(pt) [Espanha] Carlos Taibo: "Não sei o que me preocupa mais, o alarme ou o Estado" (ca) By A.N.A.

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 24 de Novembro de 2020 - 08:49:00 CET


Betanzos (Galiza) | Ilustração: La Rara | Extraído do CNT nº 424. Dossiê Ecologia 
Social ---- Carlos Taibo, escritor, cientista político e autor de inúmeras obras 
teóricas, é um colaborador regular da CNT, e hoje ele deixa de lado sua coluna na 
última página, para que possamos fazer uma pequena entrevista com ele. ---- É 
quase obrigatório começar perguntando-lhe como superou estes meses de 
confinamento em Madrid. Você já usou este tempo para qualquer livro que sairá em 
um futuro próximo? ---- Eu passei em Madrid, de fato, o confinamento. E dediquei 
uma boa parte do tempo à leitura e à escrita. Não tive escolha a não ser avançar 
no trabalho que estava planejado para ser feito na segunda parte do ano. O 
principal é um pequeno livreto que visa aplicar a perspectiva do decrescimento e 
a teoria do colapso aos problemas da Ibéria vazia (a propósito, eu também incluo 
Portugal). Suponho que verá a luz do dia no final do ano. Em algum momento, eu 
tenho apontado que para mim o confinamento tem sido aquilo que eles chamam de 
ajuda à criação, dispensada por nosso magnânimo governo.

Desta vez foi uma Pandemia, como qualquer outro desastre humano ou natural 
poderia ter sido. O que você acha das decisões tomadas pelas Organizações 
Internacionais e pelos governos em vista da expansão da COVID-19?

Devo confessar, antes de mais nada, que não tenho ideias muito claras sobre os 
diferentes modelos de tratamento da pandemia que tomaram forma em alguns lugares. 
Estou pensando nos chineses e sul-coreanos, nos suecos, nos portugueses e gregos, 
e nos governos espanhol, francês, britânico e americano, para citar apenas 
alguns. Em todos os lugares, acredito que as consequências dramáticas das 
reduções orçamentárias aplicadas à saúde e, em geral, aos gastos sociais, foram 
reveladas. Em alguns lugares, e este é um fenômeno que acredito ser de interesse, 
também se tornou claro que as sociedades comunitárias tradicionais desfrutam 
espontaneamente de interessantes mecanismos de defesa. Também contra a pandemia. 
Basta lembrar que o cenário de muitas mortes nas últimas semanas - os lares de 
idosos - é desconhecido, ou quase desconhecido, em muitas dessas sociedades, onde 
os idosos vivem e morrem em casa. Muitas vezes, de fato, com fardos que recaem 
principalmente sobre as mulheres.

Além do acima exposto, deve-se prestar atenção à pandemia repressiva. Seria 
absurdo para mim atribuir ao Presidente Sanchez o projeto, através do estado de 
alarme, de lançar as bases de um projeto ecofascista. Mas aqueles que estão acima 
de Sanchez, aqueles que puxam os cordelinhos na sala dos fundos, certamente 
tomaram nota da reação disciplinada de tantas pessoas imersas em um exercício 
genuíno de servidão voluntária. Há os policiais da varanda para testemunhar isso. 
Já o disse várias vezes recentemente: não sei o que me preocupa mais, o alarme ou 
o Estado.

Em uma tirinha publicada, um tsunami atingiu uma praia na forma de três ondas, 
cada uma delas maior que a outra. O primeiro foi o Covid-19, o segundo a recessão 
econômica, e o terceiro, enorme, a mudança climática. Estamos enfrentando os 
prolegômenos do Colapso?

É difícil para mim responder a esta pergunta, especialmente porque não excluo que 
os poderosos consigam restaurar a maioria das regras do cenário pré-pandêmico, 
com elementos de repressão econômica e social que são cada vez mais severos. 
Quando, em 2016, escrevi um livro intitulado Colapso, a tese principal que 
defendi foi que este último seria, antes de tudo, o produto da combinação de dois 
fatores principais: a mudança climática e o esgotamento de todas as 
matérias-primas energéticas que usamos hoje. Eu acrescentei, é verdade, que a 
influência de outros fatores não deve ser subestimada, o que, aparentemente 
secundário, poderia oficializar, no entanto, como multiplicadores das tensões. A 
este respeito, mencionei várias crises - demográficas, sociais, assistenciais e 
financeiras - e falei da proliferação de várias formas de violência, referi-me à 
idolatria que seguem merecendo o crescimento econômico e a tecnologia e, 
finalmente, coloquei sobre a mesa o peso das epidemias e pandemias.

Minha impressão, que deve ser provisória, é que estes fatores secundários 
adquiriram um peso incomum, na medida em que a pandemia sanitária foi acompanhada 
por outras ligadas ao cenário social, aos cuidados e à deriva do sistema 
financeiro, de tal forma que uma bola de dimensões cada vez maiores foi formada. 
Não me parece excessivo dizer que esta bola nos coloca, por muitas razões, à 
beira do colapso. Além disso, assistimos provisoriamente a um declínio nos dois 
principais fatores, juntamente com reduções na poluição, um declínio no consumo 
de combustíveis fósseis e uma abrupta desaceleração no processo de turismo.

A tirinha que você menciona, em resumo, nos obriga a repensar com crueza quais 
deveriam ser nossas prioridades. Recentemente, lembrei várias vezes que, de 
acordo com um artigo publicado na revista Forbes, como resultado da queda da 
poluição na China, 77 000 pessoas vão salvar suas vidas, um número vinte vezes 
superior ao número de mortes oficialmente identificadas naquele país como 
resultado do coronavírus. Acho que isto dá o que pensar.

Assistimos ao surgimento de velhos problemas "nacionais" como nunca antes: 
territorialidade, autoritarismo, diferenças sociais, o desmantelamento do setor 
público e da saúde em particular. Será que nós libertários temos que dar uma 
resposta, tanto teórica quanto prática, aqui e agora, sem mais delongas?

Os três principais fundamentos dessa resposta são os mesmos de sempre: a 
implantação de redes de apoio mútuo - que, por sinal, se espalharam, felizmente 
espontaneamente, de forma muito notável -, a prática constante da ação direta e, 
finalmente, a autogestão. Nunca é demais ressaltar que não é suficiente defender 
"o público", que por si só, e por si só, pode infelizmente ser uma ferramenta 
perversa a serviço dos poderosos. O público autogerido e socializado deve ser 
defendido. E devemos trabalhar, é claro, com o povo comum.

Fonte: 
https://www.cnt.es/noticias/carlos-taibo-no-se-que-me-inquieta-mas-si-la-alarma-o-el-estado/

Tradução > Liberto

Conteúdos relacionados:

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/05/07/espanha-coronavirus-e-sociedades-tradicionais/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/05/04/espanha-coronavirus-e-decrescimento/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2020/04/22/espanha-paradoxos-do-momento-buscar-outra-saida/

agência de notícias anarquistas-ana


Mais informações acerca da lista A-infos-pt