(pt) France, Union Communiste Libertaire AL #303 - Municípios: Chefes como os outros (en, fr, it)[traduccion automatica]

a-infos-pt ainfos.ca a-infos-pt ainfos.ca
Terça-Feira, 31 de Março de 2020 - 09:20:06 CEST


Nas comunas, o prefeito, seja da esquerda ou da direita, permanece um patrono como os outros, em um sistema capitalista. Até os municípios 
chefiados por um prefeito do PCF usam argumentos falsos para atender às demandas dos funcionários municipais. ---- Em um determinado número 
de municípios, os candidatos à esquerda serão eleitos nas listas PCF, LFI, EELV ou "cidadão". Não se trata de exaltar quem vai votar nessas 
listas ou mesmo fazer campanha. ---- Também não se trata de dizer que uma administração municipal de direita tem as mesmas consequências 
para os habitantes, e em particular as da classe trabalhadora, como uma administração de uma prefeitura comunista: temos visto nas últimas 
eleições com a passagem à direita de municípios como Villejuif (94) ou Bobigny (93), por exemplo. No cardápio: planos urbanos locais (PLU), 
permitindo que os desenvolvedores engordem em detrimento das paisagens urbanas e do meio ambiente, a aceleração do colapso dos serviços 
públicos, práticas insuportáveis da máfia.

No entanto, devemos lembrar uma verdade intangível: em um sistema capitalista, o município continua sendo um chefe, às vezes o primeiro 
chefe do departamento, empregando uma força de trabalho que pode ser contada em centenas, milhares ou dezenas de milhares de funcionários. 
Nesse contexto, qualquer que seja a cor política do município, a solidariedade dos comunistas libertários sempre será dirigida aos 
trabalhadores do município que lutam por suas condições de trabalho e pela melhoria do serviço público.

Tomemos o exemplo de uma luta recente em Montreuil (93). Esta grande cidade (mais de 100.000 habitantes) de Seine-Saint-Denis sempre foi 
administrada por partidos de esquerda, SFIO, PCF, então ambientalistas e, finalmente, novamente PCF desde 2014, na pessoa do prefeito 
Patrice Bessac. A prefeitura emprega mais de 2.000 funcionários, que, como em outros lugares, têm reivindicações a afirmar.

Em Montreuil, um estudo de caso e Atsem
A partir de setembro de 2017, os sindicatos da CGT e da CNT nos territórios estão se mobilizando para obter 30 posições Atsem (agentes 
territoriais que auxiliam os instintos nas classes). Eles também reivindicam melhores condições de trabalho para os agentes que trabalham 
nas escolas e denunciam as substituições em grandes áreas, o recurso maciço ao pessoal precário, a ausência de direito ao treinamento.

A resposta da prefeitura ? " Não é nossa culpa, é o estado que está nos cortando. Na época, AL Montreuil, por meio de folhetos distribuídos 
em frente aos serviços municipais, respondeu: sim, o estado capitalista é responsável pela transferência de grandes somas das comunidades 
para as empresas (cerca de 30 bilhões euros apenas durante o período de cinco anos da Holanda).

Mas não, a prefeitura de Montreuil não pode usar esse pretexto para não satisfazer demandas que, na realidade, representam orçamentos muito 
baixos: cerca de 0,1% da folha de pagamento para contratação de demandas, por exemplo. A prefeitura, mesmo a PCF, não pode se apoiar nas 
reivindicações legítimas dos funcionários !

Jules (UCL Montreuil)

https://www.unioncommunistelibertaire.org/?Municipalites-Des-patrons-comme-les-autres


Mais informações acerca da lista A-infos-pt