(pt) France, Union Communiste Libertaire UCL - Webdito, Diante da crise, vamos lutar pela autonomia alimentar ! (en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sábado, 2 de Maio de 2020 - 10:28:33 CEST


Por ocasião do Dia Internacional dos Direitos dos Camponeses, em 17 de abril e no contexto da crise de Covid-19, camponeses e trabalhadores 
agrícolas da União Comunista Libertária dizem que é ótimo hora de mudar o lugar da agricultura em nossa sociedade. ---- A crise do 
coronavírus mostra, mais uma vez, que Estados e organizações internacionais apoiam descaradamente a agroindústria e a distribuição em massa. 
Sob o pretexto da saúde, muitos países restringem ou proíbem os mercados ao ar livre, as vendas nas ruas ou nas ruas, enquanto as grandes e 
médias empresas permanecem abertas e parecem lugares seguros e protegidos. Esses mesmos supermercados, onde os trabalhadores são colocados 
na linha de frente e arriscam suas vidas diante da contaminação, a fim de garantir a operação dos locais de consumo em larga escala.

Os pequenos produtores, capazes de garantir vendas diretas e locais, enfrentam, portanto, toda a restrição de seus canais de marketing e 
precisam enfrentar muitas dificuldades em todo o mundo.

Ao mesmo tempo, enquanto as fronteiras estão fechadas, as operações industriais ou semi-industriais reclamam de não recorrer ao trabalho mal 
pago que exploram todos os anos: trabalhadores estrangeiros que desembarcam de ônibus para os chefes precisam e frequentemente sofrem 
condições deploráveis de trabalho, humilhação e violência. O recente julgamento de Arles levado à servidão moderna por trabalhadores 
destacados contra oito empresas agrícolas francesas apenas revela uma parte modesta dessa triste realidade. Hoje, para responder a essa 
falta de mão-de-obra, o governo francês tem uma solução pronta: estudantes e desempregados estão ociosos, irão voluntariamente nos campos e, 
se não,

Agricultor sul-africano.
cc Antoine Jomand
Posse de terras
Ao mesmo tempo, continua a especulação global sobre alimentos básicos, pressionando os preços, enfraquecendo os pequenos produtores e, 
assim, impedindo que parte da humanidade passe fome e ganhe acesso comida de qualidade. A apropriação de terras pelos proprietários de 
terras ou fundos de investimento, a destruição do conhecimento dos camponeses, a introdução excessiva de ferramentas digitais nas práticas 
agrícolas e as práticas de controle que eles provocam estão constantemente desenvolvendo e para afastar a população camponesa.

Esse produtivismo e essa industrialização da agricultura são apenas o espelho do mundo que o capitalismo nos oferece como modelo social 
globalizado.

Não podemos suportar esse sistema agrícola e social. Essa crise nos coloca à força diante do desafio primordial de colocar a autonomia 
alimentar no centro da nossa sociedade. De fato, é fundamental garantir um alimento de qualidade, em abundância e igualdade no acesso a ele. 
No entanto, hoje em dia, a população confinada, diante do medo e das dificuldades de suprimento, recorre aos agricultores locais e pede que 
os supram. Mas a realidade é cruel: no estado atual dos camponeses, não poderemos alimentar a todos se não desenvolvermos a agricultura 
local e camponesa, se não recuperarmos a terra que evapora todos os anos para projetos. artificialização,

cc Laurent Zeller
Para alianças entre classes dominadas de cidades e campos
Além da crise e do recurso temporário aos produtores locais, esperamos que sejam criadas alianças entre as classes dominadas das cidades e 
do campo, que alimentos de qualidade possam ser acessíveis a todos, que o preço o alimento é tão justo para quem o produz, quanto para quem 
o consome. As vendas diretas e o envolvimento de não-camponeses na produção e distribuição de alimentos permitem relações mais justas e mais 
igualitárias, mais autonomia para os produtores e mais autogestão na distribuição de alimentos .

Temos certeza de que não pode haver mudança estrutural no atual sistema agrícola sem a destruição do capitalismo e as relações de dominação 
e mercantilização que ele induz. Nossa agricultura deve ser pensada em nível local, para uma produção diversificada de acordo com as 
necessidades da população vizinha. Queremos a realização de uma agricultura simbiótica e coerente entre os trabalhadores da terra e seu meio 
ambiente, animal e vegetal, bem como com os demais componentes da sociedade que rodeiam essa atividade.

Camponês sem terra brasileiro.
cc Marie-Noëlle Bertrand
Para uma grande revisão das práticas agrícolas e alimentares
Acreditamos que a competição entre os camponeses do planeta, engendrada pelo neoliberalismo, deve ser substituída por relações de ajuda 
mútua e solidariedade. Um internacionalismo de lutas e práticas agrárias !

A questão da agricultura é uma questão que não pode ser deixada de lado pelos movimentos progressistas. Uma revolução social, libertária e 
ecológica não pode ser bem sucedida sem uma revisão radical das práticas agrícolas e alimentares.

Devemos refletir politicamente e agir concreta e radicalmente como camponeses no lugar da agricultura na sociedade que queremos amanhã e 
trazer pessoas que não pertencem ao "  mundo agrícola  " para liderá-lo com nós

Que as lutas e resistências camponesas floresçam e que lutas sociais triunfem !

O grupo de trabalho Agricultura da União Comunista Libertária
https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Face-a-la-crise-luttons-pour-l-autonomie-alimentaire


Mais informações acerca da lista A-infos-pt