(pt) France, Union Communiste Libertaire UCL AL #309 - Cultura, Leia: Jean-Patrick Manchette, "The N'Gustro Affair" (de, en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quarta-Feira, 4 de Novembro de 2020 - 08:37:21 CET


O autor mítico Jean-Patrick Manchette (1942-1995) é considerado um dos iniciadores, nos anos 1970, do "neopolar " francês. ---- No contexto 
do pós-maio de 68 e do neocolonialismo florescente, tratava-se de injetar uma boa dose de vermelho no romance noir, subvertendo esse gênero 
popular com a crítica política e social, tirando os cadáveres dos armários. da história da França. Vários autores fizeram seu nome neste 
exercício - Jean Vautrin, Frédéric H. Fajardie, Thierry Jonquet, Didier Daeninckx ... Entre eles, Jean-Patrick Manchette foi um dos 
melhores, com títulos contundentes como Nada (1972, sobre um grupo anarquista cuja tentativa de ação terrorista se transforma em drama), Le 
Petit Bleu de la côte ouest (1976) ou A posição do atirador reclinado(Mil novecentos e oitenta e um). Vários foram adaptados para quadrinhos 
(especialmente por Tardi) ou trazidos para as telas (por Chabrol, Boisset, Deray ...).

Em julho, Gallimard republicou um de seus primeiros romances na Série Negra, L'Affaire N'Gustro , publicado em 1971. A manchete foi 
inspirada no caso Ben Barka, esse oponente de esquerda do Rei de Marrocos que, em 1965, foi sequestrado em Paris, torturado e assassinado 
muito provavelmente pelo general Mohamed Oufkir, com o consentimento dos serviços de inteligência franceses.

Um dos protagonistas do sequestro era um personagem sombrio, Georges Figon, cuja vaidade foi manipulada para atrair Ben Barka para uma 
armadilha, e que foi encontrado dois meses depois " morto por três balas fatais na cabeça " como Le Canard enchaîné intitulou .

The N'Gustro Affair retoma o enredo deste episódio sombrio, construindo sua narrativa em torno do personagem Henri Butron, alter-ego do 
triste Georges Figon. E é magistral.

Como narrador principal: o próprio Butron que, embora saiba que os assassinos virão e o eliminarão, grava seu depoimento em fita magnética 
para a posteridade. Ele aparece lá em toda a sua abjeção. Filho de papai preguiçoso, machão, meio bandido, meio facho, mas sem verdadeira 
convicção, mesquinho oportunista, meio mitômano, megalomaníaco ao extremo. Ele fala presunçosamente, exibindo suas façanhas pobres em um 
jogo ao qual ele não ouve nada como revelado, em contraponto, o testemunho de outros protagonistas, ou o comentário hilariante do mestre 
assassino, Marechal Oufiri, que vai saborear a gravação do charuto no bico, bebericando conhaque. Este solilóquio de Henri Butron, que 
seguimos com uma mistura de fascínio e repulsa, enquadra a escrita de Manchette, enquanto saliente e aspereza. Resumindo, é um prazer.

Um deleite infelizmente estragado por algumas dicas amargas. É difícil para o leitor de 2020 não se envergonhar das personagens femininas, 
que são bastante brandas. Também é impossível não torcer o nariz diante das projeções negrofóbicas que escorregam aqui e ali, e que não são 
atribuíveis a Butron, mas ao próprio autor. Sem dúvida ele pensava assim, meio século atrás, para apimentar seu estilo. Ele não precisava 
desse truque ruim.

Guillaume Davranche (UCL Montreuil)

Jean-Patrick Manchette, L'Affaire N'Gustro , Gallimard / Série noire, 2020, 224 páginas, 14 euros.

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Lire-Jean-Patrick-Manchette-L-Affaire-N-Gustro


Mais informações acerca da lista A-infos-pt