(pt) France, Union Communiste Libertaire UCL AL #308 - Antifascismo, De volta às aulas: quem são os fafs que atacam as universidades ? (de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 1 de Outubro de 2020 - 12:03:45 CEST


Agressões, desbloqueio de universidades e colégios, saques a dependências sindicais e cadastramento de ativistas ... O movimento social 
estudantil se vê confrontado com a extrema direita de forma recorrente e violenta. Como lidar com isso? ---- Para enfrentar a extrema 
direita, vale a pena dar uma olhada nas organizações que o movimento estudantil tem enfrentado nos últimos anos. Além dos pequenos grupos 
específicos de certas cidades, que podem existir aqui e ali, podemos notar principalmente três deles. ---- La Cocarde: um "sindicato 
"estudantil que afirma ser soberanista e gaullista, é uma organização na qual se reúnem muitos nacionalistas, nomeadamente do Rally Nacional 
(RN), Debout la France (DLF) e dos republicanos. Em conexão com a Ação Francesa e outros pequenos grupos mais radicais, não hesita em usar a 
violência para desbloquear as universidades em luta e atacar os estudantes que se opõem às suas reivindicações reacionárias.

Provavelmente é ela quem mais preocupa nos últimos anos nas universidades, principalmente em Nanterre (92), onde tem tentado se estabelecer 
o ano todo. Resultando em tensões e agressões, por conta própria ou graças a seus aliados como os Zouaves Paris.

Podemos notar também que apesar de sua participação na violência de extrema direita e de suas ideias reacionárias e elitistas, La Cocarde 
tenta manter uma imagem de organização respeitável, vítima da violência "esquerdista" e guardiã do direito ao estudo. Levando a única 
aparente procissão política da manifestação dos Marchons Enfants, ela não hesita em filmar grandes clipes de propaganda e colocar um 
discurso de Martin Luther King ao fundo para se recompor.

Action française (AF): a organização monarquista e nacionalista, que já não se apresenta, continua a marcar presença nas universidades. Seus 
membros participam de ataques a universidades bloqueadas ou ocupadas e vários ataques a estudantes mobilizados, ou para desbloquear escolas 
de ensino médio.

Sindicato nacional interuniversitário, ao qual se associa o Movimento Estudantil (Uni-Met) : em decadência, sendo substituída pela Cockade, 
que congrega mais amplamente e é mais radical, as duas organizações podem às vezes apresentar rivalidades, d 'especialmente porque o Cocarde 
foi criado com ex-membros da Uni. Esta organização parece menos habituada à violência do que as anteriores, ou pelo menos é mais discreta, 
mas continua a ser uma força reaccionária capaz de fazer mal onde conseguiu se manter.

Uma coisa é certa: se a presença de grupos oscila de acordo com os períodos e lugares onde estão localizados, seu poder de causar danos aos 
movimentos sociais e aos militantes progressistas e revolucionários é real. Diante dessa ameaça, como podemos construir contra-poderes 
antifascistas, em particular sindicatos, em nossos locais de estudo? ? Como ativistas nesses locais de estudo, parece-nos antes de tudo que 
devemos almejar uma resposta unitária, envolvendo sindicatos de estudantes, sindicatos de funcionários, educação, organizações políticas, 
coletivos e associações. Buscar fazer alianças com outros coletivos, sindicatos ou sindicatos locais próximos aos locais de estudo sempre 
pode ser benéfico. Como sindicalistas, a filiação do seu sindicato às Iniciativas Sindicais de Vigilância e Antifascista (Visa) permite que 
você faça um trabalho substantivo com alunos e funcionários em seu local de estudo. Uma organização sindical também pode desempenhar um 
papel na criação de um Visto local, na ausência de um na cidade[1].

Se possível, a criação de coletivos antifascistas específicos, buscando impulsionar o desenvolvimento e a animação dessa resposta unitária, 
pode revelar-se muito útil ou mesmo necessária, possivelmente tornando possível estender iniciativas antifascistas para fora do simples 
domínio dos sindicatos e organizações políticas. Para treinar essas estruturas, recursos úteis podem ser solicitados: sindicatos e 
organizações, mas também plataformas de informação como o site La Horde ou outros grupos já existentes[2].

Construa, desenvolva a resposta anti-fascista
Logo que existam estes tipos de estruturas, devemos fazer o nosso melhor para garantir a sua visibilidade nos nossos locais de estudo. Em 
primeiro lugar, para garantir um trabalho de informação e esclarecimento, a extrema direita se cobre regularmente com um verniz respeitável; 
e, segundo, ser capaz de se opor diretamente às tentativas das organizações fascistas e reacionárias.

É sobretudo graças a este trabalho que uma resposta antifascista conseguiu constituir-se face às tentativas de intimidação da Cockade na 
faculdade de Nanterre, uma resposta dos alunos mobilizados e dos seus aliados (professores, funcionários da universidade, sindicalistas de 
92, etc.), determinados a impedir seu avanço e convencer o restante do corpo discente a se opor às suas idéias, realizando um trabalho 
aprofundado ao longo do ano. Este trabalho permitiu, durante as eleições, constituir uma verdadeira frente antifascista capaz de enfrentar 
diretamente os militantes da Cockade.

Não devemos perder de vista o fato de que o antifascismo é mais eficaz quando tem um objetivo de massa e popular: ele não deve se limitar ao 
trabalho de uma ou algumas organizações, mas deve fazer parte e se desenvolver através de lutas.

O COCARDE
A extrema direita, aliada da burguesia
Como ativistas políticos, devemos também afirmar nosso projeto de sociedade, que não é compatível com um antifascismo institucional que 
outros ativistas poderiam defender. Não devemos de forma alguma levar as pessoas a acreditarem que a extrema direita é uma solução 
anti-sistema, pelo contrário. A afirmação do nosso projeto permite também recuar as ideias que constituem o viveiro da extrema direita: 
opressões, meritocracia, xenofobia ...

Não esqueçamos que assim que avança o movimento social, a extrema direita revela sua natureza de aliada da burguesia, não hesitando em 
quebrar greves e espalhar seu veneno nos movimentos que pode tocar, como ela. infelizmente foi capaz de mostrar isso no passado.

Nathan (UCL Montreuil), Martin (UCL Lyon), Malo (UCL Rennes)

Validar

[1] O site Visa e o site Solidairesudiant.es para um mapeamento dos estudantes de extrema direita.

[2] "Mapa da França de coletivos antifascistas" no site Lahorde.samizdat.net .

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Rentree-qui-sont-les-fafs-a-l-assaut-des-facs


Mais informações acerca da lista A-infos-pt