(pt) COVID-19: não vamos voltar à normalidade! - Confederação Internacional do Trabalho CIT

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sexta-Feira, 1 de Maio de 2020 - 08:14:29 CEST


É difícil escrever sobre o coronavírus desde Madri, uma das cidades mais afetadas do mundo. O número de mortes, apenas na região, é maior do 
que em toda a China. A mídia e os governantes nos dizem que a situação está melhorando lentamente, mas centenas de pessoas continuam a 
morrer todos os dias. Os vizinhos que eu conhecia do meu bairro faleceram. Outros estão gravemente doentes, incluindo colegas 
sindicalizados. Isso é muito difícil. Todo mundo quer que isso acabe. ---- O sentimento de isolamento e frustração abundam na quarentena. 
Meninos e meninas não pisam nas ruas há mais de um mês. Seu estresse e ansiedade se mostram de diferentes maneiras. Especialmente os mais 
novos, que não entendem o que está acontecendo. Mas o confinamento é rigorosamente aplicado e nenhuma exceção é feita. Para muitas famílias, 
em acomodações compartilhadas e lotadas ou com más condições sanitárias, a situação é ainda pior. Isso é realmente difícil. Nós queremos de 
verdade que isso acabe.

Muitos empregos e meios de subsistência desapareceram. Mais de três milhões de trabalhadores em toda a Espanha foram demitidos 
temporariamente e 800.000 empregos foram destruídos somente no mês de março. Setores cruciais para a economia (turismo, hotelaria...) são 
devastados e as previsões são desencorajadoras. A imagem é muito semelhante em todo o mundo. Isso será ainda mais difícil e não parece que 
acabará em breve.

Enquanto isso, o restante dos problemas enfrentados por nossas sociedades, antes da atual crise, ainda estão aí. Desigualdade, pobreza e 
exploração são impostas em todo o mundo, regimes autoritários e populismo xenófobo não desaparecem, e o aquecimento global e suas 
consequências continuam a acelerar.

Quando isso acontecer, quando o Covid-19 finalmente acabar, teremos que trabalhar para consertar esse mundo injusto. A situação em que 
vivemos, essa experiência coletiva, é um alerta, um choque. Agora é evidente que ignorar ou não prestar atenção a todos esses problemas 
globais tem consequências terríveis. Nós podemos nos esforçar por todos os meios para não pensar neles, continuar com nossas vidas como se 
nada tivesse acontecido. Mas cedo ou tarde eles entrarão furtivamente em nossa casa pela porta dos fundos.

Nada voltará a normalidade. Não devemos voltar à normalidade. Não podemos acreditar que o Estado e os políticos (qualquer Estado, qualquer 
político) nos manterão seguros, porque é óbvio que eles não o farão. Nem engolir toda essa farsa liberal de uma economia que cresce 
eternamente, porque as evidências mostram que isso não é verdade. Nem vender nossas vidas diariamente, em trabalho sem sentido, por horas 
sem fim. Nem desistir de nossa capacidade de decisão coletiva e delegá-la aos burocratas eleitos nas urnas...

O medo é onipotente e as pandemias são assustadoras. É provável que muitas pessoas estejam dispostas a abrir mão de direitos e liberdades, 
esperanças e aspirações em troca de uma promessa de segurança e saúde. Mas a única maneira de superar o medo é a confiança. Confiemos em nós 
mesmos, em nossa força coletiva, no apoio mútuo e no companheirismo, na solidariedade... Para que essa comunhão e solidariedade possam ser 
eficazes, que iluminem nossas vidas e que possamos aproveitá-las efetivamente para lidar com questões candentes. Globalmente, precisamos 
criar organizações poderosas que nos unam. Elas podem ser sindicatos autogerenciados, associações de inquilinos, grupos contra cortes 
sociais e austeridade, campanhas de ambientalismo radical, coletivos feministas ou qualquer outro. Todos eles, e muitos mais, são 
necessários para realizar a transformação, em escala revolucionária, de que precisamos. Só o povo salva o povo!

Por tudo isso, não retorne, não retornemos à normalidade. Desta vez, vamos ficar ativos e começar a lutar.

Miguel Pérez, secretário da CIT

1 - Vigilância e regimes autoritários
Nas últimas décadas, houve um aumento no número de regimes autoritários que combinam pouca ou nenhuma liberdade política com o selvagem 
capitalismo de mercado. Sem dúvida, o paradigma a esse respeito é a China, mas existem muitos outros, como Rússia, Turquia, Arábia Saudita, 
etc. Ao mesmo tempo, o populismo conservador tem aumentado praticamente em todos os lugares. Não apenas nos países desenvolvidos, onde a 
desculpa da imigração costuma ser usada para justificar uma virada mais ampla à direita do espectro político, mas também em lugares como a 
Índia.

Enquanto isso, a vigilância de cidadãos e consumidores pelo Estado e empresas se tornou comum em todo o mundo.

Agora, a crise do coronavírus deu a esses desenvolvimentos outra reviravolta. Claramente, a capacidade de impedir a propagação da doença tem 
sido muito diferente de um país para outro. Provavelmente, nenhum foi tão bem-sucedido quanto a Coréia do Sul, mas parece que a China também 
não se saiu mal, considerando as circunstâncias e até mesmo considerando que o nível de manipulação dos números oficiais pode ser muito 
alto. Por outro lado, a Itália, a Espanha e os Estados Unidos parecem estar atrasados e tiveram taxas de mortalidade muito mais altas do que 
em qualquer outro lugar do mundo.

Pode haver muitas razões para explicar essas diferenças, e cada caso é único. Este não é o cenário adequado para uma discussão aprofundada 
dessa diferença. No entanto, pode-se dizer com certeza que a vigilância e o controle que alguns Estados asiáticos mantêm sobre seus cidadãos 
foram vistos por muitos como uma das principais razões para esse sucesso. Também o fato de que um governo autoritário, como o chinês, foi 
capaz de tomar rapidamente medidas mais severas de contenção no início do surto e aplicá-las sem oposição.

É de se temer que, em geral, um resultado provável da crise da saúde seja a aceitação generalizada de regimes mais autoritários e, 
certamente, de uma maior vigilância estatal. Já existem vozes apontando nessa direção. O uso que as autoridades sul-coreanas fizeram de 
reconhecimento facial, rastreamento de aplicativos, registros de telefones celulares etc. para localizar pessoas infectadas, certamente fará 
com que muitas pessoas considerem essas ações mais aceitáveis no futuro próximo. Afinal, quando a própria vida está em risco, toda a 
discussão fica ociosa e o medo é uma motivação muito poderosa.

Mas essas ferramentas de vigilância também são uma parte fundamental dos regimes autoritários modernos (outra é a conhecida repressão física 
de oponentes). Jogue tudo isso junto com políticos nacionalistas, exagerados, populistas xenófobos e conservadores raivosos, ditadores 
pseudo-comunistas ou governos teocráticos e o barril de pólvora está pronto para explodir a qualquer momento.

Parece que teremos uma ou duas lições para aprender com os manifestantes de Hong Kong sobre como manter nossos movimentos seguros diante da 
vigilância maciça e da repressão estatal.

2 - Pagar para seguir igual
Não há dúvida de que a crise da saúde irá destruir a economia global. Isso já foi feito até certo ponto, mas nos próximos meses será muito 
mais perceptível. Os números são tão conhecidos quanto surpreendentes, não há necessidade de repeti-los agora. As previsões são terríveis. 
Na verdade, você não precisa ser um economista premiado com o Nobel para entender que milhões de trabalhadores que perdem empregos e 
empresas que quebram em todo o mundo podem rapidamente se transformar em um desastre para os bancos, as bolsas de valores e o mundo 
financeiro em geral.

Logo após a recessão de 2008, uma perspectiva assim é aterrorizante para os governos. Tanto é assim que muitos estavam prontos para jogar a 
vida de seus cidadãos para manter a economia funcionando. Pense nos EUA, no Reino Unido etc. Uma vez que isso se provou inviável, todo mundo 
correu para retirar um talão de cheques e retirar pacotes de estímulos bilaterais do nada. O mesmo dinheiro que não foi encontrado nos 
últimos anos de cortes e medidas de austeridade se materializou subitamente e está pronto para ser distribuído generosamente. Nossos 
camaradas da USI na Itália já apontaram os efeitos dos cortes no sistema de saúde em seu país e suas repercussões na atual crise 
(https://www.icl-cit.org/italy-statement-by-usi-cit -trabalhadores de saúde/). Certamente, o mesmo poderia ser dito de qualquer outro lugar.

Já vivemos isso antes. Após o colapso financeiro de 2008, em meio a um discurso de apelos à reforma do capitalismo, milhões foram usados 
para resgatar bancos e outras empresas. Os discursos desapareceram rapidamente da memória, os donos das grandes empresas embolsaram o 
dinheiro, sem nem dizer obrigado, e depois deixaram os trabalhadores arcarem com o peso de seu salvamento, através de cortes e austeridade. 
Nada aconteceu, exceto um agravamento das condições de trabalho e de vida dos trabalhadores.

Muito provavelmente, agora todos esses bilhões em pacotes de estímulo serão usados para manter o bombeamento de petróleo, aviões voando, 
carros em movimento, navios navegando, usinas queimando carvão, pecuaristas derrubando a floresta tropical, fábricas que produzem lixo 
plástico barato para o Halloween e o Natal, as máquinas costurando itens de moda, as empresas de tecnologia lançando seus mais recentes 
gadgets ... como até agora.

De fato, esse é o plano. A intenção é voltar a como as coisas eram o mais rápido possível, fingir que o COVID-19 nunca aconteceu e continuar 
ignorando os muitos outros problemas globais existentes. Mas se essa pandemia provou alguma coisa, é que, embora nossas sociedades sejam 
muito boas em brincar de loucas e surdas diante de problemas, essa abordagem realmente não funciona. Fazer com que cada um faça o que 
quiser, lidando apenas com as tarefas diárias e acreditando que especialistas e políticos vão nos manter seguros não é uma estratégia 
viável. Obviamente nunca foi, mas agora ninguém pode negar. A crise da saúde é o alerta para perceber que estamos com merda até o pescoço.

3 - Pagar para ter outra crise
Alguns salientaram que a crise do coronavírus está se mostrando benéfica para o meio ambiente. Os níveis de poluição caíram para níveis 
mínimos e animais e plantas estão recuperando espaços naturais, agora abandonados pelos seres humanos durante a quarentena. No entanto, 
mesmo que alguém considere essas boas notícias, dada a enorme crise humanitária que estamos enfrentando, é mais provável que esses efeitos 
tenham vida curta. De fato, o resultado final pode ser ainda pior para o meio ambiente.

Por um lado, essas mudanças são apenas temporárias. Por outro lado, empresas e governos já estão solicitando que muitas medidas de proteção 
ambiental sejam revogadas e que planos anteriores de sustentabilidade sejam estacionados, no interesse da recuperação econômica. Isso se 
traduzirá em novas usinas a carvão para fornecer energia barata o mais rápido possível às fábricas em dificuldades, mais plataformas de 
petróleo ou combustíveis subsidiados para beneficiar as companhias aéreas e o transporte, para citar apenas algumas iniciativas. Mesmo 
considerando a redução da demanda que pode ocorrer como resultado da desaceleração econômica, a atual crise da saúde pode ser muito 
prejudicial ao meio ambiente.

No entanto, nem o aquecimento global nem a emergência climática retardaram seu progresso. Eles não vão desaparecer só porque estamos em 
quarentena, cuidando de outras coisas. O derretimento das calotas polares continua a acelerar, o nível do mar não para de subir, nem as 
florestas de queimar. De fato, existem estudos que relacionam a recente proliferação de pandemias com a invasão humana em espaços naturais e 
sua degradação.

Mas a emergência climática não é a única que afeta o planeta no momento. A desigualdade econômica, a pobreza e a exploração continuam a 
atormentar comunidades inteiras em todo o mundo. Nesse caso, os efeitos da crise da saúde podem ser devastadores. Não apenas porque o acesso 
à assistência médica é limitado. Por exemplo, as taxas de infecção e morte por coronavírus são muito mais altas em comunidades empobrecidas 
(predominantemente negras) nos Estados Unidos. Mas também, como em crises econômicas anteriores, é mais do que provável que o peso da 
desaceleração recaia sobre a classe trabalhadora global. Da América do Norte à América do Sul, da Europa à Ásia, há a mesma classe 
trabalhadora que sentirá (já está sentindo) os efeitos da crise econômica.

Se tomarmos como referência o colapso de 2008, se prevê que os empregos sejam perdidos, os salários sejam reduzidos, os despejos e os 
sem-teto aumentem, e as condições de trabalho e de vida em geral piorem. As comunidades mais pobres, nos países chamados "em 
desenvolvimento", estão enfrentando diretamente uma possível fome, enquanto em outras partes do mundo a marginalização e a exclusão social 
podem ser generalizadas. Enquanto isso, banqueiros e empresários receberão generosos pacotes de estímulo do governo às custas do dinheiro 
dos contribuintes, e certamente encontrarão algum mecanismo, legal ou financeiro, para colocá-lo no bolso. Não é de se admirar que a 
desigualdade tenha disparado após cada crise econômica anterior.

4 - Só o povo salva o povo
Nossos companheiros e companheiras da FORA-Argentina disseram isso muito claramente 
(https://www.icl-cit.org/es/argentina-sobre-el-coronavirus-y-la-clase-trabajadora). Não dê bilhões de dólares em pacotes de estímulo aos 
nossos chefes. Dê aos trabalhadores e nós cuidaremos de nós mesmos e de nossas comunidades!

Certamente, diante da perspectiva de colapso ecológico e econômico, as comunidades da classe trabalhadora poderiam usar esse dinheiro para 
criar formas alternativas de gerenciamento de recursos, que atendam aos interesses de todas as pessoas e não dos acionistas, que respeitem o 
meio ambiente e erradiquem a desigualdade e a exclusão social. Neste ponto, ninguém pode dizer que o planeta não precisa de sistemas de 
saúde melhor financiados, moradia e saneamento adequados para todos, acesso garantido à educação, fontes de energia ambientalmente 
sustentáveis, condições de vida decentes ... para começar.

Nenhuma dessas coisas será alcançada resgatando empresas que lucram com a poluição do meio ambiente, com a exploração do trabalho e que 
distribuem bônus e dividendos generosos. Nem dar dinheiro individualmente aos consumidores para que eles possam gastar. A solução adotada 
pelo governo Trump diante de uma crise sistêmica mortal como esta, a solução de "aqui está, para que você possa comprar algo bonito", é o 
melhor exemplo da mentalidade de mercado, que reduz problemas sociais às opções do consumo individual. Como se comprar roupas ou carros 
novos fizesse o vírus desaparecer.

Não. Os problemas sociais e sistêmicos requerem soluções sociais e sistêmicas. E não haverá nenhuma delas se os governos se dedicarem a 
despejar bilhões, de mãos dadas, para salvar uma economia doente. Nem diretamente, nem promovendo gastos e consumo. São necessárias mudanças 
drásticas e duradouras. Tão drásticas que, de fato, elas seriam revolucionárias. Uma transformação revolucionária que nenhum Estado, 
governo, empresário ou político está disposto ou capaz de realizar.

Nos próximos meses e anos, caberá a nós, trabalhadoras e trabalhadores de todo o mundo, imaginar e construir uma solução. Considerando os 
muitos problemas que devemos enfrentar, pode parecer um empreendimento destinado ao fracasso. No entanto, unindo forças, construindo 
movimentos descentralizados baseados na solidariedade e na ajuda mútua e desenvolvendo organizações fortes, com laços e redes 
internacionais, não há nada que a inteligência coletiva de centenas de milhões de pessoas não consiga alcançar. Nós somos uma força 
imparável. Com as ferramentas à nossa disposição para interagir, comunicar e compartilhar, não há nada que possa nos impedir. É normal, na 
situação atual, que pensar no futuro nos oprima e nos preocupe, se considerarmos apenas a resposta que políticos e empresários podem dar. É 
por isso que somos nós, trabalhadoras e trabalhadores, empregados ou desempregados, pensionistas, estudantes, imigrantes... que podemos 
coletivamente traçar o caminho a seguir. A única vacina contra o medo é a confiança em nossa própria habilidade e capacidade.

No entanto, a solidariedade e a ajuda mútua precisam de organizações fortes para serem mais do que atos individuais de bondade, para se 
tornarem forças sociais por direito próprio, com potencial ilimitado de transformação. Proteger o meio ambiente não pode ser reduzido às 
escolhas pessoais de consumidores, como muitas empresas e governos com verniz verde desejam que acreditemos. Exige que potentes grupos 
ecológicos radicais ponham as mãos na massa. A igualdade de gênero não será alcançada apenas mediante a aprovação de leis. Uma mudança 
cultural consistente é essencial, o que só pode vir das mãos de mulheres e homens que lutam contra o machismo no seu dia a dia. Xenofobia, 
racismo e nacionalismo agressivo não vão desaparecer, a menos que os expulsemos de nossas ruas.

Por fim, os vírus mortais da desigualdade, pobreza e exploração continuarão a dominar a ordem internacional enquanto permitirmos que 
definidas pelas forças da globalização capitalista. Nesse sentido, os sindicatos revolucionários e anarcossindicalistas são ferramentas à 
nossa disposição para combater e defender os direitos dos trabalhadores. Sem dúvida, isso será essencial em tempos de desaceleração 
econômica, para que a classe trabalhadora não seja obrigada, mais uma vez, a arcar com os custos da crise. Mas tem mais. Eles também são 
partes integrais essenciais de qualquer movimento de transformação social e econômica. As seções dos sindicatos revolucionários no local de 
trabalho formam a base a partir da qual a produção pode ser redesenhada para atender às necessidades vitais das pessoas. Eles são os tijolos 
com os quais construir uma economia que protege a vida, nossas vidas, e não o lucro.

Só o povo salva o povo. Somente nós podemos nos salvar. Os problemas coletivos e globais que temos que enfrentar são muitos e bastante 
complexos. Portanto, é essencial que todos nós ponhamos mãos à obra voltem. Já não se pode mais continuar olhando para o outro lado. Desta 
vez têm-se que lutar e tornar-se um militante.

Confederação Internacional do Trabalho

LUTAFOB
28 DE ABRIL DE 2020
COMPARTILHE ISSO:
IMPRIMIRE-MAILFACEBOOKTWITTER
CURTIR ISSO:
Relacionado
Itália | Comunicado do setor de saúde da União Sindical Italiana (USI-CIT)
EM "CIT"
CIT | Ações de apoio à FGWM-MYANMAR, a solidariedade não pode ser colocada em quarentena!
EM "CIT"
SIGA-SC | Os grandes supermercados não se importam com as nossas vidas!
EM "COVID-19"
Deixe um comentário

Navegação de posts
ANTERIOR

https://lutafob.wordpress.com/2020/04/28/cit-coronavirus-nao-vamos-voltar-a-normalidade/


Mais informações acerca da lista A-infos-pt