(pt) France, Union Communiste Libertaire AL #310 - Holofote, Covid-19: pseudo-saúde ditada pela economia (de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sexta-Feira, 20 de Novembro de 2020 - 09:37:25 CET


A gestão da crise sanitária tem suscitado medidas mutáveis, parciais, 
contraditórias, por vezes fantasiosas e nem sempre amparadas por evidências 
científicas. Se existe uma constante, na época da segunda onda da Covid-19, é que 
a gestão é antes de tudo econômica e não saudável. ---- A segunda onda da 
pandemia SARS-CoV-2 está aqui. Já custou a vida de muitos trabalhadores. Enquanto 
isso, o governo, depois de promulgar ordens da prefeitura para o fechamento de 
bares e restaurantes, impôs toque de recolher nas principais cidades mais 
afetadas. Estas medidas centram-se no tempo livre, enquanto os clusters são 
principalmente em empresas, locais de estudo e, claro, locais de tratamento. Onde 
estão as medidas para quem trabalha, estuda, cuida ou procura tratamento? Saúde e 
economia, quem conduz a jangada?

Desde setembro, assistimos ao ato guignolês de equilíbrio dos Ministros da Saúde 
e da Economia a cada anúncio de restrição à liberdade para, supostamente, conter 
a epidemia. A realidade é que o Ministério da Economia colocou o Ministério da 
Saúde sob fiscalização, condicionando as proibições à preservação da economia a 
todo custo.

Prova da inefetividade dessas medidas, as fábricas vão fechando uma atrás da 
outra, os planos sociais se sucedem, em particular na aeronáutica. Eles não 
impedem a circulação do vírus, pois as áreas onde as atividades de lazer são 
restritas continuam a ter transporte público lotado, onde os gestos de barreira 
são difíceis ou mesmo impossíveis de aplicar. Além de parecer consenso entre as 
doenças infecciosas e epidemiologistas dizer que essas medidas são ineficazes e 
não vão substituir as campanhas massivas de testagem, elas absolutamente não 
respondem à urgência absoluta de restauração do sistema de saúde, quem já está 
soando o alarme !

Faça aqueles que se empanturram nos pagar e nos organizar
Do lado da burguesia e dos dirigentes das empresas e do Estado, nada a temer! 
Todas as deduções de impostos e contribuições sociais permitiam-lhes preservar o 
seu lucro sacrossanto. A crise tem sido paga pelos mais precários, por falta de 
trabalho ou de atendimento. Mesmo nas medidas econômicas que beneficiam os 
patrões, elas são retiradas diretamente do orçamento do Estado e, portanto, dos 
nossos impostos. Qual foi a contribuição do grande capital nesta provação 
planetária? Nada se pode esperar de um Estado que só sabe oprimir, fiscalizar e 
punir. As únicas medidas válidas são aquelas que aliviam o sistema de saúde, 
deixam a possibilidade para todas as pessoas que trabalham, estudam e lutam para 
atender às suas necessidades e para se protegerem coletivamente desta doença.

É por isso que é urgente implementar uma redução drástica da jornada de trabalho 
para evitar congestionamentos nos transportes, para abrir mais saídas para 
milhões de desempregados, para aumentar o número de aulas e para contratar 
massivamente nos setores. escolas e universidades, e lançar um investimento 
maciço no hospital e uma mudança na governança para que as pessoas que trabalham 
lá decidam como funciona. São medidas que poderiam nos defender contra esta 
pandemia e construir, coletivamente, uma sociedade mais justa e igualitária.

Aiphix (UCL Toulouse e arredores)

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Covid-19-du-pseudo-sanitaire-dicte-par-l-economie


Mais informações acerca da lista A-infos-pt