aragão e, especificamente, o Departamento de Educação reconhecessem o valor da educação em nossa 
sociedade, investindo no setor público o quanto fosse necessário. Acabamos de sair de três meses de confinamento e estamos enfrentando pelo 
menos um curso totalmente anômalo, cheio de incertezas.

Especificamente, exigimos 5 pontos a serem corrigidos que são extremamente sérios, os mínimos para garantir a segurança de toda a comunidade 
educacional.

O fornecimento de Equipamentos de Proteção Individual (máscaras FFP2). Os professores foram incorporados em setembro sem nenhum meio de 
proteção. A ineficiência do Departamento tem que ser compensada pelo esforço econômico dos centros, pela generosidade das prefeituras e 
pelas contribuições dos próprios trabalhadores. Até hoje, o material fornecido não é suficiente, sua qualidade é desigual de acordo com as 
escolas e em outras nem sequer chegou.

A presença de pessoal de saúde nas escolas para garantir atenção imediata e para realizar o trabalho de detecção de forma eficaz. Os 
professores não receberam treinamento médico, a figura do coordenador da COVID do centro de saúde é insuficiente.

Com relação aos trabalhadores particularmente sensíveis, ou seja, trabalhadores com patologias anteriores ou condições de saúde específicas, 
tais como professores com doenças cardiovasculares, doenças pulmonares crônicas, diabetes, insuficiência renal crônica, imunossupressão, 
câncer na fase de tratamento ativo, doenças hepáticas crônicas graves e obesidade mórbida, sua proteção deve ser garantida e uma avaliação 
de risco deve ser realizada. A legislação está sendo violada, o Departamento de Educação está forçando estes Trabalhadores Particularmente 
Vulneráveis a entrar no local de trabalho até que a avaliação de risco seja realizada".

Maior contratação de professores e turmas menores. O Ministério propôs proporções de 15 alunos por sala de aula, mas o Departamento de 
Educação os excede em muito, não cumprindo com seus próprios acordos. Contratou apenas 350 novos professores, um aumento irrisório 
considerando um quadro de pessoal de 15.000. Recebemos constantemente reclamações sobre saturação e falta de espaço, falta de cumprimento 
das proporções mínimas, nem mesmo os quartéis aprovados para a divisão foram construídos na sua totalidade.

E o mais importante, o cumprimento da Lei de Prevenção de Riscos Profissionais de 1995, que o Departamento de Educação nunca cumpriu e que 
em um momento crítico está sendo mais uma vez violado com total impunidade. Esta lei torna obrigatório avaliar os riscos de cada um dos 
trabalhos, assim como fornecer os equipamentos de proteção necessários, e cuidar especialmente da segurança dos trabalhadores que são 
especialmente sensíveis.

Mas há mais, no meio rural nós engolimos a imposição de regras que fazem uma varredura limpa, assim como o ensino semipresencial que 
significa um agravamento da qualidade da educação e pagará nossos alunos. Eles não levam em conta as peculiaridades dos Centros Agrupados 
Rurais com professores itinerantes nem os problemas de conexão à Internet que tornam o uso de meios telemáticos muito complicado em alguns 
vilarejos.

Eles não nos deixam espaço para negociação, passando por cima das cabeças do segundo sindicato que representa os professores, então somos 
forçados a convocar uma greve por responsabilidade.

Não estamos pedindo mais salário, nem para trabalhar menos, estamos pedindo garantias de segurança para toda a comunidade. É um apelo à 
administração para aplicar medidas eficientes e reais no campo da educação. Para que possa traduzir em realidade seu reiterado compromisso 
com a educação, e para que este compromisso não seja apenas uma promessa no papel para períodos eleitorais. Esta é uma greve para que a 
administração cumpra a lei. A Lei que nos diz respeito a todos, incluindo a Administração.

Hoje, 18 de setembro de 2020, os professores aragoneses são chamados à greve. Um dia em que, mais uma vez, a CGT escolheu o caminho da 
dignidade.

Diante da incompetência, das inconsequências e das mentiras, a CGT escolheu lutar pelos direitos e pela saúde de toda a comunidade 
educativa. A CGT escolheu oferecer a todos os professores aragoneses (como está acontecendo em outros territórios do Estado) a possibilidade 
de exercer seu direito constitucional de rejeitar, de forma clara e contundente, a inépcia da administração educacional aragonesa e, 
especialmente, de Felipe Faci.

Eles não nos facilitaram a vida. A manipulação da mídia e a tentativa de silenciar os professores foi seguida ontem pela publicação de 
alguns serviços mínimos excessivos cujo objetivo é, basicamente, impossibilitar o exercício de um direito que, insistimos, é básico na 
Constituição que eles afirmam defender tanto. O DA GREVE

Fonte: http://rojoynegro.info/articulo/acci%C3%B3n-sindical/la-huelga-ense%C3%B1anza-huesca

Tradução > Liberto

Conteúdo relacionado:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/09/14/espanha-a-cgt-andaluzia-formaliza-a-convocacao-de-greve-geral-em-todo-o-campo-educacional-nao-universitario-para-18-de-setembro/

agência de notícias anarquistas-ana


Mais informações acerca da lista A-infos-pt