(pt) France, Union Communiste Libertaire AL #304 - Antifascismo, Eleições municipais: primeiro turno, o RN cria raízes (en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Sexta-Feira, 1 de Maio de 2020 - 08:07:54 CEST


No contexto de uma pandemia global, o governo ainda manteve a primeira rodada. Nessas eleições, o Rally Nacional (RN) quis usá-lo como o 
primeiro trampolim para as eleições presidenciais de 2022. Ele geralmente perdia a aposta, mas consolidava suas posições locais. ---- Embora 
a mídia tenha anunciado uma centena de prefeituras que poderiam potencialmente mudar para a extrema direita, registra resultados muito 
abaixo de suas expectativas. Primeiro, o RN só conseguiu depositar 430 listas, contra 600 em 2014, o que atesta sua dificuldade em manter 
equipes militantes ao longo do tempo. ---- Podemos pensar que o voto do RN permanece principalmente um "voto de rejeição", com uma adesão 
episódica, e que os contínuos contratempos do partido (negócios, traições, peculato, ...) minaram a "desdiabolização" iniciada há dez anos 
anos. O número de membros oficiais caiu para 20.000, em comparação com os 50.000 reivindicados em 2017. Assim, em muitas regiões 
(principalmente na Ilha de França), a presença do RN era mínima, ou mesmo nula.

Ciente de sua fragilidade, o RN priorizou as regiões Norte e Sudeste, na esperança de vencer em 50 cidades, contra 11 em 2014. Essa 
estratégia não deu resultado: apenas algumas cidades da bacia mineira, em Hérault, du Gard e a região de Paca têm uma lista de RN que pode 
ser mantida no segundo turno e muito poucos estão em uma posição favorável. Esse desempenho inferior certamente alivia, mas não devemos nos 
alegrar muito ...

Um revés para os antifascistas
De fato, esses resultados são distorcidos pela abstenção recorde que, acentuada pela epidemia, atingiu 54,5%.

Então, mesmo levando isso em consideração, os prefeitos do RN já instalados obtiveram excelentes pontuações: seis deles foram reeleitos no 
primeiro turno: David Rachline em Fréjus (50,6%), Steeve Briois em Hénin-Beaumont (74,21%), Joris Hébrard em Pontet (57,2%), Julien Sanchez 
em Beaucaire (59,5%), Franck Briffaut em Villers-Cotterêts (53,46%) e Philippe de Beauregard em Camaret Aigues (70,22%). Somente 
Mantes-la-Ville (78), onde o RN fez 30% no primeiro turno, pode ser perdido.

Apesar do trabalho de resistência fornecido pelos sindicatos locais, é claro que a gestão da administração do RN se tornou comum na paisagem 
local, tanto entre o eleitorado quanto entre as partes concorrentes.

Finalmente, se a famosa onda azul marinho não se rompeu, a extrema direita continua ganhando terreno. Perpignan pode ser a primeira cidade 
de mais de 100.000 habitantes sob gestão do RN: Louis Aliot está na liderança com 35,65% dos votos. Mesmo com um resultado pior do que o 
esperado, Stephane Ravier, em 7 a th Marseille área, perto de 20%.

Na região de Orange, como na antiga bacia de mineração em torno de Lens e Hénin-Beaumont, uma continuidade territorial RN, e mais amplamente 
da extrema direita, está emergindo, mesmo que hoje ainda haja muito Candidatos "apolíticos" relutam em exibir o rótulo. Em muitos lugares, 
especialmente no sudeste, os partidos de direita desistiram de qualquer idéia de um "dique "republicano.

Diante disso, carecemos de um antifascismo popular e amplo para combater as idéias nacionalistas e seus representantes. O risco nacionalista 
está aí. Vamos tomar a medida e nos organizar adequadamente.

A comissão antifascista

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Elections-Municipales-Premier-tour-le-RN-s-enracine


Mais informações acerca da lista A-infos-pt