(pt) France, Union Communiste Libertaire AL #305 - Holofote, Habitação precária: para uma moratória de aluguéis não pagos (en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Domingo, 24 de Maio de 2020 - 06:31:29 CEST


Nesse período de confinamento, muitos são os que ficam sem ajuda em face da emergência do estado de saúde. Os inquilinos precários, sem 
moradia, sem documentação, sem documentação, ficam sem recursos e sem recursos. ---- Assim como o desmantelamento do hospital público, as 
políticas habitacionais têm as mesmas conseqüências desastrosas neste período de emergência sanitária. O confinamento imposto à população 
rapidamente se transforma em inferno para os quatro milhões de pobres e os 143.000 desabrigados  [1]na França continental, para os quais 
nada foi planejado a montante. ---- Em cada grande metrópole, centenas de pessoas, entre as mais vulneráveis, foram abandonadas na rua ou em 
abrigos improvisados e outras favelas sem água corrente, exilados, jovens estrangeiros e menores estrangeiros que não são reconhecidos como 
tal, privado de ajuda alimentar distribuída pelas associações, e foi apenas uma semana após o início do confinamento que o Estado começou a 
mexer em algumas soluções de acomodação em estruturas coletivas, como ginásios, inadequadas para lute contra a epidemia, os centros de 
desertificação (sic) ou hotéis de gama baixa, onde a promiscuidade é a regra.

No entanto, já em março, as associações  [2]apreenderam com urgência o Conselho de Estado para solicitar a requisição de acomodações para 
aluguel mobiliado para turistas (airBnB) e quartos de hotel vagos, para abrigar os sem-teto, exilados e as 218.000 famílias superlotadas, 
bem como acesso a equipamentos médicos essenciais para a proteção dessas pessoas e da equipe de enfermagem. Pedido indeferido, como o 
iniciado por outras cinco associações  [3]que pediram o fechamento dos Centros de Detenção Administrativos, apesar dos pedidos de ajuda 
feitos pelos migrantes sem documentos que permanecem trancados lá enquanto não há mais nenhum voo para o exterior. A requisição pelo Estado 
de um número muito grande de habitações vazias continua sendo a única solução justa e digna.

Um em cada dez inquilinos em dívida
Contudo, o maior número de pessoas que sofrerão, a longo prazo, com esse confinamento são certamente os inquilinos, que representam 39,9% da 
população (42,6% no parque público e 57,4% no privado) e que sofrem queda de renda (desemprego parcial ou total ausência de renda) e aumento 
de gastos (ausência de cantinas, aumento do consumo de líquidos). Um em cada dez inquilinos tinha dívidas de aluguel antes do estado de 
emergência. Quantos serão ameaçados de despejo em alguns meses ?

Enquanto na Alemanha, Canadá, Grã-Bretanha, Espanha, Portugal e até Suíça, várias medidas foram tomadas para ajudar os inquilinos, o governo 
francês está considerando nada mais do que o aluguel de auxílio ... empresas  !

Droit au Logement (Dal) e muitos apoiadores decidiram desafiar esse governo e arrendadores públicos e privados em favor de uma moratória de 
aluguel para inquilinos em dificuldade. Pois uma moratória durante a epidemia  [4]cria um movimento de solidariedade entre inquilinos e seus 
apoiadores, exortando aqueles que podem (sem se colocar em dificuldade) a suspender o aluguel até obter uma moratória. O "   depois   " deve 
ser construído hoje !

Clo (Centro UCL 93)

Validar

[1] Fonte FAP 2020.

[2] Federação DAL, Kâlî, LDH, funcionários eleitos contra a violência contra as mulheres, direitos emergenciais, Gisti, Utopia 56, ação 
cristã contra a tortura.

[3] ADDE, Cimade, SAF, GISTI e CNB.

[4] Chamada disponível no site Loyersuspendu.org

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Mal-logement-Pour-un-moratoire-sur-les-loyers-impayes


Mais informações acerca da lista A-infos-pt