(pt) France, Union Communiste Libertaire AL #305 - Antipatriarcado, Contenção: Meu corpo, minha escolha, exceto no período corona ? (en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 28 de Maio de 2020 - 08:39:06 CEST


A atual crise da saúde amplia as consequências da sociedade patriarcal. À medida que a violência doméstica aumenta, a polícia assedia os que 
saem para comprar testes de gravidez e proteções higiênicas, enquanto o acesso ao aborto é complicado e a OMS anuncia falta de 
preservativos. ---- A violência contra as mulheres, desde o início do parto, aumentou mais de 30% e continua aumentando. Não se pode dizer o 
suficiente que a maioria da violência (física, sexual e psicológica) sofrida pelas mulheres ocorre em casa. Em um contexto de total 
isolamento, as mulheres se vêem trancadas com seus agressores, sem possibilidade de fuga. O mesmo se aplica a muitos jovens LGBTI forçados a 
voltar para famílias para as quais a não aceitação corre o risco de violência.

A violência patriarcal também inclui a da polícia. Testemunhe as mulheres, muitas vezes raciais e trabalhadoras, vítimas de violência e 
ameaças policiais por simples compras. Várias mulheres contam a história[1]de ameaças de multas e intimidação porque foram comprar proteções 
higiênicas ou testes de gravidez. Um deles testemunhou que sua companheira havia sido multada "porque se Madame realmente precisa[de 
absorventes], ela só precisa sair e buscá-los". Podemos ficar alarmados com a segurança dos homens trans que saem para comprar proteção 
periódica. Para esta força policial que respeita a ordem patriarcal, não se trata de compra de primeira necessidade [2]e cabe às mulheres 
assumir essas questões.

Além disso, a ONU teme uma escassez global de preservativos, ligada à produção de borracha na Malásia atualmente bloqueada pela contenção. 
Se a França não for afetada devido, pela primeira vez, a estoques suficientes, deve-se temer um aumento de preços e um aumento de doenças 
sexualmente transmissíveis e gestações indesejadas.

De volta a casa, mulheres em perigo
A mobilização de hospitais para tratar as vítimas de Covid-19 dificulta o acesso ao aborto (já complicado pelo desaparecimento das 
estruturas locais). No hospital, as vagas reservadas para abortos foram eliminadas e as instalações fora do hospital fecham por falta de 
cuidadores ou equipamento de proteção. No entanto, um aborto continua sendo urgente, pois só pode ser feito durante 12 semanas de gravidez 
(e 14 semanas de amenorréia). No entanto, podemos acolher com satisfação a decisão da High Health Authority de 9 de abril, instada pelos 
defensores do aborto, de estender para 9 semanas, contra 7 atualmente, o acesso ao aborto medicinal em casa. Para os menores, permanece um 
período de reflexão de 48 horas, duas reuniões obrigatórias e apoio de um adulto.

Em um período propício à expansão do patriarcado, devemos permanecer vigilantes contra a violência machista que ocorre no aprisionamento 
familiar. Mesmo confinados, podemos continuar a informar sobre os sistemas implementados para ajudar as vítimas de violência de gênero e 
estabelecer solidariedade na vizinhança. A pandemia não pode ser uma desculpa para uma retirada das realizações das mulheres; é necessário 
manter constante pressão feminista para reivindicar nossos direitos.

Sarah (UCL Bordéus)

Validar

[1] O site da Verbalized (porque) inventa os depoimentos sobre as multas abusivas relacionadas às saídas durante o confinamento.

[2] Desde 2015, a alteração do IVA para proteções higiênicas de 20% para 5,5% fez com que entrassem na lista de produtos essenciais.

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Confinement-Mon-corps-mon-choix-sauf-en-periode-de-corona


Mais informações acerca da lista A-infos-pt