(pt) France, Union Communiste Libertaire UCL - Tradução UCL: Viva os trabalhadores que fazem o mundo viver ! (en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Quinta-Feira, 7 de Maio de 2020 - 07:42:53 CEST


Aqui nós compartilhamos a análise dos 1 stMaio nossos camaradas FOB Autónoma, que benefícios a partir desta data para recordar mais uma vez 
o papel das mulheres e tou-te-s os oprimidos são a linha de frente nesta crise. Reiteramos nosso total apoio a eles, viva aqueles que lutam 
! ---- O 1 stde maio é uma data que comemora o Anti-Capitalista, anti-patriarcais, anti-colonial e anti-racista. Nossos ancestrais lutaram 
como nós para viver em um mundo mais justo, para que os que estavam abaixo parassem de viver na miséria e na violência estrutural. ---- O 
que isso faz viver a 1 stmaio em isolamento ? ---- Estamos em estado de emergência devido à pandemia de Covid-19 e à epidemia de dengue. 
Vivemos em isolamento físico, sem acesso a alimentos, saúde e superlotação. Essa situação está piorando nas aldeias e bairros, onde o acesso 
aos recursos básicos é cada vez mais limitado, em uma situação de vulnerabilidade.

Nesse contexto, a necessidade de alimentos nos bairros é fundamental. Em muitos casos, o número de pessoas que frequentam cantinas populares 
em busca de comida dobrou pelo menos. Esses espaços são apoiados por mulheres, que trabalham em uma situação muito precária e não conseguem 
acessar os elementos mínimos de higiene necessários para essas tarefas, como máscaras, luvas, álcool e desinfetante. Aqueles que realizam 
trabalhos essenciais também são precários, expostos a condições insalubres e a maioria deles são "trabalhos feminizados " Porque eles estão 
ligados a papéis de cuidar que geralmente são vistos como femininos. Nós, os membros das cooperativas, somos os apoiadores de nossas 
famílias. Dependemos de outros empregos e trocas para nos apoiar. O governo tomou uma medida "paliativa" para superar a situação de miséria, 
mas o IFE * ainda não chegou. Muito poucas comunidades migrantes conseguiram acessar o subsídio de emergência. Além disso, o governo 
aumentou o orçamento das forças repressivas e, nos últimos dias, reforçou a presença do exército em todo o país, caso em que o dinheiro é 
suficiente para atender às suas necessidades. Desde o início dos anos quarenta, sofremos abuso de poder por parte da polícia e de vários 
grupos militares.

E, como se esse contexto não fosse suficiente, mulheres, lésbicas, travestis e transexuais, muitos vivem essa quarentena isolada com seus 
agressores. Desde o início da quarentena até 26 de abril, houve 32 feminicídios e as chamadas para os 144 ** aumentaram 40%, atingindo 87 
feminicídios e trans-feminicídios desde o início do ano. Mais uma vez, vemos a ausência de políticas efetivas para lidar com esse problema e 
o estado patriarcal que ignora a situação de milhares de vítimas de violência machista.

Somos nós, as mulheres, as lésbicas, as travestis, os transexuais, que mais uma vez propusemos nosso corpo a construir redes para levar 
comida a cada família. Continuamos a cuidar e somos os mais expostos todos os dias. É por isso que, no dia dos trabalhadores, denunciamos a 
imposição do trabalho reprodutivo, a dupla exploração e a violência que sofremos em nossos empregos e em nossas casas.

Nossas vidas valem a pena ! Viva os trabalhadores que dão vida ao mundo a partir do trabalho, da vizinhança e da casa ! Por uma quarentena 
sem precariedade, com uma renda para todos os que estão abaixo daqueles sem fome !

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Vive-les-travailleuses-qui-font-vivre-le-monde


Mais informações acerca da lista A-infos-pt